História My Little BadBoy - Capítulo 55


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Alfa, Beta, Chanbaek, Exo, Híbrido, Hunhan, Kaisoo, Kristao, Ômega, Sulay, Xiuchen
Visualizações 137
Palavras 1.416
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa noite ^^
Talvez eu poste outro hoje, se caso não postar é porque vou postar amanhã.

Capítulo 55 - Fifty five


— Chanyeol... Eu estou grávido.

Ao ouvir a confissão do menor o alfa arregalou seus olhos, o coração voltou a bater forte contra as costelas, foi inevitável não sorrir largo ao ouvir que seria pai novamente. Chanyeol amava crianças, isso era mais que fato, o abraço que ele deu no ômega fora mais que suficiente para o de, ainda, cabelos brancos entender que o maior estava feliz. Ah, como Chanyeol estava feliz, ele nem mesmo se lembrou que acabara de transar quando abraçou o corpo alheio, o trazendo para cima de sí, beijando a bochecha do outro. Pouco importava se eles estavam sujos, já tiveram situações piores que aquela.

— Você não está bravo? Nós dissemos que não queríamos mais e...

— Esqueça isso! Eu estou muito feliz, você sabe que amo crianças. E eu também amo muito você.

O sorriso quadrado de Baekhyun se alargou mais ainda, abraçando o pescoço alheio, ele chorou de alegria. Eles teriam mais um lindo bebê, talvez uma menina, ou outro menino, mais pouco importa, o que realmente importa é que venha com saúde. Eles estavam felizes, ninguém estragaria a felicidade deles. O amor exalava no ar.

— Mas, eu quero que tenha o sobrenome Park. Assim ficamos quites.

— Como assim?

— Naemin e Seoon tem seu sobrenome, enquanto só Seojun tem o meu. Quero mais um Park nessa família. Assim fica três Byun e três Park.

— Seu pedido é uma ordem senhor Park.

Chanyeol beijou os lábios finos de Baekhyun logo depois abriram um sorriso. O alfa pegou o menor no colo se direcionando ao banheiro, entrou no box e ligou o chuveiro. A água limpava a sujeira que tinha no corpo deles, os cabelos de Chanyeol eram acariciados enquanto os lindos olhos de Baekhyun viam o seu alfa beijando sua barriga, ainda lisa. Chanyeol olhou para cima se sentindo o alfa mais sortudo por ganhar aquele sorriso de Baekhyun.

[....]

— Noona, você vai mesmo ter que ir pra essa faculdade?

— Sim, Nae, eu preciso ir. Quero me tornar uma cantora, quero seguir os passos de appa Soo e appa Nini.

Naemin fez um bico nos lábios, ela sabia que a outra ômega iria ter que ir. Ela não poderia fazer nada, ela não sabia cantar. O coração apertou ao pensar na possibilidade de ser deixada pra trás com o passar do tempo de Krystal lá.

— Eu quero ir junto!

— O quê? Calma, você quer ir?

— Sim. Noona, eu não quero ficar longe de ti. Eu posso tentar fazer dança, assim ficarei mais próxima.

Krystal sorriu ao pensar que a ômega realmente à amava demais para deixar tudo isso acabar. Mas algo à incomodava, ela sabia que Amber estaria lá. Mesmo passando anos sendo somente amigas, ela sabia que no fundo ambas tinham sentimentos além de amizade. A mais velha olhou para a Byun com um sorriso e acentiu, agradeceu por poder presenciar o sorriso de Naemin todo dia, a ômega mais nova correu para seu quarto arrumando uma de suas malas. Ela iria dar seu melhor para ficar na faculdade de canto e dança apenas por Krystal. Ela à amava demais para deixar ela sair de sua vida como água sai de uma mão.

[....]

— Você o que!?

Kyungsoo gritou sorrindo e abraçando o irmão mais velho. Todos, ainda um pouco chocados, presenciavam a linda cena dos irmãos. Era ter estranho ver Kyungsoo tão amável já que na época colegial ele era totalmente revoltado e violento.

— Eu não acredito. Chanyeol faz um bom trabalho hein?

— Faço sim, quer tentar Sehun?

— Se você chegar perto de mim eu te dou um soco!

Só para provocar, Chanyeol pulou em cima de Sehun tentando beijá-lo. Era até estranho saber que eles eram irmãos pois eles sempre faziam esse tipo de brincadeira. Mas felizmente essa casa é toda de cabeça pra baixo mesmo. Yixing se levantou e se sentou ao lado de Tao logo chamando Baekhyun para sentar junto para conversarem sobre os bebês. Taehyung apareceu na sala, ele estava meio triste ainda, isso se via de longe, ele se sentou perto de Minseok e começaram a conversar sobre assuntos um tanto pessoais.

— Tem certeza tio?

— Sim, esses são os primeiros sintomas que Yixing sentiu na sua idade. Como híbrido, isso vem mais cedo do que dos lobos.

O híbrido menor suspirou e acentiu com a cabeça logo levantando-se e indo para a cozinha. Ele estava assustando, não queria aquilo assim tão cedo, ele teria que impedir. Abriu a porta da geladeira pegando um pedaço de bolo que tinha ali e começou a comer despreocupado, passou um tempo até que ele viu o causador de seu coração partido entrar na cozinha e se sentar de frente pra sí na mesa. Taehyung continuou comendo o bolo como se não se importasse com a presença alheia, mas ele se importava e estava se aguentando para não fraquejar na frente do alfa. O bolo servia de distração, mas seu coração doía, ele sentia falta de todo o carinho que tinha antes, dos pequenos selares, dos abraços, da proteção. Eles não faziam todas as coisas que os namorados faziam, como beijar e ter relações, por ainda serem novos, mas aquilo nunca tinha feito eles se separarem. Ele não entendia o porque daquilo tudo, era porque ele não lhe beijava de verdade? Era porque era grudento demais? Porque queria atenção demais? Balançou a cabeça tentando se desfazer dos pensamentos idiotas mas logo sua atenção fora direcionada ao alfa que pigarreou chamando por sí.

— Podemos conversar direito?

— Não temos o que conversar Hoseok.

— Temos sim, eu sei que te maguei e...

— Ainda bem que sabe!

— Enfim, eu só queria saber se está tudo bem eu namorar a Seunghyun.

— Por que precisa da minha autorização? Nunca tivemos um relacionamento sério. Foram apenas momentos de apego, e você sabe disso já que foi você acabou esse apego. Nossos pais estavam errados, e além disso eu vou pedir para não ser prometido à você, então fique tranquilo. Você poderá ser feliz com Seunghyun, e eu seguirei minha vida.

O ômega falou já se levantando e colocando o prato na pia, estava pronto pra se virar e sair do cômodo quando sentiu mãos lhe virando e lábios serem pressionados contra os seus. Os olhos arregalados encararam os fechados do alfa, sua mente voltou a funcionar e suas mãos empurraram o alfa, em seguida uma delas seguiu fortemente até a bochecha alheia acertando um tapa estalado no local.

— Nunca mais faça isso!

O ômega ditou e saiu da cozinha às pressas, mas o que ele não viu foi as lágrimas que escorreram pela face de Hoseok. Ele sabia que aquele tapa significava que seu ômega tinha nojo de sí, raiva. Sua alma fora marcada pelo tapa, um eu te odeio machucaria menos que o tapa.

[....]

Kris estava babão tão quanto JongIn na gravidez de Kyungsoo. Não desgrudava do ômega grávido de quatro meses, já sabiam que o pequeno Yukhei estava à caminho. O quarto já estava arrumado para a chegada de um dos novos membros daquela grande família.

— Amor, você sabe que só teremos um filho né?

— Claro que sei Tao, eu não ligo se tivermos só um. Se você estiver carregando ele por mim é mais que perfeito.

Os lábios se selarem num beijo carinhoso. Não é que não gostassem de crianças, a questão é que eles só queriam um filho mesmo. Não viam necessidade de ter muitos filhos.

— Eu te amo tanto Fan.

— Eu também te amo muito Taozi.

[....]

Junmyeon beijava a barriga, nem um pouco saliente, do marido. Ele já era babão com Yixing, depois que Taehyung nasceu tudo aumentou, agora com Jungwoo à caminho tudo triplicava mais ainda. Yixing sorria, não pensava em engravidar mais a vida lhe trouxe mais um presente para alegrar sua vida.

— Obrigada Xing. — o alfa falou e riu quando o ômega lhe olhou confuso — Obrigado, por me fazer feliz. Por me dar dois lindos filhos. Por me deixar te marcar e te fazer meu pra sempre.

O ômega, com lágrimas no olhos, beijou o seu alfa com toda a ternura e amor que nutria pelo alfa. Não era de ontem o relacionamento que tinham, desde de novos eram almas gêmeas.

— Obrigada você, Jun, por participar de tudo isso.

Os olhos do alfa brilharam e um sorriso largo enfeitou seu rosto. Ele amava seu híbrido, sem ele não teria se ajeitado na vida e ter feito o que fez até hoje.

— Appas!

— Sim?

— Eu e o Seoon precisamos falar algo. — os menores estavam na frente dos adultos, até porque todos ainda estavam na sala.

— Digam.

— Nós estamos namorando!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...