História My Ômega - Capítulo 9


Escrita por: e jeonsitos

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), CL (Chaelin Lee)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Lee Chaelin "CL", Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Jikook, Markson, Myômega, Namjin, Taeyoonseok
Visualizações 730
Palavras 8.711
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


PREPAREM OS LENCINHOS, CHOCOLATES E DOCES, CAPÍTULO NO CAPÍTULO DE HOJE TEREMOS MUITA DOÇURA E AMOR. QUEM NÃO ESTIVER PREPARADO COM DIABETE FICARÁ!

TITIA AVISOU, QUEM OBEDECEU?

Capítulo 9 - I've learned to love you the way you deserve, Jimin.


Fanfic / Fanfiction My Ômega - Capítulo 9 - I've learned to love you the way you deserve, Jimin.

Capítulo IX: Eu posso ser tudo de ruim, mas aprendi a te amar da forma que você merece, Jimin.

Jungkook podia ter acordado bem, sim ele podia, porém era exatamente neste dia que seu baile de noivado iria acontecer, e já podia ouvir todos os empregados correndo de um lado pro outro. O Lúpus percebeu que seu plano para retirar Jimin do castelo deu mais que super certo, pois, ao despertar, ele viu que o Ômega não estava mais ao seu lado na cama.

Pegou sua toalha, e partiu para o banheiro, ele ainda teria que ir comprar duas alianças de noivado, as mais caras que ele pudesse encontrar, o maior buquê de flores que houvesse na loja, e o mais bonito colar que representasse o amor que ele sente por Jimin. Meu Deus, ele precisava sair o mais rápido possível. Seokjin havia entrado no quarto, e estava sentado no mais pleno silêncio esperando Jungkook se arrumar.


 O Lúpus saiu do banheiro às pressas correndo quase deixando sua toalha cair, a euforia do jovem Príncipe, estava tão grande que ele nem sequer conseguia se conter, assim que entrou no closet jogou sua toalha pro centro do quarto e então começou a pegar suas vestes. Uma boxer preta, uma calça jeans preta, uma blusa preta lisa, coturnos e uma touca preta, do jeitinho que ele gostava, bem gótico.


 Ao sair do closet juntou sua toalha do chão e caminhou até a cômoda onde tinha seus brincos, piercings, anéis e colar dentro de um pequeno pote. Colocou todos os acessórios necessários, e, então, começou a fazer as correções em seu rosto, um pouco de corretivo aqui e acolá, deixa bem misturado em um degradê perfeito com seu tom de pele, e então um pouco de corsinha com um gloss vermelhinho nos lábios, batidinhas e mais batidinhas e pronto, finalmente pronto.

 — Puta que pariu! — Jungkook exclama ao ver Seokjin sentado em uma cadeira no mais puro silêncio, o Ômega apenas olha-o repreensivo e Jungkook abaixa a cabeça. — Desculpa, Seokjin Hyung, eu me assustei.

       — Tudo bem , Jungkook-ssi, apenas controle mais sua boca e melhore seu linguajar, és um Príncipe e não um jovem qualquer, que vive no subúrbio de sua cidade, entendido? — Perguntou vendo o mais novo assentir rapidamente, ele sabia bem como domar o Lúpus. — Pretende sair?

        — E-Eu iria sair para comprar o anel de noivado, um colar e o maior buquê de flores que eu achasse pela frente. — Sua voz era nervosa e ao mesmo tempo baixinha, por mais que ele já tivesse levantado sua cabeça, ainda temia ouvir a voz de Seokjin fria e seca, sem nenhum pingo de emoção. — Por quê?

        — Não será preciso que compre nada disso Jungkook, temos uma galeria cheia de anéis feitos pelos melhores designers de jóias de toda Naekyu, e que valem uma fortuna, Jimin sempre admirou um deles e é esse que vai dar a ele no momento do pedido. — As palavras de Seokjin tiraram uma parte do peso dos ombros do Lúpus, que estava quase morrendo de tanta pressa e agonia. — Sobre o anel, na mesma galeria tem várias vitrines, com vários colares para casais, colares com significados, colares com toda e qualquer tipo de forma que você possa imaginar.

 — Ah, que bom, eu estava a ponto de enlouquecer. — O suspiro aliviado de Jungkook foi tão audível, que até mesmo Seokjin conseguiu ouvi-lo. — Qual é o par mais bonito que tem?

         — Bom, tem vários pares bonitos. Tem um que é feito completamente de ouro puro com um enorme rubi no centro em formato de coração, detalhes e acabamento perfeitos, esse colar é o que Jimin mais gosta. — Sorriu docemente ao se lembrar diretamente de seu irmão. — O colar que ele sempre quis é este, porém eu só podia dá-lo quando o mesmo fizesse sua festa de noivado e casasse, antes disso só se o noivo Alfa quisesse.

        — Vamos até essa galeria logo, pelo amor de Deus, preciso deixar tudo pronto para quando Jimin chegar, e preciso fazer a sua entrada. Tenho que estar com as duas jóias bem limpas e lustradas. — Jungkook puxava Seokjin pelo pulso, e o Ômega ria da pressa do mais novo. 



                                    ∆•∆•∆•∆•∆



Durante o tempo que Jungkook ficou puxando Seokjin pelo pulso, andando em uma velocidade absurda, finalmente os dois homens chegaram na galeria, onde tinham as mais variadas jóias desenhadas pelos melhores e mais variados desenhistas de Naekyu. Jungkook ainda se mantia bem elétrico, vendo a calmaria em que Seokjin destravar as travas de segurança.


            Seokjin colocou a sua mão no identificador de digital, que em alguns segundos já começou a escanear a mão do mais velho, e logo abrir completamente a porta, fazendo Jungkook ver a enorme beleza que aquele lugar, traçado a sete chaves, tinha por dentro. As paredes tão brilhosas e perfeitas, que pareciam cristais, as vitrines em vidro e as jóias brilhavam intensamente, Seokjin amava o lugar.

        — Como é que tudo isso aqui foi construído? — Jungkook perguntou baixinho, mas, consequentemente, Seokjin ouviu e uma risadinha do Ômega preencheu o local.

       — Quando os Park assumiram o poder do Reino de Naekyu, os nossos Lobos Ancestrais acharam melhor construir um castelo apenas nosso, afastado de tudo e todos. — O Ômega começou sua explicação. — Meus avôs Alfas sabiam que algum dia, na nossa família iria vir um filhote Raro e que precisasse de proteção mais avançada e eles estavam certos. — O maior sorriu ao ver o sorriso bobo de Jungkook.

 — Os Park sempre foram pessoas muito inteligentes, minha Omma me contava que Kyun e Heesol eram pessoas de alto intelecto e que sabiam bem tomar alguma decisão. — Aquilo pegou o Ômega surpresa, não imaginava que os pais do mais novo tinham lhe falado sobre os seus. — Eu percebi que a inteligência dos Park não tem fim, a prova disso são você e Jimin.

 Seokjin sorriu o mais largo que conseguiu naquele momento, gostava de conversar de forma pacífica com Jungkook, e não nos momentos de aflição onde sua mão ia de encontro com as bochechas salientes do menor. Eram momentos difíceis para todos? Eram. Jungkook prometera desde a última briga parar de beber e vem cumprindo a sua promessa, todos estavam orgulhosos.


   O mais velho logo pegou um molho de chaves e, então, pegou uma dourada que tinha o brasão do Reino de Naekyu, cravado na ponta, Jungkook seguia seus passos com o olhar e via tudo o que Seokjin fazia, ele não planejava algo de ruim, isso não, ele admirava como Seokjin era uma pessoa responsável e de memória excelente.

 Como diabos Seokjin conseguia gravar qual chave abria qual porta, naquele bolo com quase trinta chaves? Por Deus, se colocassem a chave de seu quarto, de sua sala de treinamento e de sua sala pintura, ele não iria conseguir lembrar para qual porta cada uma servia e no mínimo ficaria com uma dor enorme de cabeça depois de tanto pensar sobre o assunto.

Uma das vitrines da galeria foi aberta e de lá de dentro, saiu uma caixa preta com o brasão de Naekyu, em cima pintado a mão com um pincel fino. Jungkook olhou maravilhado para o desenho bonito que a pequena caixinha tinha, e então, quase morreu quando ela finalmente foi aberta, o mais bonito anel de todos estavam lá dentro e ainda mais perfeito do que podia imaginar.

Dourado, seus detalhes circulares e de arte clássica eram perfeitos, as curvas que a jóia tinha a deixavam ainda mais linda. Um lindo anel em formato de sol em sua base, suas curvas completamente feitas em dourado, o dourado causado pelo mais valioso ouro existente em Naekyu. A pedra preciosa no centro do mesmo, uma imensa safira em formato redondo e muito bem polida, seu brilho e encanto intenso a deixavam ainda mais bela.

— É p-perfeito, eu amei o a-anel. — Foi impossível não gaguejar, só de lembrar do sorriso de seu Ômega foi algo inevitável. — Ele vai amar tudo isso, tenho certeza.


    — Ele vai sim, Jimin adora surpresas. — Seokjin sorriu, Jungkook estava prestes a chorar prestes a chorar de tanta emoção. — Ah, falta o colar que você vai dar a ele. — E então, novamente foi a outra vitrine.


Dessa vez Seokjin escolheu uma chave diferente em seu bolo de chaves, e então, colocou na fechadura do vidro da vitrine, girando em sentido anti horário e logo ouvindo um "click" da porta se abrindo. Ele escolheu uma caixa maior e um pouco larga, um tanto funda e ele percebeu que, ali, devia estar o colar que ele havia mencionado anteriormente. O Ômega voltou caminhando em sua direção, e então, o Lúpus colocou a caixinha com o anel em cima de uma mesa que havia ali.


        O mais velho dos dois entregou a caixa pequena nas mãos grandes do Lúpus, vendo que o mais novo estava tremendo um pouco, sorriu ao ver a primeira lágrima daqueles olhos cheios de água escorrer pelo rosto do mais novo, ele sabia o porquê daquilo, ele sabia muito bem. Na caixa azul Jungkook pode ver um brasão diferente do de Naekyu, era o brasão do seu povo, o brasão de Silla. Ele havia reconhecido aquela caixa.

         — P-Por que a c-caixa tem o b-brasão de Silla? — Perguntou, completamente emocionado ao que via a imagem do grande lobo desenhada na tampa da mesma. — Eu n-não consigo e-entender.

          — Quando eu recebi a chave da galeria, entrei aqui com Namjoon e Jimin, a primeira vez cerca de seis anos depois que assumi o Reino. Vimos todas as jóias e até mesmo fiquei com algumas, então encontramos essa caixa e eu vi que sua mãe foi quem deu essa jóia para a minha. Sungmin gostava muito da minha mãe, e no aniversário de minha Omma, a noona deu esse colar ‘pra minha Omma. — Uma sensação ruim no peito lhe veio, ele sentia muita falta de sua Omma ainda. — Abra, acho que reconhece a jóia.

           Jungkook abriu a caixa onde estava a jóia, e quase morreu ao ter lembranças de sua mãe usando a mesma, um turbilhão de diferentes memórias vieram até si. Sua Omma não desgrudava daquele colar, usava-o para toda e qualquer ocasião e sempre conseguia fazer com que suas roupas combinasse com a jóia. O Lúpus lembrava de todos os elogios feitos por seu Appa, e de todas as vezes que via o casal andando de mãos dadas, ou vendo os beijinhos que seu Appa depositava na marca bonita de sua Omma.


           A cada momento mais e mais lágrimas desciam do rosto de Jungkook, a saudade que tinha de seus pais era tanta, que ele mal conseguia se segurar mais. Sungmin era alguém que ele mais amava no mundo, sua fonte de proteção e pilar da vida, a mulher quem o gerou e quem ele ama sem nem conseguir explicar a dimensão de tal sentimento, sempre se perguntou o porque disso ter acontecido com seus pais, por que justo eles tiveram que ir naquele evento e morrerem afogados?

          — Não chore, querido. — Seokjin já não aguentava mais ver Jungkook em prantos, ele sabia o quanto doía se lembrar de seus pais. — Lembre dos momentos bons com eles, não fique se lembrando das notícias ruins e nem do pior dia. — Jungkook já chorava de forma intensa, deitado com sua cabeça no ombro de Seokjin, igual um filhotinho.

         — E-Eu s-sin-to t-tanta fal-t-ta d-del-es. — O maior sequer conseguia falar direito, os soluços tristes impediam que ele conseguisse dizer alguma palavra com clareza. — Me explica p-por q-que e-eles, H-Hyung? P-Por quê?

— Eu não sei, querido, ninguém sabe. — Aos poucos o Ômega conseguia acalmar o Lúpus, mesmo que ele ainda chorasse de forma intensa, o carinho nas costas era tão bom. — Lembre-se que eu e Jimin também perdemos nossos pais, nós também sentimos muita falta deles, mas aprendemos a conviver sem eles, aprendemos a crescer. Esqueça toda a mágoa da perda, esqueça todo e qualquer sentimento ruim, que essa dor tenha deixado, apenas aprenda a viver sem se prender ao passado, liberte-se.

          Aquelas palavras foram fortes, Jungkook sabia que ele dizia tudo aquilo na mesma intenção de "Não deves deixar que o acontecimento ruim do passado, te transforme no ruim do presente", era exatamente a mesma coisa, mas com palavras doces e carinhosas, porém, que tinham um grande valor aconselhativo. Pois é, talvez esteja na hora de passar a mudar mais ainda.



                                   ∆•∆•∆•∆•∆



— TaeTae Hyung venha comigo, por favor. — Jimin pede enquanto ainda caminhavam pelo shopping, o Ômega se sentia meio fraco, e isso fazia Taehyung ficar com os dois olhos bem atentos pro mesmo. — Vamos na Gucci.

         — Mas, o que é que você quer fazer na loja que trabalha àquela vadia, Jimin? — Aos poucos a raiva ia consumindo o Ômega mais velho, Taehyung ainda não havia perdoado a maldita por tudo o que ela havia feito. — Desculpa, ter soado grosso, mas eu nunca consegui perdoá-la.

          — Haverão momentos na vida em que será necessário, que alguém mereça o seu perdão, pense comigo, imagine que o Yoongi é Ômega e ele fosse pego por você beijando o Namjoon. — Aquilo simplesmente entristeceu Taehyung de uma forma tão grande, que suas duas marcas pulsam, Yoongi e Hoseok haviam sentido seu sentimento ruim, e estavam preocupados. — Ele — Ele viria atrás de você ‘pra te pedir perdão, e você amando-o do jeito que o ama, iria perdoá-lo?


          — S-Sim... — A voz foi baixinha, mas audível para Jimin, que tinha a audição apurada demais para um Ômega. — Eu o perdoaria, eu o amo de qualquer forma.

          — Exatamente por isso, nós devemos perdoar independente da situação em que ocorreu os fatos, eu perdôo Chaelin pelo o que ela fez, mas também preciso ensinar algo a ela. — Jimin sorria, Taehyung se perguntava como o mais novo tinha tanta sabedoria. — Vamos logo.

         Os dois Ômegas caminhavam escoltados dentro do Shopping, e sempre paravam em algum lugar para fazerem algumas comprinhas, Jimin andava feliz e sorridente e Taehyung tentava imaginar se ele ficaria mais feliz e sorridente ainda, quando chegasse o momento da surpresa de Jimin, o grande baile de noivado.


           Andaram mais um pouco, e logo, ambos estavam na escada rolante subindo em direção a loja onde Chaelin trabalhava, a movimentação e olhares era grande, e algumas vezes, Jimin precisava parar para apertar algumas crianças em um abraço gostoso e caloroso, até mesmo alguns súditos seus, que eram mais educados, era um ótimo Príncipe para Naekyu.

        — Onde está, Chaelin? — Depois de mais alguns minutos de caminhada, eles finalmente chegaram a loja, e Jimin se pronúncia. — Quero falar com ela.

       — Espere um segundo, Majestade, irei chama-la. — Sooyoung diz, enquanto entrava para dentro do estoque da loja. — Aqui está.

         Jimin analisou bem a figura da Ômega mais baixa, vendo que ela estava de cabeça baixa e completamente envergonhada, ele sabia que ela demoraria algum tempo para conseguir olhar na sua cara novamente, e mais ainda na cara de Jungkook.

          — Chaelin, olhe pra mim. — Jimin pede calmamente, vendo a Ômega aos poucos levantar o olhar dos pés para ele, um olhar triste e envergonhado. — Eu não vim aqui numa boa condição de saúde, também não vim ‘pra brigar com você, ofendê-la ou qualquer coisa do tipo, e eu nem sequer faria isso pois, eu fui muito bem educado. Apenas vim aqui pra te dizer uma coisa. — Se aproximou da Ômega, e segurou as duas mãos pequenas da mesma. — Eu te perdôo pela sua atitude errada, foi algo que aconteceu no calor do momento, e eu sei mais ainda o quanto meu Alfa é desejado. Você não teve culpa da reação que tivemos após o beijo, você nem sequer sabia que somos ligados, e muito menos que Jungkook e eu somos os únicos Lobos Raros no mundo. — Os olhos de Jimin oscilavam entre o castanho e o azul, seu Lobo mostrava para Chaelin que ele estava presente. — Apenas te peço para que nunca mais faça isso, nem comigo e com meu Alfa e nem com ninguém, o seu Alfa ou sua Alfa vai chegar no momento certo e, por enquanto, apenas siga a sua vida sem causar mais transtornos a ninguém.

          — Perdão mesmo, Majestade, eu não queria. — A Ômega agora chorava, ela percebeu o maior erro que cometeu, com uma pessoa tão bondosa.

         — Eu perdôo você, Chae. — E algo que ninguém esperava aconteceu, além do apelido também veio um abraço por parte de Jimin, que foi retribuído pela Ômega, além de um carinho no cabelo feito pelo Ômega.  — Já perdoei.

Depois de passarem algum tempo conversando, e Jimin puxando Chaelin de um lado pro outro da loja, comprando mais algumas coisas junto com Taehyung, ele sente algo ruim no peito, uma sensação estranha, algo semelhante a dor de uma perda. Com toda certeza do mundo aquela dor não era dele, e a única pessoa na qual ele podia sentir os sentimentos era Jungkook.


           Ele precisava saber se seu Alfa estava bem, seu Lobo agoniado e inquieto dizia isso, ele precisava realmente saber se o maior estava bem, tranquilo e salvo, fora de qualquer perigo. Aos poucos que ele ia raciocinando sobre o acontecido uma tontura vinha lhe atingindo, e Chaelin percebeu a tempo, antes de deixar que o Príncipe caísse de joelhos no chão.

        — Rei Taehyung! — A mais nova o chama. — O Príncipe Jimin não está bem!  — Logo os funcionários aparecem correndo, e ao lado deles, um Taehyung desesperado.

         — Meu Deus, o que houve? — O mais velho se abaixa vendo o mais novo ofegante e suando frio. — Jimin, seus olhos.

         — L-Liga pro J-Jungkook, é e-ele, m-meu A-Alfa. — O Príncipe tentava falar, Taehyung sabia que Jimin havia sentido algo e para passar somente Jungkook ao lado dele.

              O mais velho pega seu celular do bolso, e logo procura o número de Jungkook em sua lista de contatos, quando o encontra rapidamente ativa a ligação e espera chamar, até que o mais novo atenda.

Call on

— A-Alô? — A voz de Jungkook era embargada.


            — Jungkook, aconteceu algo? — Taehyung estava mais preocupado com Jimin, do que com seu irmão. — Jimin sentiu uma tristeza enorme vir de você.


       — É que lembra daquele cordão que a mamãe sempre usava com uma pedra de rubi em formato de coração? — A pergunta imediatamente fez Taehyung sorrir minimamente, mas sorriu.


— Sim, eu lembro, ela deu de presente pra Rainha Kyun. — Ele lembrava do dia em que o cordão foi entregue a ela.


— Então, Seokjin Hyung me mostrou ele, e eu acabei demonstrando minha fraqueza, chorei abraçado ao Seokjin Hyung, e deixei que toda a dor da perda dos nossos pais me consumisse. — Explicou. — Onde está Jimin?


— Caído aqui no chão da loja, por conta da tontura enorme que sentiu, mas eu ‘tô aqui com ele. — O mais velho tinha um plano em mente, sendo que Jimin ainda estava mal. — É melhor você vir até aqui, ele só vai se acalmar quando sentir que você está perto e seguro.


— Chego em vinte minutos. Qual é a loja? — Perguntou.

— Gucci. — Um rosnado de Jungkook pode ser ouvido por Taehyung, que nem se abalou, afinal de contas, ele era completamente imune. — Não rosna pra mim.


— O que Jimin foi fazer ai? É a loja da vadia! — Estava sem entender e isso o frustrava, porém Taehyung tirou seu chão.


— Ele veio fazer algo nobre, Jungkook, coisa que você também deveria fazer. — E assim encerrou a chamada.


Call Off


                              ∆•∆•∆•∆•∆

          Taehyung nem sequer precisou contar quantos minutos demoraria para Jungkook chegar na loja, onde os dois Ômegas estavam, logo viram a figura alta e forte de Jungkook passar pela porta afoito e procurando com seus dois lindos olhos azuis, a figura do baixinho que havia se tornado a sua vida em tão pouco tempo. As atendentes vieram para perto de si, e ele logo se afastou em uma distância brusca, porém ficando envergonhado depois.

         — Já sabemos que não podemos toca-lo, senti repulsas e somente o Príncipe Jimin consegue isso. — O mais alto apenas balança a cabeça em um sim tímido. — Venha, ele está no banco com o Rei Taehyung aqui no lado.

            O funcionário da loja guiou Jungkook até dentro de uma sala de descanso, que ficava depois de um corredor na loja, era silencioso e tinha refrigeração, bem melhor para alguém que havia passado mal como Jimin. Chaelin cuidava do mesmo, dando água quando ele pedia, ou, até mesmo, comprando algo para que os mesmos se alimentassem a mando de Taehyung.

— Jimin! — Exclama quando finalmente chega na sala, todos os funcionários foram juntos ver a cena. O Príncipe Ômega levanta no mesmo momento, indo de encontro ao Alfa, que o agarra e carrega, fazendo o mais baixo circular suas pernas em sua cintura. — Shi... Passou amor, passou. — O menor agora chorava, chorava por conta do medo que sentiu. — Olha pra mim, eu 'tô bem, inteiro e seguro.

    — P-Por que v-você f-ficou t-triste, J-Jungkookie? — O mais baixo pergunta agarrado no Alfa, que agora estava sentado com o loirinho em seu colo, enquanto o mesmo buscava mais e mais do cheiro do maior. — A-Aconteceu a-algo?

           — Foi só uma lembrança ruim, que me permitiu deixar que meu corpo e sentimentos fossem tomados por dor, dor de uma perda. — Explicou, beijando os fios do mais baixo. — Desculpa, eu não queria que você sentisse tudo.

          — Você sabe que isso é impossível, todo e qualquer sentimento seu, eu sinto assim como você sente os meus, eu só fiquei tonto e graças a todos os deuses existentes, Chaelin estava ao meu lado e não deixou que minha queda fosse pior. — O Alfa olha pra Ômega, que logo abaixou o olhar, um suspiro de Jungkook foi ouvido.

          Jimin olhou para Jungkook que mantinha os olhos abaixados, pensando no que deveria fazer em relação a Ômega, tudo o que aconteceu passou e todos aprenderam a lição de que não podem tocar no Lúpus. O de cabelos negros, após perceber que o olhar de Jimin estava em si logo, o olhou de voltar e ali ficaram, conversando pelo olhar.

        — Perdoe ela, é melhor do que guardar mágoa. — A voz de Jimun ecoou em sua mente. — O que passou, passou. Por favor, meu amor, me dê mais esse orgulho de você. — A mão de Jimin fazia um carinho suave na bochecha do Lúpus, que segurava a sua cintura com força.

       — Ainda é difícil ‘pra mim Jimin, eu quero perdoá-la, mas as lembranças do que ela fez, de te ver daquele jeito no hospital, daquela forma tão mal, que parecia até mesmo morto. — O Lúpus novamente se entristecia e Jimin sentia isso. — Eu sofri tanto, nós sofremos, eu não sei se consigo.

      — Consegue, segure minha mão que eu vou estar aqui, sentado no seu colo, te abraçando bem forte e ouvindo você. — Logo Jungkook segurava a mão de Jimin, e olhava novamente para Chaelin.

       — Chaelin. — A Ômega olhou para o Lúpus que ainda tinha os olhos azuis, igualmente a Jimin. — Primeiramente eu quero agradecer por você ter cuidado de Jimin quando tudo aconteceu, soube que Taehyung não estava perto dele, quando o mesmo sentiu a tontura e caiu, e você o ajudou a não se machucar, obrigado por isso. — Um sorriso mínimo foi visto nos lábios da Ômega. — E... Eu te perdôo por tudo o que aconteceu. — Um par de olhinhos arregalados foi visto na sala, Chaelin não acreditava naquilo.

        — Eu aprendi a lição, Príncipe. — A voz fraquinha da Ômega foi ouvida.

       — Fico feliz com isso. — E pela primeira vez, o Lúpus sorriu.

            Depois de alguns minutos em que os dois Príncipes conversavam com a Ômega, Taehyung recebeu uma ligação de Yoongi e precisou deixar um pouco a sala para falar sem muita gente por perto com seu marido. Toda vez que ele ia na loja os Ômegas invejavam a duas marcas perfeitas, que tinha em seu pescoço, uma completa inveja. Jimin precisou ir ao banheiro, e logo depois que o Ômega saiu, da sala Jungkook olhou para ela, ele precisava da ajuda da Ômega mesmo que não quisesse.

        — Chaelin, hoje será o baile de noivado onde eu e Jimin vamos oficializar nossa união para o povo de Naekyu e Silla, assim como para a corte dos dois Reinos. A minha sorte é que tudo já está tudo pronto no palácio e eu preciso manter Jimin ocupado o dia inteiro, até às quinze horas. — A Ômega ouvia tudo atentamente. — O baile é uma surpresa, Jimin não sabe de absolutamente nada, e por isso eu quero a sua ajuda.

            — Pode contar comigo. — A mais nova sorri.

          — Preciso que fique andando com Jimin e Taehyung o dia inteiro por todo e qualquer lugar que eles inventem de ir, esses dois quando resolvem fazer algo juntam mais cinco, seis, sete lugares e passam o dia todo fora. — Ambos acabaram rindo. — Eu pago o quanto for necessário para que você seja liberada da loja por hoje, e me ajude.

— Não precisa pagar nada, o meu horário acabou por hoje. — Esclareceu. — Vou ajudá-lo.

          — Às dezenove horas esteja no castelo para participar do baile, esteja vestida adequadamente. — Avisou, levantando e saíndo da sala.



                                ∆•∆•∆•∆•∆



           Às dezenove horas haviam chegado e Jungkook não podia estar mais feliz do que ele estava agora, todos os convidados no salão e tudo muito bem arrumado. Ao longe pode ver Chaelin conversando com um Alfa qualquer do Reino, e isso o deixou feliz. Estava devidamente arrumado como deveria estar, sua roupa Real negra era impecável, e a capa que usava ainda mais, a coroa de Príncipe pesada na cabeça, feita do mais puro ouro, apenas realçava ainda mais sua beleza.


           Jimin estava se arrumando sem nem saber o porquê de tanta arrumação, não havia visto nada no castelo, que mostrasse que hoje haveria alguma festa, ou um baile comemorativo em relação a algo, só sabia que Jungkook havia sumido e ele não fazia onde o mais alto estava. Seokjin ao seu lado, o ajudando estava mais animado do que nunca, procurava de todas as formas deixar o Ômega o mais belo possível, para que todos o invejassem ainda mais.


            Taehyung logo entra no quarto, vestido adequadamente como o Rei que era, acompanhado de Yoongi e Hoseok que não estávamos diferentes, assim como Jungkook todos estavam vestidos de preto, menos os Reis e Príncipe de Naekyu, que estávamos de branco. A animação de Taehyung não podia ser contida, mas eles sabiam que não podia falar nada para o mais novo ali.

           — Gente, alguém pode fazer o belíssimo favor, de me dizer o que está acontecendo? — Pergunta o mais baixo visivelmente irritado por estarem escondendo coisas de si. — Por favor, por que estamos nos arrumando desse jeito?

           — Logo você saberá pequeno, logo você saberá. — Batidas foram ouvidas na porta, e então, logo Jungkook entrou, no quarto recebendo um sorriso enorme do Ômega e devendo um maior ainda.

            — Eu espero que essa noite você possa guardar na sua mente, como uma das noites mais felizes de sua vida. — As palavras do Lúpus deixaram Jimin confuso. — Eu te amo. — Um selar nos lábios do Ômega foi deixado.

          Todos saíram do quarto que Jimin estava, com uma distância um tanto longa por conta de suas capas. Desceram os degraus das escadas que levavam para o salão de festas onde todos estavam. Jimin podia ouvir alguns murmúrios de pessoas e logo tudo ficou super silencioso. Nada mais era possível ouvir, a não ser o som da música clássica que tocava no fundo.


          As portas longas foram abertas revelando para todos os convidados os membros das famílias Reais, todos unidos em casais como sempre faziam. Na frente vinham Seokjin e Namjoon por serem os Reis de Naekyu, atrás vinham Taehyung, Yoongi e Hoseok representando Silla e logo atrás dos mesmos vinham Jimin e Jungkook, que representavam a união dos dois Reinos, Jimin de branco era Naekyu e Jungkook de preto era Silla.


          Alguns homens, que faziam parte do conselho real, achavam realmente que aquele noivado só estava acontecendo para fechar um acordo entre os dois reinos, o que de certa forma não deixava de ser verdade, porém, para os noivos, aquele baile era pra algo além disso, algo que os unia ainda mais de alguma forma, mesmo que suas uniões fossem de alma.


             Seokjin assim que chegou ao trono junto de Namjoon, logo recebeu o microfone em suas mãos, esperando que todos os outros membros de sua família sentassem nos seus tronos, para que ele pudesse, finalmente, dar início para àquela noite cheia de alegria, pelo menos era o que ele esperava. Assim que todos já estavam posicionados, Seokjin chamou a atenção de todos, logo sendo olhado pela grande multidão que tinha ali.

           — Sejam todos bem vindos ao castelo de Naekyu. — Iniciou seu discurso. — Eu gostaria de agradecer por cada pessoa que veio até aqui esta noite, se deslocando de sua casa e vindo marcar presença nesse momento mais que especial na minha vida, e na vida de minha família. — Sorriu docemente ouvindo alguns suspiros de alguns Alfas, o que fez Namjoon os olharem com os olhos raivosos e logo se calaram. — Nesta noite, esse baile será para oficializar a união dos dois Príncipes de Silla e Naekyu.

— União essa que todos sabemos, que é somente por conta de um contrato, eles nem sequer se amam de verdade. — Um Alfa do conselho soltou alto provocando grande falatório entre o povo. — Me diga agora, Majestade, que isso é mentira.

           — Olhe bem pra mim, Alfa intrometido! — A voz grossa de Jungkook foi ouvida por todos, seus olhos azulados transbordavam raiva e o Alfa tremeu ao ouvir a voz do Príncipe Lúpus. — Nunca mais diga que eu não amo Jimin, e que meus  sentimentos não são recíprocos! Você não sabe de absolutamente nada da nossa relação, por tal motivo fique calado e não ouse proferir novamente tais palavras com tanta convicção. — Rude, grosso e autoritário.

          — S-Sim, M-Majestade. — O Conselheiro se curva em forma de perdão.

           Depois deste pequeno momento tenso, Seokjin volta novamente ao controle do microfone, vendo que Jimin agora tentava acalmar o Lúpus que tinha raiva escorrendo por suas veias, era completamente difícil, ele ainda ouvir isso depois do que ele e Jimin passaram por culpa de Chaelin. Deus, quantas vezes ele precisaria provar que amava seu baixinho mais do que tudo?


             Jimin o olhava com tanto carinho e amor, que Jungkook se perguntava porque foi tão rude com o menino que desde o início só quis o ajudar a ser uma pessoa melhor, uma pessoa com mais valores, e que um dia pudesse mostrar as suas qualidades para todos aqueles que julgavam a si como um monstro, uma pessoa que nunca iria merecer o amor e companheirismo de alguém.


         Um Eu Te Amo sincero, foi solto mudamente pelos lábios de Jimin, o que fez Jungkook sorrir de forma larga e ficar ali, naquela bolinha de sentimentos ao lado de seu baixinho, esquecendo completamente do baile que estava acontecendo, o maior também devolveu a declaração vendo que o mais novo ruborizava, ficando ainda mais fofo do que já é.

           — Por hora tenho apenas isto para dizer, agora, quero deixar o microfone nas mãos do Príncipe Jeon Jungkook de Silla. — Jungkook saí de seu transe após ouvir seu nome, caminhou até Seokjin se curvando, antes de finalmente pegar o microfone.

           — Assim como Seokjin Hyung disse, no início do baile eu agradeço a presença de todos aqui hoje, é realmente muito importante não só ‘pra mim, mas para todos da nossa família, especialmente para Jimin. — Todos sorriram alegrando o coração de Jungkook. — Amor, vem aqui. — Chamou Jimin e logo uma chuva de vários barulinhos fofos puderam ser ouvidos. Quando Jimin chegou ao seu lado, o Lúpus entrelaçou suas mãos, levando o microfone até sua boca de novo. — Todos sabem que o Príncipe de Silla antigo era uma pessoa completamente desprezível, saía e bebia todas as noites e sempre voltava bêbado ‘pro castelo local, recebia diversas repreensões e não estava nem aí ‘pra tudo isso. — Muitos assentiram. — Pois é, aquele era eu, mas, por que era e não é mais? — O Lúpus se ajoelhou, ainda segurando a mão do Ômega. — Quando eu cheguei no Castelo de Naekyu pude ver a pessoa que em menos de segundos fez meu coração acelerar, com tantos elogios direcionados a si fez meu Lobo se irritar e eu acabar rosnando. Tivemos brigas sim, xinguei ele algumas vezes sim, mas ele nunca quis meu mal. Jimin, você me ensinou que eu não devo deixar que minhas dores me transformem em alguém que seja uma casca de ossos podres até a alma, me ensinou que eu devo manter essa dor presa dentro de uma caixinha no fundo do meu coração, me ensinou que eu devo apenas seguir em frente pois nada vai consertar as coisas ruins do passado. Ah, meu Ômega, me ensinaste tanto em pouco tempo de convivência que temos, me trouxe de volta pra realidade e me mostrou que eu estava fazendo tudo errado, tudo da maneira contrária, eu já não consigo mais viver sem ter você ao meu lado ou até mesmo pra colocar uma gravata, sinceramente, esse acessório foi inventado pelo Diabo. — Risadas de todos no salão puderam ser ouvidas, inclusive as da família Real. — Eu já disse isso várias e várias vezes, porém não haverá um dia sequer em que eu me cansarei de dizer tais palavras pra você, eu te amo Park Jimin, me apaixonei por você em tão pouquíssimo tempo, e descobrimos sobre nós em tão pouquíssimo tempo, mas eu te amo.

Era inevitável as lágrimas que escorriam pelos rostos dos presentes naquele grande salão de festas, Jungkook era bom com palavras e isto fazia os convidados chorarem ainda mais. Jimin era o que mais chorava perante a declaração do Lúpus. O maior deu um sinal e logo uma surpresa mais que inesperada acontece. Chaelin subiu ao palco, carregando uma pequena almofada com as duas jóias mais preciosas que existiam ali, para Jungkook dar a Jimin, que ficou extremamente surpreso ao ver a Ômega.

           — Você merece! — Exclamou baixinho, aumentando o choro do loirinho. — Aproveita viu, um pedido desses não caí do céu.

             Jungkook pegou a almofada, deixando ao seu lado e então pegando as duas caixinhas, abrindo primeiramente as das alianças, Jimin quase desmaiou ao ver o anel, que ele tanto namorava na vitrine daquela galeria. Olhou para Seokjin, que apenas piscou em sua direção, e um sorriso mais do que largo pode ser visto pelo Ômega, deixando seus dois olhinhos em um par de disquinhos extremamente fofos.

            — Park Jimin, nesta noite, em frente de todos os convidados deste baile, em frente ao povo de Naekyu e Silla, que estão presentes aqui, eu declaro todo o meu amor por você. Você foi a pessoa que mesmo com meu jeito antigo de ser; uma pessoa rude, insuportável, que não ligava ‘pra nada e que só queria beber, persistiu e não me largou de mão. Lutou por mim, por minha mudança, por minha transformação, lutou para que eu fosse uma pessoa melhor. No começo de nosso relacionamento, ainda tivemos algumas brigas, te xinguei de coisas que não devia, mas você não arredou o pé, ficou ali do meu lado, me ensinando ainda mais coisas. — O Ômega já estava aos prantos em um choro com alguns soluços, mas era um choro de pura felicidade. — Você, Jimin, passou por um momento mais do que delicado comigo, o momento em que adoecemos e por muito pouco quase morremos, você estava lá comigo, não me abandonou, sofreu tudo o que eu sofri, e mesmo assim, mesmo perdendo muito sangue, hoje você está aqui, comigo, ao meu lado, lutando para que nosso relacionamento dê certo da mesma forma que eu luto, meu pequeno. — Jungkook pega a caixinha das alianças novamente e tira a de Jimin do interior da mesma. — Park Jimin, amor da minha vida e razão do meu viver, minha metade Lupina, meu Ômega e o ser escolhido por meu Lobo antes do nosso nascimento, eu preparei esse baile todo em segredo, tudo para que eu pudesse te fazer essa surpresa hoje, o dia em que eu te pediria em casamento e eu queria que fosse especial. — Jimin murmurou alguma coisa que Jungkook não conseguiu entender muito bem, por isso entregou o microfone na mão do Ômega.

           — Qualquer pedido de casamento seu ia ser especial, até mesmo se você me pedisse dentro de uma casinha de cachorro. — E uma chuva de risadas foram ouvidas por todos ali, não aguentando, Jungkook caiu na risada também, já que Hoseok e Seokjin estavam aos berros. — Eu quebrei completamente o clima.

— Meu amor, eu não te pediria em casamento nem amarrado dentro de uma casinha de cachorro, esse baile ainda é pouco pro tanto que você merece. — Jimin acabou corando e sorrindo bobo, ainda olhando para Jungkook. — E enquanto ao clima romântico não tem problema, eu pego o super bonde e colo de novo. — Todos riram novamente. — Continuando. — Jimin, você aceita se casar com esse Lúpus meio fora da casinha, retardado e que te sujou de chantilly enquanto dormia? — Perguntou, e Jimin logo pegou o microfone de olhos arregalados.

           — Então foi você Jeon Jungkook? — Pergunta com um tom irônico. — Só não vou ficar extremamente irritado com isso porque eu amo chantilly e sobre seu pedido... — O silêncio reinou dentro daquele salão, e Jungkook engoliu em seco voltando a respirar quando viu o sorriso de Jimin. — É claro que eu aceito, meu amor.

           Gritos e mais gritos eufóricos foram ouvidos dentro do enorme salão, pessoas pulando de pura felicidade e algumas apenas com cara de poucos amigos. Seokjin com todo esse suspense do Ômega quase teve um troço pensando que o mesmo havia mudado de ideia, enquanto Taehyung apenas chorava mais e mais. Jungkook se levanta e coloca a aliança de Jimin em sua mão e Jimin coloca a outra aliança maior no dedo de Jungkook.

— Tem uma jóia muito importante ‘pra mim que você deve usar por todos os dias de sua vida, a jóia que eu vi durante toda a minha infância e nos poucos momentos que eu passei com a minha mãe, a Rainha Jeon Sungmin. — Ele abriu a caixa maior, revelando o grande colar de ouro com um rubi em formato de coração. — Hoje quando você sentiu aquela tristeza imensa vinda de mim, foi porque Seokjin me levou até um lugar do castelo e me deu essas duas pequenas caixas com as alianças e a outra com esse colar. No início, eu estranhei o brasão de Silla na capa, mas depois que eu abri a caixa maior me desmanchei em lágrimas e deixei que todas as minhas dores me tomassem, e eu desabei a chorar, enquanto Seokjin Hyung me consolava.

         — Como é que ele sentiu sua tristeza, se nem marca ele tem? — Perguntou um Beta, do fundo do salão.

            — Quando eu acabar com o meu pedido, e finalmente entregar a jóia a Jimin, teremos que cumprir a tradição de nos transformarmos e corremos sob a luz da Lua, aí você verá o porquê, agora, por favor fique em silêncio, até os leitores são mais educados do que você! — A resposta do Lúpus assustou a todos, ninguém sabia que Jungkook e Jimin são os únicos Lúpus vivos. Isso mesmo, caro leitor, Jimin é um Ômega Lúpus, depois eu explico a vocês.  

              Jungkook pegou a Jóia da caixa maior, o colar de sua mãe, e então, abre o mesmo colocando em Jimin, que fica mais feliz, ainda por receber um objeto tão importante para Jungkook. O Ômega explodia em amor, nada mais era importante do que aquilo, a confiança que ambos tinham um no outro, um precisava do outro. Jimin sabia disso.


           Após Jungkook terminar de colocar o colar, que agora pertence a Jimin, o Lúpus voltou para frente do mesmo segurando em sua cintura e o puxando pra perto, colando seus lábios nos do Ômega que rapidamente retribuiu, enquanto ouviam palmas e mais palmas das pessoas ali.

              — Agora, está no momento de cumprir a tradição, por favor, Jimin e Jungkook vão para o quarto e se transformem, depois desçam. — Os Príncipes assentiram, obedecendo o que Namjoon havia mandado eles fazerem, e logo estavam subindo as escadas, com classe e elegância. — Eu sou um Alfa, mas esses dois me matam de Fofura, ave Maria! — Novamente, todos riram.



                                    ∆•∆•∆•∆•∆



            As faces desacreditadas ali não eram por um motivo simples. Jungkook e Jimin voltaram transformados e estavam na beira da escada, prontos para descerem, porém estavam gostando de ver milhares de queixos caídos e olhos vidrados em suas formas Lupinas. As pessoas estavam chocadas, ninguém conseguia acreditar.


           Dois Lobos negros de olhos azuis sendo um mais baixo que o outro por ser Ômega. Dois Lobos Raros e que são únicos no mundo. Haveria felicidade maior do que àquela, para uma família? Lobos Raros apenas nasciam nas famílias mais fortes, àquelas que tinham um poder imenso de fazer com que filhotes Raros nascessem com uma força sobrenatural.


        Chul e Young desciam as escadas, Jimin e Jungkook não estavam mais ali, estavam apenas seus Lobos e nada mais. O casal vinha junto, sincronizadamente sem que se embolassem na escada. Chul era imponente, sua soberania era exalada por todos os pelos de seu corpo, e suas presas eram grandes e afiadas, a face muito bem marcada e desenhada, era simplesmente o Lúpus perfeito. Seu corpo era repleto de músculos, tantos que o deixavam com uma presença assustadora.


              Ao contrário de toda a forma física, porém Lupina de Chul, o mais baixo dos Lobos, vulgo Young, era menos musculoso, mas tinha sim uma boa quantidade de músculos em seu corpo, o Ômega era mais delicado, que o Lúpus, que era duas vezes mais alto que si, justamente para lhe proteger. Todos do salão abriram espaço para os Príncipes Lupinos passarem até a porta de entrada e saída do salão, que ia direto para o grande gramado das terras ao redor do castelo.

Assim que os Lobos se preparavam para correr todos foram para os andares superiores do castelo para poderem ver a tradição se cumprir. Chul esperava que todos finalmente estivesse posicionados para poderem verem e serem testemunhas de que a tradição fora cumprida, e que nada foi feito fora dos costumes. Era um Lobo conservador e que respeitava tudo de seus ancestrais.


              Young não era diferente, a diferença era que ele obedecia toda e qualquer ordem vinda de Chul, porém nenhuma que envolvesse submissão, isso foi uma ordem do próprio Chul, que apenas disse-lhe que era livre para fazer o que bem entendesse, mas que deixasse seu Alfa ciente de tudo. Chul era flexível quando se tratava de Young, ele sabia respeitar seu Ômega, e dar a ele o espaço necessário e vinha ensinando isso a Jungkook.


           Chul é eterno, já passou pelos corpos de todos os Lúpuses, que existiram no mundo, em diversos lugares e finalmente pode voltar para seu país de origem, já que antes ele esteve na França. Young acompanhava Chul para onde quer que ele fosse, sempre foi assim em todas as vidas de ambos. Eram Lobos extremamente sábios, conhecimento não faltava para esses Lobos, e sempre deixavam um pouco de si em cada novo corpo que habitavam.  Young acordou de seus pensamentos, quando sentiu o focinho de Chul raspar levemente em seu pescoço, era o sinal de que eles já podiam comprir a tradição.

Encostaram suas testas em um ato de carinho, e então, finalmente abriram seus olhos, voltando suas atenções para a grande Lua que iluminava toda a escuridão do céu de Naekyu. E, assim foram, começaram a correr em uma velocidade inexplicável, correram com toda a velocidade que ambos tinham, e, incrivelmentez Young era mais rápido do que Chul.

Mentira.


Chul sempre corria mais devagar, que Young, para poder ver seu Ômega correndo livremente, com os pelos negros e extremamente brilhosos, sendo acariciados pelo vento, era uma visão maravilhosa e uma das melhores memórias de Chul, por isso ele fazia questão de sempre renová-la. Depois de um tempo os dois Lobos saltaram no ar, em uma altura que ninguém saberia um dia explicar como eles conseguiam, pareciam kangaroos.


                           ∆•∆•∆•∆•∆•∆•∆•∆•∆•∆

               Jungkook estava nervoso, ele gostava de cantar, mas sempre preferiu cantar escondido das pessoas, sem que elas conseguissem ouvir a voz doce e rouca que ele tinha. Hoje ele cantaria uma música mais do que especial para ele, Butterfly era a música favorita de Jimin, e ele faria o favor de cantar para ele, sabendo que o Ômega não resistiria e cantaria junto consigo.

                  — Por favor, peço a atenção de todos. — Jungkook fala no microfone ao lado de Jimin, esse que o olha confuso. — Eu nunca gostei muito de fazer isso em público, mas pelo Jimin eu faria qualquer coisa, então, bem, eu quero cantar uma música, que acabou se tornando a minha favorita depois que conheci Jimin. — Todos estavam ansioso por aquilo e Jimin não era diferente.

                Jungkook então inicia cantando, tendo olhares espantados na sua direção, inclusive de seu irmão e cunhados.

Amugeotdo saenggakhaji ma
(Não pense em nada)
Neon amu maldo kkeonaejido ma
(Não diga nem uma palavra)
Geunyang naege useojwo
(Apenas me dê um sorriso)

Nan ajikdo mitgijiga anha
(Ainda não consigo acreditar)
I modeun ge da kkumin geot gata
(Tudo isso parece que foi um sonho)
Sarajiryeo hajima
(Nem tente desaparecer)

Is it true? Is it true?
(Isso é real? Isso é real?)
You You
(Você, Você)

O sorriso de Jimin aumentou, ainda mais quando ouviu que Jungkook havia mudado a letra da música, mas, ainda assim, conseguiu encaixar perfeitamente na melodia.

Neomu areumdawo duryeowo
(Você é tão lindo que tenho medo)
Untrue Untrue
(Surreal, Surreal)
You You You
(Você, Você, Você)

Gyeote meomulleojullae
(Você vai ficar ao meu lado?)
Naege yaksokhaejullae
(Vai me prometer)
Son daemyeon naragalkka buseojilkka
(Se eu soltar sua mão, você vai voar pra longe?)
Geobna geobna geobna
(Tenho medo disso...)

Jimin já não aguentando mais, pega um segundo microfone, e logo começa a cantar junto com Jungkook, surpreendendo a todos e ao próprio Jungkook.

Siganeul meomchullae
(Você vai parar o tempo?)
I sungani jinamyeon
(Se esse momento passar)
Eobseotdeon iri doelkka neol irheulkka
(Como se isso não tivesse acontecido)
Geobna geobna geobna
(Eu vou te perder, tenho medo disso)

Butterfly, like a butterfly

(Borboleta, como uma borboleta)
Machi butterfly, bu butterfly cheoreom
(Como uma borboleta, assim como uma borboleta)
Butterfly, like a butterfly
(Borboleta, como uma borboleta)
Machi butterfly, butterfly cheoreom
(Como uma borboleta, assim como uma borboleta)

E finalmente, Jungkook volta a cantar, porém agora ele cantava a parte do Rap da música, Jimin admirava cada palavra dita pelo maior.

Neon machi Butterfly
(Você apenas é como uma borboleta)
Meolliseo humchyeobwa son daheumyeon neol irheulkka
(De longe eu roubarei olhares; se nós tocarmos as mãos, eu vou te perder?)
I chilheuk gateun eodum sok nal barkhineun nabihyogwa
(Você brilha nessa escuridão, isso é o efeito borboleta)
Ni jageun sonjit han beone hyeonsireul ijeo nan
(Seus toques de luz, eu vou esquecer a realidade só uma vez)

Salmyeosi sseudadeumneun baram gata

(É como o vento que gentilmente me acaricia)
Salposi pyoryuhaneun meonji gata
(É como o pó que gentilmente deriva ao longo)
Neon geogi itjiman waenji dahji anha Stop
(Você está lá, mas por alguma razão, eu não consigo chegar até você, pare!)
Kkum gateun neon naege butterfly, high
(Você, que é como um sonho, é como uma borboleta pra mim, alto.)

Agora Jimin e Jungkook cantavam juntos, as vozes se complementando de maneira perfeita, perfeitamente doces e cheias de carinho, amor e alegria. Tudo entre os dois era perfeito, estavam de mãos dadas, olhando um para o outro sem nem piscar, os olhos azuis perdidos um no oceano do outro, era assim que eles estavam. Perdidos, perdidos de amor e carinho, perdidos em um romance sem fim, um romance eterno, um romance verdadeiro e fiel.

Untrue Untrue
(Surreal, Surreal)
You You You
(Você, Você, Você)

Gyeote meomulleojullae
(Você vai ficar ao meu lado?)
Naege yaksokhaejullae
( Vai me prometer )
Son daemyeon naragalkka buseojilkka
(Se eu soltar sua mão, você vai voar pra longe?)
Geobna geobna geobna
(Tenho medo disso...)

Siganeul meomchullae
(Você vai parar o tempo?)
I sungani jinamyeon
(Se esse momento passar)
Eobseotdeon iri doelkka neol irheulkka
(Como se isso não tivesse acontecido)
Geobna geobna geobna
(Eu vou te perder, tenho medo disso)

Butterfly, like a butterfly
(Borboleta, como uma borboleta)
Machi butterfly, bu butterfly cheoreom
(Como uma borboleta, assim como uma borboleta)
Butterfly, like a butterfly
(Borboleta, como uma borboleta)
Machi butterfly, butterfly cheoreom
(Como uma borboleta, assim como uma borboleta)

E, novamente, Jungkook passa a cantar a parte em que vinha o rap da música, dessa vez mais rápido, alegrando ainda mais todos os presentes com seu talento.

Simjangeun memareun sorireul nae
(Os pequenos pedaços caem lá pra baixo)
Kkuminji hyeonsirinji al su eobtne
(Do meu coração, um ruído estéril)
Naui haebyeonui kapeukayeo
(Eu não sei se isso é real, ou apenas um sonho)
Jeogi supeuro gajin marajwo
(Meu kafka à beira-mar)
Nae maeumeun ajik neo wie buseojyeo
(Não vá em direção à esse bosques, logo ali)
Jogakjogak kkamake noga heulleo
(Meu coração ainda está se quebrando por você)
Nan geunyang idaero jeungbalhago sipeo
(Eu apenas quero vaporizar como isso)
Nae sarangeun yeongwonin geol
(Meu amor, isso é pra sempre)
It’s all free for you baby
(É tudo livre pra você, baby)

Jimin novamente volta a cantar com Jungkook, agora fazendo High Notes perfeitos, e que encaixavam muito bem com a melodia da música, e com a doçura da voz rouca de Jungkook.

Gyeote meomulleojullae
(Você vai ficar ao meu lado?)
Naege yaksokhaejullae
(Vai me prometer)
Son daemyeon naragalkka buseojilkka
(Se eu soltar sua mão, você vai voar pra longe?)
Geobna geobna geobna
(Tenho medo disso...)

Siganeul meomchullae

(Você vai parar o tempo?)
I sungani jinamyeon
(Se esse momento passar)
Eobseotdeon iri doelkka neol irheulkka
(Como se isso não tivesse acontecido)
Geobna geobna geobna
(Eu vou te perder, tenho medo disso)

Jimin agora cantava sozinho, sendo acompanhado apenas pela melodia da música lenta, mas apaixonada.

Butterfly, like a butterfly
(Borboleta, como uma borboleta)
Machi butterfly, bu butterfly cheoreom
(Como uma borboleta, assim como uma borboleta)
Butterfly, like a butterfly
(Borboleta, como uma borboleta)
Machi butterfly, butterfly cheoreom
(Como uma borboleta, assim como uma borboleta)

              E, finalmente, a música termina, de uma forma extremamente especial, com um beijo apaixonado de Jungkook e Jimin, que mostrava para todos todo o amor que aqueles dois Príncipes sentiam um pelo outro. Um amor inexplicável, um amor completamente sem igual, um sentimento que queimava e ardia dentro do peito de cada um, de maneira tão gostosa. Um sentimento que supera erros, falhas, pecados, medos, barreiras, tempestades, tribulações, desconfianças, tudo, exatamente tudo.

           — Eu posso ser tudo de ruim, mas pelo menos, aprendi a te amar da forma que você merece, Jimin. — Essa foi a última frase dita por Jungkook antes de tomar novamente os lábios cheinhos do Ômega para si.

           O amor é algo que ninguém consegue explicar, não há palavras suficientes em qualquer língua do mundo que sejam capazes de tentar achar uma forma de explicar tal sentimento. Por isso o amor é como uma borboleta, ele voa espalhando sua cor e bondade por todo mundo, espalhando a sua existente de forma calma e bela, com sua essência de doçura e pecado, o amor é uma borboleta.


           Por isso, todos devemos abrir nossos corações para recebermos esse sentimento, que tantas pessoas dizem ter, mas poucas sentem com verdade e clareza. O amor não arde e queima em qualquer pessoa, apenas naqueles que realmente merecem passar pela dor e alegria que ele causa. Por isso, hoje, eu termino este capítulo com uma mensagem a todos os meus amados leitores.


        Amem mais e odeiem menos, todos podemos amar, basta apenas sabermos como fazer, para que o fogo desse sentimento tão belo e acolhedor, possa queimar em nossos corpos. Amar é tudo o que precisamos. Ame seu pai; sua mãe; seu vizinho; sua amiga; seu amigo; seus primos e primas; ame seus tios e tias; ame o padre ou o pastor de sua igreja; espalhe amor pelo mundo e pela a sua sociedade.


"Seja um pequeno raio de luz em meio a tanta escuridão."

— Nayane Lucy (Autora de My Ômega)


Notas Finais


EU TO CHORANDO MUITO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...