1. Spirit Fanfics >
  2. My little Pest >
  3. Tudo novo

História My little Pest - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, mais um capítulo. Espero que gostem!

Capítulo 11 - Tudo novo


Fanfic / Fanfiction My little Pest - Capítulo 11 - Tudo novo

Wolverhampton, Inglaterra

Faz duas semanas que voltamos para casa e estamos só aproveitando a vida de alguma forma mais tranquila. Entre idas e vindas, Emma resolveu ficar na minha casa definitivamente. Já que na teoria, eu contrato de trabalho foi renovado por minha mãe. Por tempo indeterminado. Nesses últimos meses, a melhora de Lucas é evidente no comportamento e no ensino acadêmico. Ele sempre foi muito esperto e inteligente da maneira dele, mas Emma conseguiu extrair mais ainda os pontos fortes dele. Todos os dias, eles sentam para estudar e pelo que consigo ver, ele está gostando das coisas que está aprendendo. Já vi que ele gosta muito de matemática e confesso que me surpreendeu saber disso, ele tem certa facilidade em aprender números. Muito mais do que as letras. Talvez no futuro, ele trabalhe com alguma coisa que envolva cálculos. Vai ser incrível. Nesses dias, os avós dele não saíram daqui com saudades de Lucas. Acho ótimo, estava sentindo falta de ter a casa cheia de novo. Todos conheceram a professora de Lucas e já estão cheios de amores por ela, graças aos trabalhos que ela vem exercendo com a educação de Lucas. Logo de cara eles perceberam que Lucas está mais comportado e tranquilo, minha mãe diz que o que faltava era uma figura feminina para ele. Hoje, concordo plenamente. 

Depois das férias de todo mundo, começamos a pensar na próxima turnê. Faz dois dias que estou me concentrando para escrever algumas coisas e como estou com a cabeça fresca de novo, elas estão fluindo muito bem. Enquanto Niall não volta para Londres, estamos trabalhando de casa mesmo e eu estou detestando. Concentro-me muito mais no estúdio do que em casa. Todo tipo de distração aqui me afeta muito. Agora, com Emma circulando por aqui... Meu foco foi por água abaixo. Já é difícil trabalhar com o Lucas por perto, com ela então... Minha única vontade é de ficar agarrado com ela o dia todo. Mas estou me esforçando para escrever, os meninos estão na mesma e acho que Louis daqui a pouco enlouquece de vez. Não tiro a razão dele, Els grávida está muito divertida. Divertida para nós que estamos acompanhando de fora, mas ela está quase enlouquecendo ele. Todos os dias ele liga dizendo que não aguenta mais comprar barbecue, abacate e pimentão. Ela consegue comer essas três coisas juntas e ainda achar gostoso. Quando Camila estava grávida, o desejo mais estranho que ela teve foi de mirtilo com molho de alho. Pois é, não consigo entender o porquê de ela gostar tanto disso. Com a chegada do bebê, devemos sair em turnê agora só depois que ele nascer. Vai dar tempo de escrever e gravar tudo, organizar toda a logística dos shows e ainda ficar esperando o bebê dar as caras. Ainda não sabemos o sexo e segundo Lou, Els quer surpresa no parto. Então, só saberemos todos quando ele nascer. Vai ser interessante a espera.

Já que estamos em casa de novo, tirei alguns dias para resolver coisas pessoais de Lucas. Já que ele está tendo ensino em casa, preciso comprar os livros e material que Emma precisa para continuar com as aulas. O problema é que eu nunca comprei um caderno pra ele, essa parte era feita por minha mãe. Mas como ela está mais ocupada com a reforma da casa deles, preferi não pedir mais esse favor. Assim, Emma me disse o que era realmente necessário e eu comecei a ir atrás de tudo, Taylor estava me ajudando com isso. Mas os dois estavam perdidos no meio das listas. 

- Porque uma criança de seis precisa de sete cadernos diferentes? - perguntei olhando o papel com a letra da Emma e com o notebook na mesa de centro com o site da papelaria aberto. Enquanto eu comprava os materiais fáceis, Taylor procurava os livros em alguma editora infantil.

- E porque ele precisa de livros de física e química com essa idade? Ele precisa aprender a ler primeiro, não? - Gargalhei. Ficamos a tarde toda procurando tudo e pedindo para entrar em casa. Era mais fácil pra todos. Fui para o quarto de Lucas e Emma estava no meio da aula com ele. Era muito engraçado de ver a forma que ela ensinava tudo para ele. 

- Completa esse textinho com as palavras que estão aqui. - Lucas olhava atentamente o papel com as lições de Português. Eram coisas fáceis, mas como ele não curte muito essa matéria, pra ele era quase impossíveis. 

- Era uma vez uma PRINCESA chamada CECÍLIA que morava num belo castelo. Num dia de CÉU azul, enquanto passeava pelo jardim, sua fada madrinha APARECEU e lhe entregou uma CESTA cheia de DOCES. De repente, chegaram voando três CISNES brancos. Assustada, a princesa se escondeu atrás de uma CEREJEIRA, os três famintos CISNES devoraram todos os doces. - leu baixinho o suficiente para Emma ouvir e sorrir com a sua forma de ler o texto no papel. Enquanto ele se concentrava em ler e escrever ao mesmo tempo, ela me viu na porta e sorriu, preferi não interromper a aula e desci para ficar na cozinha com Rose, Taylor estava em sua casa descansando. 

- Lucas está com Emma? - perguntou assim que pisei na cozinha e me sentei-me à mesa principal. 

- Está sim. O que acha de Emma? - cortei um pedaço de bolo de laranja que estava na mesa e comi com a mão mesmo. Os bolos de Rose são os melhores. 

- Acho que nunca vi Lucas tão comportado. - gargalhei, ela trabalha comigo desde os seis meses de vida de Lucas. Ela sabe exatamente como Lucas é. - Não sei o que Emma faz, mas Lucas é outra criança. Fez muito bem de ter contratado ela. 

- Também acho Rose. Ela é perfeita. - ela sorriu e ficou me encarando, de repente senti meu rosto quente. - O que foi?

- Já contou pra ele? - me fiz de desentendido e ela sorriu com os olhos. Ela me conhece muito bem. - Liam, está mais que evidente que vocês estão juntos. 

- Está tão na cara assim?

- Muito. E devo dizer que, é muito bom ver a sua carinha de apaixonado de novo. - Rose se sentou na minha frente, ela tinha um ar de vovó cuidadosa. E não era nem pela idade, porque ela não é tão mais velha assim. Mas pela forma que ela cuidava de nós. - Emma conseguiu conquistar vocês dois. 

- Conseguiu sim... Não sei como contar pra ele.

- Só seja sincero. Diga o que sente por ela e respeite o tempo dele. - suspirei, essa conversa vai ser bem difícil. - Lucas é inteligente, vai entender. E ele quer ver o pai feliz.

Sorri lhe dando um abraço apertado. É sempre bom ter pessoas queridas por perto. Ouvi uma voz infantil vindo da escada e logo Lucas apareceu de mãos dadas com Emma. Ele falava palavras diferentes enquanto ela sorria e elogiava por alguma coisa. 

- O que mais começa com "L"?

- Livro. Leão. - assim que me viu, correu se jogando em meus braços. Emma parou ao lado de Rose para observar a cena. - Lápis e elefante

Segurei o riso, Emma fez o mesmo. 

- Elefante começa com "L"? Tem certeza? - questionei. 

- Sim. Elefante. El... E. Fante. - disse devagar, ri alto de seu raciocínio. 

- Meu amor, tem som de "L" mas começa com "E". Lembra-se daquelas palavras que te mostrei que tem o som de uma letra, mas é outra? - Emma explicou calmamente, Lucas tentava falar a palavra baixinho de novo. Meu Deus, meu coração vai explodir de orgulho do meu filho. - Elefante é uma delas, lembra?

- Lembro... - sussurrou ainda tentando falar a palavra, Emma sorriu e fez um carinho rápido em sua bochecha. Logo ele aprende essas regras. Enquanto estava em meu colo, comeu um pedaço do bolo que Rose serviu a ele. Assim que acabou, Rose foi com ele para o jardim, para começarem uma mini-horta de temperos. Faz meses que Rose queria fazer isso, mas quase sempre Lucas estava com preguiça. Agora vai. Enquanto os dois saiam da cozinha pela porta lateral, puxei-a para meu colo. E sem perguntar nada lhe beijei. Já estava com saudades disso. Paramos o beijo por falta de fôlego. 

- Como Lucas está nos estudos? - perguntei fazendo círculos com os dedos em sua cintura, ela me olhava de perto enquanto acariciava meu rosto.

- Ele é perfeito, aprende rápido demais. Gosta de fazer contas e de saber sobre os dinossauros. 

- Lucas melhorou muito com você. - elogiei. - Não sei o que faz com ele, mas continue. Está dando muito certo. 

- Ele é muito esperto, gosta de aprender coisas novas e não é difícil o fazer ficar interessado em algum assunto. - sorri admirando seus olhos castanhos, seu cabelo estava perfeitamente bagunçado em um coque alto. E sua boca vermelha e convidativa. - Só precisava ser estimulado do jeito certo. 

- Gosto disso. Da forma que você enxerga ele... É diferente de todos. 

Apertei-lhe em meu colo, ela bom demais ter ela bem perto.

Depois do almoço, Emma me pediu ajuda para organizar algumas coisas no quarto de Lucas. Principalmente para separar algumas coisas que ele não usa mais para doar, como sempre fazemos. Seu mini closet estava abarrotado de roupa e muitas delas, nem cabia mais nele. Fui separando todas em alguns sacos. Sempre que fazemos isso, Rose consegue levar tudo para uma casa de crianças carentes que ela frequenta. Enquanto isso, Emma separava os brinquedos e organizou os livros numa estante pequena que tinha do lado da mesinha de estudos dele. O quarto ainda era decorado por dinossauros, como Lucas queria. Provavelmente, ele vai querer mudar tudo logo. Demos uma geral no quarto todo, arrumei a casinha de Dóris que tinha do lado da cama dele, que ela nunca usava. 

- Quando começam os trabalhos para a próxima turnê? 

- Depois que Niall voltar. Ainda estamos escrevendo as músicas. - fechei os três sacos com doações e deixei no lado da janela. Assim que eu fizesse o mesmo no meu quarto, Rose já levaria com ela. - Vai achar ruim ter que viajar com a gente de novo?

- Não. Já me acostumei com vocês. - sorri. Aproximei-me dela e lhe puxei pela cintura, seu corpo colou no meu. - Gosto de ficar em quartos de hotéis com você.  - Lhe beijei com força. 

- Emma, aceita jantar comigo e com Lucas hoje? - perguntei a fazendo rir. Seus braços circularam meu pescoço ficando nas pontas dos pés. Ela era bem baixa. 

- Eu sempre janto com vocês, Liam. - debochou. 

- Eu sei, mas esse jantar é diferente…

- Como assim?

- Vai ser o primeiro como minha namorada, oficialmente. - vi suas bochechas corarem e sorri lhe roubando um beijo rápido. - E vai ser ótimo a gente sair um pouco com o Lucas, ele não tem andando muito na rua... - Ela concordou e continuamos arrumando algumas coisas. Ficamos conversando sobre banalidades enquanto ele guardava as roupas de Lucas. A tarde foi tranquila, Emma se juntou a Lucas e eu fiquei na sala vendo algum jogo na TV com uma cerveja na mão. Estava bem à vontade e cheio de preguiça. Deixei escurecer um pouco mais pra dar banho em Lucas e deixar ele pronto para gente sair.

Depois de horas, Lucas entra pela sala completamente coberto de terra e com uma mudinha nas mãos. Seria uma cena muito bonita se Rose não surtasse ao ver a bagunça que ele estava fazendo.

- Paizão! Olha o que Taylor me deu. - olhei uma plantinha em sua mão que ele levava com toda a cautela do mundo. Era bonitinha.

- Que bonito filho. Mas porque você não vai plantar ela?

- Porque eu queria te mostrar. - sorri, fui com ele para o jardim e vi Rose e Emma sentadas na grama e mexendo nas flores. Fazia tempos que não via vida naquela parte do jardim. Sentei-me ao lado de Taylor e Lucas veio se sentar no meu colo, ainda com a mudinha nas mãos. O ajudei a plantar ela e depois só ficou observando eles fazendo o mesmo com as outras mudinhas.

- Filho, vamos tomar banho pra sair?

- Aonde vamos, paizão? - o peguei no colo e entrei em casa. Fui para o segundo andar indo direto para seu quarto.

- Vamos jantar com Emma, tudo bem? - afirmou empolgado. Ele adora sair de casa. Uma pena que não podemos fazer muito isso. Aproveitei o momento e entrei na banheira com ele, me poupa tempo. De qualquer forma eu sempre me molho pra dar banho nele mesmo. Enquanto ele brincava com seus barcos, eu passava shampoo em seu cabelo e no meu, praticidade. Percebi que ele falava baixinho algumas coisas bem engraçadas, parecia cantar alguma canção que eu nunca tinha ouvido antes - Quem cochicha, o rabo espicha, sabia?

- Que?

- O que está cochichando aí?

- Tio Zayn cantou pra mim no telefone ontem. É a nova musiquinha dele, paizão.

- E você gostou? - às vezes, Zayn faz Lucas dormir pelo telefone. Liga mais ou menos na hora de dormir e fica cantando no telefone. Ele fazia muito isso quando Lucas era mais novinho, em menos de dez minutos ele já estava dormindo. A voz de Zayn é muito boa de ouvir, até eu já dormi o ouvindo cantar. Quase sempre, Lucas era o primeiro a ouvir as novas músicas de Zayn.

- Gostei muito, paizão. - tirei todo o sabão dele e comecei a tirar o que estava em mim. - Paizão, a gente vai ter que sair de casa de novo?

- Vamos sim, filho. Não agora, primeiro vamos fazer novas músicas e depois vamos voltar a viajar com os meninos. Não quer mais viajar com a gente?

- Quero sim, mas a Dóris vai ficar muito tempo sem a caminha dela de novo. Posso pedir pra tia Emma levar a caminha dela? - sorri com sua preocupação, Dóris foi o melhor presente que eu consegui dar pra ele.

- Pode sim. E no caminho, a gente compra outra caminha pra ela. Muito maior e mais gostosa, tá bom? - ele confirmou. Terminei o nosso banho e fui escolher alguma roupinha pra ele. Estava um tempo agradável em Londres, era primavera então não precisava colocar um casaco nele. Escolhi uma calça moletom e uma blusa amarela com um vans preto. Eu fico fascinado com o tamanho das roupas de criança, Lucas tem muita coisa bonitinha que nem parece que um ser humano pode usar. Deixei-o pronto na cama dele e fui buscar uma roupa pra mim. Estava sem muita inspiração para roupa e então busquei uma calça jeans, blusa branca e um all star branco. Bem casual mesmo. O lugar que eu queria levar Emma não era tão formal. Passei um perfume em Lucas e em mim. Coloquei-o no colo pra tirar uma foto na frente do espelho, Lucas está crescendo cada dia mais parecido comigo fisicamente, minha mãe costuma dizer que quando ele crescer vai ficar mais parecido ainda comigo hoje. Gosto da ideia de me ver nele. Mandei a foto para a minha mãe, para mãe de Camila e para Louis. Peguei uma mochila e coloquei algumas coisas que Lucas pode precisar minha carteira e um carregador portátil. Desci com ele pra sala e Emma estava sentada no sofá mexendo no celular, aparentemente pronta.

- Vocês demoram demais. - resmungou se levantando, Lucas correu para seu colo. Ela estava linda com um vestido preto e all star colorido. Ela ficou olhando Lucas de um jeito engraçado. - Você está tão bonitinho…

- Eu sou muito bonitinho! - gargalhei, Emma deu um beijo em sua bochecha e fomos em direção a porta que dava acesso a garagem. Coloquei Lucas na cadeirinha e Emma se sentou no banco do passageiro. Estávamos prontos para sair.

- Taylor não vai com a gente? - ela perguntou estranhando.

- Não, está de folga hoje e amanhã.

- E não vai ter problemas com isso? Você sair sem segurança? - parei para pensar na questão. Ela não estava errada em se preocupar.

- Acho que não... Voltamos voltar cedo. - Olhei para trás e Lucas estava quieto jogando no celular. Liguei o GPS e saí da garagem dando a volta na rua para sair do condomínio.

- Aonde vamos?

- Na sua hamburgueria favorita. 

- Kua Aina? - perguntou animada. Ela ama essa hamburgueria, tem o estilo Havaiano bem interessante e diferente. E como eu nunca fui nela, acho que vai ser ótimo conhecer. - Ah eu amo aquele lugar, Liam!

- Vamos ver se é isso tudo mesmo. - impliquei. Comecei a dirigir pelas ruas calmas de Londres, desviava o olhar de vez em quando para observar Emma olhando pela Janela atenta ao movimento da rua e para Lucas que estava cantarolando alguma música infantil bem baixinho. 

- Vai demorar muito? - perguntou animada. 

- Não, já estamos quase chegando. - Mais alguns minutos e algumas perguntas de Lucas finalmente chegaram. O lugar era bem divertido por fora. Havia poucos bancos amarelos no lado de fora, mas não parecia estar muito cheio. Aliás, parecia ter pelo menos umas seis pessoas só. Isso era ótimo, menor seria a nossa atenção para outras pessoas. Estacionei no outro lado da rua, saí do carro e tirei Lucas da cadeirinha. Coloquei-o no colo e Emma olhava para a fachada com uma animação maravilhosa. Aparentemente, Lucas também estava super animado. Fomos em direção à entrada do restaurante. 

- Boa noite, senhores. Possuem reservas?

- Boa noite. Sim, três lugares para Liam James. - respondi e Emma me olhou de canto por eu ter dito o meu nome do meio. Uma das "regras" de segurança que Simon criou para nós era que não devemos usar os nossos sobrenomes em público, caso ninguém nos reconheça. Então, sempre uso Liam James. Fomos guiados para a nossa mesa que era mais no fundo do restaurante, perfeito. A decoração seguia a linha do Havaí e ela muito chamativa, Lucas estava adorando. Coloquei-o no chão e logo ele se sentou no meio entre eu e Emma na mesa redonda. Peguei os cardápios e ajudei Lucas a entender o que seria cada coisa. Logo um cara meio nos atender, ele estava com uma camisa florida, calça branca e um colar de flores. Mais havaiano que isso, impossível. 

- Bem vindos ao Kua Aina. Meu nome é Leon e eu vou servir vocês esta noite. Já decidiram o que vão pedir? 

- Bom, eu vou querer um The Duke com bacon e avocado e uma coca-cola. E meu filho vai querer esse Big Chief com suco de laranja, Emma já decidiu?

- Sim, um Aina Classic com bacon e uma Margarita. - Me surpreendi com o pedido da margarita. Não vou acompanhar porque estou dirigindo, mas adorei ver que ela pediu algo alcoólico. Ela não tem cara de que gosta dessas coisas.

- Porque gosta tanto desse lugar? - perguntei enquanto Lucas brincava com meu relógio no pulso. 

- Meu pai me trazia aqui quando eu era pequena. - explicou com um certo pesar em sua fala. E percebi que ela quase nunca falava dos pais. Ela sempre falava do irmão Mike que vive na Austrália e que quase não tem tempo para voltar para Londres, mas eles se falavam quase todos os dias e ela sempre foi muito carinhosa em falar dele. 

- Você nunca me contou sobre seus pais, Emma...

- Eu não conheci a minha mãe, ela foi embora logo depois que nasci. Meu pai cuidou de mim e de Mike até quando ele entrou na faculdade de Letras. Quando ele se formou, nos mudamos para Los Angeles e ele encontrou um trabalho ótimo, com o que ele gostava em uma biblioteca da cidade. - Fiquei prestando atenção em sua história, até Lucas parou de brincar e ficou ouvindo o Emma dizia. Ela não tinha uma expressão feliz, parecia bem triste. Meu coração se apertava em cada sorriso forçado que ela tinha. - Compramos uma casa, entrei na faculdade e comecei a trabalhar em um orfanato. Estamos muito bem no que estávamos fazendo. 

- E o que aconteceu? - Lucas pulou para o meu colo e se apoiou em seus braços na mesa, encarou Emma e ela sorriu pegando as mãos dele. 

- Meu pai ficou muito doente, passou meses internado com uma pneumonia muito forte. Depois de tanto tempo, a única coisa que ele queria era voltar para Londres, aqui era a casa dele. Quando ele recebeu alta, voltamos pra cá e começamos do zero de novo. Vínhamos aqui todas as sextas. - olhou em volta, parecia lembrar de todos os momentos em que viveu aqui. Seus olhos estavam marejados, Lucas olhava pra ela quietinho e de mãos dadas com ela. Parecia que ele estava entendendo o que estava acontecendo e estava dando apoio para Emma. - E continuamos a nossa vida, do jeito que dava. Ele amava os livros, sempre incentivava a gente a ler e conhecer novas línguas. Me especializei em literatura infantil e meu irmão começou a dar aulas em algumas escolas. Meu pai sempre se orgulhou muito de nós. - sua voz começava a ficar falhada, é horrível ver Emma com essa carinha de choro. O lugar continuava vazio e um som ambiente fazia ela lembrar de mais coisas, com certeza. Continuamos ouvindo o que ela tinha a dizer, sem interromper. Era o momento dela desabafar, fico muito feliz de saber que ela confia em nós dessa forma. 

- Tenho certeza de que ele foi um cara incrível...

- Ele era o homem mais incrível que conheci... Quando o inverno chegou, ele adoeceu de novo. Foi internado por muito mais tempo e depois de quase três meses, ele se foi. Se foi dormindo. Ele estava tranquilo com aquilo, o tempo todo dizia que criou muito bem os filhos. Ele nos amava muito... - engoli seco vendo ela suspirar pesado limpando algumas lágrimas na bochecha. - Depois que ele se foi, eu e Mike nos dedicamos a ensinar crianças a se tornarem adultos legais e inteligentes. Meu pai me ensinou muitas coisas, Liam. Nossa mãe nunca fez falta porque ele sempre conseguiu nos dar tudo e o amor dele por nós era enorme...

- Emma, eu nem sei o que dizer...

- Eu gosto do jeito que você cuida do Lucas... Me lembra muito a forma que meu pai cuidava de nós. - sorri com seu comentário, Lucas saiu do meu colo e foi para o colo dela. Fiquei observando ele sentar de frente pra ela e agarrar seu pescoço, de olhos fechados ela o abraçava apertado. Meu coração ficou quente com a cena, era linda demais. 

- Tia Emma, a gente pode cuidar de você. Né, paizão? - sorri com meu filho, Emma fazia carinho em seu cabelo loiro e ele me olhava de um jeito fofo demais. 

- Se ela quiser... A gente pode cuidar dela para sempre. - estendi a mão e logo ela pegou a minha mão e apertou. Seu rosto estava corado por conta do choro, mas as lágrimas deram lugar ao enorme sorriso de quem estava adorando o abraço de urso que Lucas estava dando nela. 

Depois de alguns minutos, nossos lanches chegaram. Eu estava morrendo de fome e só a aparência dos lanches já estava fazendo com que eu salivasse, Lucas pulou para o banco do meu lado de novo e começou a comer seu lanche. Nem precisou da minha ajuda, sozinho ele conseguia segurar o sanduíche direitinho. Provei o meu e estava realmente muito bom, me surpreendeu. enquanto isso, Emma comia o lanche e fazia caras e bocas para mostrar o quão gostoso estava. Era engraçado, parecia uma criança comendo doce pela primeira vez. Nosso momento juntos estava muito agradável. Quando finalmente terminamos de comer, Emma estava no terceiro copo de Margarita. E ela estava longe de estar bêbada ou ao mesmo estava alta. 

- Nossa, eu nunca comi tanto. - me encostei na cadeira e num movimento rápido Lucas veio pro meu colo, quase aconteceu um acidente. Meu estômago estava muito cheio. E com a minha careta Emma gargalhou. Paramos de conversar quando meu celular toca e vejo que era Louis. - Fala Tomlinson. 

- Posso saber onde está, Payne? - revirei os olhos e Emma sorriu alto de novo. - Liguei para a sua casa e Rose disse que tinha saído com Lucas e Emma. 

- Viemos jantar fora, Emma me obrigou a comer um hambúrguer havaiano. - brinquei recebendo uma bolinha de guardanapo no rosto, Lucas ria das palhaçadas de Emma. 

- Liam, você está em um encontro? - consegui sentir seu tom de voz malicioso. - Liamzinho, se lembre de usar camisinha. Não tenho mais idade para ter outro afilhado como Lucas. 

Foi a minha vez de gargalhar, Louis não vale nada. 

- Você é um idiota. Nós só viemos comer uns hambúrgueres e tomar uns drinks. 

- Emma está bebendo? Meu Deus, o Mundo está entrando em colapso. - sorri de novo, ele tinha o mesmo pensamento que eu em relação a Emma. - Não esperava uma coisa dessas vindo de Emma. Além de pegar o próprio chefe, ela bebe... Que decepção. 

- Olha o respeito com a Emma.

- Aww, ele está defendendo a namorada, gente. -  Debochou com uma voz afetada, revirei os olhos de novo. - Isso é muito comovente. 

- Louis, ligou só para tirar uma com a minha cara ou para dizer algo construtivo?

- Na verdade, nenhum dos dois. Só queria ouvir sua bela voz, meu amigo. Mas não vou mais atrapalhar seu encontro, aproveite a noite. E lembre da camisinha, Payne.

Ele nem me deu chance de falar alguma coisa e simplesmente desligou na minha cara. Guardei o celular no bolso e voltei com a minha atenção para Lucas e Emma que estavam super animados cantando alguma coisa que tocava naquele momento. Os dois já tinham colares de flores nos pescoços e eu nem vi quando eles foram parar ali. Ficamos nos divertindo até tarde. É sempre bom ter esses momentos mais leves. 

Já era tarde e o bar estava quase fechando. Depois de comer tanto e brincar por quase duas horas com Emma, Lucas acabou adormecendo em meus braços. Com cuidado, coloquei ele na cadeirinha e Emma foi do meu lado como sempre. Ela também estava cansada mas ao mesmo tempo animada e feliz. Foi uma ótima ideia conhecer esse lugar, com certeza vou voltar mais vezes. 

- Está cansada? - ela só afirmou com a cabeça, seu braço meio para o meu pescoço fazendo um breve carinho ali. O suficiente para me arrepiar por inteiro, pousei a minha mão em sua coxa e fiz o mesmo. - Está feliz?

- Muito. Obrigado por ter me trazido aqui. Eu adoro esse lugar.

- E eu adoro ver você feliz. - ela sorriu e sem pensar muito puxou meu rosto e selou a minha bochecha. Apertei o volante para não perder o controle. Ela me olhava com um sorriso sincero na boca. Era perfeito. - Eu amo o seu jeito. 

- Eu acho que te amo. - A olhei surpreso. Parei o carro no acostamento da rua e me virei pra ela. Ela estava com os olhos pesados e as bochechas coradas. - Você precisa parar de me encarar assim, eu fico com vergonha. 

- Amo quando fica envergonhada. - segurei seu rosto e o trouxe para mais perto de mim, lhe beijei de forma calma e ela sorria em meus lábios. Separamos o beijo ainda com nossas testas coladas, abri os olhos e ela estava incrivelmente linda. De olhos fechados, com a boca rosada e as bochechas mais coradas que nunca. Encarei sua boca de novo, juntei nossos lábios com mais intensidade e sabor. Emma estava se tornando o meu maior vício. 

- Gosto do seu beijo...

- Eu amo você. - sussurrei vendo um sorriso se formar e logo seus lábios estavam colados aos meus. Me perdi em seus lábios de novo. Por alguns segundos esqueci que meu filho estava dormindo no banco de trás do carro e por conta de um resmungo seu, saímos de nosso transe. - Melhor irmos para casa. Preciso de um banho gelado. 

Emma riu alto, eu amo aquele sorriso. 




 


Notas Finais


Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...