História My neighbor has a baby?! - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Jaehyun, Personagens Originais
Tags Imagine Jaehyun, Imagine Nct, Jaehyun, Jung Jaehyun, Nct, Nct 127, Nct U, Yoon Oh, Yunoh
Visualizações 238
Palavras 4.270
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


De volta para mais um Capítulo ~ ╰(◉ᾥ◉)╯

Um triângulo amoroso? Um quadrado amoroso...? (๑Ő д Ő๑)
Vamos descobrir ✩°。⋆⸜(ू˙꒳​˙ )

Segue comigo ~ ✧٩(•́⌄•́๑)و ✧

P.S.: Os dias estão corridos, me perdoem por me prolongar tanto e fazê-los esperarem
。゚・(>﹏<)・゚。

Capítulo 5 - My heart's a mess


Fanfic / Fanfiction My neighbor has a baby?! - Capítulo 5 - My heart's a mess

O observei disfarçadamente à todo momento enquanto ele conversava com Jaehyun na sala da casa dos Jung. Tentei dar-lhes privacidade, já que eu apenas era uma colega de infância. Jaehyun aparentava estar animado com a chegada de Yuta, o que me deixou feliz por vê-lo sorrir sinceramente depois de muitos anos se passarem. Eu não mantive muito contato com ele durante nossa fase colegial, por isso para mim era quase novidade vê-lo sorrir tão alegremente. Meu coração estava aquecido tanto por Jaehyun quanto por Yuta. Que sensação esquisita é esta? Algo me dizia que meus sentimentos por Yuta nunca morreram, mas por que eu identificava cócegas em meu coração sempre que Jaehyun estava por perto? Enquanto me perdia em meus pensamentos, não notei Bogum se aproximar com um bico em seus lábios. Com um puxão fraco na barra da minha blusa, voltei aos meus sentidos fixando meu olhar no pequeno garotinho ali.

— Noona... — ele então passou a sorrir de forma astuta — Bogum vai comprar seuvete pra Noona que é triste agora.

— Hm? — ele estava me observando, mas por que ele ainda acreditava que eu estava triste, será que eu suspirei muitas vezes? — Sorvete? Por que não, não é mesmo? Vamos lá — sorri me levantando e estendendo minha mão ao menor que agora ria com gosto. Como ele é fofinho. Timidamente, me aproximei da sala de jantar onde os outros dois conversavam.

— Taeil hyung me contou tudo... Desculpe, eu sei que não gosta que as pessoas se intrometam nos seus assuntos, e de que nada é certo no momento... Mas eu vou te ajudar... — eles passaram a sussurrar cada vez mais. Não tive a intenção de ouvir o que diziam, para não piorar as coisas decidi deixar um bilhete em cima da mesa e sair logo dali.

Levei Bogum para tomar sorvete. Estamos na loja de conveniência ao lado da praça
Cuidarei bem dele não se preocupe
Voltaremos logo
~!!

Enquanto caminhava com Bogum pela praça em direção a loja de conveniência, me deparei com Johnny do outro lado da rua. Ele estava agindo um pouco estranho, ainda não tinha me visto, mas sua feição era de preocupação. Em passos curtos, ele caminhava em direção a rua da minha casa, contudo na metade do caminho retornava. Quis perguntar o que o incomodava, porém não possuía tal intimidade para me intrometer em seus problemas, e ainda estava com Bogum, seria perigoso já que ele é a cara cuspida de Jaehyun. Apressei um pouco mais meu passo entrando na pequena loja com o garotinho. Seus olhos brilhavam como as estrelas ao ver a quantidade de doces que havia ali.

— Noona o que tudo isso é?! — ele correu até o fim do corredor maravilhado com tudo aquilo — Mamãe nunca me mostrou isso!

— Não? — o segui enquanto ele corria por aí, ele estava energético, mas não era uma criança difícil de lidar, era curioso, entretanto não tocou em nada — Então a Noona vai comprar o que você quiser! — sorri largo acariciando os fios do menor.

— Qualquer coisa?! — ele me encarou rindo da forma mais fofa que já havia visto.

— Sim!

— Eu quero seuvete de morango! E... Hm... — ele parecia estar indeciso — Chocolate! E... — enquanto ele tinha um momento difícil escolhendo aquilo que queria, eu apenas fui colocando tudo na pequena cesta que havia próxima ao balcão para os clientes — Esse aqui! Esse também! — ele ria.

Já com alguns saquinhos de salgadinho, Choco Pie e Choco Heim, coloquei duas caixas de Pepero com sucos de fruta e nossos sorvetes na cesta. Ao olhar no canto da loja, vi algumas caixinhas de leite com sabor artificial. Estreitei meu olhar e pude enxergar um com sabor de pêssego no pequeno refrigerador do canto. Jaehyun sempre gostou muito de pêssego desde pequeno, será que ainda gostava? Após pegar tudo o que Bogum escolheu e uma caixinha de Peach Milk apenas como um agrado amigável à Jaehyun, me dirigi ao caixa com o menor. No momento em que fui pagar, Bogum puxou levemente a barra da minha blusa chamando a minha e a atenção do atendente.

— Eu vou pagar o seu seuvete! — do seu bolso ele retirou uma bala de morango o que fez o atendente rir ao se abaixar para pegá-la e agradecer.

— Olha só como o Bogum é um menino crescido que já sabe pagar suas coisas! — disfarçadamente dei o dinheiro para o atendente pegando a sacola e estendendo a mão para Bogum — Vamos?

Já de volta na praça, me sentei com Bogum em um banco embaixo de uma árvore e o ajudei a abrir o seu sorvete. Enquanto ele se deliciava animado, eu comia o meu saboreando aquele sabor adocicado do limão e a brisa confortável da tarde. Por curiosidade olhei em volta, quem sabe Johnny ainda estivesse lá, indeciso e preocupado, contudo não havia nem sinal dele. Em momento algum Bogum soltou minha mão, o que me fez ficar feliz de ver o quão confortável ele aparentava estar comigo agora. Por algum motivo imaginei como seria se Jaehyun estivesse aqui conosco. À medida em que me perdia mais e mais em meus pensamentos, não percebi que mantive meu olhar fixo à um canto e que neste exato lugar havia um garoto jogando em seu Ps Vita. Estava tão distraída que não reparei em como, sem querer, estava o encarando. Quando finalmente me dei por mim, o garoto de cabelos negros estava completamente corado enquanto me olhava de canto. Nunca senti tamanha vergonha, quis sair correndo dali, mais ainda ao ver que ele havia notado minha reação desesperada e começou a rir. "Que menino bonito", frases como esta surgiram em minha mente no momento em que desviei meu olhar para algumas crianças que brincavam mais à frente. Logo após terminarmos nosso sorvete, Bogum me fitou com olhos pidões e antes que me perguntasse, acabei com seu sofrimento.

— Você quer ir brincar com eles? — ri baixo afirmando com a cabeça ao ver a reação do menor — Você pode, mas tem que prometer pra Noona que não vai ir longe — com minhas palavras, o pequeno garotinho entrelaçou nossos mindinhos confirmando a promessa e correu até as outras crianças — Bogum está conhecendo muitas coisas novas hoje, Jaehyun deveria comprar brinquedos pra ele... pelo o quê será que esse menininho passou...?

— Jaehyun? — uma voz grossa e calma se aproximou.

— Hm?! — me surpreendi dando um pequeno pulo mesmo que ele tenha falado baixo.

— Desculpe — ele riu ao se aproximar e sentar no mesmo banco que eu mantendo certa distância — Não quis te assustar.

— ...Tudo bem... — alguém me diz por que o garoto que encarei alguns minutos atrás resolveu vir aqui falar comigo?? Ele ria e tenho certeza de que era da minha cara.

— Acho que você não deve ter me visto naquele dia...

— Hm? — com a quebra de silêncio, acordei dos meus pensamentos voltando meus olhos à ele — Acho que...

— "Está me confundindo com alguém?", não não, eu tenho certeza — ele afirmou com a cabeça, mesmo aparentando ter a mesma idade que eu, seu jeito de falar era realmente fofo — Tirei minha dúvida quando disse você "Jaehyun".

— Nos encontramos alguma vez? — fiquei curiosa com as afirmações do até então estranho que me conhecia.

— Sim! É, quer dizer, eu te vi — ele repousou as mãos nos joelhos enquanto fitava meus olhos — Aquilo que você fez na festa, foi engraçado, muito corajoso. Na hora pensei que você fosse uma maluca estérica, mas no fim você colocou ordem no lugar — ele era bem sincero, antes que eu pudesse responder ele se apoiou no banco encarando mais à frente — Eu acho que sua criança está tendo problemas... — ele apontou para o escorregador onde um garoto empurrou Bogum.

— Minha criança? Quê? — ele realmente me deixou confusa até eu seguir a ponta de seu indicador — Droga...! — corri até o menor me agachando ao seu lado — Você se machucou?

— Não... — ele se virou encarando o garoto que o empurrou — Por que empurrar?

— Você caiu sozinho! — enquanto o outro retrucava e eu segurava Bogum que estava pronto para dar uns tapas na cara dele, percebi o moreno alto de voz grossa se aproximar.

— Quando você machuca um amigo, você tem que pedir desculpa — ele se abaixou observando o garoto irritado.

— Ele não é meu amigo a culpa não é minha! Ele...

— Você machucou ele, se ele te machucasse também você não ia querer que se desculpasse?

— ...Desculpa... — um grande bico estava formado em seus lábios enquanto encarava seus dedos apertando a barra de sua camiseta.

— Olha só que bom menino! — ele abriu um sorriso largo bagunçando de leve os cabelos do menor antes mal-humorado que logo correu por aí rindo.

— Obrigado... — agradeci ao moreno e ajudei Bogum a se levantar — Eu posso saber seu... — meu celular começou a tocar me interrompendo.

— Você devia atender — ele sorriu acenando para Bogum e começou a se afastar — Até mais vizinha do Jaehyun!

— Espera, como você sabe onde eu moro?! Não é justo, você não me disse o seu — ele atravessou rapidamente a rua e entrou no primeiro ônibus que estava passando — O seu nome... — com um suspiro atendi o celular sem prestar atenção no contato que estava me ligando — Alô?

— Por que está suspirando? Liguei em um momento ruim?

— Ahm? Ah! Não não, está tudo bem... — retirei o celular da orelha apenas para ter certeza com quem estava conversando — Doyoung...! Está tudo bem aí?

— Está sim. Você está em casa?

— Agora? Estou na praça.

— Então está ocupada?

— Não, só me divertindo um pouco... Por que pergunta? — apoiei o celular em meu ombro enquanto limpava os restinhos de grama e folhas da bermuda que Bogum usava.

— Eu consegui um pouco de tempo do meu trabalho de meio período, então queria saber se você tem planos para hoje à noite. Vamos ao cinema, você sempre me indicava bons filmes no refeitório, que tal? — pela calma em sua voz e seu tom sereno, não era possível identificar receio ou timidez, o que por algum motivo me deixou muito envergonhada.

— Ah... Claro — meu coração acelerou um pouco. "É apenas um passeio entre dois amigos, nada mais", era o que me obrigava a pensar para me acalmar.

— Ótimo! Te vejo as sete então! — ele parecia feliz pela sua voz e assim desligou.

Depois de guardar o celular de volta em meu bolso e verificar se Bogum estava bem e sem nenhum machucado, peguei em sua mão voltando para a grande casa dos Jung. No caminho passei a ponderar o que deveria vestir, algo que não deixasse o clima constrangedor nem desconfortável, apenas queria aproveitar a noite com Doyoung, mesmo que o nervosismo estivesse inevitável no momento agora. Em pouco já estava adentrando o casarão com o pequeno Bogum que logo correu para procurar Jaehyun. Me joguei no sofá suspirando e apoiando meus cotovelos nos joelhos com a sacola de compras ao meu lado. Minha mente, meu coração, eu estava ficando louca. Por que tudo tinha que ser tão confuso, justo no momento em que eu pensava estar livre de dores de cabeça ou pensar demais, aparecem três garotos para mexer com minha estabilidade. Maldito coração indeciso!

— Meu Deus, estou ficando maluca! Louca, pirada! — acabei pensando alto demais bagunçando meus cabelos e cobrindo o rosto com frustração.

— Disso eu só suspeitava, mas olha... Agora estou ficando preocupado — Jaehyun se sentou ao meu lado já xeretando na sacola.

— Mas o quê... Ei! — o acertei com uma almofada tirando a sacola de perto dele — Isso aí não é seu...!

— Ah! — com uma atuação exagerada ele fingiu sentir muita dor — Fui atingido! — enquanto revirava meus olhos com o drama do mais alto, minha almofada fora roubada por estar desprevenida — Vingança! — ele passou a me acertar.

— Ya! YA! — o infeliz só acertava na minha cara o que me deixou mais frustrada por ter a voz abafada à cada ataque da almofada — Para com isso! — enfim consegui segurar a mesma e travei uma luta de força para tirá-la das mãos de Jaehyun.

— Mi mi mi mi — ele fez uma careta me imitando e logo riu com gosto com aquele lindo sorriso. Maldito seja! Não quis admitir mas senti meu coração acelerar desesperadamente, o que causou em minhas mãos automaticamente soltarem a almofada que foi de encontro com a face dele — AH! Mas que mulher bruta! — ele continuou rindo.

— Woah! Vocês continuam próximos assim depois de tanto tempo, que inveja — Yuta estava à frente do sofá com um sorriso fino de canto.

Meu rosto já quente passou a literalmente ficar vermelho como um pimentão, me ajeitei sentando adequadamente e arrumei os cabelos com timidez evitando encarar aqueles negros olhos penetrantes de Yuta que acabavam com meu coração. Consegui notar o olhar de Jaehyun sobre mim, que situação constrangedora, meu Deus me salve. E não é que ele me salvou mesmo? Enviou um anjo chamado Bogum. Yuta se aproximou sentando na poltrona próxima de Jaehyun analisando o pequenino com olhos curiosos.

— Então esse é o carinha... Jaehyun tenho que admitir, ele é a sua cara... — logo o ar sério em seu rosto virou um largo sorriso misturado com uma risada alta.

— Hm — Jaehyun ignorou o comentário também passando a olhar Bogum se aproximar e sentar-se no chão de frente à mesinha de centro.

— Bogum comprou com a Noona hoje! — alcançando a sacola, ele despejou tudo sobre a mesa — Olha o tanto!

Se divertindo escolhendo o que comeria primeiro, Bogum obteve a atenção dos outros dois garotos da sala que logo se sentaram à sua volta. Nunca havia parado para analisar, entretanto Bogum era um garoto muito calmo e generoso para sua idade, já que a maioria das crianças nesta idade tendem a não saber ainda como dividir por exemplo, mas ele o fazia como se fosse um garoto já crescido e esperto. Com isso imaginei como deveria ter sido sua vida apenas com a mãe, pelo que vi ele nunca havia ido para uma loja de esquina ou sei lá, um mercado. Suas roupas aparentavam ser bem caras e de marca. É claro, Jaehyun vem de uma família rica, com certeza a mãe do menino deveria ser rica também, julgando por eles terem se conhecido numa festa dos pais dele. Não, eu não irei mais suspeitar de que o filho não seja dele, Bogum e Jaehyun definitivamente eram idênticos, eu me lembro bem de como era sua aparência quando criança. Enquanto me perdia em pensamentos, reparei uma sensação incomoda de ser observada pairar sobre mim, sem pensar muito rapidamente corri meus olhos até de encontro com os de Jaehyun que segurava o Peach Milk em mãos. Não compreendi bem por que ele estava sorrindo daquela forma tão deslumbrante para mim enquanto bebia o leite artificial de pêssego.

— O quê foi? — o olhei cheia de dúvida rindo soprado.

— Nada, só estou feliz que por obra do destino tenha um leite de pêssego, que é o meu favorito desde a infância, perdido aqui no meio sendo que Bogum gosta de achocolatado e suco — ele levou o canudo amarelo de encontro com seus lábios sem parar de sorrir como uma criança.

— M-mas... mas eu comprei pra mim! — senti que gaguejei voltando a ficar corada e desviei meu olhar tentando disfarçar meu nervosismo.

— Claro, claro — ele riu voltando sua atenção aos doces e salgadinhos da mesa.

— Wah Bogum talvez você ganhe uma mãe substituta logo logo — Yuta riu alto ao ver Jaehyun se engasgar com o leite que bebia enquanto o olhava indignado e, acredito eu, corando de tanto tossir.

— O QUÊ?! — nossas vozes saíram como uma.

— Falam até em coro, olha aí.

— NÃO, MEU DEUS — pela primeira vez vi Jaehyun tão envergonhado na minha vida, obviamente eu também estava.

— Eu acho que sim hein — ele cutucou Bogum que o olhou atento enquanto comia seu Choco Pie — Você ia gostar que ela fosse sua mãe?

— Eu já tenho! A noona, a noona ela é, quero que ela é, que seja minha namorada — mesmo se enrolando um pouco para falar, compreendemos o que ele havia dito. Todos na sala não esperavam por isso, ambos os dois garotos olharam pasmos para mim que devia estar com uma feição exatamente igual a deles. Não demorou muito, todos acabamos rindo como malucos.

— Ele falou tão sério! — Jaehyun ria cobrindo os lábios.

— E foi tão sincero, por essa eu não esperava mesmo — Yuta batia palmas rindo da reação de Jaehyun com aquela situação.

— Gente, gente por quê estamos rindo? — mesmo rindo em conjunto quis entender qual a real graça de tudo aquilo. Um silêncio voltou a tomar conta da sala com os dois garotos novamente me encarando, logo passaram a se olharem. Não demorou e já estavam rolando no chão de tanto rir — Meu Deus qual o problema de vocês? — tudo o que consegui fazer foi apenas rir da reação deles.

O tempo estava passando mais rápido do que o de costume, quem sabe fosse pela presença dos três garotos ali comigo. Meus dias eram um pouco mais solitários, se bem que nunca reclamei ou me incomodei por me sentir sozinha. Era divertido passar os dias assim, no início pensei que seria um problema, mas cá estou eu passando meus dias de férias com Yuta, Jaehyun e Bogum. Me peguei pensando em como seriam as coisas se eu não tivesse ido aquela festa. Estaria em casa desenhando ou escutando música enquanto lia um livro ou algo parecido.

Comentei sobre o dia que tive com Bogum no parque mais cedo enquanto Yuta brincava com o menor. Não podíamos exagerar na quantidade ou tamanho, mas Bogum precisava de brinquedos, já que ele dormia no quarto com Jaehyun poderíamos pensar em berço ou cama depois.

— Okay, então... — Jaehyun checou as horas no celular — Ainda está cedo, que tal irmos lá agora? Eu tenho dinheiro da minha mesada sobrando.

— Tô dentro — Yuta parecia ter se apegado ao menino, pelo visto que não o largava mais.

— É uma ótima ideia, só que... — consegui ver as horas na tela do celular de Jaehyun, eram 18:05 — Não vai dar pra mim. Podem ir vocês okay?

— Por que? — Jaehyun guardou o celular no bolso já verificando quanto ainda havia sobrado de sua mesada.

— Eu vou sair... — fiquei tímida de repente — Com um amigo.

— Que amigo? — depois de guardar a carteira, Jaehyun arqueou a sobrancelha e cruzou os braços depois de Yuta, que nem estava prestando atenção, buscar a chave e levar Bogum até o carro.

— Por que quer saber? — ri com a reação dele à minha pergunta — É o Doyoung.

— Hm — após descruzar os braços ele bufou baixou pelas narinas e coçou a cabeça indo atrás de Yuta e Bogum — Nos vemos amanhã?

— É claro... — empurrei de leve seu ombro — Idiota — ele riu brevemente ainda aparentando estar incomodado com algo e me acompanhou até a porta — Até amanhã...!

Não quis irritá-lo como da ultima vez, por isso guardei para mim os pensamentos sobre ele estar com ciúmes. Me peguei rindo como uma idiota enquanto procurava algo confortável para vestir. Não quis exagerar e nem passar a ideia errada para Doyoung, por isso escolhi algo mais simples que julguei bonito e uma maquiagem natural. Já estava ficando um pouco nervosa com o tempo passando rapidamente. Essa seria a primeira vez que um garoto me chama para sair, não queria pensar que fosse um encontro, mas bem no fundo meu coração indeciso queria acreditar que talvez Doyoung gostasse de mim, e outras coisas malucas que uma garota nunca admite ter pensado alguma vez. Tentei me acalmar mais ainda quando escutei um carro encostar próximo a calçada de casa. Me aproximei da janela apenas por curiosidade e senti meu coração acelerar ao vê-lo caminhar até minha porta. Esperei até que tocasse a campainha para não aparentar ser uma desesperada e abri a porta com um sorriso fino e infelizmente, culpem meu maldito coração por isso, tímido.

— Oi...! — ele passou a me analisar dos pés a cabeça com uma cara estranha de surpresa, o que me preocupou um pouco.

— Oi... Hm... tem algo errado? — abaixei rapidamente minha cabeça procurando qualquer imperfeição em minha roupa — Estou feia?

— Não não! É que... — ele passou a rir com vergonha por ter encarado demais — Tudo que veste, te deixa bonita, mas hoje você ficou mais — ele parecia não querer dizer aquilo em voz alta.

— Obrigado...! — mesmo envergonhada sorri largo e feliz pelo elogio.

— Meu Deus, podemos ir logo antes que eu fale mais alguma coisa vergonhosa? — ele suspirou fazendo uma careta e logo rindo.

As ruas da cidade ficavam ainda mais belas pela noite. No mesmo momento em que jogava conversa fora com Doyoung, eu observava as luzes pela janela. Em pouco já estava confortável novamente junto à ele, como ficávamos na faculdade. Em alguns instantes já me encontrava caminhando pelo shopping com Doyoung rindo e conversando sobre coisas aleatórias, por um momento me senti mal por esconder sobre Bogum e Jaehyun, mas eu não podia dizer nada já que este assunto não me dizia respeito. Tentei espantar todos esses pensamentos que me desfocassem a atenção de Doyoung e quis apenas curtir o filme e minha companhia, como era o plano desde o início. Não demoramos muito para escolher um filme, já que por incrível que pareça, estávamos com vontade de assistir o mesmo desde o início. Não querendo exigir demais de Doyoung, já que havia sido ele quem me convidou, dividimos a mesma pipoca, o que fez com que os vendedores nos confundissem com um casal e nos oferecerem a promoção, como era mais barato Doyoung apenas seguiu com a brincadeira, acredito eu. Um nervosismo voltou a me pegar de surpresa no momento em que as luzes se apagaram, não era como se eu não estivesse prestando atenção no filme, era apenas que sempre que nossas mãos se esbarravam procurando pela pipoca, meu coração acelerava um pouco. Era ainda mais vergonhoso devido a Doyoung não demonstrar timidez com isso, apenas deixava risinhos baixos escaparem de forma bem despercebida. Eu estava apenas sendo vítima mais uma vez do meu coração indeciso e desgraçado. Mesmo tendo um momento difícil para me acalmar e me concentrar naquela poltrona, achei o filme divertido e com a companhia de Doyoung, me senti segura e nenhum pouco preocupada.

Após caminharmos depois do fim do filme, decidimos comer algo, não me era lá uma má ideia um fast food agora. Conversando mais, percebi como Doyoung era engraçado e divertido, ele parecia um coelhinho o que me deixou ainda mais entretida em falar com ele. Era fofo e agradável.

— Teve uma vez que eu caí da escada na quinta série na frente de todo mundo, só que ao invés de chorar ou pedir ajuda, eu só levantei e fingi que nada tinha acontecido — ele ria enquanto terminava de comer suas batatas.

— Meu Deus, coitado — ri em conjunto terminando minha coca-cola — Eu caí da escada na formatura da terceira série.

— Nossa — ambos estávamos rindo relembrando nossa infância e em como já passamos vergonha na frente de milhares de pessoas — Não temos muita sorte pra essas coisas.

— Não mesmo — ainda deixei que alguns risinhos escapassem.

De forma engraçada, já havíamos terminado de comer, mas ficamos nos fitando por alguns segundos. Ao invés de constrangedor, eu diria interessante, acho que conheci uma parte nova de Doyoung que até então não conhecia. Após limparmos nossas bandejas, decidimos voltar para casa, já que estava ficando tarde. Queria dizer que me diverti muito neste dia, tudo fluiu bem ao ponto de ter passado tão rápido. Quando menos esperei já nos via dentro do carro estacionado em frente a minha casa. Ele resolveu me acompanhar até a porta e pela companhia, não notei que o carro de Yuta já estava estacionado em frente a casa de Jaehyun.

— Obrigado por passar esse tempo comigo — me virei de frente para ele ficando de costas para a porta ao ouvir suas palavras.

— Eu me diverti, foi bom! — sorri fino afirmando com a cabeça — Podemos sair mais vezes.

— É... — ele sorriu se aproximando um pouco mais do que o normal — Vou me lembrar disso.

— C-claro... — senti minhas bochechas corarem e me encolhi um pouco com o toque suave das mãos dele em meus ombros para se apoiar e deixar um selar breve em minha bochecha.

— Até mais — ele sorriu se afastando e acenando com sua destra.

— Até...

Com uma mistura de sentimentos confusos em minha cabeça, permaneci estática até vê-lo partir com o carro. Toquei com cuidado aonde o beijo fora depositado em meu rosto e sorri meio abobalhada. Me sentei na cadeira em meu quarto de frente a escrivaninha e a janela, apoiei meus cotovelos sobre a madeira e passei a observar a lua e as estrelas. Quem sabe Doyoung tivesse sentimentos por mim, fiquei feliz apenas por imaginar que alguém poderia vir a gostar de mim. E se meus sentimentos por ele se tornassem recíprocos se fosse o caso dele realmente sentir uma atração. Ri como boba aquela noite, o que estava acontecendo comigo? Meu coração estava balançado por três garotos diferentes, era isso que estava acontecendo. Eu precisava de uma certeza. Naquele noite calma e serena, da janela do meu quarto observei a lua esperando que ela me dissesse a resposta que procurava. Por instantes passei a me lembrar de Jaehyun e em como ele deveria estar se sentindo pressionado pela situação em que se encontrava. Por outro lado havia Yuta, quem eu sempre escondi o que sentia e nunca consegui esquecer. Que fim isso teria, era um mistério para mim agora. Por hoje vou apenas pensar em Doyoung.

Meu celular vibrou aquela noite, mas meu sono estava tão pesado que me impediu de ver a mensagem que fora apagada minutos depois de ser enviada. Quem sabe o que estava escrito...

Mensagem Deletada

Jaehyun

Não se envolva com Doyoung, vc vai se magoar (00:03) >

Mensagem Deletada


Notas Finais


Info: A personagem principal não leu a mensagem deletada pq foi apagada kkkkk" (jura ꋧ(⋆ʾꇶʿ⋆) mds) só pra evitar confusões de compreensão.

Bom esse foi o capítulo de hoje ~
Espero que estejam gostando de lê-lo tanto quanto eu gosto de escrevê-lo ( ᐛ )و

Nos vemos no próximo!
Bai Bai ~~旦_(-ω-`。)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...