1. Spirit Fanfics >
  2. My Personal >
  3. Inspirado.

História My Personal - Capítulo 23


Escrita por:


Capítulo 23 - Inspirado.


Fanfic / Fanfiction My Personal - Capítulo 23 - Inspirado.

Charlotte POVS


— Chegou tarde, a gente deveria comprar alguma coisa pra comer?

Perguntei entediada, com os meus braços cruzados. Jeon estava de costas para mim. Vi na sala, Geo se divertindo sozinho, mordendo um brinquedo. O rapaz de madeixas castanhas fechou a porta. Ouvi o seu suspirar, já um pouco impaciente pela espera da sua resposta.


— Bom, eu tô sem fome.

Respondi em seu lugar, pretendendo ir me deitar na cama. Quando estava já subindo nela, pela lateral, meu corpo foi virado de frente para si e eu jogada contra o colchão. JungKook não era disso. Sempre tão cuidadoso, ele não costumava agir apressado desse jeito. Seu olhar sério, trazia um ar maduro e sensual... Ele parecia diferente, ao menos um pouco.


— Qual é? — ri soprado. — Comeu uma cenoura estragada?
— Não. — sorriu ladino. — Mas pode ter certeza que a minha cenoura, pode te causar um grande estrago.

Arregalei os olhos e ri, sem saber se era piada ou se estava fazendo sério. Eu estava já ficando quente por dentro, ele tinha domínio sobre os meus hormônios com um simples olhar faminto.


— Não sei do que você tá falando... — me fiz de desentendida.
— Deixa que eu te mostro.

Veio pra cima de mim, me beijando com euforia. Retribuí, ofegando ao sentir sua mão percorrer minha barriga, adentrando meu short e calcinha deliciosamente. Começou a me esfregar por entre as pernas, aumentando meu desejo, minha lubrificação natural. Gemi contra a sua boca, afastando mais as pernas, apertando sua cintura por cima da camiseta que vestia.


— Uh... — grunhi, interrompida pela sua boca na minha outra vez.

Seus lábios agiam vorazes sobre os meus, sua língua domava a minha, me ensinando técnicas que eu não conhecia. Seus dedos longos eram tão habilidosos, que no momento em que os afundou para dentro de mim eu perdi o meu controle. Arregalei os olhos e arqueei as costas, afastando nossos rostos com um suspiro sôfrego.

Sua boca foi parar em meu pescoço, o modo como me dedava rápido era estranho e insistentemente bom. Gemi alto, fincando minhas unhas em sua camiseta, sentindo-o diminuir a velocidade. Agora, quando os empurrava, era devagar. E na volta, puxava-os para fora, dando uma rápida esfregada em meu clítoris antes de retornar para dentro, espalhando o meu mel.

Desesperada, subi minhas mãos pelo seu corpo enquanto ele beijava e mordia o meu pescoço sem piedade. Agarrei seus cabelos por entre os dedos, puxando-os de leve ao arquear outra vez, sentindo que iria gozar logo.


O-Oppa...

Ele cessou os selares para me olhar nos olhos, respirando afoito:


— Repete?
— Ah, oppa...

Meteu bem mais fundo, movendo-os circularmente. O olhei nos olhos, sentindo vir sobre o meu corpo o nirvana. Era alucinante, nem um único músculo obedecia ao comando de meu cérebro. Me contraía de maneira involuntária, gozando contra a sua mão, com um resmungo longo e repleto de satisfação.

Os retirou, puxando meu short e calcinha para baixo enquanto eu tentava me recompor. Espalmou sua mão em minha barriga, subindo pelo meu corpo, erguendo a minha camiseta até deixar os meus seios à mostra, sem realmente retirá-la de meu corpo.

Abriu sua calça e tirou do bolso uma camisinha. Mesmo que eu tomasse meus anticoncepcionais em dia, sempre optávamos por mais segurança. Ele se vestiu e ficou de joelhos na beira da cama, por entre as minhas pernas.


— Hmn, v-vai entrar, JungKook?
— Ainda não, pode esperar um pouquinho?

Concordei, vendo-o ajeitar seu corpo acima do meu, sem encaixar. Pouco depois, eu entendi. Com um vaivém constante, Jeon passava seu membro teso por entre os meus grandes lábios, se esfregando. Aquele era estímulo o suficiente. Eu queria dentro, me preenchendo. Mas assim também era prazeroso.

Naturalmente molhada, somado ao lubrificante da camisinha... Estávamos ainda mais escorregadios, facilitando uma fricção rápida.


— JungKook... — riu soprado ao me ouvir.
— Gostoso, não é?
— Ahn... Ah, ah.

Repetir o seu nome era excitante, bom de se dizer. Saía de minha boca em forma de gemido, o estimulava a continuar. Aumentava em mim as boas sensações. Ele estava quase entrando, quando diminuiu o ritmo. Um som arrastado escapou pela minha garganta.


— Que gemido bonito, Lottie. — beijou meu seio, abaixando sua boca até o meu mamilo, dando uma lambida rápida.

Se afastou, tocou a minha cintura e me virou na cama. De bruços, dei uma olhada de canto. JungKook puxou minha cintura, me fazendo ir mais pra trás. A cama era alta, me fez deixar os pés planos no chão e meu tronco sobre o estofado. Me apoiei pelos antebraços, sentindo sua mão grande passar pela curvatura de minhas costas, erguendo a minha peça, deixando minha pele livre.

De pé atrás de mim, ele tirou toda a roupa. Tocou meu quadril e se encostou. Senti seu membro duro por entre as minhas pernas e rebolei, jogando meus cabelos para o lado. Dei uma olhadinha de canto, vendo-o vidrado no movimento que eu fazia.

Sorri discretamente, ainda provocando, recebendo um tapinha na bunda. Gemi engasgado, respirando fundo. Eu não sabia o que se passava pela sua mente agora, mas ele definitivamente estava mais quente do que nunca.

Me fez parar e senti seu membro distante. Com uma mão em minha cintura, JungKook usou a outra para se encaixar. Quando estava já com a pontinha dentro, numa tacada só se afundou. Soltei um gritinho rápido, escutando seu gargalhar breve.

Sem esperar, começou a me estocar com força, indo fundo. Meu corpo balançava contra a cama, eu revirava os olhos com uma expressão de deleite. As sobrancelhas franzidas, uma expressão chorosa que eu não conseguia conter.


— U-Uau, coelho. D-Desde quando você... Ah! Desde quando é selvagem assim? — ri soprado, enquanto batia seu quadril contra a minha bunda. — Tá inspirado ho-hoje...

Mordi os lábios e ele apertou minha carne, sem parar nem um único instante, apenas diminuindo um pouco a velocidade.


— Você me fez esperar o dia todo. Poxa, isso não se faz.

Subiu suas mãos até a minha cintura, dando um aperto gostoso ali antes de voltar até a minha bunda, acariciando. Ele sabia ser gentil e selvagem ao mesmo tempo, era inacreditável.


— Hm... — foi fundo. — Aaah. Porra, JungKook...

Deslizei minhas mãos pelo edredom bagunçando, estendendo-as até onde eu conseguia, apertando o tecido ao sentir mais uma estocada. O estímulo de meus seios sendo friccionados contra a cama a cada movimento, era um ponto a mais.


— Se mexe pra mim, Char?

Pediu, descendo sua mão de minha cintura até o meu púbis, me puxando pra trás. Eu me apoiei pelos cotovelos na cama, de olhos fechados, começando a me mover, fazendo-o entrar e sair. Desceu seus dedos até meu pontinho exposto, o pressionando. Meu orgasmo ia chegar logo e por isso parei, sem aguentar por mais um único segundo.


— Muito bem. — riu anasalado, subindo sua mão até a minha cintura novamente. — Você já quer gozar agora?

Assenti, apreciando a massagem relaxante que ele fazia em mim, com suas mãos subindo e descendo pelos meus ombros até o quadril. Respirou fundo e voltou com tudo, me fazendo chegar lá em menos de um minuto.


— Charlotte... — disse rouco. — Hm, assim... — me apertei. — Oh.

Diminuiu a velocidade, alcançando também seu limite com arfares. Me virei para olhar, vendo seus cabelos bagunçados, suor descendo pelo seu pescoço e peito. Um corpinho sarado daqueles... Quando os nossos olhos se encontraram, ele sorriu e gemeu baixinho ao sair. Me puxou pela cintura e fiquei de pé, me deitando na cama cansada.

O cheiro de sexo era ainda fresco, mas um mero detalhe.

Jeon saiu jogar o preservativo fora, me entregando um pacote de lenços umedecidos na volta. Me limpei enquanto ele vestia uma cueca, virado para o outro lado. Fui um pouco bamba jogar os papéis no banheiro, terminando de me arrumar antes de voltar para o quarto, vendo-o tranquilo, deitado na cama, com o ar condicionado ligado.

Me deitei ao seu lado e ele me olhou. Toda vez que eu fazia... Sentia em seguida uma enorme carência, era parte da minha personalidade.


— Rabiscado? — resmungou em resposta. — Sei que pode parecer repentino, mas... Eu posso...
— Você e essa sua carência pós sexo. — riu soprado. — Pode, pode vir.

Me estendeu os braços e eu fui me achegando ainda tímida, até que ele simplesmente me puxasse, abraçando meu corpo de uma vez. Deixei minha perna por entre as suas, confortável, sonolenta...

[...]

Acordei de manhã sentindo meu corpo abraçado por alguém. Pisquei algumas vezes, notando estar de conchinha com Jeon. Me espreguicei, indo tomar um banho rápido. Me sequei e saí ainda nua, me certificando de que ele dormia ao pegar minha lingerie nas malas ainda feitas, vestindo.

Olhei as peças dobradas e guardadas, com certa preguiça de escolher uma. Abri seu guarda-roupas e peguei um de seus moletons. Senti o bom cheiro que a roupa preta emanava e saí cuidar de Geo, que já tinha feito algumas sujeiras. Limpei tudinho, vendo em meu celular uma mensagem de Bruna pouco depois.

Ela disse que não estava bem hoje, por isso, não poderia dar aula. Então, não me restava muito o que fazer além de ficar em casa.

Dei de ombros e preparei o café da manhã, vendo JungKook vir e se sentar numa das banquetas de sua cozinha americana, me olhando enquanto eu preparava torradas com os meus cabelos presos de qualquer jeito.

— Esse moletom é meu, não é?
— Agora é meu. — falei convencida.
— Tudo bem, pode ficar pra você. Eu pouco uso mesmo...

Deu de ombros e eu arregalei os olhos. Se há uma coisa que eu amo nesse mundo, é moletom largo e masculino. Eu comemorei, lhe agradecendo por isso.


— Hoje não tenho aula de dança, você vai pra academia?
— Não, a gente tá remanejando a agenda e hoje não vou ter nada lá... O que acha de fazermos sexo?

Me deu uma olhadela sapeca e eu ri, negando.


— Toma vergonha, pinto de ouro. A gente fez ontem de noite.
— Você não precisa considerar como uma atividade de lazer, pode ser também um exercício. Sabia que transar emagrece?

Perguntou e neguei, um pouco surpresa.


— É um ótimo tratamento pra enxaquecas também, sem contar que ajuda a perder calorias... Estimula o trabalho dos músculos, com movimentos repetitivos. Eu conheço posições ótimas pra isso, inclusive.

Umedeceu os lábios sugestivo e lhe joguei o pano de prato, vendo-o rir descontraído. Lhe entreguei algumas torradas e ele agradeceu, enquanto comíamos dividindo a geleia.


— Que horas são?

Perguntou e respondeu a si mesmo, ao olhar em seu celular:

— Ainda oito... Se sairmos agora, chegamos mais ou menos uma hora da tarde em Busan. Topa vir comigo? É uma longa viagem de carro, mas vai ser divertido. Vou visitar minha avó, agradecer pela casa.
— Claro, por mim tudo bem. Te acompanho.

Sem ter muito o que fazer, aceitei e fui me trocar. Optei por um vestido listrado, botas pretas e uma bolsa com algumas coisas. JungKook disse que talvez tivéssemos que dormir lá, por isso eu fui já preparada.

Antecipadamente ele ligou para Jimin, perguntando se o mesmo poderia vir até aqui durante a tarde, ver se Geo estava bem e cuidar dele para nós. Nosso amigo concordou prontamente e saímos, indo deixar uma chave com ele antes de seguirmos viagem.

Pesquisando na internet, vi que seriam longas quatro horas e meia até lá. Isso considerando as paradas que com certeza teríamos que fazer. Por isso, a primeira coisa que fiz foi ligar o rádio, escutando algumas músicas de sucesso.

Estávamos quietos, mas foi só "Finesse" (Bruno Mars ft Cardi B) começar a tocar, que não me aguentei e comecei a cantar junto sem nem mesmo perceber. Quando vi, Jeon já cantava comigo e nós dois entrávamos no embalo, fazendo dancinhas durante o farol fechado. A partir daí, cantamos todas as músicas que conhecíamos e eu me surpreendi com a tonalidade de sua voz.

Surpreendentemente, o projeto de rabisco cantava muito bem! Seu timbre era suave, se encaixava em muitas melodias. Ele cantava livre, encarando a paisagem, remexendo a cabeça no ritmo, me dando olhadelas de canto sorridentes, quando eu também cantava junto.

Uma música menos conhecida começou, nos entreolhamos sem saber a letra e demos risada, pelo nosso karaokê interrompido.


— Você canta perfeitamente bem, Charlotte. Escondendo ouro, hein?
— Eu que o diga, sua voz é impecável, playboy. Vamos fazer covers, ficar famosos e ricos!
— Gosto da minha profissão, não trocaria por nada.

Me olhou com leveza e eu vi o quanto Jeon é determinado e dedicado no que faz. Até hoje, nunca tive o que pudesse reclamar sobre ele. Gentil, compreensivo, bonito, também entra nas minhas brincadeiras sem hora, ótimo ouvinte, parceiro de sexo maravilhoso... Eram tantas qualidades, que eu chegava a ficar atordoada. Não havia um mínimo defeito, uma brecha.

Pensativa, eu encarei a paisagem, me recordando do tempo em que nos conhecemos. Fazia quase meio ano de muitas conversas, algumas discussões bobas, mas essencialmente muitos aprendizados.


Notas Finais


Essa visita ainda vai dar o que falar, hein? Ay, ay...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...