1. Spirit Fanfics >
  2. My Life (Remake) >
  3. Velhos amigos - Parte 1

História My Life (Remake) - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Salve galera, mais um cap dessa fic

Boa leitura!
(Desculpem qualquer erro de português)

Capítulo 8 - Velhos amigos - Parte 1


Fanfic / Fanfiction My Life (Remake) - Capítulo 8 - Velhos amigos - Parte 1

- Lin POV-

 

Hoje eu volto pra escola depois de uns dias fora, espero não ter perdido nada especial...

Saio da minha casa indo em direção a escola.

Lin: O sol está tão bom hoje! – Digo me espreguiçando.

Continuo andando até que vejo alguém caído numa rua do lado esquerdo. Me aproximo do local e me assusto, pois estava repleto de sangue.

Lin: Como a polícia não viu isso? – Me aprofundo na rua e me aproximo do corpo.

Lin: AYRES! – Reconheço a roupa e o cabelo, pois estava de barriga pra baixo.

O levanto com cuidado, suas roupas estavam cheias de buracos e sangue.

Lin: SOCORRO, ALGUÉM ME AJUDA! – Grito enquanto começavam a descer algumas lágrimas de meus olhos.

Lin: Quem faria isso com você? SOCORRO! – Percebo que ninguém vai me ajudar.

Coloco o braço dele sob meu ombro e começo a carrega-lo, andamos um pouco até que pelo peso acabo me desequilibrando e caindo.

Lin: Droga! – Tento me levantar.

???: Garota, o que houve? – Era um menino que aparentava ter minha idade.

Lin: Eu o encontrei aqui todo imundo de sangue.

???: Tudo bem, vou te ajudar, espera ai! – Ele me ajuda a levantar e levantar o Ayres.

Lin: Muito obrigada, vou leva-lo a um hospital! – Começo a carrega-lo novamente, quando o garoto me para e diz:

???: Espera, eu levo vocês de carro! – Ele pega Ayres e leva até seu carro e o acompanho.

Entramos e vamos a caminho do hospital.

Lin: Muito obrigada! – Digo quebrando o silêncio.

???: Imagina, vocês precisavam de ajuda e eu estava lá... – Ele sorri.

Lin: Cadê minha educação, me chamo Lin, muito prazer! – Sorrio de volta.

???: Me chamo Felipe, eu já te conheço da faculdade, Lin.

Lin: Conhece?

Felipe: Sim, sou do curso de engenharia do som, conheço vocês dois somente de vista e de alguns comentários!

Lin: Positivos espero...

Felipe: Nem tanto... – Aposto que ele sabe o que houve na festa.

Felipe: Não precisa ficar chateada, você parece ser boa pessoa... Ignore esses comentários!

Lin: Você está sendo tão legal... Não sei nem como agradecer.

Felipe: Relaxa!

Chegamos no hospital, ele me ajuda a levar o Ayres.

 

- 1 Hora depois –

 

 Médico: Vocês de novo?

Lin: Olá – Rio sem graça.

Médico: Deveriam morar aqui de uma vez!

Lin: É... estou começando a achar isso também, então como ele está?

Médico: Está numa espécie de coma, somente suas roupas estavam sujas, ele não tem um arranhão!

Lin: Como assim? O local onde o encontrei estava lotado de sangue.

Médico: Não sei se ele tem religião, mas tem um anjo muito competente cuidando dele!

Lin: Eu concordo plenamente! – Pra mim parecia impossível ele estar sem nenhum arranhão.

Médico: Bem, ele ainda não acordou, mas pode ir vê-lo se quiser.

Lin: Ok, doutor! – Vou em direção ao quarto.

Quando chego lá me aproximo dele pra checar seus batimentos no aparelho.

Lin: Eu não entendo nada disso... – Rio sem graça e me ajoelho do lado dele.

Lin: Bem, eu sei que você não está ouvindo, mas me desculpa pelo que houve na festa, eu realmente não sei o que aconteceu comigo lá!

Lin: Mesmo assim depois de tudo você ainda me ajudou e eu fui tão nojenta com você... Na verdade você me ajudou desde que a gente se conheceu e eu nunca retribui... Me desculpa por isso! – Me levanto.

Ayres: Eu aceito as desculpas! – Ele me abraça.

Lin: O QUE, MAS VOCÊ NÃO ESTAVA EM COMA? – Eu grito.

Ayres: Eu tava? – Ele faz uma cara de idiota.

Lin: Que bom que está bem! – Eu o abraço.

Ayres: Credo, já tá bom de abraço já!

Lin: POR QUE VOCÊ TEM QUE SER SEMPRE TÃO IDIOTA?! – Dou um soco nele.

Ayres: Aí, por que fez isso? – Ele coloca a mão no braço que eu soquei.

Lin: VOCÊ É UM INSENSÍVEL!

Ayres: Mas sério, Lin, você nem parecia você na festa.

Lin: Eu sei, e realmente não sei o que deu em mim... – Ele fica meio cabisbaixo e sério.

Lin: Algum problema? – O questiono.

Ayres: Não, nenhum!

Lin: Você ficou quieto do nada.

Ayres: Esquece isso, o importante é que você tá bem agora! – Ele sorri.

Lin: Você tá preocupado comigo? Eu te encontrei numa rua todo surrado e com sangue em volta.

Ayres: O que? Impossível... – Ele parecia confuso.

Lin: Sorte que o Felipe me ajudou a te trazer.

Ayres: Felipe?

Felipe: Eu? – Ele entra no quarto.

Ayres: Eu não acredito... É você, Frost!

Felipe: Frost... Faz tempo que não ouço esse apelido! – Eles se encaram.

Lin: Vocês se conhecem?

Felipe: Da faculdade, não?

Ayres: Claro que não, idiota, do ensino médio!

Felipe: Puts, eu não me lembro direito!

Ayres: Vou dizer uma coisa que vai te fazer lembrar, eu ficava te desenhando na lousa com um nariz gigante. – Ele pareceu segurar o riso.

Felipe: Não acredito... – Os dois se encaram mais um tempo em silêncio.

Do nada os dois apertam as mãos.

Ayres: Teu nariz cresceu ein! – Ele ri.

Felipe: Cala boca, fogueira! – Felipe ri de volta.

Ayres: Muito obrigado por me ajudar!

Felipe: Imagina, amigo é pra isso, mas agora eu realmente preciso ir!

Lin: Que isso, fica um pouco mais...

Felipe: Eu realmente tenho que ir, preciso estudar pras provas de amanhã senão tó lascado!

Ayres: Tudo bem, vai lá!

Felipe: Até mais, quando melhorar vamos marcar alguma coisa?

Ayres: Por mim ok!

Lin: Tchau e muito obrigado! – Eu o abraço.

Felipe: Foi legal rever/conhecer vocês, até mais! – Ele sai do quarto e vai em direção a saída.

Ayres: Bom, eu também vou indo tenho que dar comida pro gato. – Ele tira o soro do braço e vai saindo.

Lin: Ei, ei, o senhor não vai pra lugar nenhum! – Seguro ele.

Ayres: Ué, por que não? Eu estou bem!

Lin: Você acabou de acordar de um coma, não quero te ver mal de daquele jeito de novo!

Ayres: Que bonitinho, você se importa demais! – Ele mostra a língua.

Lin: Você realmente tem que ser idiota sempre né? Me deixa cuidar de você uma vez! – Ele me encara por um momento.

Ayres: Tudo bem então! – Ele volta pra cama.

Lin: Obrigado. – Ele faz um sinal de positivo com a cabeça.

 

- Lin POF-

 

Lin: O que houve com você?

Eu: Eu realmente não sei, lembro de algumas coisas. – Eu menti, mas ainda parecia impossível pra mim acreditar que a garota que eu gostava é algo não humano, imagina pra Lin que só pode contar com a minha palavra.

Lin: Você não lembra como foi parar lá?

Eu: Eu fui encontrar uma amiga...

Lin: Você parece estar escondendo algo de mim...

Eu: Eu realmente não quero falar sobre isso, talvez outra hora. – Fico sério.

Lin: Se você acha melhor assim, tudo bem!

Eu: Obrigado!

Lin: Pelo que?

Eu: Por me ajudar e se importar comigo...

Lin: Sério, não me agradeça... Você já fez tanto por mim e eu só te causei dor e raiva.

Eu: Mas eu já te perdoei...

Lin: Mas não apaga o que aconteceu. – Ela fica cabisbaixa.

Eu: Escuta, você pode ficar se lamentando e sentindo-se mal, ou pode colocar uma pedra no passado e viver o agora!

Lin: Mas... – Eu a corto.

Eu: Mas nada, você realmente tem que ser mais confiante!

Lin: É... Você tem razão! – Eu a abraço e ficamos nos olhando por algum tempo.

Lin: Eu preciso ir, se acontecer alguma coisa... Qualquer coisa, você me liga, ok? – Ela diz quebrando o silêncio.

Eu: Tudo bem, tchau!

Lin: Melhoras, quando sair daí vamos começar de novo!

Eu: Perfeito. – Ela vai embora.

Fico deitado lá, pensando no que houve.

Ela disse que eu estava sem alma, mas como consigo sentir afeto e outros sentimentos?

Será que foi só um sonho? Mas seria impossível, como fui parar naquele beco?

A única alternativa é fazer o que eu realmente não quero fazer...

Falar com Anne!

É acho que realmente terei que fazer isso, irei assim que sair daqui.

 

- 1 dia depois –


Notas Finais


Obrigado por lerem, fiquem com Deus!

Abraços!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...