1. Spirit Fanfics >
  2. My Little Tsuru | SasuHina >
  3. Ciúmes

História My Little Tsuru | SasuHina - Capítulo 15


Escrita por:


Capítulo 15 - Ciúmes


CAPÍTULO QUINZE

Ciúmes 


Uma semana após o dia do casamento deles, a relação entre eles parecia o mais confortável possível. Não havia promessas de amor eterno como Hinata sempre sonhou, mas quando chegava a noite, eles se amavam de forma apaixonada e no final, acabavam por dividir a mesma cama até que amanhecesse e precisassem levantar para mais um dia. Sasuke não se importava com isso e até mesmo aprendeu a gostar da presença dela ao seu lado na cama. O corpo que tanto causava luxúria em si sempre se emaranhava a ele no meio da noite e na maioria das noites, nu. O perfume dela já se misturava entre os lençóis e servia como calmante para que pudesse dormir.


Nenhuma visita indesejada apareceu novamente em sua casa no decorrer da semana e durante esse tempo, devido às suas férias, se dedicou às outras casas do clã. Sasuke limpou e arrumou-as em estado mais conservado, deixando-as mais apresentáveis. A primavera se apossou rapidamente de Konoha naquele ano, o que facilitou seu trabalho nas casas, mas o que mais lhe agradava era chegar em casa e sua esposa o receber com um sorriso doce e verdadeiro, feliz com a chegada dele. Ele poderia se acostumar com aquilo facilmente para o resto de sua vida e ficaria chateado se algum dia aquele sorriso morresse para si. Além dessa recepção, o cheiro do jantar sempre o atraía ainda mais, fazendo seu estômago resmungar de fome até que se sentasse na mesa e comesse ao lado dela. Ainda era um pouco estranho ter companhia todos os dias, mas era reconfortante ter uma respiração além da sua ali naquela casa.


  — Sasuke-kun, me deixe dormir! — resmungou Hinata, sentindo os lábios do marido lhe provocarem um arrepio na nuca ao ter as costas beijada.


  — Está na hora de acordar, Hime. — disse ele, apreciando a textura da pele dela em seus lábios. — Você é tão macia... — sussurrou, deixando os lábios correrem para a nuca exposta. — e tão cheirosa.


  — Eu devo estar cheirando a suor depois da noite passada. — resmungou novamente, sentindo as bochechas corarem e mantendo os olhos bem fechados.


  — Eu estou apenas sentindo cheiro de flores... — passou o nariz pelo pescoço dela e beijou, ouvindo-a arfar baixinho. Sasuke sorriu de maneira maldosa, sem que ela pudesse ver, e se deitou atrás dela, abraçando-a. — Mas já que você quer que eu a deixe dormir...


  Ela bufou, incrédula com a atitude dele, sentindo seu corpo queimar em excitação e a calcinha molhar levemente ao imaginar que ele continuaria com os beijos. Durante essa semana casada, Hinata aprendeu a se sentir menos envergonhada na presença dele e só gaguejava quando estava muito nervosa com a aproximação dele. Além disso, ficar nua na presença dele havia virado um costume já que todas as noites faziam amor e quando acordavam no dia seguinte, compartilhavam uma ducha rápida. Havia sido difícil para ela no começo, mas Sasuke era paciente e se mostrava carinhoso – da maneira dele – sempre que estavam juntos, fazendo-a confiar cada vez mais nele. Ao virar-se para encará-lo, a garota o encontrou de olhos fechado e um sorriso ladino, erroneamente se divertindo às custas dela. Ela bufou mais uma vez e se apoiou em um dos cotovelos, segurando o lençol contra os seios livres e levando a outra mão até os cabelos dele, tirando-os da frente de seus olhos.


— Abra os olhos, Sasuke-kun. — pediu a Uchiha, querendo ver os olhos bicolores do marido.


Ao abrir os olhos, Sasuke viu os olhos perolados o observando serenamente e quando ela percebeu que ele fez o que pediu, abriu um de seus sorrisos doces que o deixava sem fôlego. Era como se todas os seus tormentos se acalmassem instantaneamente e houvesse apenas ela, como se ela fosse sua luz-guia.


  — Você é muito bonito. — murmurou, sorrindo encabulada e com as bochechas ruborizadas. Como sempre teve olhos apenas para Naruto, nunca percebeu o quão bonito o Uchiha era. Não daquele jeito pelo menos.


O rapaz corou levemente ao ouvir aquilo. Era óbvio que já havia ouvido aquele elogio milhares de vezes durante seus vinte anos e quando era menor era arrogante o suficiente para encher-se de orgulho, mas agora não. Agora era poderoso, porém sentia-se com um monstro. Quando ela disse aquilo de maneira tão doce, encarando seus olhos poderosos depois de tudo o que ele fez, sentiu-se tímido e verdadeiramente bonito, mas aquilo foi embora rápido demais e ele fechou os olhos, ignorando todos aqueles sentimentos. Ele não poderia ser amado, não depois de todo esse tempo; não depois de tudo o que fez.


— Você não sabe o que fala. — resmungou ele com a voz saindo quebrada.


— Por quê? Eu não posso achá-lo bonito? — questionou suavemente, levantando uma das sobrancelhas.


— Eu não sou bonito, eu sou um monstro. — respondeu-lhe, sombriamente.


  — Não sei da onde tirou isso, mas não é verdade. Você é uma pessoa cheia de erros e falhas como qualquer outra, mas não é um monstro. — disse Hinata, acariciando o rosto dele e notando que ele abriu os olhos. Aproveitou esse momento para continuar. — Monstros não se arrependem e nem se casam com garotas indefesas para protegê-la da família que quer matá-la. — sorriu amargamente.


  — Eu fiz isso por culpa. — disse, querendo magoá-la para afastá-la de si. Mesmo que estivessem casados, se aproximar daquela maneira era perigoso pois apenas a machucaria. — Eu era o líder da missão e precisava assumir a responsabilidade.


  — Bom, se você fez isso, foi em vão porque não foi culpa sua. — sorriu ela, tentando esconder o quão triste ficou ao ouvir aquilo. — Eu sempre fui um galho fraco. — deu de ombros, olhando para o peito dele e se perdendo em lembranças da infância.


  — Você me pegou num jutsu idiota, você não é um galho fraco. — disse ele, erguendo o queixo dela e encarando os olhos que estavam levemente marejados. — Você se prende dentro de si por causa do que sempre disseram para você, então não se sente confiante o suficiente para lutar e sem confiança não se pode entrar numa luta e vencer. — explicou, acariciando-a com o polegar. — Você é perfeita, só não percebeu isso com os próprios olhos.


  Hinata deixou uma lágrima escorrer por sua bochecha e antes que o marido pudesse limpá-lá, ela se impulsionou e colou seus lábios, pressionando-o até que retribuísse.  O Uchiha então a agarrou e a puxou para cima de si, tomando o controle da boca dela, que cedeu no mesmo instante. Sua língua passeou pelos lábios pequenos e finos antes de entrar dentro da cavidade e explora-la. Seus dedos logo se enroscaram nos fios curtos enquanto a outra mão apertava a cintura fina e a trazia para mais perto – o que era impossível já que estavam colados um no outro.


  Quando precisaram de ar, Hinata foi a primeira a se afastar e o encarou, ofegante.


  — Você pode pensar o que quiser de si mesmo e pode até tentar me fazer pensar da mesma maneira, mas para mim você sempre será a pessoa que me salvou. — sussurrou, de maneira firme, surpresa por não gaguejar. — A pessoa que me deu um lar, uma casa e um sobrenome. Você é e sempre será a minha família, Sasuke Uchiha.


  Dessa vez foi Sasuke que voltou a colar seus lábios, mas antes a tombou no colchão e subiu em cima dela, arrancando o lençol que os separava e sentindo o tronco nu dela contra o seu. Ele usava apenas uma samba-canção e ela uma calcinha aleatória, pois foi algo que eles haviam decidido no meio da noite, exaustos depois de transarem pela segunda vez, mas agora apreciavam a escolha. Sentiam seus corpos mais unidos e, de alguma maneira estranha, mais completos. O beijo pareceu durar uma vida inteira, mas não passou de minutos, afinal ainda precisavam respirar. Quando o maior passou a distribuir beijos pelo seu rosto e seu pescoço, Hinata gemeu, arranhando suas costas e inspirando o perfume masculino que ele exalava.


  Antes que pudessem aprofundar ainda mais essas carícias, eles se afastaram aos poucos, trocando selinhos carinhosos.


  — Se continuarmos, não vamos sair da cama até que seja meio-dia. — comentou ele, ouvindo-a soltar uma risada graciosa.


  — Então acho melhor tomarmos banho separados hoje, uh? — sugeriu, não querendo que ele de fato aceitasse. — Eu tomo no banheiro do meu quarto e você aqui, depois eu vou fazer o nosso café da manhã.


   — Tudo bem. — assentiu, sentindo-se um pouco contrariado também ao ter que tomar banho sem ela. — Mais tarde traga suas coisas para cá de vez, não faz sentido termos quartos separados já que dormimos juntos. — comentou, saindo de cima dela.


  — Eu estava apenas esperando você dizer isso. — corou, se levantando e vestindo a camiseta dele rapidamente. — Vou indo já. — avisou, recolhendo as roupas sujas espalhadas no chão.


  Sasuke apenas a observava, notando que ela era a criatura mais linda e cativante do mundo. Acordar e se deparar com ela ao seu lado era como se sentir em casa depois de anos longe, mas para a sua desgraça, sua "lua de mel" chegava ao fim naquele dia e logo seria mandado para alguma missão, sendo afastado dela e correndo o risco de ficar dias sem vê-la. Aquele era o pior lado de ser ninja, mas seria bom ficar alguns dias longe. Hinata era tão perigosa quanto qualquer uma arma letal, mas ao invés de fazê-lo sangrar, o faria amá-la e ele ainda não estava pronto para aceitar esse sentimento.


  "Talvez alguns dias longe me deixem menos dependente dessa mulher...", pensou, seguindo seu caminho para o banho.


|•••|


  Depois de horas trabalhando em uma das casas do distrito, Sasuke finalmente via o sol se pondo no horizonte e se sentia pronto para voltar para casa. Durante o almoço, antes que ele terminasse de arrumar o telhado para que parasse de alagar a casa em dias de chuva, Hinata apareceu com um obento e o chamou para comer. Ele comeu enquanto conversavam, mas a atenção dela ficou presa no corpo dele, que estava levemente bronzeado por ele estar trabalhando sem camiseta. O suor traçava um caminho torturante pelo corpo dele e a deixava sem ar e molhada, fazendo-a se abanar discretamente. O Uchiha mantinha um sorriso presunçoso no rosto enquanto era observado e após terminar de comer, provocou-a, ganhando alguns beijos quentes antes dela fugir de volta para a casa deles.


  Agora, ao entardecer e a caminho de casa, só conseguia pensar em tomar banho, comer o jantar que sua esposa deveria estar preparando e terminar o que havia começado naquela manhã e na casa que reformava. Seu corpo até mesmo vibrava em expectativa.


  Enquanto se aproximava da Casa Principal, pensando em algumas ideias para agilizar a reconstrução do clã, sentiu chakras diferentes dentro de sua casa e camuflou o seu, ocultando sua aproximação até que abriu a porta de entrada e ouviu a risada da sua esposa vindo da cozinha, soando completamente animada. Seu cenho se franziu no mesmo instante e ele se aproximou do cômodo, deixando com que sua presença fosse sentida antes mesmo de aparecer.


  Ao entrar na cozinha, Hinata estava sentada em uma das cadeiras com um sorriso enorme enquanto em outras duas tinha duas figuras masculinas as ocupando — tirando o enorme cachorro que estava no quintal, cheirando o território.


  — Sasuke-kun, que bom que chegou! — disse sua esposa, se levantando e o puxando para ocupar seu antigo assento. — Kiba-kun e Shino-kun vieram me visitar e eu acabei de preparar chá, você quer um pouco?


  — Hm. — resmungou ele, assentindo brevemente enquanto encarava os visitantes com curiosidade.


  — Uchiha-san. — cumprimentou Shino, respeitosamente. O dono da casa apenas acenou para ele, sentindo-se um pouco retraído em sua própria casa.


  — Tsc! — ralhou o outro visitante, atraindo o olhar negro do Uchiha, que estreitou os olhos para ele. — Não me olhe assim, eu não tenho medo de você.


  — Kiba-kun... — repreendeu a garota, suspirando.


— Se você não tem medo então por que está se sentindo tão incomodado com o meu olhar? — perguntou Sasuke, sorrindo arrogantemente para garoto-cachorro.


— Isso não quer dizer que eu tenho medo. — rosnou, como um cachorro. — Eu apenas não gosto de você.


— Então por que está na minha casa? — sorriu ainda mais quando viu os olhos dele brilharem de raiva.


— Por favor, não façam isso. — pediu Hinata, aflita, temendo que algo ruim acontecesse. — Sasuke...


— Estou visitando a minha amiga que por um infeliz infortúnio virou sua esposa. — devolveu ele, terminando a frase com o tom enojado e deixando o Uchiha muito bravo.


— Ser minha esposa ainda é melhor do que ser esposa de um cachorro. — grunhiu, com desdém.


— Oras! — rosnou Kiba, fervilhando e pronto para pular em cima dele.


— Kiba, cale a boca, você não deve falar dessa maneira com ele. Você está na casa dele. — repreendeu o Aburame, segurando o amigo pelo pulso.


— Devia escutar ele. — avisou Sasuke, franzindo o rosto de raiva. — Ele pelo menos é sensato.


— Sasuke-kun já chega, por favor. — pediu sua esposa mais uma vez.


  — Cale a boca, seu maldito! — gritou o Inuzuka, tentando se soltar do aperto do companheiro de time. — Que moral você tem para falar alguma coisa? Você é um maldito ex-nukenin! Um...


  — Já chega, Kiba-kun! — gritou a Uchiha, tentando apartar de vez aquela briga, mas era óbvio que ninguém a ouviria. Nem mesmo Sasuke.


  — Não! Vamos, continue. — ordenou ele, ativando o Sharingan e se tornando visivelmente perigoso. — O que você ia dizer? Um assassino? Um monstro?!


  — Shino-kun, tire o Kiba daqui, por favor? — pediu ela, sentindo os olhos marejarem. O amigo assentiu silenciosamente e saiu arrastando o companheiro, deixando os Uchiha para trás. Conforme ouvia eles se afastando da casa, Hinata apertava o braço do marido, tentando ao máximo segurar suas lágrimas. — P-Por que fez isso?


  — Eu não...


  — Por que não parou quando eu pedi? — voltou a perguntar, olhando para um ponto cego na camiseta dele e o interrompendo ao saber o que ele iria dizer.


  — Hinata, ele que...


  — Mas eu pedi, Sasuke! — soluçou, sentindo-se fraca e trêmula. — Eu pedi para que parassem...


  — Ele me insultou na minha própria casa. — bufou, perplexo por estar tendo aquela conversa.


  — E você não podia fazer o mínimo de esforço para ignorá-lo? — perguntou, olhando para ele. — É tão difícil fazer isso por mim?


  — Então você queria que eu ouvisse calado? — retrucou, cruzando os braços em frente ao peito. — Se queria isso, se casou com a pessoa errada. Eu sou um Uchiha...


  — E eu sou sua esposa, deveria se importar com os meus sentimentos nem que fosse um pouquinho. — rebateu, abaixando o rosto e deixando as lágrimas saírem. A realidade parecia dura demais agora.


  Isso o deixou calado, mas não fez com que se desculpasse.


  — E se vocês se descontrolassem e começassem uma luta dentro de casa? — questionou com a voz embargada pelas lágrimas e ainda com a cabeça baixa. — E se me acertassem? Eu sou fraca e inútil agora, não posso me defender sozinha...


  — Eu nunca a machucaria, Hime. — murmurou ele, começando a se arrepender. Sasuke sempre se orgulhou por ser uma pessoa relativamente calma, mas talvez o ciúmes que sentia daquele garoto cachorro o atrapalhou e o deixou possesso durante a discussão.


  — Você acabou de o fazer, Sasuke. — sussurrou, tentando engolir o choro e parar com aquele aperto doloroso em seu peito. — Kiba também tem culpa disso, mas eu não esperava isso de você. Eu achei que você não se importaria se eu recebesse meus amigos, mas para você importa desde que não seja os seus. — aquelas palavras perfuraram o coração negro dele, fazendo-o sangrar. — Kiba e Shino foram os únicos que me restaram desde que eu perdi tudo naquela missão. Ninguém mais veio me ver, muito menos no hospital, eles são os únicos amigos que eu tenho e e-eu... — um soluço escapou alto por entre os seus lábios e o maior sentiu vontade de consolá-la em seus braços, mas sabia que seria rechaçado naquele momento. — eu pensei que vocês pudessem se dar bem, mas agora eu percebo que foi apenas um pensamento tolo.


   Sasuke nunca sentiu tanta vontade de morrer como naquele momento, olhando-a chorar magoada por sua culpa. Ele havia dito a si mesmo que não a merecia, mas após prová-la e tê-la por uma semana como a deixaria ir?


  — Me desculpe. — pediu ele, realmente arrependido.


  Hinata apenas deu de ombros.


  — Já foi. — disse simplesmente, enxugando suas próprias lágrimas. — Não podemos mais mudar nossas atitudes do passado e você melhor do que ninguém sabe disso. — continuou, olhando uma última vez para a cozinha. — Não estou me sentindo bem para fazer o jantar hoje, vá comer com o Naruto no Ichiraku ou em qualquer outro lugar.


  Após terminar de falar, a garota se virou e seguiu até onde ficava seu quarto, entrando dentro daquele cômodo inabitado e trancando a porta atrás de si. Seu coração doía cada vez que respirava, mas havia passado por aquela dor tantas vezes que sabia que só precisava deixá-la sair até que a dor se esvaísse de dentro do seu peito. Se sentia má por ter dito todas aquelas coisas para o marido, mas não podia guardá-las para si e fingir que estava tudo bem. Não, apenas sofreria ainda mais com isso.


Deitada na cama fria, que nunca havia dormido, pousou a cabeça no travesseiro e chorou até pegar no sono. Lidaria com todos aqueles problemas no dia seguinte ou então no próximo, não sabia dizer. Ele só não estava pronto para lidar com aquilo naquele momento.


Notas Finais


A primeira briga do casal. Vocês não acharam que ia ser flores para sempre, não é mesmo? Rsrs'

O que acharam do capítulo? O desenvolvimento do casal não vai ser do jeito que vocês imaginam ou esperam, e isso me deixa ansiosa e nervosa ao mesmo tempo pq não sei como vocês vão reagir. Eu também já li quase tudo de SasuHina que tem aqui e quero fazer tudo diferente delas, afinal, eu não gosto de escrever coisas clichês, apenas ler. Espero que me compreendam e tenham paciência com o que eu quero. Às vezes vai parecer que eu só estou enrolando vocês, mas não é verdade, ok? Kkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...