História My Life as a Squib - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Louis Weasley
Tags Harry Potter, Harry Potter Aborto, Harry Potter Nova Geração, Louis Weasley, Squib
Visualizações 9
Palavras 662
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, pessoas!!! ;D
Tudo bem com vocês?
Bom, aqui está mais um capítulo e eu realmente espero que gostem! ♥

Capítulo 3 - So Cold


so cold**

.

ruas cheias são esvaziadas

uma por uma

heróis vazios se separam

enquanto correm

você é tão frio

.

thomas belby

 

.

.

Você caminha despreocupadamente por aquelas vielas imundas e úmidas, enquanto os primeiros raios do sol começam a aparecer, afugentando as trevas da noite. Ainda nem chegou a sua casa, mas essa é uma bênção, afinal você odeia aquele lugar. Então, a caminhada se torna mais lenta a cada passo e você relembra os momentos da noite que agora encontra seu fim. A droga e o álcool ainda correm por suas veias, você pode sentir, é uma sensação boa de qualquer forma.

Essa fora apenas uma noite normal, no entanto, mesmo que já esteja acostumado com essa rotina, ela ainda consegue levá-lo ao júbilo. Você nasceu para a vida boemia, para passar as madrugadas em ambientes profanos, onde as garotas são fáceis e as drogas ainda mais. Imagina se um dia irá se cansar de tudo isso, mas sabe que a resposta é não. Talvez saiba que está totalmente perdido quando a orgia é a única coisa que faz sentido em sua vida. Você, contudo, não parece se importar. Já não se importa com nada, encontra-se em um estado de tamanho entorpecimento que não há uma única coisa que possa ser feita para salvá-lo. E você não quer ser salvo.

Afinal, não precisa disso, certo? Você é Thomas Belby, simplesmente “o cara”. A comunidade bruxa pode até te considerar parte da escória, mas entre os squibs você é um rei. Ninguém irá questioná-lo, ou entrar em seu caminho, é você quem manda. E vai conseguir exatamente o que cada um de seus amáveis súditos lhe pedirem, desde que paguem, é claro. Alguns, o chamariam de traficante, mas é mais do que isso, você apenas propaga um pouco de felicidade para aquelas almas tão miseráveis e abandonadas.

Quando finalmente chega a sua casa o dia está claro, mas seus pais ainda dormem. Mesmo assim, você não faz nenhum esforço para ser sutil ou silencioso, não é como se eles fossem se importar com o fato de você não ter dormido em casa. Deixaram de se importar há bastante tempo. Seu pai, na maioria das vezes, nem mesmo lembra o seu nome, te chamará de Tim ou Thimort, mas nunca de Thomas, e a sua mãe, bom, a sua mãe se tornou um fantasma depois daquela noite. Você sempre soube que ela era fraca e até mesmo um pouco insana, no entanto, tudo se intensificou quando a Anastácia partiu.

Anastácia. A simples menção àquele nome faz seu coração se contrair dolorosamente e você luta para trancar as lembranças e afastar os pensamentos, luta contra a saudade que deseja se instaurar em seu peito e contra a culpa que começa a corroê-lo. Então, sobe as escadas o mais rápido que consegue, tudo o que deseja é se jogar em sua cama e dormir até que a noite chegue novamente. Seus pés, entretanto, como se se movessem por vontade própria, param em frente ao quarto dela e você reprime um suspiro. Quantas vezes terá que se despedir de sua irmã?

 Cogita entrar, mas não quer sentir toda a presença da doce Anastácia que aquele cômodo exala. Então, se força a ir para o seu quarto. Sequer se dá ao trabalho de tirar os sapatos, enquanto se lança embaixo dos cobertores. Fecha os olhos, implorando para que o sono venha libertá-lo de tamanha agonia. A única coisa que aparece, contudo, é a culpa. A culpa que te assombra diariamente, o único sentimento que seu gélido e obscuro coração é capaz de sentir. A única coisa que ainda lhe torna humano.

Mas feche seus olhos, criança, e dê um descanso a sua doce alma agoniada. Feche seus olhos, Thomas, e durma, pequeno anjo caído.

.

.

me mostre como isto termina, está tudo bem

me mostre o quanto indefeso você realmente é

satisfeito e vazio por dentro

está tudo bem, vamos fazer outra tentativa


Notas Finais


**MÚSICA DO CAPÍTULO {https://www.youtube.com/watch?v=pzMvqv_3nfM}
THOMAS {encurtador.com.br/lCSVW}
Bom, acabei mudando o dreamcast do Thomas, mas sintam-se livres para imaginá-lo como desejarem. Garanto que a canalhice do personagem não será alterada hahaha. Ainda assim, é válido avisar que apenas Alicia permanece com a mesma aparência, mas conversamos mais sobre isso nos próximos capítulos.
De qualquer forma, espero que tenham gostado! ♥
Beijinhos...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...