1. Spirit Fanfics >
  2. My human. >
  3. O filho de Lúcifer.

História My human. - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - O filho de Lúcifer.


Jungkook e Jimin eram amigos a três anos, desde o dia em que Lúcifer resolveu mandar todos os seus demônios para a terra, Jeon nunca escondeu de Jimin que era um demônio e, muito menos que era filho de Lúcifer, eles tinham uma amizade muito forte, as vezes, acontecia algo, como beijos e outras coisas além disso, mas Jimin sempre foi inseguro com seu corpo então, nunca tiveram a oportunidade de passarem de apenas beijos. 

o pai de Jimin é um homem rico e bem sucedido, dono de uma empresa de escolas, fundador e diretor da maior escola de demônios existentes na Coreia e para ser bem específica, a única escola de demônios existentes na Coreia, Jimin é um dos estudantes dessa escola, o único humano ali, além dos funcionários e do diretor, seu pai sempre diz que nenhuma escola chega ao nível de Park e, que quer ele por perto sempre que puder, assim seu filho não precisa sofrer como todas as crianças na escola. 

mas isso era o que ele pensava, pois assim que colocou seu filho, junto aos mandados de Lúcifer, estava o condenando ao inferno. 

há um mês atrás.

Seul, Coreia do Sul - 08:19AM

Park's school for demons.

 não, Jeon. Eu nunca quis falar aquilo do seu pai, eu... eu falei da boca para fora! — Jimin falava enquanto se afastava com medo, olhou para baixo e só agora pode perceber as garras de Jungkook e os calos de demônio aparecendo em seus braços, seus olhos eram mais avermelhados agora, ele estava realmente irritado. 

— você... você Park, eu nunca pensei que fosse falar assim da minha família, você que sempre me apoiou. — usava agora a sua voz de demonio, era uma voz mais grave, enquanto caminhava devagar para mais perto de Jimin.

Jun... isso não vai mais acontecer, me desculpa... não... — já estava chorando. 

— não vai mesmo, Park.  

Jeon se aproximou e prendeu os braços de Jimin na parede, o menor olhou para o lado pedindo para que ele parasse, estava chorando tanto, Jeon o olhou uma última vez, seus olhos estavam cheio de lágrimas, nos braços de Jimin escorriam sangue, Jeon olhou para o sangue sentindo suas veias pulsarem e, em um piscar de olhos, mordeu o pescoço de Jimin, entre o ombro, o pequeno gritou alto, seu corpo amoleceu ao sentir a dor, Jeon sugava o seu sangue como se estivesse bebendo suquinho de canudo, fazendo Jimin fica ainda mais fraco. 

assim que percebeu o que estava fazendo, soltou o corpo menor e Jimin caiu no chão, estava pálido, fraco, seus olhos queriam fechar, mas estava se mantendo forte, não era sua hora de morrer. 

Jeon voltou a sua forma normal, e aquelas mesmas vozes de sempre, voltaram a sussurrar em seus ouvidos. 

para... sai... para de falar!! — se jogou no chão com as duas mãos nas orelhas, as vezes ficavam ainda mais altas, saberia o que iria acontecer se não fizesse parar. pai... por favor faz parar!! 

Jeon foi jogado para longe de Jimin, Taemin correu ate o manor jogado no chão, Taemin também era um demônio, na verdade, todos ali eram, e como eu disse, além dos funcionários e do diretor, que não estavam lá no momento. Taemin pegou Jimin no colo e com o Taehyung, correu até o carro, Taehyung entrou no banco de trás, segurando o pequeno que estava quase desmaiando e assim Taemin correu até o hospital. 

ao chegar, eles saíram do carro com o corpo de Jimin, os médicos os pararam na porta, pois demônios não podiam entrar, por conta da quantidade de sangue que havia no hospital, eles se identificavam pela tatuagem no pescoço, que os demônios tinham. 

— por favor, ele foi mordido por um demônio, se acontecer algo, nos avise. — Taehyung pediu vendo os médicos, levarem o corpo para dentro do hospital. 

— claro que sim, ele ainda tem chances de viver, não se preocupem, iremos fazer o que for possível. — o médico sorriu, entrando em seguida. 

o pai de Jimin chegou logo depois com sua mãe, eles poderam entrar, e assim que qualquer coisa era dita pelos médicos, eles informavam Taehyung e Taemin, pois sabiam que eles eram os melhores amigos de Jimin. 

dias atuais.

Seul Coreia do Sul - 06:37AM

Jimin já havia saído do hospital, esse tempo todo ele estava sem falar, pois a mordida havia atingido suas cordas vocais, mas já estava começando a voltar a falar, estava agora arrumando sua mochila para ir para a escola, seu pai havia dito que ele não precisava voltar se não estivesse pronto, mas Jimin já se sentia pronto, para ver Jungkook e para voltar para a escola. 

— você já está pronto, amor? — a mãe do jovem entrou no quarto, sentando na cama.

— s-sim... tô termindo a-aqui! — respondeu com dificuldade, a olhando. 

após tomarem café da manhã com seu pai, eles saíram de casa, antes de irem para a escola, deixaram a mãe de Jimin na empresa em que ela trabalhava e assim, foram para a escola, já estavam todos lá, já que o senhor Park gostava de chegar depois de todos, Jimin desceu do carro devagar, pegando sua mochila, ao sair, deu de cara com Taehyung correndo em sua direção. 

— Jimin-ah... — Taehyung o abraçou de leve, para não machuca-lo. — como é bom ver você de novo! 

— oi Taeh, é bom ver você t-também! — sorriu, sua voz estava diferente, ainda rouca. — e-ele ja chegou? 

— quem? o Jungkook? — o menor assentiu. — não o vejo já faz dois meses, eu e os meninos achamos que ele voltou para o inferno, ah, desculpa falar assim... é... achamos que o pai dele veio buscá-lo... mas ele pode está em qualquer lugar, a qualquer hora. 

— e-ele não apareceu m-mais? 

— não Jiminie, mas... vamos parar de falar sobre esse assunto, vamos pra sala... — Taehyung pegou em sua mão e o puxou para dentro da escola, assim que chegaram na sala e, como já era de se esperar, Jimin foi o centro das atenções, todos passaram um tempo o olhando, mas logo voltaram a conversar. Jimin se sentou em uma cadeira ao lado de Taehyung e logo depois de um tempo, Yoongi, Hoseok, Namjoon, Seokjin e Taemin entraram na sala, cada um sentando em seu devido lugar. 

— oi anjo, você tá melhor? — Taemin tinha uma mania de chamar Jimin de anjo, o que era meio estranho. 

— oi, Tae! — Jimin sorriu ao receber um beijo na bochecha. — e-eu tô bem melhor, s-só é ruim pra f-falar. 

— logo logo você melhora. — Seokjin disse arrumando as coisas na cadeira. 

— é bom ter você de novo, Jimin. — Hoseok se sentou atrás de Yoongi, que parecia ainda estar dormindo. 

— eu só queria estar na minha caminha, mas se é para ver o Jimin de volta, veleu a pena ter vindo. — Yoongi sorriu. 

e novamente a sala voltou a ficar em silêncio, Jungkook passou pela porta, mas estava diferente, era impossível não ver as marcas em seu rosto, abaixou a cabeça e caminhou até o seu lugar de sempre, usava um fone de ouvido, aquilo para não escutar aquelas vozes que continuavam falando em seu ouvido. 

Jimin não conseguiu olhar em seus olhos a nenhum momento, Jeon estava com a cabeça baixa e usava um capuz, ele podia ouvir os batimentos acelerados do coração do pequeno. 

— onde ele estava esse tempo todo? — perguntou Yoongi, os olhando. 

— eu não sei, mas com certeza essas marcas não foram o Lúcifer que fez, o Lúcifer nunca teria coragem de bater no seu único filho. — disse Namjoon. 

— ah, deve ter se metido em alguma briga. — Taemin o respondeu. — ele sempre faz isso.  

— e-eu quero falar c-como ele... — tentou levantar, mas Hoseok segurou seu braço. 

— tem certeza, Ji? — Hoseok perguntou. 

— s-sim... — assim que Hoseok o soltou, Jimin caminhou até Jungkook, não sabia bem o que falar e como falar, puxou a cadeira ao lado e viu o mesmo tirar os fones, se sentou o olhando. — o-oi... v-você tá bem? 

— oi... — respondeu ainda com a cabeça baixa. — tô sim, e você, tá melhor? é... é bom ter você de volta! 

— e-eu t-to bem... só é difícil de f-falar! — sorriu fraco, agora podendo olhar nos olhos de Jungkook, novamente aquela sensação de saudade junto a medo se fez presente, queria apenas pular nele e o abraçar, mas, também queria correr para longe. 

— é melhor você sair, eu sinto o seu medo. — voltou a olhar para frente. 

— e-eu não tô com medo... na verdade eu n-não sei, é um sentimento estranho! — abaixou a cabeça. — onde você t-tava todo esse tempo? 

— meu pai mandou me buscar, e me castigou por machucar um humano, me mandou apenas para te pedir desculpa, mas isso precisa ser de coração, ou essas vozes não vão sair da minha cabeça. 

— e-eu sei que v-você não fez por q-querer!! — Jimin tentou segurar sua mão, mas Jeon afastou bruscamente o assustando. — mesmo assim, eu te perdoo. 

— você é tão precioso, me desculpa por ter machucado você, eu só pensei em mim naquele dia, o domínio que existe em mim, estava com muita raiva, era impossível controlar. — olhou nos olhos de Jimin. — você é a pessoa mais linda que existe, o cara mais bondoso do mundo, me desculpe. 

— t-ta tudo bem... eu... eu já disse que te pe-perdoo! — sorriu fechado. 

Jeon não o respondeu, seu pai o fez sumir do nada no meio da sala, o puxando para o inferno, Jeon se assustou na hora, sentindo aquele calor horrível novamente. 

— Jeon? o que? — Jimin olhou confuso, voltando para a sua cadeira. 

— o pai dele deve ter o levado de volta, o Lúcifer é um cara difícil. — Taehyung riu. 


— o que você quer agora, pai? 

— ora, ora, ora! ah, meu filho, eu só queria te falar uma coisinha. — se levantou, caminhando até o filho, passando a mão por seu rosto. — você é o mais fiel, sabia? 

— uhum... 

— sabe que o Jimin falou aquilo de coração, certo? — tocou a testa do filho, fazendo-o cair de joelhos.

— a-ah... p-pai, faz parar... não... por favor para!! — pediu em gritos, ouvindo as vozes cada vez mais alto, se curvando. 

— peça desculpa para ele do jeito certo, eu não criei você assim, não foi sincero com Jimin naquela hora. — Lúcifer gritou, conectando as mentes dos dois, para que Jimin o ouvisse bem. 

— desculpa, por favor, me desculpa, eu não queria te machucar, por que... por que eu estava com ciúmes, não era pelo meu pai ou pelo que você falou, e sim pelo jeito que ele te olha, eu só queria me vingar em alguém e escolhi a pessoa errada, eu nunca quis te machucar, Jimin. — Jeon gritava enquanto chorava, tentando afastar as vezes. 

Jimin se assustou na hora, ao ouvir a voz de Jeon, olhou para os lados mas o maior não estava, era a sua mente, mas não sabia se era real, fechou os olhos com força, por conta da dor após Jeon parar de falar. 

— Jimin, você tá bem? — Jin perguntou com uma mão em seu ombro. 

— s-sim, só fiquei t-tonto. 

— muito bem, meu filho, era isso que eu e o seu pequeno amigo queríamos ouvir! — lúcifer fez as vozes pararem, ajudando o filho a levantar, o abraçando em seguida. 

— se és o homem considerado ruim pelo mundo, por que me fez sofrer por uma coisa ruim que eu fiz? — perguntou entre o abraço. 

— acontece meu filho, que eu sou o responsável para punir os que fazem coisas erradas no mundo, e você fez uma coisa errada lá em cima, eu posso estar aqui em baixo, mas eu sei bem fazer justiça. 

— então por que os consideram um cara mal? — olhou confuso. 

— pois bem, eu sou um cara mal, para eles, pois faço eles fazerem coisas erradas, mas no final a punição é queimar no meu reino, então eu os incentivo, para no fim, pode dar a eles a punição que merecem. 

— não é injusto, mandar fazer o mal e depois puni-los? 

— pra mim não é, mas para eles talvez seja injusto, para mim é bom, quanto mais pecadores na terra, mais almas para queimar no meu reino! — estalou os dedos, mandando Jungkook de volta para o seu lugar. 

— pai? pai... — olhou para os lado, mas não o viu, se ajeitou na cadeira e assim tirou o capuz, talvez as marcas em seu rosto não estivesse mais lá e, não estava errado, olhou para Jimin que estava o olhando também. Jeon abaixou a cabeça novamente e logo o professor entrou na sala, era aula de inglês, a favorita de Jimin, então ele estava prestando bem atenção em tudo. 

— então, iremos fazer um trabalho de inglês, sim! mas será em dupla! — O professor anunciou, olhando para o caderno. — eu irei escolher as duplas. 

— assim não vale professor, o senhor sempre coloca a gente com quem a gente não quer estar. — Taehyung fez bico. 

— eu irei ser legal dessa vez. — sorriu, escrevendo os nomes em seu caderno enquanto olhava para turma, começou a falar as duplas logo em seguida, tendo a atenção de todos os alunos para si. — Jeon Jungkook e Kim Namjoon! Jung Hoseok e Kim Taehyung. 

— a pelo menos isso, obrigado prof. — Taehyung sorriu alto. 

— Min Yoongi e Kim Seokjin e por fim, Park Jimin e Taemin. — colocou tudo de volta na mesa, se sentando enquanto ouvia os colegas se juntarem, e conversarem sobre o assunto. — o trabalho é para ser entregue amanhã, sem falta. 

— você quer fazer aqui na escola mesmo, ou preferi fazer em casa? — Taemin perguntou olhando para Jimin, não olhava para baixo pensativo. — anjo? 

— ah, desculpe! eu acho que seria melhor aqui na e-escola mesmo, quando as aulas acabarem a gente c-começa. — sorriu para ele. 

— ok, como você preferi. — Taemin sorriu e logo foram interrompidos pelo sinal, indicando que estariam livre para sair, beber agua e irem ao banheiro, pois outro professor iria entrar em 30 minutos. 

Jeon se levantou para sair da sala mas o corpo de Jimin foi mais rápido, entrando a frente dele, Jimin não disse nada, apenas o abraçou forte, deixando Jungkook um pouco surpreso com o ato. 

— eu... eu te perdoo, não te culpo por ter feito aquilo, sei que nunca me machucaria. — sorriu fofo, se afastando. — mas, ciúmes de quem? 

— obrigado por me perdoar, Jimin. — apenas afastou o corpo, saindo da sala em seguida, mas ao passar na porta, Jeon e Taemin se cruzaram, encarando um ao outro, Jimin achou estranho, mas apenas saiu da sala com os meninos. 

Jimin foi para o corredor com os meninos, já que nenhum deles estavam com vontade de ir ao banheiro ou beber água, ficaram apenas conversando no corredor, enquanto o professor não chegava, a voz de Jimin começou a "falhar", não estava mais conseguido falar direito e estava gaguejando mais do que o normal, então resolveu parar um pouco. 

assim que o outro professor chegou, eles entraram na sala novamente, era de geografia, então todos se calaram e prestaram atenção em tudo que o professor dizia.

— então, Jimin, quais o menor e o maior país do mundo? a) Vaticano e Rússia. b) Nauru e China. c) Mônaco e Canadá. d) Malta e Estados Unidos. e) São Marino e Índia. — o professor perguntou, olhando para o menor. 

— l-letra a, V-Vaticano e R-Rússia. — respondeu com dificuldade, fechando os olhos. 

— muito bem. — o professor seu a resposta como certa e assim, voltou a explicar. 

— ei, você tá bem? — Taehyung perguntou baixinho. 

— s-sim... só a g-garganta que dói! — fez bico e levantou a mão, para chamar a atenção do professor. — p-posso ir a-ao banheiro? 

— claro.

Jimin saiu da sala correndo até o bebedouro, colocou um pouco de água no copo e começou a tomar, sentindo uma leve ardência, após isso, se encostou na parede, suspirando, acabou levando um susto ao ver Jungkook aparece ao seu lado. 

— a-ai... c-como você v-veio parar a-aqui? — perguntou, com a mão no peito. 

— você sabe bem, eu posso tá em todos os lugares. — sorriu fraco, o olhando. — você está bem? por que não parece. 

— t-ta doendo m-muito... — disse se referindo a sua garganta, abaixando a cabeça.

Jeon colocou a mão em sua garganta, apertando sem força, colocou um dedo sobre cada marca que havia em seu pescoço e sobre a marca de suas presas, Jimin o olhou assustado, Jeon estava o enforcando e aquilo estava começando a ficar mais forte, segurou os braços do maior, tentando faze-lo soltar seu pescoço. 

após uns segundos, Jeon o soltou, o encarou sorrindo e assim, Jimin se curvou recuperando o fôlego. 

— ah, por que fez isso? você disse que não me mach... — parou de falar, arregalando os olhos. — que? eu não tô mais gaguejando, a... a dor passou? 

— de nada. — Jeon sumiu novamente, Jimin suspirou, pois ele sempre fazia isso, colocou o copo no mesmo lugar e voltou para a sala, sentando-se no mesmo lugar, olhou para Jeon, que estava já em seu lugar e sorriu fofo, fazendo o maior sorrir também. 

(...)

o tempo passou bem rápido, apesar de só faltar apenas uma aula para a hora do almoço, eles estavam bem energéticos, era como se os demônios não se cansasem, Jimin estava quase morrendo, quatro aula era de mia para ele, e ainda teria mais quatro depois do almoço e o trabalho com o Taemin, só de pensar, já estava ainda mais cansado. 

após um tempo, a aula acabou, todos arrumaram suas coisas e começaram a sair da sala, para almoçarem. 

— você vem com a gente? — Taehyung perguntou olhando para o menor. 

— eu... — olhou para o Jungkook, que passava pela porta o encarando. — vai indo na frente, eu vou depois. 

— ok. 

Jimin pegou seu lanche dentro da mochila e correu para fora da sala, Jeon andava muito rápido e em questão de segundos, já estava correndo, Jimin tentou o acompanhar, mas foi completamente impossível, se não soubesse para onde ele estava indo, nunca o encontraria. 

respirou fundo ao chegar no local. 

— você corre muito rápido. — colocou as mãos no joelho, se apoiando. 

— eu não mandei você me seguir, ué. 

— poxa, então tá bom, eu volto prós meninos. — fez bico e se virou, saindo. 

— não, fica. — segurou o braço do menor, ficando novamente de frente para ele, olhando em seus olhos. — o que tem de bom para comer aí? 

Jimin sorriu animado e se sentou ao lado dele, abriu a lancheira e lá havia dois mistos quentes, e salgadinhos. 

— você quer um? 

— eu vou aceitar, os sanduíches da sua mãe são os melhores. — assim que Jeon falou, os dois se assustaram com um trovão repentino em um céu azul cheio de nuvens. 

— Jun-Jungkook o que foi isso? — perguntou assustado. 

— desculpa pai, os seus sanduíches são os melhores. — Jeon riu, olhando para a carinha assustada de Jimin, aquela mesma carinha que o olhou naquele dia. . .

Jimin olhou confuso, como lúcifer controlaria o céu, se ele é dono apenas do inferno, coisas que só ele poderia responder.

— por que o seu pai te deu uma punição? ele não se orgulha do que você fez?

— ele precisa punir as pessoas que pecam, eu machuquei um humano, e foi contra todas as regras que ele ordenou ao me colocar na terra, então ele me puniu. 

— ele não deveria se orgulhar? 

— sim, mas é difícil de entender, eu acho que ainda sou muito jovem, e você é humano, não vai entender. — sorriu fraco. 

— você pode me falar quais são as regras? — perguntou, o olhando. 

— nunca matar nenhum humano, não fazer filhos com humanos, não namorar entre si, tipo, eu não posso namorar o Taehyung, por que ele também é demônio. — explicou sorrindo. — e, último e mais importante, nunca deixar ninguém citar o nome do dono do reino dos céus quando estiver perto.

— o que acontece? 

— a gente queima, ou eu não sei, meu pai não explicou muito bem. 

— ah, entendi. — assentiu, pensativo. 

— o que tá pensando? pode perguntar. 

— se demônios, são anjos caídos, você não deveriam ter asas? 

— sim, nós temos, mas elas aparecem apenas com sentimentos muito fortes, como amor ou ódio. — sorriu. 

— as suas são grandes? 

— eu nunca as vi, nunca senti tanto ódio ou tanto amor, então elas nunca saíram. — explicou. 

— oh, entendo. — sorriu, voltando a comer seu sanduíche. 

 um garoto puxou o braço de Jimin para longe de Jungkook, colocando o garoto atrás de seu, como se quisesse o proteger. 

— fica longe do meu irmão, entendeu? — Park JiHyun, irmão mais velho de Jimin, disse enquanto encarava os olhos avermelhados de Jeon. 

— eu não vou machuca-lo! — Jeon levantou, mas Hyun afastou-se com Jimin. 

— Hyun para, ele já se desculpou e não vai mais me machucar. — Jimin tentou passar. 

— olha aqui Jimin, se eu te ver perto desse cara novamente, eu vou convencer o papai a te colocar em outra escola ou te mandar de volta para Busan, onde você vai estar bem mais seguro longe dele. 

— você não teria coragem!

— só fique longe dele e não duvide de mim. — se virou para Jungkook. — e se você tocar um dedo no meu irmão, eu mesmo vou fazer questão de queima-lo em uma fogueira. — após terminar sua frase, Jeon sumiu, deixando apenas o sanduíche. 

— viu o que você fez, idiota. — Jimin se soltou do abraço, correndo para longe dali, sabia e sentia no fundo do seu coração que Jeon não o machucaria, sua garganta voltou a arder, ao entrar na sala fazia, se sentou em uma das cadeiras e começou a chorar, não sabia o motivo, mas queria fazer isso a alguns dias. 

Jeon sentou sobre a janela, mas Jimin não podia o ver nem ouvir, apenas observou o menor chorando, isso era de apertar seu coração, mas o irmão dele não estava errado, Jimin precisava ficar longe, para o bem dele. 


{>>>}




Notas Finais


hello bitches and bitches, como vocês estão? espero que bem.
cá estou eu com mais uma fic legalzinha e sem nenhuma criatividade para vocês, mas se eu não escrevesse isso hoje, eu não ia escrever nunca.

enfim, eu espero que tenham gostado, nos próximos cap's irei detalhar mais sobre a vida de cada um deles e principalmente sobre o por que de Lúcifer ter mandado os seus pequenos demônios para a terra.

até lá então, beijinhos da lika 🙈🙈


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...