História My Innocent Boy - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lu Han, Sehun
Tags Baekyeol, Chanbaek, Colegial, Fluffy, Hunhan, Kaisoo, Lemon, Smut
Visualizações 534
Palavras 2.632
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oi, desculpem a demora, era pra esse capítulo ter saído há duas semanas atrás, só que eu esqueci de postar rsrs
boa leitura sz

Capítulo 7 - Chapter 07


Fanfic / Fanfiction My Innocent Boy - Capítulo 7 - Chapter 07

 

_ C h a n y e o l _

Baekhyun estava diferente. Eu conseguia notar a forma como o seu sorriso havia mudado e seu olhar se iluminado um pouco mais. Ele estava mais confiante de si, não que sua timidez tenha sumido, porque obviamente ela continuava ali, mas agora eu percebia que Baekhyun não tinha mais vergonha de seu corpo, suas roupas ou de ser ele mesmo.

Isso me fazia concluir de que meu "trabalho" com ele estava sendo bem sucedido. Ele já havia aprendido muitas coisas novas e acima de tudo, estava com a auto estima pelo menos 1000% mais alta desde que o conheci.

Por um lado eu ficava orgulhoso, porque faziam dois meses desde o nosso primeiro beijo e as mudanças em sua vida foram drásticas. Mas por outro lado, eu me sentia amedrontado.

Eu sabia que agora os rapazes olhavam muito mais para ele do que antes e que agora ele já conseguia identificar bem a intenção por detrás de cada sorriso e olhar trocado. No geral, eu tinha medo de perder meu menino.

Tinha medo que aquele rapaz que carregava uma áurea ingenua e um sorriso tímido, deixasse de existir. O que era completamente contraditório, pois eu estava ali, me pré-dispondo a ajudá-lo, sabendo que aquele Baekhyun deixaria de existir.

Eu só não sabia que iria ficar tão desesperado quando isso acontecesse.

- Hey, Yeol! Está pensando no quê? - Ouvi sua voz doce me chamando e o encarei com um pequeno sorriso. 

- Nada de importante. - Menti, enquanto via as pessoas saindo da sala.

- Vamos para a Educação Física. - Ele se levantou e eu fiz o mesmo, o seguindo até o ginásio.

Sehun não havia ido à aula naquele dia, pois estava doente, logo, eu não participaria da aula porque não queria deixar Baekhyun sozinho, eu sabia que ele detestava isso e também não estava nem um pouco afim de praticar esportes. 

- Não vai jogar? - Ele me perguntou, assim que percebeu que eu estava me sentando ao seu lado na arquibancada.

- Não, te farei companhia. - Respondi sem olhá-lo, enquanto colocava minha mochila no chão.

- Não precisa, Chanyeol. Eu posso ficar sozinho. - Naquele momento meu coração pesou. Ele estava realmente mudado.

- Mas você nunca gostou disso.

- Acho que agora eu não me importo mais com isso. - Ele deu de ombros. Eu percebi que havia mais coisa por detrás daquele olhar, era como se ele estivesse escondendo algo, mas eu não fazia ideia do que era.

- Mesmo assim te farei companhia. - Sorri amarelo e comecei a fitar a quadra.

Ficamos em silêncio por incontáveis segundos. Baek entretido com o joguinho em seu celular e eu completamente preso em pensamentos sobre o que se passava com o hyung. Até que um rapaz alto da sala de Jongin apareceu em nossa frente com um sorriso animado.

- Baekhyun-ssi. - Ele chamou o menino, que desviou a atenção do celular o encarando com surpresa. Eu tentei não prestar atenção, mas eu não consegui me conter.

- Sim? - Ele estava desconfiado, mas percebi que não estava tão tímido quanto estaria há algumas semanas atrás.

- Meu nome é ChungHo, eu sou da turma do seu amigo Jongin. Queria saber se você não quer ir na festa que vou dar na minha casa na sexta. - O cara tinha um sorriso presunçoso, como se conseguir algo com Baekhyun o tornasse a pessoa mais poderosa da escola.

Senti meu sangue ferver, mas apenas encarei Baekhyun, esperando por sua resposta.

- Ah, acho que por mim tudo bem. - Ele deu de ombros, sem saber direito o que responder.

Porra, Baekhyun, não fode.

- Ótimo, se quiser levar seus amigos, fique à vontade. Me passe seu telefone, para eu te enviar o endereço e etc. - O menino pediu.

- Você pode falar o endereço que ele anota. - Entrei no meio da conversa, já entregando uma caneta para Baekhyun.

- Não, Chanyeol, tudo bem. - Baekhyun sorriu meio timido para mim, enquanto passava o numero do telefone para o sujeito.

- Obrigado, Baekhyun, até mais. - O menino sorriu e se afastou, enquanto Baekhyun me encarava um pouco assustado.

- Ele me chamou para uma festa, Chanyeol. - Parecia que sua ficha estava caindo aos poucos, enquanto eu já estava puto ao ver o rapaz perto dos amigos com um sorriso vitorioso nos lábios.

- Você tem certeza que vai ir? - Perguntei, tentando ignorar a raiva que eu estava sentindo do rapaz e de Baekhyun, por ter aceitado aquela merda.

- Vou e você e o Sehun irão comigo. 

- Você sabe que isso é quase um encontro, não é? Não é muito legal levar acompanhante. - Eu avisei, mesmo a contra-gosto.

- Mas eu quero vocês lá para me darem apoio mesmo assim. - Ele deu de ombros e mais uma vez vi que algo estava escondido em seu olhar, me deixando preocupado.

- Tem certeza? - Ele demorou, mas concordou. - O que vai fazer hoje à tarde?

- Nada. - Ele deu de ombros, deixando um pequeno sorriso aparecer.

- Te espero na minha casa às 14 horas*, não atrase. - Sorri enquanto me levantava e fui para o vestiário. Precisava de um tempo para entender o que estava se passando em minha cabeça.

Já fazia quase um mês desde que Baekhyun havia ido em minha casa, consequentemente já tinha uma semana desde que nos beijamos e que eu havia feito um boquete nele. 

Estava na hora de matar a saudade.

[...]

_ B a e k h y u n _

Assim que cheguei em casa, almocei com uma pressa inigualável e subi para o meu quarto. Eu só queria deitar e esperar o tempo passar, até que eu pudesse ir para a casa do Chanyeol. No entanto, o vibrar do meu celular chamou minha atenção, tirando qualquer paz que eu pudesse ter naquele intervalo. Isso por que era ChungHo.

Eu não me preocupei em responder, simplesmente porque tudo que estava na minha cabeça era Chanyeol e mais Chanyeol.

Eu sei que teria um possível encontro com o rapaz naquela festa, mas eu não conseguia dividir minha atenção entre ele e o Park, era humanamente impossível para mim.

E sem conseguir tirar aquelas coisas da minha cabeça, eu fui até meu guarda roupas e peguei uma calça branca, uma blusa amarela clara de mangas compridas e meus óculos de grau redondos. Vesti as peças rapidamente e saí de casa, já que minha mãe não estava ali.

Ao contrário de todas as outras vezes em que eu saía na rua, dessa vez eu caminhei calmamente. Minha cabeça estava cheia, vários pensamentos rondavam em minha mente e eu só conseguia pensar na pessoa que eu estava me tornando. Eu percebia que aos poucos eu deixava de ser o meu verdadeiro eu e isso me incomodava em certos pontos.

Decidi não focar muito nisso e comecei a caminhar mais rápido, já com os pensamentos vagando em o que Chanyeol faria comigo naquela tarde.

Não demorei a chegar na entrada de sua casa e logo fui recebido por um Chanyeol só com uma calça de moletom e cabelos molhados. Respirei fundo e tentei focar apenas em seu rosto.

- Oh, Baekhyun... Chegou mais cedo. - Ele estava meio surpreso, mas eu percebia que ele havia gostado daquilo.

- Eu estava meio desesperado, então decidi vir mais cedo. Desculpe por não avisar. - Dei um meio sorriso tímido e o vi retribuir.

- Não tem problema. Agora me conte o motivo do seu desespero. - Ele pediu, enquanto entrávamos em sua casa, já seguindo para o seu quarto no segundo andar, com o mais alto em minha frente.

- ChongHo me enviou uma mensagem. - Eu disse em tom baixo, logo percebendo que o corpo de Chanyeol enrijeceu na hora.

- O que ele queria? - Seu tom era um pouco mais duro, mas eu apenas ignorei isso.

- Eu não sei, não visualizei. - Seus ombros se relaxaram e eu me aproximei silenciosamente colocando uma mão em seu ombro. - Eu não saberia o que responder de qualquer forma.

- Você deveria visualizar. - Ele respondeu, se virando de frente pra mim e passando um braço por minha cintura. Prendi a respiração e foquei em seus olhos, que me fitavam atentamente.

- Eu não sei se quero fazer isso agora. - Minhas mãos lentamente foram para o seu pescoço, começando um carinho nos fios de sua nuca. Eu já estava me adaptando a fazer aquilo e gostava muito, pois Chanyeol ficava igual um cachorrinho quando recebia carinho.

- Então a gente poderia fazer algo melhor, o que acha? - Ele se aproximou, me fazendo dar alguns passos para trás, até ter minhas costas contra a parede.

- Foi pra isso que eu vim aqui. - Sorri antes de selar nossos lábios.

Depois de muitas semanas sem aquele contato, eu pude perceber o quanto ansiava por ele. O beijo era desesperado. As mãos de Park passeavam pelas minhas costas, enquanto eu sentia sua língua se movendo contra a minha em desespero. Eu retribuía da forma que conseguia, puxando seu cabelo não tão levemente.

Suguei seu lábio inferior, sentindo Chanyeol se mexer e me levar até a sua cama, se deitando por cima de mim. Suas mãos frias tocaram minhas costas por debaixo da blusa, me fazendo arrepiar. Peguei impulso, nos virando na cama e ficando por cima dele.

Seu moletom fino me fazia sentir com precisão o seu membro sob mim, então, inconscientemente, comecei a rebolar, sentindo as duas ereções se formarem entre nós.

A pressão era boa e a cada novo movimento, eu sentia uma sensação ainda melhor. As mãos de Chanyeol em minha bunda não facilitou e alguns segundos depois eu já estava sem minha blusa.

Park nos virou na cama, ficando com metade do corpo sobre mim. Nossas bocas voltaram a se encontrar, mas dessa vez os beijos eram superficiais. Nossos lábios apenas se mexiam um sobre o outro, as vezes trocando mordidas ou sugando o lábio inferior um do outro.

- Ah, Baekhyun... - Ouvi a exclamação de Chanyeol e voltei a beijá-lo rapidamente, sua mão voltou para a minha cintura e ele pressionou nossas ereções mais uma vez. 

Deixei um leve gemido escapar, enquanto suas mãos me puxavam para o seu colo e ele se sentava, comigo em suas pernas. Nos ajeitamos melhor na cama e eu voltei a mexer meu quadril, dessa vez de frente para trás, fazendo com que suspiros e gemidos contidos deixassem nossos lábios.

Em um ato de coragem, deixei que uma mão minha fosse para o principal ponto de encontro entre os nossos corpos e apertasse seu membro já completamente duro. Um gemido surpreso escapou do rapaz, me fazendo acompanhá-lo quando ele agarrou os fios da minha nuca, me arrepiando.

- Baekhyun... - Ele suspirou, enquanto eu continuava a massagear sua ereção.

Eu não era muito experiente naquilo, mas como já havia feito aquilo em mim mesmo, duas vezes, eu já sabia mais ou menos o que deveria fazer.

- Shh. - Sussurrei voltando a beijá-lo, enquanto minha mão cruzava o limite de sua calça, puxando seu membro para fora da mesma.

Me afastei um pouco, sentando mais próximo de seu joelho. Minhas mãos subiam e desciam pela ereção com calma, fazendo Chanyeol interromper o beijo várias vezes para gemer.

Ele se ajeitou melhor na cama e se deitou novamente, me fazendo ficar ao seu lado, enquanto distribuía alguns beijos desajeitados pelo seu pescoço, continuando os movimentos.

Até que ouvimos o barulho da campainha e nos afastamos assustados.

- Eu só tomo no cu mesmo. - Ouvi Chanyeol xingar e segurei a risada. - Já volto.

Ele se levantou e respirou fundo, ajeitando a ereção dentro da cueca, enquanto saía em passos irritados pelo corredor. Fechei meus olhos e tentei me concentrar em desfazer a dureza de meu membro, mas não estava sendo fácil.

_ C h a n y e o l _

Desci as escadas tentando pensar em qualquer imagem que me fizesse broxar, mas eu só conseguia pensar que algum filha da puta estava interrompendo meu amasso com Baekhyun.

Abri a porta puto da vida e dei de cara com Sehun e Luhan de mãos dadas.

- Que cara de cu murcho é essa? - Sehun me perguntou e eu revirei os olhos, dando espaço para eles entrarem.

- Por que você tá com a boca toda vermelha e ta descabe.... entendi. - Luhan virou o rosto segurando a risada e arrastou o namorado até o sofá. - Parece que viemos em um péssimo momento.

- Eu vou buscar um blusa e já volto. - Avisei completamente irritado e comecei a andar em direção às escadas.

- VOCÊ TAVA BATENDO PUNHETA CHANYEOL-SSI? - Sehun perguntou praticamente gritando e eu apenas ignorei, enquanto ouvia o tapa que Luhan havia dado no mesmo.

Entrei no quarto, vendo Baekhyun já vestido, enquanto ajeitava seus óculos em frente ao espelho no canto do quarto. Me aproximei e o abracei por trás.

- Eu vou matar aqueles dois filhotes de hiena. - Murmurei próximo ao seu ouvido, vendo-o rir, enquanto se virava para retribuir meu abraço.

- Se você matar, eu enterro. - Rimos e ele me deu um selinho demorado. - Vamos descer.

Peguei uma blusa que estava jogada sobre minha escrivaninha e desci as escadas ao lado do menor, que ajeitava alguns fios de seu cabelo.

- Uau... - Foi a única coisa que Sehun disse, ao ver as bochechas coradas de Baekhyun.

- Pô, Chanyeol, pensei que você era hétero. - Luhan brincou, fazendo Sehun rir escandalosamente. Andei até o sofá maior e me sentei, colocando o braço sobre os ombros de Baekhyun, que se sentou ao meu lado, ainda meio tímido.

- Pensou errado, esse aí nasceu com o pé no vale homossexual.

- Graças à Deus. - Respondi Sehun, fazendo os três rirem. - Enfim, o que vieram fazer aqui?

- Não tinha nada pra fazer, então resolvemos vir pra cá. - Sehun deu de ombros, enquanto Luhan apoiava a cabeça em seu ombro, fazendo desenhos aleatórios na coxa do mais novo.

- Se você respondesse as mensagens que mandamos, certamente não estaríamos aqui. - Luhan completou, me fazendo revirar os olhos.

- Com o Baekhyun aqui em casa, eu com certeza ia responder você Luhan. - Vi o menino se encolher ao meu lado e o puxei mais para perto, ouvindo a risada maliciosa de Sehun.

- Oh Sehun! - Baekhyun o repreendeu e ele logo se calou.

- Desculpa, hyung. - Abaixou a cabeça, mas ainda tinha um sorriso divertido nos lábios.

- Já que vocês estão aqui, vamos assistir um filme então. - Peguei o controle da televisão e selecionei um filme qualquer na Netflix.

Baekhyun apoiou a cabeça em meu ombro e passou um braço pela minha cintura, me abraçando bem perto de si. Ele fechou os olhos e eu já sabia que ele iria dormir, então comecei a fazer carinho em seus cabelos.

- MEU DEUS VOCÊS SÃO MUITO LINDOS, VOCÊS TÊM QUE CASAR! - Ouvi o grito de Luhan e o olhei assustado, vendo Baek fazer o mesmo e suas bochechas logo atingiram uma coloração avermelhada.

- Pelo amor de Deus, para de gritar. - Sehun implicou, empurrando o menino levemente.

- Eles são adoráveis, amor. Eu queria que a gente fosse assim. - Choramingou, voltando a apoiar a cabeça no ombro de Sehun, enquanto eu prendia a risada.

- Só assiste o filme, Luhan. - Sehun pediu, o abraçando pelos ombros também.

Soltei uma risada fraca e voltei a olhar para a televisão, enquanto Baek voltava a fechar os olhos e a deitar em meu peito. 

Adorável


Notas Finais


*As aulas na Coréia geralmente duram o dia todo, mas eu modifiquei pra dar certo com a história

Yehet!
Gente eu to meio desmotivada pra postar, porque comentários fazem uma diferença do caramba e eu não sei se vocês estão gostando ou não, então comentem para que eu possa saber.

Também leiam Stellasies, que é minha bebezinha, tenho certeza que vocês vão gostar rsrs
https://spiritfanfics.com/historia/stellasies-8937447

Um beijo e até a próxima sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...