História My Possessive Boyfriend-(Vkook) - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan Boys, Bts, Flex, Jungkook, Lemom, Seme, Tae, Taehyung, Taekook, Vkook, Yaoi
Visualizações 326
Palavras 4.479
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 13 - Capítulo 12


~2 dias depois (sexto dia)~


Taehyung 

Por ideia de Jungkook, iríamos fazer uma trilha em uma floresta que tem apenas 3 km da nossa casa e quando chegassemos na cachoeira que tinha no meio dela, iríamos acampar. Ficaríamos lá por dois dias.

Suga hyung pesquisou sobre a trilha e viu que é realmente seguro fazê-la. Viu também que a floresta é pacífica e que não há problemas em acampar por lá.

Separamos a comida suficiente para os dois dias e pegamos algumas lanternas. Eu estava realmente animado.

- Eu não vou. - Hoseok hyung falou depois de muito tempo tentando convencê-lo de ir. - Lá tem cobras e aranhas e insetos e sapos e-. - ele parou de falar e estremeceu.

- Mas na barraca tem proteção justamente para eles não entrarem. - Seokjin falou paciente.

- Já disse, eu não vou! - ele cruzou os braços.

- Hyung, nós estaremos lá. - eu me sentei ao lado dele no sofá. - Jungkook vai matar todos os bichos que chegarem perto de você. - comecei a acariciar suas medeixas.

- O que!? - Jungkook perguntou indignado e eu joguei um olhar de repreensão pra ele. - Ah... Sim, eu vou. - ele falou sem ânimo enquanto revirava os olhos.

- O que adianta? Cada barraca é só para duas pessoas e eu não vou dormir sozinho no meio do mato. - um bico se formou nos lábios do mais velho.

- E você acha que você vai dormir com quem aqui? - Suga perguntou.

Ele pensou um pouco e abriu a boca para falar algo, mas desistiu depois. Todos nós rimos.

- Se esse é o problema, eu posso dormir com você. - sugeri.

Jungkook me fuzilou com olhar e eu me encolhi, acho que ele não gostou da ideia.

- Eu não quero dar trabalho pra vocês. - Hoseok falou chateado. - Não há problema em ficar duas noites aqui sozinho.

- Nós não vamos sem você. - falei.

- Gente, vocês contaram quantas barracas tem? Há apenas 3. - Jimin avisou.

- Viram? Não tem uma pra mim. - Hope começou a se animar.

- Dorme você, Jungkook e Taehyung em uma só. - Yoongi sugeriu. - Todos são magros, vai caber direitinho.

- Boa ideia! - falei feliz.

- Aigooo, vocês são impossíveis. - J-Hope reclamou.

- Vai arrumar suas coisas, precisamos sair antes que o sol fique mais forte. - o líder disse.

Com tudo pronto e com nossas mochilas nas costas, trancamos a casa e seguimos para a trilha. Fomos a pé mesmo, afinal, não era assim tão longe e poderia ser perigoso deixar a van estacionada por tanto tempo.

O céu estava limpo e o clima favorável. Seria uma grande aventura já que nunca tivemos tempo para fazer isso por causa do BTS, mas em compensação estávamos ali justamente pelo mesmo motivo. Trabalhamos duro e conseguimos render muito dinheiro ultimamente, por isso a empresa, além de cobrir todo o nosso passeio, nos deu vários dias de folga.

Jungkook entrelaçou nossas mãos de repente enquanto caminhávamos e eu assustei, ele me olhava carinhosamente. Meu coração havia acelerado e julgo estar corado, mas é que eu não esperava por aquilo, ainda mais na frente dos meninos.

Ele se desculpou no dia seguinte depois do aniversário do Jin hyung por causa de como ele agiu, mas não explicou o motivo de se manter distante daquele jeito e eu nem pensei muito sobre isso, afinal, o maknae ficou o dobro de atencioso comigo.

Nós chegamos no começo dá trilha e J-Hope já reclamava da longa caminhada. Mesmo estando fresco dentro da floresta, eu suava infinitamente, afinal, o sol ficou mais alto, fazendo eu precisar dar mini pausas e tomar vários goles de água.

- Parem e escutem. - Yoongi disse parando de andar.

Todos nós ficamos no mesmo lugar e eu pude ouvir um barulho de água corrente. Isso quer dizer que estávamos chegando.

Todos nós nos animamos, afinal, andamos por muito tempo. Começamos a caminhar apressadamente em direção àquele barulho enquanto prestávamos atenção para não sair da trilha.

De acordo com nossos passos, aquele barulho só ficava mais alto. Depois de um tempinho andando, chegamos em uma clareira que tinha uma queda d'água de mais ou menos 7 metros. Era pequena, mas a cachoeira era magnífica.

Nós olhamos tudo aquilo boquiabertos antes de tirar os sapatos rapidamente e jogar nossas mochilas no chão, indo correndo entrar naquela água cristalina.

Eu estava tão suado que achei mais do que necessário entrar com tudo. A água estava exageradamente gelada, mas eu não liguei. Eu precisava me refrescar.

Todos nós relaxamos o suficiente e saímos da água, indo organizar nossas coisas já que a fome chegou.

Jin hyung levou muitas frutas, pacotes de salgadinhos e marmitas prontas para facilitar nossa bagagem. Nos reunimos e fomos comer.

Depois de almoçar, nos juntamos novamente para abrir as barracas e encher os colchões infláveis. J-Hope se atrapalhou todo com a lona da barraca e o deixamos sentado no chão junto com Namjoon - que nem chegou a ter chance de nos ajudar - para encher os colchões.

Montamos tudo e fomos de novo para a água. Percebi que lá no fundo, junto às pedras, haviam pequenos peixinhos.

- MEU DEUS, ALGO ME MORDEU! - gritou Hoseok agarrando Suga hyung.

- São peixes, hyung. - eu disse e todos começaram a rir.

Yoongi empurrou ele pra longe enquanto o fuzilava com o olhar. Eu saí das costas de Jungkook e fui de encontro com Hobi, eu não queria que ele sentisse medo.

Peguei o mais velho no colo já que ele ficava bem mais leve debaixo d'água. Eu queria mostrar que eu estava lá para protegê-lo e que não havia motivo algum para sentir medo.

Hoseok hyung pareceu mais seguro, já que o mesmo relaxou sua musculatura. Evitei olhar para Jungkook para não sentir o ódio dele.

~~~

O dia passou rápido.

Estava uma tranquilidade imensa naquela cachoeira acompanhada do silêncio do local, sendo quebrado pela queda d'água e algumas vezes pelo cantar do pássaros.

Eu me sentia muito bem ali. Longe da cidade, longe das buzinas, longe de qualquer coisa relacionada ao nosso trabalho, eu ficava até feliz por estar longe de sinal no meu celular.

Com o decair do sol o frio veio chegando, tornando impossível permanecer naquela água. Saímos e fomos preparar nossa janta. Nadar dá muita fome.

Enquanto comíamos, aproveitamos pra contar histórias de terror. Ao invés de ser um momento aterrorizante para todos nós, estava sendo apenas para Hoseok e Seokjin hyung, que estremeciam a cada barulho que ouviam na mata.

Namjoon tentou assustar o Jin, o pegando desprevenido enquanto o mesmo prestava atenção nas histórias. Isso rendeu bons tapas nas costas, além de xingamentos.

Nós ríamos sem parar.

Por causa do cansaço, o sono não demorou a chegar, então fizemos uma pequena fogueira para espantar os insetos e bichos, além de iluminar aquela escuridão que admito ser assombrosa. Colocamos nossas três barracas de frente uma para as outras, em um formato triangular.

Nos despedimos dos meninos e Jungkook entrou na nossa barraca, logo em seguida eu e Hoseok hyung adentramos também. Eu fiquei no meio dos dois.

Hoseok dormiu tão facilmente que eu até assustei, achando que ele havia desmaiado ou coisa parecida. Se não fosse pelos seus roncos, eu não saberia como ter certeza. Eu olhei para Jungkook e o mesmo revirou seus olhos.

- É isso que eu passo toda noite. - falei abafando uma risada.

O mais novo se virou pra mim e eu fiz o mesmo, ficando de frente para ele. Jungkook acariciava meu rosto levemente, até que selou nossos lábios de forma carinhosa.

Ele fechou seus olhos e eu procurei dormir também, mesmo nossa barraca estando muito barulhenta.

Acordei no meio da noite com um braço de alguém em mim, abri meus olhos e olhei pro lado. Vi J-Hope me abraçando manhosamente enquanto dormia e não pude evitar de rir, acordando Jungkook sem querer.

O maknae olhou sonolento pra mim e logo abaixou seu olhar para o braço de Hoseok hyung. De repente ele bufou e o tirou de cima de mim, fazendo eu rir novamente. O mesmo contornou minha cintura com um de seus braços e me puxou para perto dele, me abraçando possessivamente. Eu sorri enquanto o abraçava mais forte e deixei um selar na ponta de seu nariz, voltando a dormir de novo.


Jimin 

Eu e Suga fomos para nossa barraca, mas eu estava sem sono algum. Eu me deitei no peito dele enquanto o mesmo estava de olhos fechados com seus braços atrás da cabeça.

- Hey, hyung. - eu o chamei.

- O que foi, Jiminnie? - ele perguntou ainda de olhos fechados.

- Estou sem sono. - falei manhoso.

- E daí?

- Vamos brincar. - pedi maliciosamente olhando pra ele.

Yoongi hyung abriu apenas um de seus olhos nesse momento, me encarando.

- Não provoca. - ele falou de um jeito ameaçador.

- E por que não? - nessa hora eu pulei pra cima do colo dele.

- Porque eu estou à um triz de perder minha sanidade com você. - o mais velho disse fechando seus olhos novamente.

- De novo? - ri.

Suga abriu seus olhos subitamente e me lançou um olhar acompanhado de um sorriso malvado.

- Aquilo foi só uma introdução do que vou fazer com você, Park Jimin. - o hyung falou. - Preciso te dar um trato por ter sido um donsaeng muito teimoso esses dias.

Eu dei um sorriso ladino antes de ouvir um barulho de galho se quebrando lá fora. Eu arregalei os olhos e desci de cima de Yoongi, me escondendo debaixo das cobertas. Eu morria de medo de acampar por causa dos filmes de terror que eu já assisti. Só topei em ir porque os meninos estavam ali.

- Como você consegue ter essa personalidade? - ouvi a voz de Yoongi sussurrar. - Você passa de safado para indefeso em poucos segundos. - ele riu soprado enquanto me enlaçava com seus braços.

Eu me senti protegido de todo o mal com meu hyung ali ao meu lado, mas meu coração ainda estava acelerado.

- Você está tremendo. - Suga riu de novo. - Não preocupe Jimin-ah. Não é nada.

- Como você poder ter certeza se nem olhou lá fora? - falei abafado por causa da coberta.

Eu senti o colchão mexendo e depois escutei o barulho do zíper sendo aberto, provavelmente ele foi de fato olhar lá fora.

- Meu Deus, Jiminnie! - Yoongi voltou apressadamente e me chacoalhou. - O pé grande tá ali fora! - ele disse surpreso e logo em seguida ouvi sua risada.

- Não tem graça, hyung. - falei emburrado quando tirei minha cabeça pra fora do cobertor.

- Ah, para. Tem sim. - ele fechou o zíper novamente e se deitou.

Ficamos calados por alguns segundos e eu continuava longe dele, até que o hyung me puxou de volta para seus braços.

- Você tinha que me obedecer mais e aumentar a quantidade de legumes no seu prato. - ele disse.

- Mas você sabe que eu não gosto. - falei triste.

- Mas é pro seu bem.

Eu suspirei desanimado. Era realmente difícil seguir o que minha dieta pedia, mesmo eu me esforçando muito pra isso. Eu queria melhorar logo, mas o meu tratamento acabaria no mês que vem só se eu conseguisse bons resultados na prancheta médica, por isso eu tentava dar o meu melhor.

- Se isso te anima, eu vou te levar para um restaurante tailandês se você cumprir a meta. - Yoongi sugeriu fazendo cafuné em meu cabelo. - E de lá podemos fazer algo mais.

- Sério!? - aquilo realmente me animou, ele sabia que a comida tailandesa é a minha preferida. - Tudo bem, eu consigo.

Ele deu uma risada soprada e me abraçou novamente. Foi aí que consegui dormir.


Jungkook 

~4 dias depois (último dia)~

Ontem, assim que chegamos da trilha, decidimos descobrir a pequena cidade onde estávamos, mas percebemos que lá não havia nada além de algumas lojinhas de conveniência, então voltamos para casa e fomos aproveitar mais um pouco de nossa piscina.

Depois de muito tempo dentro d'água, decidimos assistir filmes no telão usando o projetor. Todos nós nos reunimos na cozinha antes para fazermos pipoca e cremes de frutas. As coisas ficaram gostosas, mas em compensação deixamos a cozinha de cabeça para baixo.

Pegamos um sofá e um colchão para colocarmos lá fora. Nos confortamos nos mesmos e demos play.

Assistir filme ao ar livre foi a melhor coisa que descobrimos. Os filmes eram todos de aventura com comédia, tornando o momento emocionante e engraçado.

Taehyung estava deitado no meu colo e eu fazia cafuné em seu cabelo o tempo todo, deixando muitas das vezes de assistir o filme para olhar a forma como ele deixa sua boca entreaberta quando presta atenção em algo. Completamente adorável.

Assistimos à 5 filmes seguidos e já sentimos o frio na pele. A brisa da noite chegou gelada.

Decidimos entrar para dentro e ajudar Seokjin hyung a fazer uma sopa de carne, que ficou deliciosa. Colocamos em canecas e voltamos novamente lá para fora, só que agora com cobertores.

Depois de bater papo sobre como nossa viagem foi, sobre o que faríamos no nosso último dia e sobre o que deveríamos fazer depois que voltassemos para Seoul, colocamos as coisas para dentro novamente, já que o céu estava ameaçando chover e fomos dormir.

Eu e Taehyung não juntávamos nossas camas mas também não dormíamos separados.

~~~

Hoje iríamos para a praia fazer uma fogueira e assar marshmallows, já que não deu certo no nosso acampamento por falta de tempo e o Taehyung continuava insistindo muito para que fizéssemos isso.

Os dias passaram voando e amanhã já sairíamos cedo daqui, então usamos nossa manhã de hoje para deixar nossas coisas fáceis de organizar.

Seokjin, como uma pessoa muito justa, não achou nada mais do que digno de deixar a casa toda limpa do mesmo jeito que estava no dia que chegamos, afinal, a estadia foi de graça acompanhada de armários lotados de comida, então, a lavamos toda.

Depois que terminamos, fomos direto para a praia e levamos muitas coisas, afinal, ficaríamos ali o resto do dia. Eu e Suga hyung saímos com a van para comprar marshmallow e lenha no mercado. Não fomos naquela floresta porque choveu e todos os gravetos estariam molhados, o que falharia na hora de pegar fogo.

Quando chegamos, fomos de encontro com os meninos, que ja estavam na praia. Montamos a fogueira e fomos nadar, estava muito cedo para acendê-la ainda.

Eu observava Taehyung cuidadosamente, reparando em cada sorriso retangular que o mais velho dava e em como ele mexia tão facilmente comigo. Até o céu fica mais lindo e o mar fica mais vivo quando ele sorria, surtia o mesmo efeito em minha alma.

Sempre quando eu o vejo sinto uma coisa anormal, a pedra de gelo que eu chamo de coração se derretia rapidamente, fazendo com que eu tivesse que me conter para não abraçá-lo e protegê-lo do mal.

Kim Taehyung passou a ser uma figura importante no meu dia a dia e agora eu tenho certeza absoluta que gosto de cada milímetro dele, do corpo e da alma.

Ele tratava todos tão carinhosamente e a forma como ele demonstrava seus sentimentos por mim era tão única e preciosa que não me restavam mais dúvidas sobre o que eu sentia por ele ou sobre o que ele sentia por mim.

Continuamos nos divertindo enquanto pulávamos as ondas, o mar estava calmo naquele fim do dia.

A noite chegou e decidimos finalmente acender a fogueira. Escolhemos alguns gravetos grandes para espetar o marshmallow para não nos queimar. Eu preparei um especialmente para V hyung, que estava sentado no pano e coberto com uma toalha enquanto tremia de frio por causa da noite. Eu entreguei a ele e o mesmo sorriu enquanto batia o queixo, eu apenas ri de seu estado.

Me sentei ao seu lado e o abracei de lado, tentando passar um pouco do meu calor corporal.

- V-você n-não está com f-frio? - Taehyung gaguejou por conta da tremedeira.

- Não. - eu ri, afinal, eu estava sem camisa. - Sou difícil de sentir frio.

Ele me olhou como se invejasse dessa minha qualidade e eu apenas o olhei bobo. Seu nariz ficava vermelho quando estava com muito frio e eu achava isso adorável.

Eu fiz ele e Hobi hyung se levantarem e arrastei o pano, nos levando para mais perto do fogo para nos esquentar. Parece que funcionou porque a tremedeira de Taehyung foi cessando-se. Eu beijei sua bochecha e percebi que ele nem reclamava mais por estar perto dos meninos, acho que tornou-se algo normal. Talvez fosse o momento de dar um passo a mais.

Fui na nossa casa buscar alguns cobertores e blusas de frio, afinal, só a fogueira não estava adiantando.

Distribuí para todos. Os meninos estavam reunidos em um outro pano, do outro lado da fogueira. Hoseok era o único que estava com a gente.

Quando Seokjin decidiu pegar o violão para toca-lo, Hope foi se juntar a eles, deixando eu e Taehyung a sós.

O mais velho fitava as chamas de uma forma pensativa enquanto estava abraçado à seus joelhos, agora ele vestia um blusão, que eu fiz questão de buscar para não o ver passar frio mais.

- Hyung? - o chamei, tirando V de seu devaneio.

- Huh? - ele me olhou sério.

- No que está pensando? - perguntei.

- No futuro. - ele suspirou, voltando a olhar o fogo. - É tão engraçado como as coisas que ainda estão por vir não passam de surpresas. Só se pode descobrir sobre o futuro quando ele acontece.

Eu permaneci calado olhando para o mesmo lugar que ele. Aquela frase me fez pensar na vida. Ninguém é responsável pelo nosso destino a não ser nós mesmos.

- Queria que meu futuro fosse ao seu lado. - falei simples, ainda com os olhos vidrados.

- Como você ainda não enjoou de minha cara? - ele riu. - Estive do seu lado no passado e estou no presente. Tenho quase certeza que estaremos juntos no futuro também, já que BTS está no auge da carreira.

- Não, hyung. - dei uma pausa. - Quer dizer, sim, você está certo - concertei. - Mas não é nesse sentido de ''estar juntos''. - eu olhei pra ele. - Tudo bem, nosso tipo de trabalho exige que fiquemos sempre perto, mas eu falo em estar junto assim como Namjoon e o Seokjin hyung, entende? - perguntei.

- Você fala juntos como namorados? - ele perguntou hesitante.

Assenti positivamente já sentindo meu rosto esquentando. Encarar seus olhos agora se tornou uma tarefa difícil.

- Sabe, hyung, quando te vi me olhar pela primeira vez no dormitório e um sorriso retangular foi esboçado em seus lábios, bem lá no fundo eu senti que era você. Sim, eu te esperava sem saber. E hoje posso dar a certeza que é você, sim. - falei enquanto desenhava na areia com meu graveto, envergonhado.

A melodia que Jin hyung tocava incentivou naquele momento para que acontecesse minha declaração, tornando tudo com uma cor mais bela e, por mais que meu coração batesse a mil, eu não sentia vontade de voltar atrás. Era como se eu estivesse rasgando meu corpo e mostrando para Taehyung o que eu realmente sinto por dentro, sem censurar nada.

Se declarar não era assim tão difícil como todas as outras pessoas falavam, na verdade, foi mais fácil do que eu pensei. Talvez quando a pessoa realmente quer algo, as coisas se tornam simples.

E eu realmente queria Kim Taehyung.

Sempre fui indeciso com tudo à minha volta, mas quando se tratou de querer ele, eu não pensei duas vezes, foi de imediato. Claro que Namjoon hyung deu uma ajudinha, mas eu estava determinado à tê-lo.

- Não sei, Jungkook. Eu também gosto muito de você, mas tenho tanto medo do que as pessoas vão pensar. E se atrapalhar em algo de nossa carreira? - ele me olhava com olhos calmos. Aquilo me deu um banho de água fria. - Já temos tantas frustrações, pensa o tanto que isso as aumentariam. - ele deu uma pausa. Ouvir aquilo fez com que eu sentisse uma pontada em meu coração e não pude evitar de deixar meus olhos começarem a marejar. - Não, não foi isso que eu quis di-.

- Não, Taehyung, está tudo bem. - eu o interrompi e consegui dar um leve sorriso. - Eu já entendi.

- Eu só tenho medo, Kook. Não sei o que minha família pensaria e não sei se eu seria capaz de enfrentar todas as críticas. - ele foi interrompido novamente, mas não foi por mim.

- TAEHYUNG, CORRE AQUI. - Jimin o chamou do outro lado, ele parecia animado.

- Mais tarde terminaremos essa conversa. - ele olhou pra mim preocupado e eu apenas assenti novamente, ainda tentando parecer bem. Ele levantou e foi de encontro com os meninos.

Taehyung foi embora como se não tivesse mais nada para fazer ali e deixou alguém com o coração partido para trás.

Fiz de conta que não importava, mas doeu. Doeu muito. A gente finge que não afeta e que é de pedra, mas tem vezes que qualquer descuido com as palavras nos derruba.

Não senti apenas uma simples pontada no meu peito, mas sim como se várias facas o atravessassem. E pior, nunca pensei que seria Taehyung que faria todas elas cortarem minha alma.

Fiquei ali por mais algum tempo pensando naquelas palavras.

Olhei para cima e observei aquelas constelações. As estrelas brilhavam de forma tão magnífica, o céu estava limpo e por estarmos distante de poluição, parecia que eu estava na própria galáxia. Era tudo tão bonito.

Assim como meu sentimento pelo Taehyung.

Minha visão embaçou e eu soube que não conseguiria segurar, eu não aguentaria permanecer ali um minuto à mais. Eu precisava ficar sozinho com minha mente para me ajudar a organizar meus sentimemtos.

Aproveitei que todos estavam ocupados e fui de volta para nossa casa. Minhas mãos estavam nos bolsos de minha calça e meu olhar estava pregado no chão. Eu me sentia estranho.

Entrei no meu quarto e o tranquei. Eu não queria falar com nenhum dos garotos hoje, não importa se eles batessem em minha porta, eu não abriria. V hyung pode dormir no quarto de Hope, afinal, tem uma cama sobrando lá.

Eu me sentia injustiçado.

Eu estava abrindo mão de meus medos, minhas dúvidas e minha insegurança. Eu estava oferecendo meu coração e meu carinho pra ele. Como ele pôde me desprezar assim tão amargamente? Ele não via meus  sentimentos com clareza? Não via que passamos por tantas coisas boas?

Ele tinha que reconhecer que eu também estava arriscando tudo.

Eu sempre fui assim, marrento, fresco e implicante. Mas quando Taehyung entrou na minha vida, eu mudei. Ele conseguiu despertar minhas qualidades, fazendo com que eu sempre tente mostrar o meu melhor para o hyung. Eu queria mostrar que eu era capaz de cuidar dele.

Poxa, como Taehyung não percebia que eu estava tentando ser o suficiente para ficar ao seu lado?

Eu estava tão inconformado com tudo aquilo, mas mesmo assim decidido que eu não choraria. Não mesmo. Afinal, aquela conversa não acabou ainda. As coisas poderiam dar certo...

Aish!

Como eu conseguia ter esperanças no meio disso tudo? Eu era tão idiota de pensar assim. Continuar insistindo nele me desvalorizaria, mas tinha algo que não me deixava romper minha vontade dele. Algo me dizia para não desistir.

Não importa.

Hoje eu mesmo me permitiria de jogar tudo que estava doendo pra fora. Eu precisava me sentir mais leve, então xinguei Taehyung mentalmente.

Meu hyung não passa de um fraco que não compreende as coisas.

Por causa de minha inconformação, meu sentimento se transformou.

Como assim medo? Tenho certeza que ele vai querer continuar ficando comigo, sentindo o prazer que eu sei que o faço sentir. Eu sei lidar com Taehyung, sei quando e onde tocá-lo. Ele também estava atraído por mim. Então, pra quê mentir pra si mesmo?

Sobre a família? Ah sim. Os pais dele poderiam mandá-lo embora de casa. Mas quando que ele pensou nos meus? Ele não vê que também estou me atrevendo por ele?

Críticas? Ninguém vai ficar sabendo de nós. Nem parece que ele convive que os meninos. Yoongi e Jimin passam por cima de todas elas, juntos. Namjoon e Seokjin superam todos os puxões de orelha e exigências da empresa, juntos. Eu e Taehyung também nos defenderíamos, mas, como sempre, juntos.

Frustração sempre tem, isso é o de menos. O que eu não entendia era porquê ele tinha que colocar tanta complicação onde não precisa!

Meu hyung só pode estar fora de mente.

É isso.

Ele não pensou o suficiente. Ele não analisou a situação, por isso precepitou-se falando aquele monte de asneira.

Taehyung só está enganando a si mesmo. Ele precisa tomar consciência disso.

O que eu faria? Deixaria nas mãos do tempo.

Claro, não vou desistir. Por mais que seja burrice, meu coração se recusa a acreditar nisso. Ele queria porque queria ter o Taehyung e desviá-lo de seus objetivos estava sendo difícil.

Taehyung é esperto. Eu sou esperto. Vou achar outro método de conseguir passar por isso tudo de uma forma fácil e sem me fazer sofrer demais. Eu sou bom nisso.

~~~

O tempo passou e minha cabeça não desligava. Eu fiquei assistindo clipes de música durante muito tempo e não tive sinal nenhum de que os meninos tinham voltado.

Entrei numa playlist um tanto quanto dramática e meu coração amoleceu.

Ouvi um barulho e me assustei. Alguém mexia na maçaneta. Olhei as horas. 2:05. Como eles poderiam ter voltado tão tarde sem nem ao menos sentir minha falta?

Desliguei a tela rapidamente para que nenhum som saísse e sentei na cama, prestando atenção na pessoa do outro lado da porta.

Ela girava a maçaneta, mas como estava trancada, não conseguiu abrir. Quando parou, bateu na porta. Eu não a abri. Fiquei parado no meio da escuridão olhando para a mesma, atento.

Passou alguns minutos e escutei um suspirar cansado, como se tivesse desistido. Seus passos foi distanciando. Era Taehyung.

 De um jeito anormal, o que eu sentia passou a ser só tristeza e a mágoa tomou a frente, escondendo toda a raiva de mais cedo que eu senti quando minha inconformação estava fresca.

Meu coração apertou, minha vontade era de abrir a porta e correr para seus braços. Mas eu não podia.

Encostei minha cabeça no travesseiro novamente e olhei para o teto, sentindo uma lágrima teimosa descer pelo canto do olho.

Eu quis ligar pra alguém, contar o que tinha acontecido e como doía ter que me conter. Mas não havia ninguém ali. Ninguém com que eu pudesse contar. Ninguém disposto abrir mão do sono para ouvir minhas queixas. Ninguém que se importasse com o que eu estava sentindo. Então eu me virei pro lado e a dor de novo. Rápida. Forte. Devastadora. Senti minha alma se rasgando ao lembrar daquelas palavras. E dói. Ainda dói.



Ele partiu meu coração.

Ele levou a minha alma.

Eu estou ferido por dentro,

Pois há um vazio.

Eu preciso de algum tempo

Para ficar sozinho.

Então você vai achar

O que você sempre soube.

Que sou eu quem realmente te ama, meu bem,

Eu estive batendo na sua porta.

Enquanto eu viver, eu estarei esperando.

Enquanto eu respirar, estarei do seu lado.

Sempre que você me chamar, eu estarei aqui.

Sempre que você precisar de mim, eu estarei do seu lado.

Eu sou o único que realmente ama você, baby,

Eu não aguento mais.

Você é o único pra mim.

O único que faz eu me sentir assim.

Não posso continuar sozinho.

Quero ficar com você até envelhecermos.

Você tem o amor que você precisa exatamente em frente a você.

Por favor, volte para casa.

I'll be Waiting - Lenny Kravitz.


Notas Finais


Poxa, Tae, por que fez isso? :( Vamos chorar junto com o maknae.
Gente, eu espero que não tenha ficado confuso, eu dei o meu melhor (como sempre). 
Espero que tenham gostado.
Bem, comentem o que acharam minhas amorinhas, seus comentários me dão força.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...