História My Hope - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber, Lily Collins
Personagens Justin Bieber, Lily Collins
Tags Drama, Romance
Visualizações 23
Palavras 3.593
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiii gente, eu volteiii. Caraa eu sou muito preguiçosa, então me perdoem pelos dias sem postar, mas pra compensar eu fiz um capítulo muito grande 🙌❤
Título do capítulo: Sentir sua falta
Boa leitura ❤

Capítulo 14 - Miss you


Fanfic / Fanfiction My Hope - Capítulo 14 - Miss you

Justin Bieber pov:

Depois daquele banho e a minha escolha, não recusei o outro pedido de Cindy para ir embora, então a deixei ir. Sua reação foi de surpresa, mas ela aceitou e seguiu caminho até sua casa.

Já era tarde e ainda tinha o constante pensamento: Eu repensava seriamente na minha escolha e ela exigia algo sério, algo que talvez eu não estava disposto a fazer... Mas decidir deixar de lado, eu deveria pelo menos tentar!

Disquei aquele número que Michelle anotou no pequeno papel que havia me dado e torci para que ela atendesse.

Alguns segundos depois:

"— Alô? - pude ouvir uma voz calma e confusa ao atender.

— Michelle... Sou eu, Justin! - falei rápidamente.

— Ahh, Oi Justin! - sua voz saiu surpresa, mas com um toque de felicidade, o que me fez abrir um sorriso.

— Eu queria saber, se você quer sair comigo qualquer dia desses? - perguntei esperançoso.

— Ah Claro... Sábado? - propôs o dia e eu fiquei feliz por ela ter aceitado.

— Me passe seu endereço... - pedir, no qual ela me deu.

— Passo aí as 19:00! - falei e logo me despedindo dela.

Tomara que vale a pena fazer isso! Eu precisava esquecê-la... Mas eu não quero, não quero ela longe de mim e o melhor jeito que eu encontrei foi colocar alguém em seu lugar."

...

Sábado 17:30

Estava deitado em minha cama olhando para o teto, era hoje que eu sairia com Michelle, por algum motivo eu estava ansioso, talvez por estar esperando muito desse encontro... Esperando que eu acabe com esse desejo que só crescia em meu peito!

Eu não contei para Cindy sobre o meu "encontro", apenas foquei em ficar ao seu lado... Ela estava muito mal, eu percebia isso em pequenos detalhes e ações suas. Nas aulas ela somente abaixava a cabeça e ficava assim até o intervalo ou a hora de ir embora e eu simplesmente não sabia o que fazer. Percebia que Cindy já não comia quase nada, a preocupação era crescente em meu peito, as vezes lhe arrancava um sorriso forçado...Mas mesmo com todas as minhas tentativas falhas de a fazer sorrir, eu não sairia do seu lado, afinal eu era seu único amigo e ela precisa de mim... Não será agora que a deixarei e nem quero!

Peguei meu celular é resolvi lhe mandar uma mensagem:

— Oi princesa... Está aí ? - perguntei-lhe.

— Oi Justin! - respondeu depois de alguns segundos.

— Tudo bem? - perguntei mesmo sabendo a resposta que ela me daria, sabia que seria outra mentira.

— Sim... E com você? - suspirei, mas logo respondi.

— Tudo sim, vai precisar de mim? - perguntei esperançoso por um "sim". Quase todas as noites eu ia para sua casa e víamos alguns filmes, mas ela sempre adormecia e eu ficava apenas apreciando seu sono, enquanto seus braços me apertavam e os meus estavam abraçados ao seu pequeno corpo, ainda sentia o calor de tê-la por perto.... Ah como eu podia trocar esse encontro por esses momentos sem pensar duas vezes.

— Não, minha mãe ainda está em casa, mas obrigada! - agradeceu e eu suspirei decepcionado.

— Tudo bem... Princesa sabe que eu me importo com você!? Qualquer coisa é só me ligar! - lhe mandei essa mensagem esperando ela mudar de ideia.

— Eu sei... Nos vemos amanhã? - perguntou e um sorriso veio no meu rosto.

— Ok, beijos minha linda! - mandei-lhe a última mensagem e decidir tomar um banho, já eram 18:00, precisava me arrumar para o encontro, no qual eu estava desanimando.

...

Uma última olhada no espelho e estava satisfeito com a minha aparência. Desci as escadas, já com as chaves do meu carro em mãos, mas antes de sair ouvir uma voz a me chamar:

— Aonde vai? - a curiosidade estava presente no tom de voz da minha mãe, me virei a olhando.

— Em um encontro! - falei sem exitar e vi um sorriso bobo em seus lábios.

— Com Cindy? - me perguntou esperançosa.

Suspirei, respondendo — Não, outra garota...- minha voz soou um pouco cabisbaixa e vi que ela franziu o cenho ao me ouvir falar. — Mãe, já estou atrasado, preciso ir! - falei tentando me livrar de uma pergunta difícil que se eu ficasse ali por mais tempo ela seria feita para mim.

— Tudo bem, divirta-se! - falou indo até a cozinha.

— Não me espere. - falei, mas recebi somente o silêncio como resposta.

Respirei fundo e sair de casa, fui até o meu carro, entrando no mesmo e seguindo trajeto até a casa de Michelle, que por sinal mora sozinha.

...

Parei meu carro enfrente a um pequeno prédio, que pelo o endereço era a casa de Michelle.

Mandei uma mensagem para Michelle dizendo que eu estava a esperando.

Alguns minutos se passaram e a vi saindo do prédio. Abrir a porta saindo do carro e respirei fundo colocando um forçado sorriso no rosto.

Ela chegou perto de mim, um sorriso tímido se abriu em seus lábios quando a olhei dos pés a cabeça, ela estava linda! Michelle usava um vestido dourado que me proporcionava ver as suas curvas e um pequeno decote em seus seios fartos. Ela estava simplesmente linda e não consegui me controlar logo dando uma mordida em meu lábio inferior.

— Oi... - ela cortou o silêncio, me fazendo sair do transe.

— Nossa... Você está linda! - falei e vi um sorriso bobo em seus lábios chamativos, no qual eu estava com vontade de toma-los para mim.

— Obrigada... Podemos ir? - me perguntou timidamente.

— Claro! - falei rápido. Abrir a porta para Michelle que entrou dentro do carro e me agradeceu.

Dirigir rumo ao restaurante que eu reservei para nós dois... Queria que tudo saísse perfeito!

Alguns meses atrás, eu era muito rigoroso com o quesito "encontro", para mim era algo que estava fora de cogitação, assim como o namoro... Mas ter conhecido Cindy, mudou tudo! Já não adiantava eu ficar com várias garotas, me fazendo acreditar que se eu quisesse a esquecer, deveria ter algo concreto, pelo menos até essa "atração" que eu sinto por ela finalmente acabar.

O caminho estava silencioso, eu me sentia um pouco culpado por estar pensando em Cindy,no meio de um encontro... Mas era inevitável o jeito que ela me causava.

Precisava mandar esses pensamentos embora, então liguei a rádio e estava passando "Dusk Till Dawn" do Zayn com Sia.

— Amo essa música. - Michelle falou empolgada. Eu soltei uma risadinha com sua animação.

— Ela é muito boa... - falei lhe dando um sorriso.

Ouvimos e cantamos algumas músicas e até que eu estava me divertindo, apesar de que as vezes me deixava levar pelos pensamentos em Cindy, mas tratei de controlar isso.

Quando chegamos, eu estacionei meu carro em uma vaga no estacionamento. Sair do carro e abrir a porta para Michelle, que me agradeceu logo em seguida.

Passei minha mão por sua cintura e caminhamos até o restaurante. Entramos e fomos guiados por um garçom até a nossa mesa.

— Me conte um pouco sobre você, Michelle! - pedir, quando já havíamos nos sentado.

— Ah, não há muita coisa para se saber sobre mim... Eu sou filha única, pais separados, estou tentando entrar em uma faculdade de moda. - falou normalmente. — E você, me conte sobre você...

— Meus pais também são separados, ultimamente eu estou no colégio ainda... - falei e a vi arregalar os olhos. — Relaxa, eu não sou menor de idade, é que eu tive a estúpida ideia de ficar dois anos fora do colégio e agora eu tive que voltar pro inferno. - falei e vi seu semblante ficar aliviado, e soltou uma risada.

— Mas por quê você quis parar tudo? - me perguntou curiosa.

— Ah, eu era um idiota, querendo curtir meu tempo é pensava que as horas no colégio estavam me impedindo de viver. - falei revirando os olhos e ela riu.

— Você é louco!

— E você é linda... - falei e vi suas bochechas corarem, por um segundo lembrei-me dos momentos que eu elogiava Cindy e em todos eles ela ficava envergonhada... Ela ficava tão linda! Respirei fundo mandando esses pensamentos para longe, eu preciso parar de pensar nela!

...

O jantar estava ocorrendo bem, conversamos sobre alguns assuntos e cheguei a conclusão que Michelle era divertida, simpática e muito atraente...

Já havíamos terminado o jantar e estávamos indo em direção ao meu carro, entramos e seguir caminho até sua casa.

Eu estava me divertindo, mas não poderia negar que queria saber como Cindy estava...Queria vê-la dormindo como todas as noites, queria tudo que envolvesse ela... Balancei minha cabeça e olhei ao meu lado, qual era o meu problema!? Se esse encontro estivesse acontecendo semanas atrás eu já teria avançado em Michelle, havia uma gostosa do meu lado e eu nem sequer a beijei.

Parei meu carro é tirei meu cinto, vi que Michelle se assustou.

— O que foi Justin? - me perguntou assustada e respirando fundo.

— Eu só queria fazer isso! - tirei seu cinto também é a puxei pra mim, tomando seus lábios. Michelle não recusou, minhas mãos em sua cintura a puxava cada vez mais e logo ela já estava em meu colo e seus dedos arranhavam meu pescoço. Minha língua explorava cada canto de sua boca com desejo e precisão. Minhas mãos entraram dentro do seu vestido e apertei suas coxas, a fazendo soltar um gemido, isso me enlouqueceu.

Michelle cortou o beijo e me olhou com um sorriso malicioso.

— Achei que nunca ia me beijar. — falou com sua respiração ofegante.

— Tudo no tempo certo! - lhe dei uma desculpa e ela sorriu concordando.

— O que acha de terminarmos isso no meu apartamento? - me perguntou e eu sorrir, eu iria aproveitar bem esse momento!

— Claro. - falei e dei um último beijo nela e Michelle voltou ao seu lugar, arrumando seu vestido. Liguei novamente o carro, indo rapidamente para casa de Michelle... Os meus pensamentos sobre Cindy estavam me incomodando, mas decidir que eles seriam sobre o que rolaria entre eu e Michelle, o desejo por ela estava só aumentando e eu estou fazendo de tudo para que Cindy não seja mais uma presença frequente em minha mente.

...

A água quente caia sobre o meu corpo, sentia cada músculo meu relaxar, eu estava precisando disso. Michelle acabara de tomar seu banho, ela havia saído antes de mim.

Desliguei o chuveiro logo me martirizando ao sentir uma brisa fria passar pelo meu corpo, rapidamente peguei a toalha e a enrolei em minha cintura. Vestir as minhas roupas ainda dessa noite, peguei meu celular e vi as horas: eram 2:30 da madrugada, caminhei até o quarto de Michelle.

— Oi, eu preciso ir... - falei baixo e percebi um biquinho se formar em seus lábios.

— Por que não passa a noite aqui? - me fez uma proposta que eu não queria recusar.

— Eu tenho que resolver algumas coisas, de manhã. - falei, logo me lembrando que marquei algo com Cindy... Ah Cindy!

— Tudo bem... Eu te acompanho. - falou, saindo da cama e calçando um par de pantufas.

Caminhamos até fora do prédio e paramos na frente do meu carro, antes que Michelle falasse alguma coisa, peguei em seu rosto e selei seus lábios, iniciando um beijo lento. Seus dedos me puxavam para mais perto, enquanto minhas mãos em sua cintura fazia o mesmo.

Partir o beijo, mas ainda estávamos a centímetros de distância, eu não saberia dizer o que o toque de Michelle me proporcionava, claro, ela é linda e gostosa e eu sinto muita atração por ela, mas eu não posso negar que várias vezes imaginei outra "pessoa" em seu lugar, imaginando como seria seu toque, seus lábios, seu gosto, seu corpo... Eu estava só me enganando ao pensar que havia a esquecido!? O que aconteceu aqui foi somente eu e Michelle?. Meus pensamentos estavam confusos e eu preciso ir embora para que tudo se ajeite.

— Foi uma boa noite. - falei lhe dando um último selinho.

— Foi mesmo! - Michelle concordou com um sorriso em seus lábios.

— Tudo bem, agora eu preciso ir... - falei me afastando dela e caminhei até meu carro, mas antes de entrar me virei novamente pra Michelle.

— Eu te ligo. - falei, logo entrando no meu carro é dirigindo rumo a minha casa.

Eu estava a dirigir sem pressa alguma, sentindo o vento frio bater contra o meu rosto por causa da janela aberta e uma música baixa tocava, deixando um clima agradável. Percebi que haviam poucos carros na estrada, talvez por ser de madrugada.

Comecei a me recordar do que acabará de acontecer, a minha "perfeita" noite com Michelle. No entanto, tudo aconteceu como o esperado, por breves momentos eu me esquecia de Cindy e eu tive o prazer que queria, ... Eu valorizei os breves momentos, pois foi uma vitória... Por mais que eu não esteja feliz em comemora-la e não sabia o porque!

Sentia que algo estava faltando, como se eu precisasse de mais para preencher esse vazio. Então como uma bomba em minha mente, lembrei-me do que estava faltando e me martirizei por saber que a parte que me faltava era ela... Cindy! A parte na qual eu passava o dia inteiro ao seu lado, sentia seu cheiro, o calor do seu corpo junto ao meu.... Por que eu dependia tanto de Cindy!? Por que isso que eu sinto não passa!? São perguntas que eu não sei responder, mas com elas em minha mente, me vi parado em frente a janela de Cindy, que por sorte ela estava aberta.

Respirei fundo me perguntando se realmente faria o que estava planejando... Eu não a vi hoje, eu achei melhor assim, pensei que se eu não a visse seria mais fácil não pensar ou deseja-la no meu encontro, mas foi atitudes em vão, como uma pessoa em abstinência eu precisava ver ela, precisava saber se ela estava bem!

Havia uma escadinha grudada na parede ao lado de sua janela. Subir cada degrau e entrei sem fazer o mínimo de barulho possível.

O quarto estava escuro, mas uma abajur com sua luz fraca dava um pouco de iluminação para o ambiente.

Olhei para a cama e vi Cindy enrolada em suas cobertas e abraçando um travesseiro. Ao ver aquela cena, logo me lembrei que deveria ser eu ali e ela deveria estar me abraçando. Em passos lentos fui até ela e me sentei em um espaço vazio de sua cama. Tirei as mechas de seu cabelo do seu rosto, me dando a total visão de sua face. Sua expressão estava serena e sua respiração calma. Eu podia ficar assim por horas, mas eu não me cansaria de observar seu sono.

Vi Cindy apertar mais o travesseiro e sua expressão passou de serena para assustada, sua respiração ficou ofegante e me assustei ao vê-la assim... Ela estava tendo um pesadelo!

Algumas lágrimas desciam de seus olhos, mesmo eles estando fechados.

Levei minha mão até seu rosto e limpei as lágrimas que molhavam sua pele. Observei sua respiração se acalmar, mas sua expressão ainda estava assustada.

— Eu estou aqui, princesa. - falei baixo, enquanto acariciava sua pele.

Um calafrio passou pelo meu corpo, quando vi os olhos de Cindy se encontrarem com os meus lentamente.

— J-ustin? - perguntou com sua voz embargada e sonolenta, confusa por eu estar ali.

— Oi... - falei envergonhado por ela ter pego eu velando seu sono. Lhe dei um meio sorriso para aliviar a tensão.

— O q-ue faz aqui? Como entrou ?- Disparou as perguntas e se sentou na cama, mas ainda abraçava o seu travesseiro.

— Desculpa... E-u quis ver você e sua janela estava aberta, então eu... Eu entrei! - falei a olhando brevemente.

— Ah, t-udo bem... - olhou para o lado e continuou — Não conseguiu dormir? - tentou mudar de assunto, e a agradeci por ter feito.

— Não, ultimamente ver você dormir está sendo o meu remédio contra a insônia... - por partes era verdade o que havia lhe dito, só não havia contado do meu encontro.— Você sonhou algo de ruim? - perguntei me aproximando mais dela é a vi apertar o travesseiro.

— S-im, mas não quero falar sobre... - desviou o olhar do meu. Com seu ato entendi o que ela havia falado... Por várias vezes tentei pedir para ela me contar o que o professor havia lhe feito, mas Cindy sempre mudava de assunto ou me dizia que não queria falar sobre isso. Nas várias vezes eu não insistir, como havia lhe dito; quando ela estivesse confortável, ela me contaria.

— Tudo bem! - falei e ela voltou o seu olhar ao meu e me deu um meio sorriso, no qual eu fiquei extremamente extasiado em vê-lo e logo a minha noite "perfeita" com Michelle havia perdido a importância, porque eu sabia que a única noite perfeita que eu teria era quando eu estivesse com Cindy.

Me aproximei mais dela e levei as minhas mãos até o seu rosto, e por mais que a iluminação estivesse ruim, eu ainda desejava ver todos os detalhes de seu rosto. Cindy me olhou confusa.

— Tudo bem se eu ficar aqui? - perguntei olhando em seus olhos.

— S-im... - falou quase inaudível, mas por sorte do silêncio da madrugada eu conseguir ouvi-la.

— Pode dormir se quiser. - Ela não precisava ficar acordada por minha causa e eu não podia negar que adorava vê-la dormindo. Cindy assentiu e se ajeitou em sua cama, mas seus olhos ainda me encaravam. Vi seus lábios entreabertos, como se ela quisesse me falar algo, mas antes me aproximei de Cindy, deixando um beijo demorado em sua testa.

— J-ustin... - me chamou com sua voz falha. Meus olhos se encontraram com o seus e novamente um calafrio passou pelo meu corpo. — Vo-cê fi-ca a-qui co-migo.... Até eu dormir? - me pediu com toda inocência do mundo é eu não pude controlar um sorriso bobo que veio em meus lábios. Apenas assenti e Cindy arredou dando espaço suficiente para que eu deitasse. 

Tirei meus sapatos e me aconcheguei ao seu lado. Timidamente, Cindy descansou a cabeça em meu peito. Meus braços se entrelaçaram em sua cintura e eu a puxei para ficar mais perto de mim, vi que ela havia ficado confortável, pois um de seus braços me rodearam e Cindy me apertava como estava fazendo inicialmente com o travesseiro.

— Eu adoro ficar assim com você. - minha voz saiu mais rouca do que o normal.

S-entir sua falta. - um suspiro escapou por meus lábios ao ouvi-la proferir essas palavras.

— E-u também princesa, mas achei melhor te dá um tempo com sua mãe...- Cindy se remexeu um pouco.

— E-u sei, mas quando você não está aqui comigo... E-u tenho medo. - sua voz saia baixa, mas eu conseguia entende-la perfeitamente, meu coração dava batidas irregulares a cada palavra que saia de sua boca. Me movimentei na cama até ficar frente a frente com Cindy.

— Mas eu estou aqui agora... Não deixarei que te machuquem... — falei enquanto observava seus olhos que me fascinavam, levei uma de minhas mãos até o seu rosto e lhe fiz um carinho. — Nem em sonhos! - falei a última parte brincalhão e Cindy soltou uma risada fraca e eu acompanhei.

— Como me protegeria até em meus sonhos? - perguntou com as sombrancelhas arquiadas.

— Assim como você é a minha dose de anti insônia eu acho que sou o seu remédio contra o medo. - falei e Cindy assentiu com um sorrisinho.

— É... Eu acho que sim! - Sentir sua mão em meu rosto. Seus dedos acariciavam a minha pele e o seu toque era doce e delicado, me causando arrepios e minha respiração se acelerou imediatamente... Era a primeira vez em que ela fazia isso.

Ficamos nos olhando por vários segundos e tentei observar cada ato seu e aproveitar cada momento e sensação que ela me causará .

— Estou com sono... - falou baixo, sabia que havia feito isso para que o momento "tenso" acabasse.

Voltei a posição anterior, mas alinhando ela nos meus braços novamente.

— Boa noite anjo. - sussurrei e respirei fundo... Te-la tão perto era muito perigoso!

— Boa noite... - sua voz saiu baixa e as palavras emboladas como se estivesse segurando para não se deixar levar pelo sono.

Cindy Crawford pov:

Me mexir na cama, sentindo falta de alguém. Abrir meus olhos e percorrir meu olhar por todo quarto, procurando por algum sinal de Justin, mas como todos os dias ele se vai antes que eu acorde.

Olhei ao meu lado e vi o meu relógio apresentando que já era 13:30. Me assustei, era bem tarde, mas me acostumei a acorda a essas horas "absurdas".

Me levantei e fui ao meu banheiro fazer minha higiene pessoal, depois tomei um banho para que eu acorde de uma vez.

Hoje, como nos raros dias eu estava "bem" e desejava acordar assim mais vezes. É como se nada que me aconteceu vinha a ser mais importante, eu só estava bem, mas quase sempre depois dessa "felicidade" vinha uma bomba, na qual eu não sei se é forte o bastante para me destruir, nas muitas vezes ela explode e eu volto para a realidade, a minha realidade.

Passei minhas mãos em meu rosto, tentando não pensar nas coisas ruins e me focar apenas no meu raro dia.

Me enrolei na toalha e sequei meus cabelos. Decidir vestir um dos poucos shorts que tinha, mas que quase não foi usado e escolhi uma blusa preta de tecido fino, porque estava um dia quente. Em meus pés coloquei meu all star preto.

Descir as escadas, com a intenção de ir até cozinha, mas mudei o meu caminho até a porta, pois a campainha tocou.

A abrir, dando de cara com Justin e mais três garotos. Os quatro me olhavam e eu não conseguia proferir nenhuma palavra e com certeza está vermelha com tanta atenção.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, caso sim, comente e favorite❤
Frase:
"Mas nada cura o passado, como o tempo e eles não podem roubar o amor que você nasceu para encontrar." - Música: Be Alright - Dean Lewis.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...