História My Love Psycho - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags American Horror Story, Automutilação, Auto-mutilação, Bts, Depressão, Hentai, Jhope, Jikook, Jimin, Jungkook, Lemon, Lgbt, Romance, Sope, Taeyoonseok, Tortura, Vhope, Violencia, Yaoi, Yoongi
Visualizações 35
Palavras 1.947
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais um capítulo fresquinho pra vcs! Espero que gostem...

Capítulo 3 - Two.


Fanfic / Fanfiction My Love Psycho - Capítulo 3 - Two.

My Love Psycho

Two

Largou a caneta quando o sinal ecoou por todo o colégio, fazendo os alunos suspirarem e levantarem imediatamente de suas cadeiras, esticando os membros doloridos e se encaminharem até a porta.

Levantou-se de sua cadeira e esperou todos ali saírem, saindo logo em seguida e passando a caminhar a passos lentos pelos corredores até chegar ao refeitório que ficava no primeiro andar do colégio. Parou na fila da cantina.

Após comprar seu sanduíche natural e uma garrafinha de suco de laranja natural, Jimin encaminhou-se para os fundos do colégio onde havia um enorme pátio com grama, flores e árvores de todos os tipos como cerejeiras, macieiras, amoreiras etc.

Sentou-se d'baixo de uma cerejeira afastadas as diversas mesas e cadeiras de concreto espalhadas pelo local cheio de alunos. Queria distância daquelas pessoas, a apresentação na sala de aulas já tinha sido um fiasco... Não queria passar por aquilo de novo.

Após terminar de se alimentar, pegou um maço de Malboro Night  e retirar um cigarro do mesmo, levando-os aos seus lábios e pegando seu isqueiro do bolso traseiro da calça jeans.

Acendeu o cigarro, logo tragando-o fortemente e expelindo a fumaça.

-Sabia que você poderia até ser expulso se te pegassem fumando aqui?-uma voz foi ouvida atrás de si.-Sem contar que você pode acabar desenvolvendo um câncer de pulmão.

O rosado olhou por cima de seu ombro, dando de cara com um garoto alguns centímetros mais alto que si com cabelos curtos e ruivos. O mesmo usava apenas um suéter verde escuro, calça jeans cinza clara e um All Star preto surrado de cano longos.

-Talvez eu queira mesmo ter algum tipo de câncer...-Park respondeu, dando de ombros enquanto o cigarro pendia de seus lábios rosados.

O ruivo sentou-se ao seu lado, cruzando as pernas em posição de lótus.

-Pode me dar um?-perguntou, apontando com a cabeça para o maço.

Jimin apenas deixou que o garoto pegasse um e acendeu para ele.

-Jung Hoseok.-o ruivo estendeu uma mão na direção do baixinho ao mesmo tempo que levava o pirulito de nicotína aos lábios.

Park hesitou um pouco antes de apertar a palma quente com a sua, que estava fria.

-Park Jimin.

-Por você estar fumando esse cigarro rápido como se sua vida dependesse disso, deduzo que você seja um belo de um viciado ou sua vida é uma merda...

-As duas coisas estão certas.-Jimin expeliu a fumaça e apagou o cigarro.-E você? Também é um viciado?

-Não... Pelo menos, acho que não. Apenas uso isso para me acalmar e fugir da minha realidade um pouco.

Park deu de ombros, encostando sua cabeça na árvore enquanto se deitava sobre a grava verde.

-Você é o aluno novo, não é?-ouviu Hoseok perguntar.-Nunca vi você por aqui.

-Infelizmente fui obrigado a vir pra cá...-Jimin levantou-se e estendeu uma de suas mãos para ajudar o ruivo a ficar de pé.-Em que ano está?

-Terceiro ano, e você?

-Segundo.

-Então...-Hoseok sorriu pequeno para Jimin, mostrando uma perfeita fileira de dentes brancos.-Eu sou o seu Hyung.

-Sai fora!-o rosado passou a andar, com um sorrisinho quase imperceptível em seus lábios.-A gente mal se conhece.

-Mas a gente não precisa se conhecer para você me chamar de Hyung.-Hoseok seguia-o calmamente, andando com passos calmos e lentos ao seu lado.-Seus pais não te ensinaram que isso é um meio de ser educado?

-Meus pais mal se importam comigo...-Jimin disse aquela frase tão baixo, que Hoseok quase não pôde ouvir.

Quase.

Após isso, um silêncio meio constrangedor se instalou no meio dos dois enquanto ambos passaram a andar pelos corredores repletos de armários e portas.

-A gente se vê depois?-o ruivo perguntou-lhe. Hoseok havia lhe acompanhado até sua sala.

-Não estou afim de criar nenhum laço de amizade com ninguém aqui.-Jimin disse, dando de ombros.

O rosado pensou que Hoseok iria calar-se e um enorme silêncio constrangedor se instalaria entre eles, mas tudo o que o ruivo fez foi rir nauseadamente e passar uma das mãos pelo cabelo, bagunçando os fios rubros.

-Você é legal, Jimin.-disse.-Estranho, mas legal.

-Estanho legal...-murmurou, mais para si mesmo do que para o garoto a sua frente.-Quem derá...

Deu as costas ao Jung, adentrando sua sala.

{...}

Park Seungyoon se encontrava dentro de seu novo e aconchegante escritório, sentado em uma das poltronas de estofado confortável e de cor bege. Seu pequenino gravador repousava em cima da pequena mesinha de madeira clara juntamente com sua prancheta.

Seungyoon costumava atender seus pacientes em seu escritório em casa, achava mais simples e fácil; nunca se interessou muito na ideia de trabalhar em um hospital psiquiátrico por exemplo, gostava de ter seu próprio consultório.

-Entre!-disse após ouviu fracas batidas serem proferidas na porta de madeira branca.

Um jovem garoto de cabelos da cor do mais puro chocolate adentrou o espaçoso escritório acompanhado de uma mulher de cabelos tingidos de um loiro escuro.

-Bom dia, doutor Park.-a mulher disse, sorrindo para o homem enquanto fechava a porta.-Comprimente o doutor, Jeon.-repreendeu o filho.

O garoto ergueu os olhos e então Seungyoon pôde finalmente se surpreender com a cor dos olhos do mesmo. Eram de um azul pálido, sem brilho - talvez o garoto fosse mestiço -; sua pele era pálida e o jovem aparentava ser só um ano mais velho que seu filho Jimin.

A expressão do adolescente era vazia, sem expressão alguma. Estava bem claro ali para Seungyoon que o mesmo não estava nem um pouco confortável de estar ali.

-Bom dia...-sua voz era baixa, fria e levemente rouca.

Um arrepio percorreu toda a espinha do homem.

-B-Bom dia.-sorriu para a mulher.-Você deve ser a senhorita Jeon, certo?

-Sim, e este é meu filho Jeon Jungkook.-a loira apontou para o filho.-É para ele que marquei está consulta com o senhor. Na verdade, fiz isso porque o colégio me pediu para fazer.

-E por qual razão?-Park pegou sua prancheta e ligou o gravador.

-Bem...-a mulher direcionou seus olhos castanhos para o filho e torceu o nariz.-Jungkook é muito introvertido e fechado dês que completou doze anos, arruma confusões no colégio e também na rua as vezes. Não fala comigo e nem com ninguém, é anti-social e meio... Frio.

Jungkook se mantinha quieto, com seus olhos exóticos direcionados aos seus pés, olhando para o All Star vermelho como se fosse a coisa mais interessante do mundo.

-Isso é verdade, Jungkook?-direcionou seus olhos ao mais novo.

O garoto se manteve em silêncio, e tão pouco levantou a cabeça para encarar o psiquiátra.

-O doutor não tem o dia todo, Jungkook.-sua mãe cruzou os braços.

-Poderia me deixar a sós com ele?-Seungyoon perguntou.-Talvez ele se sinta mais confortável.

Estava claro que a loira não havia gostado muito da ideia a julgar pela sua expressão, mas apenas direcionou um olhar para o filho e logo se viu saindo do consultório.

Seungyoon percebeu que Jungkook soltou a respiração que nem sabia que havia prendido.

-Pode se sentar, Jungkook.-apontou para a cadeira de estofado branco.-Eu quero que saiba que tudo o que você me dizer aqui, não ira sair deste consultório; nossa conversa ficara trancada a sete chaves dentre essas quatro paredes. Pode confiar em mim para se abrir, desabafar e responder minhas perguntas. Mas se não quiser ou não se sentir confortável com alguma coisa, é só falar que não quer conversar sobre isso. Tudo bem?

O garoto de olhos azuis apenas concordou lentamente com a cabeça. Os poucos raios de sol que adentravam o consultório pela enorme janela de vidro batiam no rosto jovem, fazendo seus globos oculares brilharem e ganharem uma coloração acinzentada.

Seungyoon pegou uma pasta de cor parda e a abriu, passando a imediatamente ler a fixa de seu novo paciente.

 

Nome: Jeon Jungkook.

Idade: 17 anos.

Diagnóstico: Traços de depressão; traços de psicopatia; violência e antissocial.

 

Seungyoon deixou que um pequeno suspiro se desprendesse de seus lábios. Não conseguia acreditar que mesmo sendo tão novo o garoto de olhos exóticos já continha vários problemas psicológicos. Virou mais algumas páginas da fixa de Jungkook e logo pôde visualizar o que parecia ser uma receita médica.

O Park viu que o antigo psiquiatra receitou vários remédios para o garoto, tais como dois remédios para o mesmo dormir, um antidepressivo e outro que parecia ser um calmante.

Engoliu em seco ao se lembrar dos antidepressivos e remédios para insônia que obrigava Jimin a tomar - isso quando o mais novo não jogava os comprimidos fora -.

-Então, Jungkook...-olhou para o acastanhado.-Poderia me contar um pouco sobre você?

O garoto levantou a cabeça lentamente, direcionando um sorrisinho irônico para o psiquiatra.

-Por que? Pra você saber um pouco sobre a minha vida, fingir que se importa em me ajudar como todo o mundo, me medicar e ganhar o seu dinheiro?-Jungkook se sentiu um pouco satisfeito ao ver a expressão de espanto do outro.

Seungyoon tratou de recuperar sua postura profissional rapidamente. Estava em sua mente e já sabia que o adolescente seria meio difícil de se lidar e teria que ter muita paciência com o mesmo, até muito dialogo para chegar a algum lugar. 

Arriscava até em dizer que o Jeon se parecia um pouco com seu filho.

-Diferente do que você pensa, eu me importo de verdade com os meus pacientes. Talvez eu ganhe dinheiro fácil sim atendendo eles, mas se não ganhasse como eu iria conseguir pagar as minhas contas?-o médico comentou calmamente.-Agora, que tal me contar mais sobre você? Em que ano está?

-Terceiro colegial.-respondeu de má vontade, dando de ombros.

-E como você é no colégio? É quieto? Extrovertido? O primeiro da classe?-continuou a fazer as perguntas, pegando uma caneta e passando a anotar detalhes sobre seu novo paciente.

-E no que isso importa?

Seungyoon soltou um pequeno suspiro e massageou as têmporas; lidar com Jeon Jungkook seria mais difícil do que pensava.

-Importa muita coisa.-disse por fim.-E então? Temos todo o tempo da consulta.

Jungkook suspirou, endireitando-se um pouco mais na cadeira e olhando diretamente nos olhos do psiquiatra.

-Não sou muito de socializar com os outros alunos.-começou.-Gosto de ficar na minha, quieto no meu canto. Eu... Meio que tenho um pouco de déficit de atenção, então não costumo tirar notas muito altas.

-Sua mãe o ajuda em seus estudos?

-Minha mãe na verdade é uma vagabunda desinteressada...-riu sem humor algum, arrancando um olhar de olhos minimamente arregalados de Seungyoon.

Se Jimin falasse assim da própria mãe... Com certeza levaria a maior surra de sua vida.

-Ela nunca se importou.-seu olhar se tornou meio distante.-Ela parou de se importar quando meu pai nos abandonou.

-E por que ele fez isso?

Jungkook calou-se. Não gostava de tocar no assunto que se referia ao seu pai; na verdade, sentia raiva e ódio do mesmo por ter o largado com uma mulher que só se importa consigo mesma e vive aparecendo com um homem diferente a cada mês.

-Tudo bem, não precisa me dizer sobre isso se não quiser.-o Park sorriu pequeno, tentando passar conforto para o mais novo.-Tem amigos em seu colégio?

-Não...-respondeu simples.

-Bem... Pelo que eu vejo, você e sua mãe não tem um bom convívio, não é?

Quando o Jeon estava prestes a abrir e a boca e dizer que já estava se recusando a responder mais do que aquelas perguntas, um apito baixinho e irritante - na concepção de Jeon - se fez presente em ambos os ouvidos dos mesmos. 

-Bem, nossa consulta já acabou, Jeongguk.-sorriu amigável.-Irei lhe ligar para lhe informar quando ira voltar para uma próxima consulta.

Jungkook se levantou, desamarrotando suas roupas.

-Até logo, Jeon.

O garoto de cabelos acastanhados apenas deu as costas para o Park e caminhou a passos rápidos para fora do consultório.

Aquele seria realmente um paciente muito difícil de se lidar...


Notas Finais


E ai, o que acharam??? Até o próximo capítulo...
Beijinhos de hortelã<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...