1. Spirit Fanfics >
  2. My mobster - taekook-vkook - abo - >
  3. 001- a busy night

História My mobster - taekook-vkook - abo - - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá taekookas!

Aqui está o primeiro capítulo como prometido, passei um pouco do horário mais ei postei 🙂😑

Qualquer dúvida, pode falar nos comentários, e se gostou favoritem isso me ajuda muito 😊

Boa leitura e um beijinho de morango 😘🍓
Ass: Unnilane 😘

Tradução do capítulo– Uma noite agitada.

Capítulo 1 - 001- a busy night


Fanfic / Fanfiction My mobster - taekook-vkook - abo - - Capítulo 1 - 001- a busy night


•°Kim Taehyung•°


Acordo com o sol adentrando na minha janela e acertando o meu rosto, aí eu me lembro. Droga! Esqueci de fechar a janela ontem a noite! Com um pouco de dificuldade abro os meus olhos esperando minha pessoa se acustumar com a claridade do ambiente. Me levanto rapidamente mas depois me arrependo após senti um leve tontura. Vou em direção ao banheiro para fazer minhas higiênes, escovo os dentes e depois tomo um banho gelado. Saio do banheiro com uma toalha enrolada na cintura e outra enxugando o cabelo, vou até o meu pequeno guarda roupa, escolhendo uma blusa de lã colada ao meu corpo e uma saia vinho com botões na frente e uma bota coturno preto. Sim! Eu uso roupas femininas e não estou cagando para a opinião dos outros. Eu não me apresentei direito então vamos lá.

 Me chamo Kim Taehyung tenho 21 anos, sou um ômega puro, tenho o cheiro de vinho com uma pitada de morango o quê atrai muitos alfas, por isso tomo duas doses de remédios para diminuir o cheiro. Tenho olhos azuis e cabelos loiros, tenho um metro e sessenta. Moro em Seul, não sou rico e nem pobre, só tenho dinheiro o suficiente para me manter vivo. Meu passado não é um dos melhores, e eu tenho que viver com isso. Trabalho em uma floricultura no centro da cidade junto com a minha querida amiga Jennie e companheira nas horas ruins e boas que também é uma ômega. 


Depois de me arrumar, vou para a pequena cozinha do apartamento e preocuro algo para comer, mas falho vendo que não tinha nada, então e o jeito é ir para o trabalho sem comer nada. Olho para o relógio vendo que era oito horas. PÊRA! Oito horas! Eu tô atrasadíssimo! Pego rapidamente a chaves do apartamento e saio em disparada a caminho do centro de cidade que era um pouco longe do lugar onde eu moro.


[...]


— O que foi isso Tae? Você nunca é de se atrasar. — fala Jennie com as mãos na cintura assim que entro na floricultura.


— Desculpa Jennie, perdi a noção do tempo. — coloco o avental e olho para a mesma que estava com a sombrancelha arqueada — o que foi?


— Tae, qual foi a última vez que você foi em uma festa? Ou até mesmo para um bar? — tira as mãos na cintura e coloca elas em cima do balcão descansando sua cabeça nelas.


— Eu não sei, talvez a um mês, ou até mesmo desde que saímos sai de lá. — ela arregala os olhos.


— COMO ASSIM QUE VOCÊ NÃO SAI PARA SE DIVERTIR Á DOIS ANOS, TAEHYUNG! — dou um pulo para trás me assustando com a ômega.


— Calma sua ômega debochado! Meus ouvidos são sensíveis. — coloco as mãos no ouvido sentindo um pequeno zumbido.


— Desculpa Taetae! Mais, você não sai para se divertir desde que sairmos daquele lugar, quer dizer que você está vivo, mais não está vivendo. — a ômega faz uma cara tristonha.


— Não faz essa cara, sabe que eu não gosto de ver você triste. — vou em direção a mesma e a abraço e a ômega retribui.


— Desculpa Tae, é que eu sei quê você não sai de casa por quê tem medo deles virem atrás de nós. 


Me dá arrepio só de lembrar daquele lugar. Jennie tem razão eu tenho medo deles nos encontrar e sofrer denovo nas mãos daquele desgraçado filho da [email protected] Meu corpo ainda tem marcas dele, e toda vez que olho para o espelho me sinto-me um lixo, um qualquer usado por um alfa que se acha superior a todos. Sem perceber meus olhos já soltavam lágrimas.


— Taehyung, você tá chorando! — a ômega me abraça mais forte. — desculpa te fazer lembrar daquilo.


— Tá tudo bem enny. — limpo as lágrimas — vamos trabalhar! Temos muito o que fazer! — solto um sorriso para que a ômega não se sentisse culpada. O que funcionou.


— Vamos! E você está deslumbrante! Se eu não fosse sua melhor amiga eu te pegava. — dita fazendo nós dois rir.


— Tá bom sua safada, vamos logo trabalhar! 


O dia foi agitado, por incrível que pareça recebemos muitos pedidos, o que é bom para a loja. Jennie não parava de falar e como sou um bom amigo fiquei fingindo que estava escutando o que não deu muito certo pois a ômega percebeu e me deu um puxão de orelha, as vezes eu acho que ele é minha mãe. 


— Taetae! O que vai fazer hoje? — pergunta Jennie.


Já eram cinco horas ou mais, e Jennie estava terminando de fechar a loja.


— Sinceramente? — assenti. — eu não vou fazer nada. — dou de ombros.


— O que acha de nós dois. — aponta para mim e ela. — fomos para uma festa! — termina dando pulinhos.


— Eu não sei não, enny. — falo meio apreensivo.


— Vai Tae, a gente vai se divertir muito, por favor. — juntas as mãos e faz cara de cachorro abondonado. Ela sabe que eu não consigo resistir a essa carinha fofo. Droga! Ela me conhece bem.


— Tá bom, eu vou aparecer na sua casa as sete, e é bom que esteja pronta! — falo e a ômega assenti.


— Vê se veste algo atraente senhor Kim Taehyung, quero ver você lindo! Tchau. — ela me dá um beijo na testa e depois sai correndo em direção a sua casa.


— As vezes eu acho que ela não tem vinte anos. — digo para me mesmo rindo no final.


A volta para casa foi tranquila, tinha pego apenas dois ônibus, o que levava quinze minutos em cada um, sentei no final do ônibus tento que ouvir duas ômegas tagalerarem sobre os marfiosos conhecido como Bangtan boys. Não tenho uma rixa muito boa com marfiosos, já basta daquele filho da [email protected], odeio me lembrar de tudo mais é o meu passado, não tem como negar ele.


Já tinha chegado em casa, estava na frente do meu guarda-roupa escolhendo uma roupa para ir na "tal" festa, que Jennie tinha me convidado, optando por uma blusa preta com mangas longas que mostra um pouco da minha barriga, um short preto curto que marcava minhas curvas e minha cintura uma meia preta que vinhas até abaixo do joelho e uma bota preta de cano alto. Depois de passar alguns minutos escolhendo minha roupa tomo um banho quente. Tenho a impressão que hoje vai ser uma noite e tanto, ou não.


[...]


— Jennie, você disse que era uma festa! E não uma boate! — digo e conto até três para não me descontrolar.


E aqui estava eu, puto da vida, por a ômega debochada ter me enganado e me levado para uma boate ao invés de uma festa.


— Desculpa Taetae, mais esse era uma festa, pelo menos foi isso que disseram.  


Aish! Eu não consigo ficar brava com ela.–Penso.


— Tá bom Jennie, eu vou para o bar bebê algo para relaxar, e você. — aponto o dedo indicador para ela. — fique aonde eu possa ver!


— Obrigada Tae! — me abraça forte. — fique com minha bolsa, se alguém tentar fazer algo é só abrir ela. — por curiosidade abro a bolsa vendo que tinha uma pistola Glock G17 calibre 9mm. Olhei para a ômega, mais ela não estava mais lá.



Além de debochada e louca! Se alguém tivesse a revistado ela estaria fora agora.– Penso.


Fecho a bolsa e vou em direção ao bar que não estava muito longe de onde eu estava. Sento em uma cadeira e visualizo o lugar. Para uma boate ela era muito conservada, as luzes piscada junto com a batida da música, um palco para o DJ e a pista de dança, e um pouco afastado umas mesas e ao redor sofás de cor avermelhada. E não muito longe do bar tinha uma escada que segundo a placa dizia que era só para vips. Sigo o meu olhar para cima vendo um homem que deduzi ser um alfa, sentado em um sofá de coro vermelho, ele olhava atentamente o local. Ele tinha cabelos escuros, usava uma camisa social preta com os primeiros botões abertos, que marcava muito bem seus músculos, e uma calça da mesma cor, que tambem marcava muito bem suas coxas. Voltei meus olhos para os deles, vendo que o mesmo me olhava quebrei o contado.


Isso vou constrangedor!– Penso.


— Um tequila, por favor. — peço ao atendente do bar.


Olho para a pista de dança vendo Jennie dançando com um ruiva. Essa garota ainda me mata algum dia. Desvio o meu olhar para a bebida que acabou de ser colocada ao meu lado, tento pega lá mais uma mão pega, olho para cima vendo um alfa com um sorriso malicioso.


— O que uma puta faz fora do quarto. — Aaaa, ele não falou isso, ? — por que não vamos para o banheiro, e assim talvez eu te entregue a bebida.


Respiro fundo, Isso não vai acontecer novamente. Olho para ele, e o mesmo nesse momento estava bebendo meu drink, isso não vai ficar assim! - Penso.


Viro para o lado oposto, e peço outra bebida, sinto duas mãos na minha cintura. O filho da [email protected] não vai desistir não é! Então vai ser do jeito difícil. Pego a arma que estava na bolsa da ômega, me viro rapidamente e aponto para o seu pau, vejo ele ficar branco rapidamente.


— Pela sua cara eu devo deduzir que você já sabe o que tem apontado para o seu pau, não e mesmo? — ele assenti rapidamente. — se tenta me tocar novamente, eu atiro ela na nessa minhoca que você chama de pau, está me ouvindo? — ele assenti novamente. — ótimo! Agora vaza antes que eu mude de ideia. — ele sai correndo.


— Você e muito destemido para um ômega. — olho para trás vendo o atendente segurando um drink azul. Ele tinha cabelos roxos, e vamos comentar entre nós, ele é muito bonito.


— O-obrigado. — falo e ele me olho espantado. — o-oque foi? — pergunto.


— E que você nem parece com o ômega que estava ameaçando um alfa minutos atrás. — fala e dou uma risada. — esse drink e por minha conta, por dá uma lição naquele alfa insuportável, ninguém gosta dele. Aliás meu nome e Kim Seokjin, mais pode me chamar de Jin.


— Obrigado pela bebida Jin. Meu nome é... — me mesma hora escuto uma voz abafada muito conhecida por mim. Olho ao redor vendo que Jennie não estava na pista de dança, preocuro com os meus olhos, e nada dela. — Jin você pode me dizer aonde é o banheiro feminino? — ele olha para mim franze o cenho mais me diz.


— E só ir naquela direção. — aponta para atrás do palco. — e vira a esquerda. 


— Obrigado Jin. — pego a arma deixando a bolsa encima da mesa.


Vou em direção ao banheiro, escutando a voz da ômega mais perto, abro a porta do banheiro vendo uma cena deplorável, o mesmo alfa que estava tentando ter uma foda comigo, estava tentando tira o vestido de Jennie, assim que ele me vê ela grita mais alto. O alfa olha para trás e larga ele rapidamente.


— Você não aprende mesmo, não é? — vejo ele ficar branco. — Jennie vai pegar sua bolsa que está na mesa do bar. — ela sai rapidamente mais volta.


— Você não é mais assim Taehyung, lembre-se disso. — e saí novamente.


Olho para o mesmo, e vejo perfeitamente aquela cena novamente em minha cabeça, balanço minha cabeça afastando aqueles pensamentos e vejo que ele não está mais lá.


— Merda! — rosno.


Saio do banheiro olhando em volta, tentando achar algum indício do alfa, mais nada. Suspiro e faço caminha para o bar, olho para Jennie que estava com olhos enchados e um grande sorriso no rosto, mais logo se desfaz não entendo, então olho para trás vendo aquele alfa apontando uma arma para mim.


— Achou mesmo que eu iria sai, sem matar você antes. — ele solta uma risada sádica. — pois está muito enganado.


Reviro os olhos e me aproximo dele. Sua arma estava bem próximo a mim, apontanda para a minha testa. Em um movimento rápido dou um gancho de direita nelw, fazendo o cai com tudo no chão. Pego a arma na mão dele e tiros a munição.


— Da próxima vez que eu ver você, se considere um alfa morto. — olho ao redor vendo que todos estavam olhando a cena. — estão olhando o que? Parece que nunca viram um ômega dando uma lição em um alfa. — todos viram a cara olhando para qualquer canto. Olho para Jennie e faço um sinal para me seguir, pego na mão dela e saio rapidamente dali.


— me desculpa Taehyung, era para ser uma noite divertida, e acabei estragando tudo. — fala com um olhar tristonho.


— Ei, pelo ou menos você me tirou um pouco do tédio, eu estava precisando. — abraço ela. 


— Vamos para casa, está ficando tarde e amanhã é quinta, precisamos descansar para trabalhar amanha na floricultura.


— Tá mamãe! — falo e recebo um tapa na nuca. — Aí!


— Nunca mais me chame de mamãe, ouviu bem!?


— Tá bom mam-quer dizer Jennie. — E assim terminou a noite, deixei a Jennie em casa com receio de algo acontecer, e depois fui para o meu humilde apartamento. Tomo um banho quente coloco um pijama feminino, fecho a janela por que eu não quero acorda amanhã com o sol em meu rosto, deito na cama e me coloca a dormir. Hoje foi um dia cansativo.


Continua 💜



O que acharam do primeiro episódio?

A) ótimo

B) bom. 

C) podia ter ficado melhor.


Notas Finais


E aí o que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...