1. Spirit Fanfics >
  2. My Hero Academia: O Segredo das Ilhas Fervilhantes >
  3. Capítulo 1: A Aprendiz da Mulher Coruja

História My Hero Academia: O Segredo das Ilhas Fervilhantes - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Sejam todos muito bem vindos á minha nova fanfic de fantasia! Esta história resume - se apenas numa palavra! Mágica! Espero que gostem e boa leitura!😘✌️

Capítulo 1 - Capítulo 1: A Aprendiz da Mulher Coruja


Fanfic / Fanfiction My Hero Academia: O Segredo das Ilhas Fervilhantes - Capítulo 1 - Capítulo 1: A Aprendiz da Mulher Coruja

Já se perguntaram se a magia realmente existe? E se existe, onde podemos encontrá - la? O que quase ninguém sabe, é que existe um mundo paralelo ao nosso, que está repleto de magia! No entanto, nunca nenhum humano conseguiu lá chegar. Bom. Pelo menos até uma jovem rapariga ter ido lá parar por acidente. Luz Noceda é uma menina latino - americana fora do comum. Ela sempre gostou muito de histórias de fantasia e aventura. Se lhe perguntassem qual era a sua coisa preferida no mundo inteiro, Luz com toda a certeza iria responder que era a sua coleção de livros da " Azura: A Bruxa Boa". Ela sempre teve uma grande imaginação e bastante criatividade. Infelizmente nem todos apreciavam essas suas qualidades. Uma vez, Luz foi chamada ao gabinete do diretor da sua escola, por ter tentado encenar uma das cenas dos seus livros com cobras verdadeiras. Por conta disso, a sua mãe decidiu enviá - la para um acampamento de férias durante três meses, na esperança de que a filha se tornasse numa rapariga madura. Só que Luz não contava que momentos antes de partir para o tal acampamento, ao perseguir uma estranha coruja que lhe roubou um dos seus livros, fosse atravessar por engano uma porta mágica que a conduziu até às Ilhas Fervilhantes. Um lugar onde todas as fantasias que os humanos imaginavam iriam parar: bruxas, feiticeiros, fadas, demónios...

Lá, a jovem Luz conhece uma bruxa fora da lei chamada Eda que é conhecida por todos como A Mulher Coruja. Junto de Eda e do seu pequeno demónio de estimação King, Luz tem várias aventuras emocionantes e acaba por se tornar aprendiz de bruxa. Durante a sua estadia nas ilhas, a jovem humana faz amigos e inimigos e matricula - se na Escola de Magia e Demonologia de Bruxóvia onde espera vir a ser uma grande bruxa assim como Eda e passa a viver com a mesma na Casa da Coruja.

A nossa história começa num dia "normal" nas Ilhas Fervilhantes. As fadas esvoaçam pelos ares e as bruxas e feiticeiros vendiam os seus produtos encantados no mercado local. Os primeiros raios de sol adentram pelo quarto de Luz despertando a jovem humana.

— Awwwwwnnnnn - boceja Luz. - Ora muitos bons dias Casa da Coruja!

Luz levanta - se da cama, veste o seu uniforme da escola de magia e desce para tomar o pequeno almoço.

— Bom dia Eda! - cumprimentou a jovem sentando - se á mesa junto da sua mentora.

— Bom dia. - respondeu Eda ainda bastante sonolenta. - Estás muito animada hoje Luz.

— Podes crer que estou! Hoje vamos aprender a fazer poções de amor na escola! - disse Luz com um brilho de entusiasmo nos olhos.

— Pois. Imagino que sim. - murmurou a mulher coruja com um sorriso de canto.

— Onde está o King? - perguntou a Luz notando de repente a falta do pequeno demónio.

— Ele foi á caça. - respondeu a Eda bebericando o seu café.

— Á caça? - estranhou a jovem humana. - Á caça de quê?

— De carteirinhas! - exclamou a mulher coruja rindo sacana.

— A sério Eda? Depois queixas - te de que o teu cadastro só aumenta! - ralhou Luz.

— Como é que tu queres que eu pague as minhas contas no final do mês? - perguntou Eda esperando uma resposta da sua aprendiz.

— Eda. Tu és uma bruxa super poderosa com uma casa mágica! - retorquiu a jovem humana. - Tu não precisas de pagar as contas!

— Preciso sim! - disse a mulher coruja rindo com marotice. - As contas dos meus caprichos!

— Sem comentários. - rendeu - se a Luz levando a mão á cara. - Já agora Eda! Há uma coisa que eu tenho andado para te perguntar!

— Diz. - disse Eda já esperando uma pergunta muito difícil de responder.

— Achas que existem mais humanos como eu nas Ilhas Fervilhantes? - perguntou Luz com um semblante sério no rosto.

— É assim. Eu penso que não Luz! - respondeu a mulher coruja meio sem jeito. - Pelo menos antes de ti eu nunca vi nenhum outro humano por estes lados! Mas porque é que perguntas isso?

— É só por curiosidade mesmo! - respondeu a Luz um pouco constrangida.

—  Bem. Agora eu acho melhor ires andando para a escola antes que chegues atrasada!  - alertou Eda.

— O King chegou minhas queridas! - sinalizou o pequeno demónio entrando em casa com um ar de vitória.

— Bom dia King! - cumprimentou a Luz enquanto acabava o seu pequeno almoço.

— Espera aí King! O que é que estás a fazer com o meu bastão mágico? - perguntou a mulher coruja zangada.

— Levei - o emprestado para me ajudar a apanhar carteiras! - respondeu o King orgulhoso de si próprio e mostrando logo de seguida um saco cheio de carteiras. - E funcionou muito bem! Olha só o saque que eu trouxe!

— King! Já sabes que eu não gosto que mexam no meu bastão! - exclamou a Eda arrancando o bastão das mãos do pequeno demónio. - Muito menos sem me pedirem!

— Vá lá Eda! O King não fez por mal! - disse a Luz pegando de seguida no bastão da Eda sem ela ter sequer tempo de reagir. - Além do mais, quem é que não quereria pegar nesta coisa maravilhosa?

A jovem aprendiz de bruxa começa a dançar pela sala com o bastão mágico da mulher coruja nas mãos.

— Luz! Isso não é um brinquedo! - sinalizou Eda começando a entrar em pânico. - Tem cuidado com isso!

— Não te preocupes Eda! - acalmou - a Luz. - Eu sou muitíssimo cuidadosa!

Mal acabou de dizer estas palavras, Luz bate com o bastão de Eda no chão e rapidamente o mesmo solta um raio de poder mágico que acerta em cheio na mala que estava em cima do sofá, fazendo - a desaparecer no ar.

— A MINHA MALA! - gritou a mulher coruja desesperada.

— Hihihi! Fod**! - ria King da desgraça de Eda.

— Ups! Não era suposto isto acontecer! - exclamou a jovem humana sabendo que iria sobrar para ela.

— Luz! A tua sorte é teres que ir para a escola! - ralhou a Eda gesticulando os braços de tão zangada que estava. - Mas quando voltares vais ter de me ajudar a trazer a minha mala de volta! Entendido?

— Sim senhora! - respondeu Luz borrada de medo e fazendo sentido.

— AGORA DESAPARCE DA MINHA FRENTE! - berrou a mulher coruja furiosa.

Com isso, Luz saiu a correr de casa deixando para trás uma Eda fula da vida e um King rindo á gargalhada. A sorte da jovem aprendiz de bruxa é que iria aprender a fazer poções de amor para ajudá - la a esquecer da asneira que tinha feito. Agora devem estar a perguntar - se o porquê de a Eda ter ficado tão zangada por causa de uma mala. É que essa mala era mágica! Ela tinha o poder de se transformar numa porta que servia de passagem entre o Mundo dos Humanos e as Ilhas Fervilhantes. Na verdade, foi através dessa porta que a nossa Luz conseguiu chegar às ilhas. Agora eu pergunto - vos. Para onde foi parar a mala mágica? Acontece que a mala foi parar ao Mundo dos Humanos! Mais precisamente, ela mostrou - se no meio da bagagem de um jovem rapaz de cabelos verdes num aeroporto. O seu nome era Izuku Midoriya ou apenas Deku para os amigos. Ele e os seus colegas que o acompanhavam não eram adolescentes comuns. Eles tinham super poderes! E juntos estudavam na U.A. Uma escola famosa por ensinar os seus alunos a se tornarem super - heróis! Agora, Deku e os seus amigos, tinham terminado o seu primeiro ano do Curso de Heróis e iriam passar uns tempos de férias na Colónia Beyblade que tinha sido organizada pela equipa de Bladers mais forte da região. O BC Sol! E o que é Beyblade? Beyblade é um jogo com piões de combate, cujo o único objetivo é eliminar os piões do adversário em batalha! Neste momento, os nossos heróis estavam num aeroporto em Espanha, preparados para as suas tão merecidas férias.

— Izuku! Despacha - te! O autocarro deve estar mesmo quase a chegar! - alertou a namorada do Deku. Ochako Uraraka.

— Vou já! - sinalizou o rapaz de cabelos verdes pegando na sua bagagem sem notar que no meio dela, havia uma mala que não era sua.

— Finalmente estamos de férias! - festejou Denki Kaminari.

— E olha que nós bem merecemos! - concordou a namorada do mesmo que vinha ao seu lado. Kyoka Jiro.

— Foi um ano letivo cheio de surpresas! - comentou o Mashirao Ojiro.

— Podes crer meu! - concordou Tetsutetsu Tetsutetsu. - Principalmente por termos de enfrentar "quem nós sabemos" duas vezes!

— Nem me digas nada! - queixou - se Neito Monoma, o melhor amigo de Tetsutetsu. - Eu faria de tudo para esquecer esse tipo!

— Já somos dois! - acrescentou o Deku lembrando - se do que tinha acontecido duas semanas antes.

— O que interessa é que superámos todas as dificuldades e agora estamos prontos para curtir! - exclamou o Eijiro Kirishima. - A Colónia Beyblade vai ser demais!

— Afinal qual é a graça de um jogo com piõezinhos a chocar uns com os outros numa mini - arena? - criticou o namorado de Kirishima. Katsuki Bakugou.

— Credo Suki! Não sejas tão desmancha - prazeres! - disse o ruivo inflando as bochechas amuado.

— Desculpa Eiji. Só estou a ser realista. - respondeu o loiro explosivo revirando os olhos por causa do exagero do namorado.

— Então vai ser realista para a pu** que te pariu! - resmungou o Shihai Kuroiro.

— Olha lá ó Shihai! - gritou o Bakugou já perdendo a paciência. - Queres levar com uma explosão no c*?! Então cala a boca e não me chateies!

— Parem com isso vocês os dois! - ralhou a Mono Yaoyorozu. - O autocarro acabou de chegar!

— Muito bem alunos! Ponham - se em fila e entrem ordenadamente no autocarro! - ordenou o Prof. Aizawa no seu tom de tédio do costume.

Quando o herói apagão deu por isso, os alunos já estavam todos aos empurrões para ver quem entrava primeiro no autocarro (menos a Yaoyorozu, o Tenya Iida, a Itsuka Kendo e o Jurota Shishida que olhavam para os colegas tipo fo** - se!). 

— Mas porque é que eles nunca me ouvem cara***? - queixou - se Aizawa abanando a cabeça.

— Estes adolescentes! - disseram o All Migth e o Prof. Vlad King em uníssono.

Uns minutos mais tarde já estavam todos dentro do autocarro prontos para partirem.

— Pensava que tinhas mais juízo que isto Shoto! Francamente! - ralhou a Yaoyorozu com o seu namorado. Shoto Todoroki.

— Desculpa meu amor. - lamentou o meio a meio rindo sem graça. - Quando me desafiam, eu não me controlo.

— Tem todos o cinto posto? - perguntou o All Migth. 

— Eu preciso de ajuda com o meu Papá Migth! - pediu a pequena Eri que os acompanhava na viagem.

Todos ali presentes derreteram - se com a fofura da menina de cabelo branco. Principalmente o antigo herói número um que logo a ajudou a pôr o cinto.

— Não estás animado com a Colónia Beyblade Deku? - perguntou a Uraraka que não conseguia conter o entusiasmo.

— Claro que sim! - respondeu o Deku abraçando a namorada para tentar acalmá - la. - Mas por favor relaxa um pouco meu docinho!

E assim os nossos heróis puzeram - se a caminho da sede do BC Sol, onde supostamente teriam as suas férias de sonho. Mal sabiam eles que o sonho não seria assim tão perfeito como eles imaginavam.

Fim do Capítulo 1.






Notas Finais


Então? O que acharam? Deixem as vossas teorias e opiniões nos comentários! Até á próxima! Bjs.😆😁💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...