História My one-sided Love - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Itazura Na Kiss
Tags Dorama, Romance
Visualizações 81
Palavras 1.290
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiie gente! Essa é a primeira vez que posto alguma fanfic minha, estou um pouco receosa, demorei até adquirir coragem para postar. Bom... me baseei no anime Itazura Na Kiss, fiz minha própria versão! Sou estudante e por isso não sei se conseguirei estar atualizando sempre, mas farei o meu melhor. Espero que gostem.

Capítulo 1 - Confessing My Love


Fanfic / Fanfiction My one-sided Love - Capítulo 1 - Confessing My Love

_ Kotoko! Venha me ajudar.

_ Estou indo pai! _ Falei pegando a caixa de utensílios de cozinha. Estamos nos mudando para a casa nova. Eu e papai estamos colocando as nossas mudanças dentro do carro.

_ Aqui, pegue esta outra caixa, essa aí está muito pesada.

_ Já sou forte o bastante para isso pai. _ Falei rindo da careta dele quando mostrei meu muque.

(...)

_ Uau...

_ Lembra que desde criança você dizia que queria morar em uma casa com dois andares?

_ Sim! _ Falei empolgada.

Arrumamos bastante coisa, já estava ficando de noite, e no dia seguinte eu teria aula. E como não bastasse essa minha vida, eu iria finalmente me declarar para o Min Kwan, ou como eu o chamo em meus pensamentos, MinMin.

Acordei até antes do despertador, estava muito ansiosa, coloquei meu uniforme verde, coloquei meus sapatos, e resolvi deixar meu cabelo solto, com a franja no topo da cabeça. Coloquei minha carta na mochila, a qual passei uma semana conferindo para não ter erros de ortografia, recortei milhares de pequenos corações e coloquei dentro da carta, ele iria ficar surpreso quando abrisse. Desci até a cozinha para tomar o café da manhã.

_ Tem certeza de que só está indo para escola? _ Papai perguntou enquanto colocava minha lancheira na mesa. Ele é um chefe de cozinha excepcional, é dono de seu próprio restaurante, e que faz muito sucesso por sinal. Enquanto eu... queimo até arroz toda vez que tento, sou um verdadeiro desastre na cozinha.

_ E para onde mais eu iria? _ Falei me levantando, peguei minha lancheira coloquei dentro da minha bolsa e fui a caminho da escola.

(...)

Quando avistei MinMin entrando na escola sai correndo na sua frente toda desengonçada, e me curvei com a carta.

_   Min Kwan! Sou Kotoko Aihara, da turma F, eu só queria dizer que... Eu te amo. _ Assim que eu falei isso ele parou de andar.

_ Não me relaciono com meninas burras e sem cérebro. _ Ele se desviou de mim e voltou andar me ignorando completamente.

Meu coração doeu de uma forma que eu fiquei sem reação, jamais esperei que ele fosse dizer tal coisa. A única coisa que eu ouvi em seguida foram as risadas das pessoas a minha volta, rindo da rejeição que eu tinha acabado de receber.

Saí correndo para o banheiro e comecei a chorar, aquela foi a primeira fez que eu levei um toco de alguém, e também a primeira vez que eu tinha me declarado para alguém.

_ Kotoko! Você está aí? Não acredito que você se confessou para ele. _ Era a Ninka, uma das minhas melhores amigas.

_ Saia do banheiro, já vai bater o sinal. _ Era a San-Haa, minha outra melhor amiga.

Abri a porta do banheiro e corri para abraçar as duas.

_ Sua boba, quem está perdendo é ele! _ Ninka falou.

_ Exatamente. Só porque ele te humilhou, te chamou de burra, de sem cérebro e de... _ San-Haa foi interrompida.

_ Desse jeito você só está piorando as coisas. _ Ninka falou dando um beliscão no braço da San.

_ Aiii! Tudo bem. eu já entendi, me desculpa.

Sai do banheiro com os braços cruzados com as duas, e a cada corredor que eu passava, as pessoas ficavam rindo e falando "Olha, é essa a menina que se declarou para o Min Kwan e foi rejeitada", " Mas é claro, com essa aparência de frango D'água, obviamente não teria chances", " Ela é tão burrinha, tadinha", e outras coisas piores do tipo.

Quando bateu o sinal para a saída, meus amigos se amontoaram na minha mesa, só deu tempo do professor sair da sala que eles vieram correndo feito búfalos.

_ Podemos ir na sua casa nova?

_ Vocês já arrumaram as mudanças?

_ Precisam de ajuda?

_ Eu ajudo seu pai a fazer um almoço.

_ Quando foi que você se mudou?

_ Lá é grande? Tem piscina?

_ Calma gente! _ Dei um berro. mas logo voltei a falar em um tom mais baixo quando eles ficaram quietos. _ Vocês podem ir sim, ela é bem grande, papai vai fazer um almoço para nós.

(...)

Eles ficaram muito empolgados quando entraram na minha casa, meu pai já estava acostumado com as visitas inesperadas deles, então fez um belo banquete, típico de seu restaurante.

   _ Senhor, quando eu me casar com a Kotoko, pode deixar que eu cuidarei de seu restaurante. _ Hiro falou (Ele é apaixonado por mim desde a quinta série, mas eu nunca correspondi a seus sentimentos, sempre deixei claro que meu coração já tem dono)

_ Ah menino, para de falar besteira e coma a sua comida! _ Papai falou colocando um pedaço de batata na bola dele.

_ Senhor estou falando sério, assim que eu conseguir um emprego vou pedir a mão da sua filha em casamento. _ Hiro insistiu na mesma conversa.

_ Hiro você sabe muito bem de quem ela gosta, e não é você. _ Ninka falou baixinho em seu ouvido, mas ainda sim eu consegui escutar.

Papai se levantou para olhar as poucas panelas que ainda estavam no fogo.

_ Você não ficou sabendo que ela se declarou para ele hoje? _ San-Haa perguntou.

_ O quê?  _ Hiro se levantou e começou  a dar socos na porta. _ Como é que você pôde fazer isso comigo Kotoko? _ E ele continuou batendo a cabeça na porta fingindo chorar.

Naquele momento começamos a ouvir barulhos, e a casa começou a tremer de um jeito muito estranho, parecia um leve terremoto lá  fora, porém aqui dentro parecia estar caindo tudo, e realmente estava. O teto começou a trincar de fora a fora. Papai veio correndo em nossa direção gritando.

_ Saiam todos de dentro da casa!

_ O que é isso pai? O que está acontecendo _ perguntei tentando me equilibrar no chão.

_ Salve sua vida menina, apenas faça o que eu digo. _ Ele insistiu.

Eu e meus amigos obedecemos e saímos correndo, assim que paramos em frente a calçada, não demorou menos de três segundos para a casa desmoronar. Como é que aquilo foi possível? A casa era novinha, papai disse que era feito com uma madeira muito resistente.

Em alguns poucos minutos começaram a chegar repórteres, fotógrafos, e varias outras pessoas curiosas.

" Hoje ás 14:30 houve um terremoto leve, uma das casas dessa vizinhança desabou, o estranho foi que apensas uma sofreu as consequências, especialistas já estão investigando o caso, entraremos com mais detalhes depois do comercial."

Comecei a chorar de desespero e a olhar para todos os lados da rua, realmente a nossa casa foi a única que tinha desmoronado. Depois de ter passado por toda essa agitação, o único lugar que nos restou ir, foi para o restaurante do papai. Ele tem uma inquilina lá, que mora na casa de cima, ela é uma senhora muito bondosa, e nos deixou passar uma noite em sua casa.

Grande parte das nossas coisas não conseguimos recuperar, ficaram todas soterradas naquele monte de janelas, madeiras, vidros, e várias outras coisas espalhadas pelo chão.

Hiro nos acompanhou até o restaurante, ele adora vir aqui atormentar o meu pai no trabalho, diz que seu sonho é ser um grande chefe de cozinha assim como meu pai. Eu gosto bastante do Hiro, porém tem vezes que ele acaba exagerando e se torna insuportável.

(...)

_ Vamos pessoal! Não sejam mão-de-vaca. Ajudem nossa querida amiga! Ela está passando por um momento muito delicado, e pedimos a colaboração de vocês. 

Naquela hora eu só queria pular no pescoço do Hiro, que diabos ele estava fazendo no portão da escola com aquele microfone? Meu sangue ferveu...

 

 

 

 


Notas Finais


Muito obrigada por lerem! Gostaria de saber a opinião de vocês, continuarei postando caso gostem. <3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...