História My Life In Your Hands. (Malec) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Crônicas de Bane, Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Catarina Loss, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Luke Graymark, Madame Dorothea, Magnus Bane, Maia Roberts, Maryse Lightwood, Meliorn, Ragnor Fell, Raphael Santiago, Robert Lightwood, Sebastian Morgstren, Simon Lewis, Tessa Gray, Valentim Morgenstern
Tags Magnus Bane, Malec, Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Visualizações 243
Palavras 1.460
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Poesias, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello Sweets 😍❤😍❤

Estou muito satisfeita como vocês estão reagindo a fic 😍🙈
Sempre estou de olho nos comentários de vocês, e muito obrigada por tudo. ❤😍

Capítulo 3 - Uma ultima manhã?


     Na Manhã Seguinte 


Alec acordou com o barulho do despertador, ao olhar para o lado o pequeno objeto ao lado da sua cama, marcava exatamente 10h30 da manhã. Ele sentou-se a beira da cama com seus pés sobre o piso gelado e encarou seus próprios dedos, ele então resolveu levantar-se e ir ate a cozinha, onde sua cafeteira automática já havia feito seu café.

- Bom dia Max. - Disse o moreno olhando para uma pequena foto de um lindo menino.

Ele tinha cabelos castanhos claros, quase loiros e lindos olhos azuis. Iguais aos do Alec.

Alec foi ate a sacada da sua casa, seu olhar percorreu toda a avenida. Ele viu pessoas com pressa, olhando em seus celulares e logo o médico pensou "será que essa distração os levaram ate mim, no hospital?"

Alec já tinha visto essa cena. Uma vez ele estava comprando um café em frente ao hospital, quando ele viu uma jovem entrar na loja de café. Algumas horas depois ela estava em sua frente, na sala de emergência. Quando perguntaram como havia sido o acidente, ela disse:

- Eu estava ao telefone. Não vi que o sinal estava verde e atravessei a rua, e não vi o táxi vindo em minha direção.

Alec acordou do seu leve devaneio ao ver que seu celular tocava, ao ver o que se tratava de uma vídeo chamada da sua mãe. Maryse Lightwood.

- Oi mãe. - Disse o rapaz olhando para a tela do celular.

- Bom dia filho. - Disse a mulher de olhos claros e cabelos negros. -  Está tudo bem ai?

- Sim... e ai em Idris? Como esta as coisas e o papai?

- Esta tudo bem. - Disse ela olhando para o lado.

- Ele está ai certo? - Alec ficou cabisbaixo.

- Sim. - Disse ela. - Mas não foi sobre isso que eu preciso falar com você.

- Pensei que a senhora havia ligado para falar comigo.

- Isso também, mas a Lydia...

- O que ela fez? - Alec interrompeu a mais velha.

- Nós ligou para relatar sua péssima conduta.

- Tá de sacanagem né?! - Alec se irrita.

- Olha o modo que você fala com a sua mãe. - Alec ouviu ao fundo.

- Falou o homem que não olha mais na cara do filho. - Disse ele diretamente ao seu pai. Robert Lightwood.

- Alec. - Maryse voltou a falar. -  Ela só nós disse que você esta colocando a reputação do hospital em risco. - Alec não disse nada. -  Eu sei o quanto um relacionamento pode ser difícil.

- Não...a senhora não sabe o que é ter um "relacionamento" difícil, quando ambas as partes estão sendo forçadas a se casar.

- Você disse que faria qualquer coisa para salvar o hospital. - Diz Maryse.

- Não pensei que vocês levariam tão a sério. - Disse ele e ela não respondeu nada.  - Preciso ir.

- Acima de tudo...eu te amo meu filho. - Disse ela e a ligação é encerrada.

Alec estava com ódio de Lydia. Ela o fez se sentir como uma criança de dez anos, falando com os pais dele. O moreno se arrumou e logo estava no hospital, ele passou na sua sala e logo após da sala da loira, mas ela não estava lá. Ele então foi para a sala da irmã.

- Você viu a Lydia? - Perguntou ele adentrando a sala da Isabelle.

- Está olhando um paciente que chegou agora há pouco.  - Respondeu ela. - Afinal o que você está fazendo aqui?

- Preciso falar com Lydia. -  Alec estava com raiva. - O que acontece entre mim e ela, não cabe a nossos pais.

- Como assim?

- Ela falou com os nossos pais em relação a minha péssima conduta no hospital.

- Então era isso?

- Era isso o que Izzy?

- Ela hoje pela manhã veio falar comigo e com o Jace, ela queria saber se poderia falar com os nossos pais. - Disse Isabelle.

- Não acredito que você foi a favor disso. - Alec cerra o punho.

- Claro que não...ate porque ela disse que iria falar sobre o seu esforço aqui no hospital, e que talvez isso te fizesse mal, você estava se cansando demais. - Alec estava furioso. - Ela disse que talvez nosso pais conversando com você, talvez você fizesse menos plantões Alec. Do que adianta um médico cuidar da saúde dos outros, se não cuida da própria.

- Izzy... - Antes que o moreno pudesse falar algo, alguém bate na porta.

- Entre.  - Disse Isabelle.

Uma jovem morena de cabelos cacheados aparece a porta, ela estava com alguns papéis nas mãos.

- Pois não? - Disse Alec.

- Estou procurando a doutora Isabelle Lightwood?  - Disse a jovem.

- Sou eu. - Izzy se aproxima a jovem.

- A- ah é um prazer conhece-la. Eu sou Maia Roberts, sou a nova residente.

- Seja bem vinda. - Isabelle apertou a mão da jovem. -  Esse é o meu irmão Alec Lightwood.

- Prazer. - Alec repetiu o gesto da irmã.

- Você precisa de alguma coisa? - Perguntou Isabelle ao notar os papéis nas mãos da jovem.

- A- ah...sim. A doutora Branweel, precisa que a senhora assine uns papéis de transferência da paciente. - Disse Maia.

- Claro. - Isabelle da uma olhada nos papéis. -  Qual é o nome desse paciente?

- Não fui enformada mas, parece que foi aquele paciente que chegou hoje pela madrugada. - Disse a morena.

- Chega! - Alec pega os papéis das mãos da Isabelle e sai da sala.

- Fiz algo de errado? - Perguntou Maia.

- Na verdade você chegou no momento em que está acontecendo uma guerra por território. - Disse Isabelle.

Alec foi as pressas para a sala de Lydia, chegando lá , ela estava tendo uma reunião com um jovem, e Alec não hesitou em expulsar o jovem da sala.

- Você esta louco?! - Lydia o encara.

- O que significa isso? -  Alec joga os papeis sobre a mesa da loira.

- A- ah.  - Ela abre um leve sorriso. - Papéis para a transferência para aquele tal paciente.

- E quem te deu autorização para fazer isso?

- Eu sou a cirurgiã chefe. Não preciso de autorização para nada.

- Em menos de vinte e quatro horas, você está se intrometendo na minha vida mais que o normal. Você não acha?

- O hospital é meu e eu descido quem fica aqui e quem sai! - Gritou ela. - E eu quero que aquele paciente saia.

- Então porque você não decide sair da minha vida? - Questionou Alec. -  Você já tem setenta por cento das ações do hospital, pra que mais? Sem contar que você sabe muito bem que eu não te suporto a muito tempo.

- Eu te amo meu querido. - Diz ela com um sorriso irônico. -  Te amo tanto que eu mesma vou cuidar daquele paciente por você agora vá para casa e descanse.

- Eu não vou descansar enquanto você estiver na minha vida, e esse anel estiver no meu dedo. - Alec a olha. - E aquele paciente é meu! Eu cuido dele.

- Já que você não me suporta... por que ainda está comigo? Tire esse anel, assine os papéis da transferência das ações para mim e estamos livres, ate porque. Eu também não te suporto nenhum pouco. - Diz ela.

- Eu... - Alguém entra na sala rapidamente interrompendo a conversa.

- Alec! - Era Isabelle.

- O que aconteceu? -  Perguntou ele.

- O paciente esta tendo um ataque cardíaco... - Disse ela.

- Vá salvar a vida do seu paciente...enquanto ele ainda tem vida. - Disse Lydia e Alec sai correndo juntamente com Isabelle.

Eles correram até a UTI, lá os enfermeiros tentavam fazer algo. Mas, nem todos eram experientes. Alec e Isabelle passaram por todos eles e se aproximaram da cama, Alec examina os olhos do homem e ali não havia cor, sua pupila estava dilatada.

- Alec o coração dele tá parando! - Alertou Isabelle.

- Izzy, faça massagem cardíaca rápido! - Pediu Alec. - Não vai, fica aqui...fica comigo!

- Pressão arterial baixa. - Disse Jace. - Alec, ele não vai sobreviver.

- Alec, ele não está respondendo a massagem. - Disse Isabelle enquanto massageava o peito (centro do tórax) do homem.

- Eu não vou desistir de você... Eu não vou! - Disse o moreno olhando para o cara quase morto na cama. - Respiradouro urgente!

Izzy para as massagens ao olhar para o monitor, assim como Jace e os outros. Alec por último viu que os batimentos cardíacos no monitor, naquele momento não passava de uma linha. O coração do misterioso cara havia parado. 


Notas Finais


Gostaram?
Ate o próximo?
Sim, sim hahaha 😘😍❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...