História My Little Suicide-(Taehyung) - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys, Jimin, Taehyung
Visualizações 35
Palavras 1.857
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oie voltei com essa xodozinho! desculpem por ter passado tanto tempo longe, mas vou tentar o meu maximo.
mais um cap maravilhoso pra vcs.
B
O
A

L
E
I
T
U
R
A

Capítulo 13 - Getting Ready...


Fanfic / Fanfiction My Little Suicide-(Taehyung) - Capítulo 13 - Getting Ready...

Continuação...

 

 

- Tenha uma boa estadia senhor Kim! – a recepcionista me entrega meus documentos.

- Obrigada. – respondo por educação e sigo para o elevador. Nem sei o que estou fazendo. Como é que um ser no ápice de uma crise existencial resolve viajar? Bom não me pergunte, estou tentando descobrir.

Cheguei no andar e sai do elevador passando por alguns hospedes no corredor. Ainda me sinto angustiado. Um pouco deslocado talvez!? O que não entendo é como eu ainda respiro depois do que meu antigo eu me deixou.

Mas não posso pensar em algo do tipo. Nunca. Isso seria pensar como ela, e como eu me redimiria se pensasse como ela? Tenho que focar em como mostrarei a ela meu novo eu. O novo Taehyung.

Sei que será de longe a coisa mais difícil de se fazer para mim, mas não vou e nem quero desistir. São poucas as pessoas que já passaram por isso, tenho certeza. Essa vontade de ser perdoado mesmo tendo ciência de todas maldades que foram feitas. Eu já aceitei que fui um monstro, e isso é o primeiro passo, certo? Bom, tem que ser, não quero continuar o mesmo para a S/n, quero que ela saiba que mudei.

O quarto é confortavelmente grande e as janelas me deixam capaz de apreciar a linda vista daqui. Respirei fundo encarando o céu limpo, em minha mente o que surgiu foram apenas pequenos flashes da S/n. Pode parecer estranho mas, antes de “entrar em ação” e fazer as maldades que eu acha legal, eu sempre a observava, e mesmo que meus comentários fossem terrivelmente agressivos e horríveis, nunca deixava de ver todos os seus detalhes, as marcas que eu a deixava, algumas pareciam maiores e mais graves que eu imaginava. Mas sempre pensei que ela merecia aquilo.

Nem motivos eu tinha. Pelo menos não consigo ver um viável para tudo que fiz. Eu me lembro do fiz na piscina da escola. Lembro da minha audácia em pensar que seria divertido vê-la implorando por minha ajuda. Ela tinha sido poupada das aulas de natação que o professor de educação física nos dava, por não saber e nem querer aprender, então naquela tarde ela estava perto da borda da piscina, distraída com seus pensamentos, diria até mais que isso, ela com certeza estava em outro mundo. O que me fez ter a ideia brilhante de derruba-la naquela piscina e assistir ao show.

Então para pôr esse maravilhoso plano em ação, eu entrei sem que ela percebesse e a empurrei. Esperei por alguns segundos ela implorar por ajuda, mas ela não fez isso, fiquei sem entender o porquê disso. Paralisei vendo ela afundar ainda mais e não se mover para sair. Comecei a me assustar obviamente. Então surgiu em mim a vontade de ajudar pela primeira vez. Ela morreria em minha frente! Claro que me desesperei.

Mas antes que eu pudesse ter coragem de fazer algo, ouvi passos vindo do corredor e me escondi no primeiro lugar que eu achei. Então vi! Jimin apareceu e sem pensar duas vezes pulou na piscina e a tirou de lá, a colocando na beirada desesperado pela situação que ela se encontrava.

Não sei definir de certeza o que senti naquele momento em que o vi todo aflito por ela, acho que não chegaria a ser ciúmes. Está mais para inveja. Sim! Tive inveja do Jimin pela primeira vez desde que nos tornamos amigos. Tive inveja de como ele podia chegar perto dela sem que a mesma não o lançasse um olhar de medo e repudio em sintonia. Inveja dele ter a salvado e assim ter ganhado créditos com ela.

A cada segundo pensando nela me sinto ainda mais um entulho, algo que nada nem ninguém teria interesse. Só verdades não é mesmo? Quem gostaria de se relacionar com um bully desgraçado da vida.

Suspiro cansado de pensar sobre o passado e me direciono até o banheiro do quarto. Me encaro no espelho enquanto apoiava minhas mãos na pia.

- olha o que você se tornou. – digo e resolvo tomar um banho antes de passear um pouco por essas ruas convidativas.

Me vesti o mais simples e discreto possível e sai do hotel, sendo recebido carinhosamente pelo ar puro da cidade. Preciso me relaxar, esconder um pouco de mim mesmo o quanto miserável é a sensação de se considerar um monstro.

Caminhei e caminhei para longe de tudo e de todos, o mais afastado possível de tudo que pode ser usado contra mim. Caminhei como se eu realmente tivesse um destino, porem o que sinceramente acontece é que, nem sei por onde começar e muito menos o que estou fazendo. Mas um dia eu tirarei de mim essa percepção.

Já afastado da cidade encontrei uma floresta pouco fechada e muito convidativa. O que me fez querer explora-la. Bom, foi o que eu fiz.

Aqui o ar é mais limpo e frio, as arvores são altas e esplêndidas, algo digno de filme. Muito lindas e conservadas. Os arbustos singelos e quietos. Sem movimentos ou qualquer sinal de movimento por humanos. Parecia que restava apenas eu nesse lugar maravilhoso. O sol estava com vergonha se escondendo por entre as nuvens.

- queria que estivesse aqui. – sussurrei para mim mesmo e me dei conta que mesmo longe nunca serei capaz de controlar os meus pensamentos quando se trata da S/n. não sei como mas isso tudo é como um castigo. Típico posso dizer.

A garota que eu não deixava em paz agora não sai da minha cabeça. Que ótimo. Poderia até ser chato e inconveniente se eu não estivesse realmente gostando dela.

Admito! Em palavras pelo menos, eu estou gostando da S/n. E acho que esse é o preço que tenho que pagar por todo o mal que contra ela nesses últimos dias. Que maravilha.

Depois de muito caminhar vejo que já é hora de voltar para o hotel. Volto sem muita pressa já que não tenho nada para fazer e ninguém está me esperando.

 

 

S/N ON

 

 

Depois do que aconteceu eu sinceramente não sei mais o que vai acontecer com a minha vida. O Jimin simplesmente me mostrou que está disposto a cuidar de mim. E eu pela primeira vez acho que acredito nele. Eu confio no que ele me diz mesmo se for uma mentira. Ele me passa confiança, coisa que eu nunca sentir por ninguém. Além de ter um sentimento estranho envolvendo ainda mais nos dois.

Não posso dizer que estou gostando dele, seria algo precipitado demais para o meu gosto, porém, ele me faz me sentir bem mesmo eu sendo desse jeito. E eu o admiro do jeito que ele é.

Cuidadoso, carinhoso, atencioso, amigo, simples, divertido, fofo e muito bonito. Essas são algumas das qualidades que mais gosto nele. Sem falar no quanto ele gosta do Taehyung. Sim eu sei, isso é meio nada a ver mas, hoje ele saiu daqui e foi ver como estava a situação com seu amigo e isso me comoveu de alguma forma. Porque, mesmo ele estando comigo e ter brigado com o Taehyung por minha causa, ele não deixou de ser o grande amigo que sempre foi. Isso é louvável.

Já meia noite e eu ainda não consegui dormi, meus hábitos noturnos não me abandonaram e o que não facilita muito é o simples fato de ter o Jimin dormindo do meu lado. Calma! Ele está sentado em uma cadeira perto da cama e antes de cair no sono disse que só sairia dali quando eu dormisse.

Eu poderia ter o acordado mas ele está tão adorável desse jeito que me dá um pena incomoda-lo.

- Jimin! Acorde, não pode dormir ai. – toco em sua mão e balanço um pouco.

- Aigoo! Só mais um pouquinho. – sem ao menos abrir os olhos pediu para dormir mais um pouco de um jeito tão fofo. Nossa! O que está acontecendo comigo?

Resolvi não perturba-lo, por mais que eu pense que essa posição não vai deixar ele muito bem amanhã.

 

JIMIN ON – 06:20AM

 

 

Já estou acordado porem, meus olhos não querem se abrir, acho que estou sendo vencido pelo sono. E olha que essa cadeira nem é muito confortável. ESPERA? CADEIRA? O que eu estou fazendo em uma cadeira?

Meus olhos voluntariamente se abriram e meu susto ao ver que tinha dormido em um cadeira ao lado da cama da S/n quase me fez gritar alto. O que não aconteceu graças a minha mão que garantiu de fechar a minha boca. Aigoo! Acho que eu estava delirando de sono. Será que ela achou ruim de eu ter dormido ao lado dela. Será que ela acha que sou um obcecado compulsivo? Não, Aish!

Mas tenho que admitir que ela é linda até dormindo. Como alguém não consegue enxergar a sua própria beleza, talvez eu esteja sendo egoísta demais ao pensar que é algo tão “simples” de ser percebido, sem ao menos pensar em tudo que ela passou e guardou durante anos. Ela com certeza é uma garota admirável.

CARAMBA! Eu segurei a mão dela a noite toda? Aish! Eu estou apressando demais as coisas. Mas a pele dela é tão macia. Acaricio sua mão tão pequena enquanto apreciava seu rosto tão sereno.

Tive que parar de contemplar sua beleza por causa da campainha que está tocando desesperadamente. Saio o mais rápido possível para não dar tempo da S/n acordar.

- Aish! É você. Precisava tocar tanto a campainha? – pergunto a minha prima que me encara de braços cruzados.

- venho de longe e é assim que me recebe senhor Park Jimin? E essa cara de sono? O dia já raiou e você já deveria ter levantado. – disse entrando e jogando praticamente suas malas em mim. Me prontifiquei de segurar suas coisas antes que as caíssem e fechei a porta.

- bom, onde ela está? – perguntou sentando no sofá e tirando seu cachecol cinza.

- está no quarto dormindo. Por favor não a acorde. – peço e solto suas malas perto do sofá.

 - me responda chim, ela é bonita? – a encarei sem entender muito bem sua pergunta. – claro, porque se ela for eu já poderei chama-la de cunhada.

- que? Como assim, você nem é minha irmã Solar. – digo e a mesma se levanta vindo em minha direção.

- como assim não sou sua irmã sua criança mal agradecida. – puxou minha orelhas me levantando de onde estava sentado.

- Aigoo! Isso doí. Noona.

- menino mal criado, vamos logo com isso, quero saber como ela é. – disse com um tom de entusiasmo o que eu certamente acho um pouco preocupante por simplesmente conhecer minha prima.

- já te falei que ela está dormindo. Deixa descansar sim!? Aproveite o tempo que tens e se instale no quarto que preferir. – digo esperando ela aceitar minha ideia.

- está bem. – disse e seguiu até as escadas depois de ter pego suas malas. Eu agradeci mentalmente por ela não ter ido acordar minha... bom, a S/n.

Resolvi ir para a cozinha preparar um café da manhã para a S/n, e para minha prima também.

Depois de alguns minutos tudo estava pronto, deixei a cozinha e fui para o meu quarto tomar um banho.


Notas Finais


tem outro capitulo pronto mas não sei se solto agora... vou pensar.
minha gente linda, eu estou me esforçando para não deixar vocês na mão.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...