História My only love - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Orange Is the New Black
Personagens Alex Vause, Piper Chapman
Tags Alex, Orange, Piper, Romance, Vauseman, Yuri
Visualizações 160
Palavras 1.490
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, LGBT, Orange, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Então voltei, com um tempo ainda um pouco apertado, porém melhor.
Apreciem com moderação pois sou de poucas palavras, capítulos curtos geram curiosidades boas :)

Capítulo 6 - Chapter 5


Brooklyn, June 22th, 2003.

                Eu tinha completado meus 13 anos e Piper estava com 8 e a diferença de idade não parecia ser tão grande mais, mantínhamos os mesmos hábitos saiamos da escola e íamos direto para o parque tomar sorvete e conversar debaixo daquela árvore e logo depois eu a levava para casa.

Mas nesse dia, neste exato dia minha vida revirou e tudo mudou, o inicio da manhã foi o mesmo de sempre, porém ao retornar para casa meu mundo desabou.

IRIAMOS EMBORA PARA A FRANÇA, e como um maldito flashback me lembrei da conversa sussurrada dos meu país no carro a 3 anos atrás quando eles ainda planejavam abrir as filiais.

Quando Diane me deu a noticia senti minha forças se esvaírem, parecia que eu tinha corrido uma maratona pela minha respiração ofegante, não, eu não poderia ir embora assim eu prometi para Pie que eu ficaria ao lado dela para apoiá-la, ainda tinha Carol que não a tratava de uma boa forma, como uma mãe deveria cuidar de uma filha.

Tinha Nichols também que era minha 2° melhor amiga, como eu viveria sem as aventuras dela?

E a biblioteca, a sorveteria será que estariam aqui se eu voltasse algum dia? Ou até mesmo nossa árvore.

Como eu daria esta noticia para Piper, ela ainda era uma criança, apesar de estar crescendo rápido demais, Deus eu perderia este processo, eu iria a abandonar, assim como Carol andava fazendo, quem a levaria para casa? Quem a defenderia das meninas mais velhas? 

E mesmo eu não gostando da escola daqui, seria difícil me adaptar a uma nova escola e também ao uso constante do francês que já não era uma língua fácil.

 

Manhattan, June 22th, 2003.

V&C Architecture

Reunião às 08:22

- Bom dia, Senhores e senhoras, como todo sabem me chamo Lee Burley, e sou sócio majoritário da empresa onde eu possuo 60% das ações e dessa porcentagem, 25% é de minha esposa então quando decidimos montar uma filial na França, precisamente em Paris onde haveria grande demanda de nossos serviços, os Chapmans são donos de 22,33% das ações e foram cogitados a serem enviados para cuidar de nossa filial lá, fiz a proposta ao meu grande amigo Bill de ter uma nova vida na França e adivinhem o velho Bill não aceitou – risadas contidas foram ecoadas na sala – Bill sabemos que você ama Manhattan.

- Minha vida está aqui Lee, nunca fui aventureiro como você irmão.

- Então por isso eu e Diane decidimos que nós iriamos para a França, e daremos uma guinada na filial de Paris.

- Alex irá com vocês? – Carol se prontificou a falar algo pela primeira vez durante a reunião.

- Carol, minha filha não é e nem será a pauta desta reunião.

- Carol, deixe de ser prepotente e respeite minha filha e também os nossos sócios – Diane quase pulou a mesa para acerta Carol, pus a mão em sua perna em uma forma de contê-la para que não estragasse a reunião.

- Desculpe Lee, acho que Carol já entendeu, não é Carol? – Bill tomou a frente da palavra antes que Carol pudesse retrucar com Diane.

- Sim – ela respondeu entre dentes.

- Bem, como eu estava dizendo iremos para França, e com isso Bill Chapman assume a presidência V&C Architecture, e deixo claro apenas o mesmo terá poder em tomar as decisões, eximindo a senhora Chapman dos ditos serviços, ela continuará no mesmo cargo que tem posse hoje. E com isto está encerrada a nossa reunião.

Carol foi a primeira deixar a sala como um furacão fechando a porta com total força.

Ainda ficamos conversando com alguns amigos.

- Lee, eu vou atrás de Carol.

- Irmão boa sorte, a mulher saiu brava daqui e lamento pois eu não podia dar o pleno poder a sua esposa, Carol Iria acabar com nossa empresa, ela não é a mesma Carol de antes, está desequilibrada Bill.

- Eu sei disso Lee, ela duvida de mim diz que tenho algo com Gloria, a Latina é casada, homem, eu nunca olhei se quer para ela.

- Espero que as coisas melhorem e se não melhorar cuide de Piper irmão, cuide dela pois sem Al, talvez fique um tempo fragilizada elas são muito amigas, creio que este elo não vem desta vida a conexão delas são fortes, então não deixe que Carol acabe com a alegria da pequena.

- Lee, muito obrigado por tudo.

Dei um forte abraço nele, conheci Bill ainda no colegial, éramos o atleta bonitão e o nerd esquisito, Bill conquistou Carol, que em uma de nossas saídas em grupos me apresentou Diane que era uma moça linda e extrovertida, eu o esquisitão fiquei envergonhado de primeira, porém não tinha como não ri com jeito dela, e eu sabia que amaria aquela mulher para o resto de minha vida. Aos 20 anos casamos e 1 ano depois iniciamos a V&C Architecture em parceria com os Chapmans, e 10 anos depois quando a árvore começou a dar frutos, decidimos ter Al.

Chapman’s House.

Quando cheguei em casa minha mãe já estava, Al tinha acabado de me deixar na porta, e pela feição dela estava bem alegre.

- Sua amiguinha imunda já lhe contou que está prestes a lhe abandonar?

- Mãe, Papi já lhe pediu que não falasse de Alex assim? E porque ela estaria prestes a me abandonar?

- Vejo que a amizade forte de vocês não é tão forte assim, os Vause’s vão embora para França e você foi enganada por ela.

- Mãe não minta para mim – meu corpo estava tremulo só de pensar em ter que me despedi de Alex – não faça isso mãe sou sua filha, me ame apenas um pouco, você não vê que magoa?

- Não estou mentindo, sua ingrata.

- Carol Chapman, não se atreva. – Meu pai tinha acabado de chegar.

- Não se atreva a o que Bill? Eu já fiz o que tinha que ser feito.

- Então é verdade? Al vai embora?

- Filha não importa o que sua mãe disse, não é Al que irá embora, são negócio meu amor a família Vause irá para França para cuidar dos negócios lá, você poderá ir visitar ela e talvez daqui 2 anos eles voltem.

- 2 anos pai? O senhor acha isso pouco?

- Sim filha, Lee quer apenas estabilizar as coisas por lá.

- Quando eles iram, pai?

- Mais tardar, depois de amanhã, Lee já estava preparando a viagem a algum tempo.

- Viu, eu falei que ela era imunda, Piper, imunda e mentirosa – Carol estimulava um ódio que não caberia em mim, era difícil pensar em algo com ela falando esses tipos de coisas.

- Cale-se Carol, juro que essa é ultima vez que vou pedir, a próxima levarei Pie para longe de você, como eu já deveria ter feito antes. – Meu pai foi mais rápido do que eu em ordenar que ela se calasse.

- O que? Eu agora perdi o direito de falar nesta porra de casa Bill? Você quer me calar por 2 fedelhas é isso mesmo?

- Não, Carol, você não perdeu o direito de falar, mas também não lhe dou o direito de insultar NOSSA filha, você entendeu? NOSSA, uma dessa fedelhas é sua filha, saiu de você, e a outra é filha de Diane, sua melhor amiga.

- A qual sua filha pediu para se casar.

- E daí? Se for para acontecer você não poderá impedir, nem você, nem a França, nem ninguém. Amor olha para nós, estamos nos destruindo por nada, são 2 meninas ainda, ninguém sabe do futuro, mas se for para acontece, irá, assim como nós, assim como os Vause, assim como pessoas que se amam, olha o estado que você deixou Pie ela está no canto da sala desde quando a discussão começou, ame-a por esse momento, ela precisa, está perdendo a melhor amiga por enquanto, e você também, Diane está indo embora, e eu também vejo Lee parti com Diane e isso me deixa desesperado.

- Tudo que você disse Bill, me enjoa, como você pode aceitar isso de uma criança que ainda tem jeito, vamos aproveitar a ida daquela criança esqui...

- CHEEEEGA.....  EU NÃO QUERO MAIS OUVIR VOCÊS, CHEGA, EU QUERO IR PARA CASA DA AL PAI, E MÃE NÃO LIGO SE A SENHORA VAI DIZER NÃO.

- TA VENDO BILL ELA NÃO ME RESPEITA E ISSO É CULPA SUA BILL.

- Pie, sobe e arrume uma mochila com as coisas necessária para esses dias. – Subi em disparada pela escada antes que Carol dissesse algo – E você Carol chega, eu te amo, porem amo muito Pie também e não irei privar ela disso.

- Faça o que você quiser, seu merda. – Carol saiu batendo a porta da frente de casa e deixando Bill triste porem aliviado pelo fim do caos no momento.

 

Top Of The Rock, February 16th, 2017.

- Eu te amo tanto, baby.


Notas Finais


<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...