1. Spirit Fanfics >
  2. My Hero! (namkook) >
  3. A Inspiração

História My Hero! (namkook) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá!
Espero que gostem da ideia!
Ao final de cada capítulo, irei preenchendo uma ficha dos heróis que estão aparecendo, com atualização de seus poderes.

Capítulo 1 - A Inspiração


- 2 anos atrás -

A televisão parecia hipnotizar Jeon Jungkook, que encarava as imagens boquiaberto, sem mover nenhum músculo, apenas observando o caos que a câmera capturava em tempo real: carros capotados e em chamas, destroços de construções, e pessoas fugindo em pânico em meio um fumaceiro. O jovem Jeon sentia seus braços arrepiados com as fortes imagens do pandemônio, e seu coração batia descompassado, como se quisesse fugir de seu peito.

“A situação está fora de controle, e nem os heróis ou a polícia presente estão conseguindo lidar com o ataque!” A jornalista presente no local, uma mulher jovem e claramente apavorada, entrou em cena, segurando o microfone com tanta força que suas mãos tremiam. “Um chamado de emergência foi enviado para a Cheongug Tower, e todos esperam pela chegada de um herói Rank Ouro que consiga lidar com o vilão terrorista!”

Jungkook engoliu em seco com o anúncio. Um ataque terrorista inesperado numa movimentada rua do centro de Busan era algo praticamente inédito em seus 18 anos de vida, e um desastre daquele porte era raro em qualquer parte do mundo, desde o surgimento dos heróis. Ainda que o ataque não fosse perto de sua casa, o jovem Jeon sentia seus membros tensos, e um temor crescente ao ver tamanha destruição.

“Alguns heróis de Rank Prata estão tentando conter ao máximo o avanço do vilão, até a chegada de um Rank Ouro.” A repórter voltou a falar, gritando no microfone para ser ouvida diante dos sons altos que aconteciam ao seu redor. Jungkook estremeceu, sem piscar nenhum segundo, vendo ao fundo das câmeras um ou outro herói passar de relance. “Tentaremos uma imagem melhor da batalha de nossas outras câmeras!” A mulher completou, enquanto as imagens mudavam para uma câmera em uma localização mais alta, que buscava pela rua destroçada algum sinal da luta.

O coração do Jeon apertou-se em seu peito, ao ver a cena. Quatro ou cinco heróis uniformizados tentavam rodear a distância o vilão, uma figura encapuzada em negro que destruía tudo ao seu redor com grandes explosões poderosas. Era visível que os heróis não eram páreo sequer para atrasar o poderoso homem destrutivo, e o desespero do jovem ao acompanhar as imagens apenas aumentou.

A cidade dependia de um poderoso herói Rank Ouro, mas aquilo não era tão fácil assim. Pelo que Jungkook sabia, a Coréia do Sul contava com menos de dez heróis Rank Ouro, e praticamente todos se localizavam em Seul, que ficava muito longe de Busan. Para que algum deles chegasse ali...

“É ele! É o herói número um!” A voz da repórter gritou emocionada, enquanto a câmera se voltava para o ar, buscando por um momento até focar-se num vulto encapado que vinha pelos céus, como um relâmpago veloz.

Dali, a cena desenvolveu-se tão rápido, que o Jeon sequer teve tempo para entender tudo o que se passou. Aquele herói alto e bronzeado, com o uniforme com capa pousou diante do vilão numa fração de segundo, e então com um simples soco incapacitou o terrorista, sob gritos animados da repórter.

“Isso! É esse o poder daquele que ocupa o topo dos Rank Ouro, o homem mais poderoso da Coréia!” Ela comemorava, enquanto a câmera dava zoom no homem, que jogava o vulto negro encapuzado sobre o ombro como um saco de areia, e sorria para todos ao seu redor. De repente, toda aquela cena de destruição e desespero tornou-se uma cena de esperança bem diante dos olhos de Jungkook, que sem perceber, pegava-se sorrindo, vendo aquele grande homem de cabelos castanhos e com belas covinhas, sorrindo de forma segura, seus olhos estreitos brilhando de forma carismática por baixo de uma máscara de cor roxa que cobria apenas aquela parte de seu rosto. “Ele é aquele que chamam de Esperança dos Heróis, o orgulho da nação, aquele que colocou ‘super’ em ‘super-herói’! O herói Deus da Destruição!”

Jeon Jungkook, que a pouco estava à beira do desespero, viu-se rindo, com aquele nome tão irônico, e vendo o belo homem na tela da televisão. Estava mais para Deus da Esperança, isso sim. Mas era um nome forte, que ficou na mente do rapaz.

E daquele momento em diante, Jungkook decidiu que seu sonho era também se tornar um que levasse a esperança a todos.

- Presente -

Os céus da noite de Seul estavam límpidos e sem nuvens, e o tempo estava gélido, fazendo com que a maioria das pessoas se abrigassem em suas moradias, e todos que precisavam estar na rua usavam casacos grossos e botas quentinhas. Claro, havia raras exceções aqui e ali, alguns malucos que simplesmente gostavam da sensação térmica tão baixa, enquanto outros apenas não sentiam o frio, e assim não se incomodavam.

No caso de Kim Namjoon, aplicava-se o segundo exemplo. Ainda que percebesse a temperatura, seu corpo simplesmente estava adaptado à baixas temperaturas, e seu organismo regulava automaticamente sua temperatura para que ele não sentisse frio, então ele podia andar tranquilamente pelas ruas usando apenas calças jeans claras e camiseta lisa branca, sem sequer estremecer.

A única diferença é que ele não andava. Voava pelos céus, com o vento gelado batendo em sua pele de forma mais intensa que na qualquer um dos transeuntes abaixo de si, porém sem sequer alterar sua expressão.

Muitas décadas atrás, uma habilidade como controlar a própria temperatura corporal, mesmo que inconscientemente, seria considerada um dom sobre-humano. Mas desde a revolução dos heróis, há 70 anos, habilidades extravagantes que podiam ser facilmente chamadas de superpoderes surgiram por todo o mundo, e iam muito além de simples controle de temperatura. Ainda que fosse apenas uma pequena parcela da população mundial que manifestassem esse tipo de força que ultrapassava os limites humanos, desde a revolução aqueles que demonstravam superpoderes eram conhecidos como heróis, os indivíduos que comprovavam que a humanidade agora podia possuir habilidades que antes eram consideradas impossíveis.

Como por exemplo, voar. O que o Kim fazia com simplicidade pelos céus da cidade, desviando dos arranha-céus que já conhecia, fazendo seu caminho pela capital mais rápido que qualquer outro humano, dirigindo-se a Cheongug Tower, o edifício de mais de 300m de altura construído como sede da chamada Central de Heróis, logo após a unificação dos heróis na Coréia do Sul.

Em uma noite de sexta como aquela, Namjoon evitaria ao máximo aquele local. Os primeiros andares da torre abrigavam o museu dos heróis da Coréia do Sul, que eram abarrotados de visitantes e turistas em dias como aquele, e as multidões não agradavam muito o herói. Porém, faria uma exceção pois tinha um encontro marcado com um outro Kim, e usando sua habilidade de voo, Namjoon podia facilmente entrar por uma das janelas dos andares superiores, sem precisar passa pelas multidões dos primeiros andares. Ainda que o encontro tivesse como local definido apenas a Cheongug Tower, os heróis sempre usavam os andares superiores para reuniões, encontros, e para usar os escritórios.

Mas conhecendo o homem com quem se encontraria, só havia um andar que ele usaria na torre, por isso quando a avistou, Namjoon começou a ganhar altura em busca do último andar. Os últimos andares da torre funcionavam como alojamento, com vários quartos onde os heróis de rank mais alto podiam se encontrar, dormir, e se abrigar à vontade. Mas o último andar em especial era um gigantesco apartamento que tomava todo o andar, muito chique e moderno, e era o alojamento mais elegante de toda a torre, ao qual apenas heróis de Rank Ouro tinham acesso.

E era claro que aquele egocêntrico com quem Namjoon ia se encontrar só se contentava com o melhor.

Namjoom chegou à grande sacada do último andar, e então pousou suavemente depois da mureta, vendo as portas de vidro abertas da sala de estar. Um calor agradável vinha do interior do grande aposento, e o herói pôde ver a grande e bonita lareira acesa, iluminando o ambiente escuro com as chamas alaranjadas. Uniu as sobrancelhas, sem ver ninguém ali dentro. Será que estava adiantado?

– Bu! – Uma voz veio de trás dele, fazendo o recém chegado dar um pulo assustado para frente, se virando com o coração disparado e dando de cara com quem ele planejava se encontrar. Levou uma mão ao peito por reflexo.

– Idiota! Isso é perigoso! – Reclamou, e o outro homem apenas riu alto, jogando a cabeça para cima.

– Ué, e o que poderia acontecer? Você cair? – Brincou, enquanto limpava lágrimas dos olhos. – Bem vindo, Namjoon, vamos estrar. Aqui fora está muito frio. – Ele se encolheu, e então passou pelo outro, entrando na sala de estar quente e acolhedora. O moreno apenas balançou a cabeça, e seguiu o outro, suspirando.

Atualmente, a Coréia contava com mais de trezentos heróis em ativa. Namjoon tinha o mérito de ser um deles, e conhecer vários outros, porém o único outro herói com quem mantinha uma relação bem próxima era Kim Seokjin, o homem a sua frente, a quem ele podia até mesmo chamar de amigo. Seu único amigo por sinal, tanto na Central de Heróis quanto fora dela.

Rose Jin, seu nome de herói, era um dos únicos seis heróis de Rank Ouro da Coréia na atualidade, e também carregava o mérito de ser um dos únicos dois homens vivos de quem Namjoon tinha realmente medo de encarar numa batalha, visto que seus poderes eram incríveis. Por sorte, Joonie não precisava se preocupar com aquilo, afinal, eles eram amigos, e nunca batalhariam um contra o outro. Seokjin era um homem muito bonito, alto, de ombros largos, pernas longas, e um rosto extremamente bonito, de pele branca, lábios grossos e rosados, e grandes olhos castanhos expressivos e doces. Os traços belos e o corpo esbelto e em forma lhe deram o título de herói mais atraente desde que ele entrara naquela indústria, e ele era um queridinho da mídia, até mais que os outros já bem perseguidos Rank Ouro.

– Você chegou faz tempo? – Namjoon questionou, enquanto via o outro Kim caminhando em direção ao bar da sala de estar, buscando entre as garrafas de forma distraída, antes de negar com a cabeça.

– Não, cheguei agorinha e fui me esconder para te assustar. ­– Ele respondeu simplesmente, dando de ombros. Namjoon comprimiu os lábios e fez uma expressão entediada, mas Jin nem se voltou para ele. – Quer um uísque? Conhaque? – Ofereceu, e Namjoon ergueu as sobrancelhas, pensando rapidamente. Diante daquele frio, um conhaque cairia bem.

– Conhaque! – Anunciou, e então se aproximou dos sofás de couro perto da lareira. – Porém não ficarei muito, só vim porque você disse que era importante.

– E também por que eu sou lindo, não é? – Seokjin sorriu torto pro outro, e Namjoon apenas se jogou no sofá, revirando os olhos. – Por favor, concorde. – O homem insistiu, enquanto servia a dose de conhaque para Namjoon, e então pegava uma garrafa de uísque para se servir.

Namjoon apenas riu, do sofá, e fez que sim com a cabeça. Seokjin era inegavelmente bonito, mas também era muito consciente de sua aparência, e extremamente vaidoso e egocêntrico.

– Obrigado. – Namjoon agradeceu quando Seokjin chegou até ele com as bebidas, e entregou o conhaque em sua mão, antes de elegantemente sentar-se de frente para o mais novo, cruzando as longas pernas. Rose Jin usava calças de moletom brancas, com tênis pretos esportivos, e um casaco confortável e cor-de-rosa. Geralmente vestia-se de forma mais elegante, mas pelo visto para aquela reunião ele estava mais preocupado em se proteger do clima gelado do que com a elegância.

Os dois Kim tomaram um grande gole de seus copos, antes de começar a conversa. Namjoon então baixou o copo sobre a mesa de centro, e esperou o outro começar a falar, afinal Seokjin quem o chamara ali. E por mais que eles tivessem muitos assuntos que podiam discutir, o Joonie não tinha ideia do que Jin queria tão de repente.

– Bom. – Rose Jin soltou, após um grande suspiro, e apoiando o copo em seu joelho da perna cruzada, encarando o mais jovem com os olhos escuros. Namjoon entendeu pelo brilho sério naquele olhar, que aquele assunto era importante. ­– Você se lembra do que conversamos na última semana, com os administradores da Central de Heróis? – Ele questionou, e Namjoon confirmou com a cabeça.

– Sobre a falta de heróis Rank Ouro. ­– Namjoon respondeu simplesmente, esperando que o mais velho continuasse. Apesar de muito brincalhão e amigo, Seokjin era um tanto intimidador quando ficava sério.

– Exatamente. Já estamos falando sobre isso há semanas nas reuniões dos heróis Rank Ouro. – O moreno tomou mais um gole de seu uísque. Namjoon esperou. Na última semana, o pessoal que cuidava da parte legal e do planejamento da Central de Heróis da Coréia do Sul, entrou em contato com ambos os Kim e os outros heróis de Rank Ouro para discutir sobre o fato de eles estarem com apenas seis heróis de primeira classe ativos, sendo esse o menor número desde a criação da Central. Ainda que sempre fossem poucos, a média do Rank Ouro nas gerações anteriores era de oito ou nove membros. Não apenas seis. – Você acha que nós temos algum herói de Rank Prata que seja do calibre de um Rank Ouro para ser promovido? – Jin questionou, e Namjoon ergueu uma sobrancelha.

– Não. – Respondeu de forma direta. Não que ele desrespeitasse os outros heróis da Coréia, mas um Rank Ouro... Era um nível completamente diferente de quaisquer outros heróis do país atualmente. E Namjoon havia avaliado o perfil de todos os Rank Prata que tinham maior visibilidade. Havia um vale entre as habilidades dos dois grupos.

– Eu concordo. – Seokjin disse simplesmente, dando de ombros.

– Mas é realmente perigoso ficarmos com apenas seis heróis de Rank Ouro... – Namjoon comentou. Por mais que os seis membros fossem inimaginavelmente fortes, só seis ainda era um número muito pequeno para um país como a Coréia do Sul. Dependendo da emergência, eles podiam não ser o suficiente, além de que nem todos os seis eram confiáveis 100% do tempo...

– Eu também concordo. – Jin falou, descruzando as pernas, e então suspirando. Inclinou-se na direção de Namjoon, seu belo rosto iluminado pelas chamas da lareira enquanto ele apoiava os cotovelos nos joelhos. – Por isso, eu decidi  pensar fora da caixa, e buscar algum talento fora do Rank Prata. E encontrei um herói promissor de Rank Ferro.

Namjoon uniu as sobrancelhas. Rank Ferro era o mais baixo dentre os quatro rankings de heróis, e geralmente era feito por pessoas com habilidades extremamente simplistas.

– Ferro? – Questionou incrédulo, e então Jin deu um sorriso torto e travesso.

– Confie em mim, ele tem potencial, só precisa de um incentivo... – Os olhos negros do mais velho brilharam. – Eu já o coloquei sob minha tutela para treinamento, e sei que com experiência, ele vai alcançar o Rank Ouro... Porém eu preciso da sua ajuda.

Joonie ergueu uma sobrancelha, desconfiado. Jin nunca foi de aceitar aprendizes. Namjoon muito menos. Qual o tipo de herói podia ter despertado tanto o interesse do amigo, ao ponto de ele estar treinando-o?

– Por que quer minha ajuda? – Questionou, sem querer se envolver muito. Ainda que fosse importante aumentar a quantidade de heróis do país, Namjoon ainda não queria se envolver com heróis desconhecidos e treiná-los.

Seokjin apenas deu um sorriso esperto pro outro.

– Porque você é o número um, Deus da Destruição.


Notas Finais


Fichas de herói:
Deus da Destruição (Namjoon)
- Voar
- Mais?

Rose Jin (Seokjin)
-??


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...