História My Professor - Imagine Suho - EXO - Capítulo 92


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Personagens Originais, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Baekhyun, Chanyeol, Imagine Exo, Imagine Exok, Imagine Hot Exo, Imagine Hot Exok, Imagine Hot Kim Junmyeon, Imagine Hot Suho, Imagine Kim Junmyeon, Imagine Suho, Kim Jun Myeon, Kim Junmyeon Exo, Kpop, Sexo, Suho, Suho Exo
Visualizações 4.595
Palavras 4.930
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Cheguei manas!

No capítulo de hoje tudo volta ao normal, e vamos ver como foi a noite da (s/n).

2.1k (todos os corações do mundo aqui) obrigada mesmo a cada um que curte o que eu escrevo.

Obs.: O capitulo começa com um flashback do que aconteceu depois que a (s/n) saiu de casa.

Capítulo 92 - 92


Fanfic / Fanfiction My Professor - Imagine Suho - EXO - Capítulo 92 - 92

-Alô Baek? – liguei pra ele enquanto descia para portaria.

-(S/n)? Aconteceu alguma coisa?

­-Sim, a Yujin me expulsou de casa será que posso ficar ai contigo hoje?

-Hoje? Você não pode ir pra casa do seu namorado? – perguntou hesitante.

-Você vai sair? Porque eu posso dormir sozinha não tem problema.

-É que eu não vou sair, mas também não vou estar aqui sozinho...

-Ah! Entendi. – falei sem graça - Tudo bem então.

-Vocês brigaram? É muito importante você vir pra cá?

-Não, eu só estava com preguiça, mas eu vou pra casa dele. Desculpa incomodar.

-Você sabe que nunca incomoda, mas é que hoje realmente não dá. Desculpa?

-Baek para com isso, você não precisa se desculpar.  – ouvi a campainha tocar.

-Agora eu preciso desligar, beijos.

-Beijos. – ele desligou. Larguei minha bolsa no chão.

Droga porque sempre que preciso mesmo dos meus amigos eles me largam sozinha?

Não queria ir para casa do Suho e ter que olhar pra ele e não poder tocar, beijar, sentir ele. Aish, mas que escolha eu tenho? Se o Lay morasse um pouco mais perto eu iria pedir abrigo pra ele, apesar de que a Jihye não ficaria muito feliz com isso. Eu deveria ter pedido o endereço do Chen ou do Sehun, mas porque eu iria pra casa deles? Eles provavelmente estariam acompanhados e seria muito constrangedor. Aigoo é ruim não ter tantos amigos, agora estou sem opções de abrigo. A casa do Gikwang piscou em minha mente, mas lá é o ultimo lugar que eu posso bater, se o Suho descobre isso, me costura e depois castra o coitado do Gi.

É o jeito é ir para casa dele e sofrer mais um pouco com essa maldita greve.

-Precisa de alguma coisa senhorita? – o Sr Bang perguntou.

-Não senhor, eu já pedi um carro. – sorri pra ele.

-Acho melhor à senhorita esperar aqui dentro, já está tarde para ficar parada na rua sozinha.

Agora o senhor se preocupa com a minha segurança né? Mas na hora de deixar qualquer um subir para minha casa o senhor não pensou nisso.

-Eu vou ficar aqui sim. – sorri.

-O que esta fazendo aqui? – Channie perguntou quando chegou à portaria.

-Vou pra casa do boy.

-Quer uma carona? – ele perguntou vindo me abraçar e beijar meu rosto.

-Não precisa, o carro já esta chegando, e a Yujin me mataria se você demorasse a subir.

-Sabe o que ela tá aprontando?

-Não mesmo, ela me colocou pra fora, não sei de nada. – vi o carro parar na frente do prédio. – Meu carro chegou, Tchau.

-Tchau, cuidado tá? - concordei - Te amo! – ele beijou minha testa.

-Eu também. – mandei beijo pra ele e sai.

(...)

Abri a porta da casa do Suho e ouvi uma música vindo da sala, fui ao quarto trocar de roupa antes de ir falar com ele. Deixei minha bolsa e mochila no canto do quarto e peguei um short levinho e uma camisa de manga longa e desci. Quando cheguei à sala ele estava de costas para porta fazendo flexões, cruzei meus braços e fiquei o olhando. Ele estava vestindo um calção preto e uma regata branca. Permaneci em silencio me concentrando para não puxar ele para um beijo, mas confesso que está sendo difícil ver ele assim todo suado e não poder tocar é uma tortura. Ele se sentou e depois de beber um pouco de agua se deitou para começar a fazer abdominais e só então me viu ali.

-Que susto Jagiya, quando você chegou? – perguntou com a mão sobre o peito.

-Faz alguns minutos.

-Não aparece assim sem fazer barulho de novo, você quase me matou do coração.

-É bom pra saber se você anda na linha, se tivesse fazendo alguma merda eu pegaria no flagra. – falei passando por ele e me deitando no sofá onde dava pra ver bem ele malhando.

-Você veio pra ver se eu estava fazendo algo de errado? – ele voltou a se sentar no chão para me olhar melhor.

-Não. - peguei uma almofada e fiquei mexendo nela.

-Então por que veio? Achei que ficaria com seus amigos.

-Eu vim, porque aparentemente todo mundo tem alguém com quem transar menos eu. – falei fazendo o Suho gargalhar.

-Você tem alguém com quem transar, só não vai fazer isso agora. – falou e voltou com seus exercícios, agora fazendo abdominal.

-É a mesma coisa. – suspirei e me virei para olhar pra ele. As caras que o Suho fazia enquanto fazia força para subir e descer seu tronco era excitante demais, coloquei a almofada entre as pernas e apertei minhas coxas. Seu corpo tinha uma fina camada de suor e algumas gotas escorriam por seus braços, seu cabelo estava grudado em sua testa e os suspiros que ele dava quando precisava retomar o folego era demais pra mim. Me levantei.

-Aonde você vai? – ele perguntou segurando minha perna quando passei por ele.

-Eu preciso de um copo de água.

-Pode trazer um pouco para mim? - ele passou a mão por minha coxa descendo até o joelho, me fazendo arrepiar.

-Achei que toques assim fossem proibidos. – falei tentando me manter forte, eu sei que ele esta fazendo isso porque gosta de me ver implorar, pra depois me deixar na vontade, mas eu não vou cair nessa.

-Eu disse que para chamar sua atenção, eu podia tocar. – ele sorriu sacana, peguei a garrafinha dele e fui para cozinha.

-Toma. – entreguei a garrafa depois que voltei da cozinha. – Porque você está malhando em casa? – voltei a me sentar no sofá.

-Faz tempo que só malho em casa.

-Porque isso? Achei que você fosse para academia e só às vezes fazia exercícios em casa.

-Eu só não gosto mais de ir até lá.

-Aconteceu algo lá, pra você não querer ir mais?

-Não... – ele voltou a fazer abdominal.

-Porque será que eu não acredito nisso? Vai amor me conta o que aconteceu lá pra você não querer voltar?

-Quer mesmo saber? – ele se sentou.

-Quero. – o olhei.

-É que eu já fiquei com a personal trainer de lá e não queria ter que ver ela de novo. – respirei fundo.

-Porque não, medo de não resistir e pegar ela de novo? – cruzei meus braços.

-Não, porque não queria que você sentisse ciúmes, e para evitar brigas simplesmente parei de ir, eu posso muito bem malhar em casa.

-Sério isso?

-Sim.

-E desde quando parou de ver ela?

-Eu já não saia com ela ha um tempo antes de ficar contigo, mas depois que começamos a ficar eu parei de frequentar a academia. – sorri.

-Ah eu queria poder te beijar agora.

-Porque não beija?

-Eu posso? – o olhei sorrindo.

-Não!

-Idiota! – joguei a almofada nele. – Você vai fazer mais exercícios?

-Sim, por quê?

-Acho que vou para o quarto.

-Não vai não. Fica aqui comigo. – suspirei.

-Tá legal eu fico. Mas desliga o rádio que eu vou assistir tv. - Voltei a me sentar e peguei o controle da tv, coloquei no youtube e coloquei Me like Yuh.

-Jay Park Jagiya? Sabe que não gosto desse cara.

-Shh, essa musica é boa.  – falei e fiquei olhando a tv enquanto Suho fazia seus exercícios. Comecei a cantar junto.

-Ah não Jagiya, ser obrigado a ouvi-lo cantar já é ruim, agora te ouvir cantar junto é demais pra mim, muda isso.

-Suho vai à merda. – ele riu. Mudei de vídeo e coloquei GOT7 If You Do. Fiquei olhando eles dançando, e mordia o lábio concentrada no vídeo. Senti um pano molhado bater em meu rosto. – amor que nojo, porque fez isso?

-Pra você parar, estava ai quase engolindo esses carinhas.

-O que posso fazer se eles são gostosos?

-Eu sou gostoso, você tem que olhar pra mim. – ele levantou e só então vi que o pano que ele jogou em mim era sua blusa, seu abdômen suado era a melhor visão de todas.

-Só olhar sem tocar não tem graça.

-Então porque está olhando pra eles?

-Porque já aceitei que nunca vou poder pegar neles, mas quando se trata de você aqui na minha frente todo suado... – olhei para ele e sua respiração ofegante marcava seu abdômen definido, senti meu sexo se contrair.

-Não vai terminar de falar? – desviei minha atenção para seu rosto quando ele chamou minha atenção.

-Amor está difícil te ver assim, eu tenho necessidades.

-Eu também, ou acha que está sendo fácil pra mim também? – ele se aproximou e segurou meu rosto.

-Então termina isso de uma vez.  – segurei a mão dele.

-Não.

-E porque não?

-Porque está sendo divertido te ver assim, eu quero te deixar completamente necessitada por mim, que o mínimo toque te fará delirar.

-Acredite amor, eu já estou nesse ponto.

-Ainda não, só mais um pouco. – ele pegou minha mão e beijou rapidamente. Fiz um beicinho.

-Isso é muita crueldade.

-Eu sei que sim, mas no final vai valer a pena, você vai ver. – ele se afastou ficando de frente para mim e pegou uma corda e começou a pular. Suho queria me provocar isso estava nítido, ele tinha um sorrisinho sacana no rosto enquanto pulava. Mordi meu lábio o olhando. Se ele quer me provocar também será provocado. A música mudou e começou a tocar Mirror do Fiestar. Me levantei e ele apertou os olhos. – O que você vai fazer? – perguntou sem parar de pular.

-Nada. – comecei a dançar, fazendo os passos que eu sabia, e quando não sabia algum, improvisava uma dança sexy. Ele parou de pular e ficou me olhando, sorri de lado e me virei de costas rebolando para ele. Quando me virei de frente pra ele estava mordendo o lábio. – O que foi? – ele riu balançando a cabeça e voltou a pular corda. Comecei a dançar Don't Flirt – Winner cantando junto.

-Jagiya só dança. Você realmente não precisa cantar. – continuei cantando e dançando, aproveitei o fato do meu short ser de pano fino e quando passava a mão por meu corpo puxava o pano mostrando um pouco da minha bunda.  – Chega de danças sexys. Vai dançar BigBang agora. – ele mudou a playlist e colocou Fantastic Baby. – Quero ver você conseguir me provocar com essa.

-Quem disse que eu estou te provocando?

-Ah não está?

-É claro que não você queria minha companhia e aqui estou eu.

-Sei... – ele me olhava desconfiado.

-Nanananana nanananana Wow, fantastic baby. – ignorei ele e voltei a dançar e cantar. Ele riu e voltou a pular corda. Dancei mais algumas musicas me movimentando da forma mais provocativa que conseguia.

Ele fingia não ligar, mas eu sabia que ele estava gostando do que via, o volume em seu calção o denunciava. Mas resolvi mudar de estratégia. Parei de dançar e peguei a garrafinha dele e bebi um pouco de água.

-Que foi cansou de dançar? – ele parou na minha frente e pegou a garrafinha da minha mão tomando um pouco da água.

-Dançar sozinha não tem graça.

-Você pode continuar assistindo, mas, por favor, não canta. – ele sorriu de lado.

-Deixa de ser chato. – falei e ele gargalhou - mas eu quero fazer outra coisa agora. – fiquei olhando ele beber mais água, algumas gotas de suor escorriam por sua testa e pescoço, respirei fundo mais uma vez tentando não avançar naquele pescoço.

-Que coisa?

-Malhar com você.

-É sério?

-Sim. Não posso?

-Sei lá você nunca quis, porque agora você quer isso?

-Já que não tem nada melhor pra fazer não custava tentar, mas já que você não quer me ajudar nisso, então eu vou para o quarto. – falei me virando de costas para sair e ele me puxou pelo braço me fazendo bater no peito dele.

-Você está falando mesmo sério? – segurou minha cintura. – Quer mesmo malhar comigo? – ele sorriu.

-Quero sim. Mas tira essa mão boba daqui. – Tirei as mãos dele na minha cintura. – Eu estou querendo malhar, não fazer outra coisa. – ele mordeu o lábio.

-Desculpa eu me animei, é que você nunca aceita.

-Vamos logo, o que eu tenho que fazer primeiro? Abdominal ou flexão?

-Não, primeiro você precisa se alongar.

-E como faço isso? – o olhei sorrindo.

-Primeiro você alonga o pescoço. Você segura seu pescoço assim e puxa ele para o lado. Assim – ele fez o movimento e eu repeti.  – Agora os braços. – ele esticou o braço e segurando no cotovelo ele empurrou em direção do seu corpo.

-Assim? – fiz errado de proposito.

-Não. - ele riu pelo nariz – Vem cá me deixa te ajudar. - Ele me virou de costas para ele e me ajudou a fazer o movimento certo, vez ou outra ele roçava seu corpo no meu. Sorri com isso, mas quem dá as cartas aqui sou eu.

-E agora o que eu faço? – perguntei me afastando dele e me virando para olha-lo.

-Agora você precisa afastar as pernas. – ele me puxou pela cintura de novo me deixando de costas para ele. afastei as pernas como ele pediu. – e agora tem que tocar seu pé. Um de cada vez.  – falou ainda segurando minha cintura.

-Por quanto tempo? – perguntei esbarrando meu corpo sutilmente nele, sentindo seu volume.

-15 segundos de cada lado. – ele tocou minhas costas para eu me inclinar para frente.

-15 não é muito? – perguntei me virando para ele.

-Jagiya só abaixa. – ele apoiou a mão nas minhas costas e eu me abaixei, Suho se aproveitou da minha posição para pressionar seu volume em mim, meu sexo voltou a se contrair com o leve toque entre eles. mas preciso me manter focada, assim ele não vai querer eu preciso deixa-lo sem escolha, a não ser quebrar essa greve. Me levantei depois dos 15 segundos.

-Esse eu já aprendi. – falei me virando de frente para ele.  – Olha só. – fiz o mesmo movimento virando para o outro lado.

-Não está certo, me deixa te ajudar. – pediu me olhando.

-Não amor, chega de aquecimento. Eu quero começar logo. – ele resmungou algo, me segurei para não rir. – vamos começar com as abdominais?

-Não, eu quero que você comece com a corda.

-A corda?

-Isso, ela vai ajudar você a alongar o que ainda falta. – ele me entregou a corda.

-Tudo bem então. – comecei a pular, e ele ficou me olhando. Ele deu uma volta por meu corpo parando um pouco nas minhas costas e quando voltou a minha frente fixou seu olhar sobre meus seios. Parei de pular quando o vi passar a língua pelos lábios. – Não tá bom ainda?

-Não, você só pode parar quando eu disser. – voltei a pular a corda, parei de novo quando o suor já começava a escorrer por minha barriga. – Porque você parou?

-Eu estou suando, só quero tirar a blusa, ou não posso? – ergui uma sobrancelha.

-Deve. – ele falou e esperou que eu tirasse a peça, mordi meu lábio para conter meu sorriso. – Vai aonde?

-Beber água. – peguei sua garrafinha e deixei que um pouco da agua escorresse por meu pescoço, e seios. Vi ele morder o lábio e apertar seu membro.

Acho que hoje eu consigo.

-Agora já posso parar de pular corda? – perguntei com a mão na cintura.

-Não, ainda falta mais uma sessão de pulos.

-Você quem manda. – Voltei a pular e ele a encarar meus seios agora cobertos apenas pelo sutiã. Depois de uns dois minutos pulando ele veio para perto de mim.

-Acho que já chega de pular.

-Quero aprender abdominais agora, faz primeiro para eu ver? – pedi o olhando, quase inocente. Ele só confirmou com a cabeça. E se deitou no chão, dobrando os joelhos.

-Você pode prender meus pés para me dar apoio? - Me ajoelhei na sua frente e colei meu corpo na canela dele, pressionando meus seios em seus joelhos.

-Assim?

-Isso. Quantas você quer que eu faça?

-15. – sorri.

-Ok! – ele colocou as mãos na nuca e impulsionou seu corpo para cima, chegando seu rosto próximo ao meu. – Você tem que subir todo o tronco. – falou olhando em meus olhos. Voltou a se deitar – e não pode esquecer de respirar. – ele subiu o corpo de novo. – entendeu?

-Entendi. Agora faz as suas. – sorri. Ele fez o que eu pedi e eu encarava seus olhos enquanto ele ignorava completamente meu rosto e só focava em meus seios pressionados contra ele.

-Agora é a sua vez. – ele falou ofegante devido ao esforço físico.

-Se eu fizer errado não ria de mim.

-Não vou rir, eu vou te ajudar. – ele falou prendendo meus pés entre seus joelhos e segurando meus joelhos.

-Posso?

-Pode. – respirei fundo e tentei subir meu corpo, mas não consegui. – Calma você precisa respirar. Não é força é jeito. Agora tenta de novo. – tentei de novo e consegui subir, ficamos com o rosto bem próximo um do outro. – Isso agora mais uma. – fiz outra. E mais uma, e quanto mais eu repetia o exercício, mais ele apertava minha perna, na sexta vez sua mão desceu por minha coxa e a apertou.

Foco (s/n), Foco! Não vai se distrair agora, ele está quase caindo.

-Amor, quantas ainda faltam?

-Só mais algumas. Não para agora. – ele falou pressionando seu volume em minhas pernas. Me concentrei para conseguir subir meu corpo mais uma vez.

-Isso é muito difícil. – falei com o rosto bem próximo ao dele, senti sua respiração pesada se misturar com a minha.

-Você não sabe o quanto. – ele falou, e eu sabia que não era da abdominal que ele estava falando.

-O que foi? – perguntei encarando ele depois de mais três abdominais feitas.

-Porra (s/n)!  - ele falou antes de me empurrar para me deitar no chão. – você não sabe o quão gostosa está agora. - Ele abriu minhas pernas e se encaixou entre elas, roçando nossos sexos. Sua boca foi de encontro a meu pescoço. Agarrei seu cabelo puxando com um pouco de força quando ele sugou mais forte a pele extremamente sensível a qualquer toque. Com as mãos livres ele tratou de agarras minhas coxas a apertando com força, me fazendo gemer seu nome. – Eu não queria fazer isso agora, mas eu... – falou olhando em meus olhos.

-Shh! – coloquei o indicador sobre seus lábios - Não pensa em nada, só me fode amor. – pressionei meu quadril contra o dele. Ele engoliu em seco e afastou nossos corpos para retirar meu short. Quando seus dedos entraram por dentro dos panos ouvimos a campainha tocar repetidas vezes fazendo Suho sair de cima de mim. – A não amor volta. – falei puxando ele pelo pescoço tentando beija-lo.

-Não! – ele tirou meus braços de seu pescoço. – Eu preciso atender a porta. – se levantou ofegante e foi em direção à porta.

Mas que inferno! Eu juro que se for a Sekyung dessa vez eu mato!

Me levantei com raiva e vesti minha blusa.

-Jagiya! – Jongdae gritou quando me viu, e veio na minha direção me abraçando forte.

-Oi Chen, tudo bom? – o abracei. A raiva ainda estava ali, mas ao menos não seria dessa vez que eu cometeria um crime.

-Já falei que não é para chamar ela assim. – Suho falou cruzando os braços.

-O que é que tem, ela gosta que eu a chame assim, não gosta Jagi?

-Gosto. Deixa ele amor.

-Eu estava com saudade de você.  – ele falou sorrindo e reparou como eu estava – Vocês estão tão suados. – apontou para Suho e eu – não me digam que eu atrapalhei vocês a... – ele fez uma carinha engraçada.

-Na verdade você...

-Chegou na hora certa. – Suho me interrompeu. – Eu estava prestes a cometer um erro e você me salvou. – Suho me olhou sorrindo de lado - Estou te devendo essa.

-Você sabe que amigo é para essas coisas. – Chen falou sorrindo e eles bateram as mãos.

-Que mal lhe pergunte Chen, mas o que você veio fazer aqui agora?

-Eu vim pedir abrigo ao Suho, eu estava voltando do trabalho e meu carro quebrou, como eu moro um pouco longe e estava perto daqui resolvi vir dormir aqui. – falou sorridente.

-Ele vai dormir com a gente hoje, não é legal? – Suho sorriu.

-Muito legal! – forcei um sorriso e caminheiro em direção as escadas.

-Aonde você vai? – Suho me perguntou.

-Tomar um banho gelado. – falei com raiva e ele riu.

-Ela não parece ter gostado da minha visita. – Chen falou não tão baixo quando esperava enquanto eu me afastava deles.

-Não é bem isso. Lembra do que eu contei para vocês? – ouvi eles falando enquanto subia as escadas. Entrei no quarto do Suho xingando o Chen de todos os nomes que eu conheço. Ele é um cara incrível, mas tinha que aparecer logo agora?

Acho que o universo está conspirando para minha seca ser eterna. Não é possível sempre chega um para atrapalhar.

Depois de reclamar, e choramingar sozinha retirei minhas roupas e tomei um banho bem gelado. O que não adiantou nada. Estou tão necessitada que acho que podem me mergulhar nas águas do polo norte que nem assim essa vontade passaria. Vesti um short soltinho e uma camisa cinza de manga curda do Suho e desci, eles estavam conversando animados na sala.

-Finalmente acabou o banho. – Suho falou. Passei direto por ele e me sentei no sofá oposto que eles estavam. – Agora que ela chegou eu vou tomar meu banho. Não vou demorar tanto. – ele falou e subiu.

-É o Suho me contou o que eu atrapalhei.

-Ele contou é? – falei desanimada mudando os canais.

-Me desculpa mesmo, se eu soubesse não teria vindo aqui. Só não fica com raiva de mim Jagi.

-Você não tem culpa Chen. Eu não vou ficar com raiva de você, eu tenho raiva é do seu amigo. Onde já se viu homem negar isso a namorada. Parece até que é a mulher da relação. - Cruzei meus braços.

-Suho sempre foi meio exagerado mesmo. – ele falou rindo.

-Eu percebo isso. – ouvi um barulho estranho – O que foi isso? – perguntei rindo.

-Isso é meu estomago anunciando que está com fome. – ele sorriu sem graça. – Será que tem algo pronto ai para eu comer?

-Pronto acho que não, mas nos armários nunca falta lámen. – falei sorrindo. – Vamos a cozinha porque eu também estou com fome. Não tanto quanto você, mas também quero comer algo. – falei rindo.

-Não me zoa Jagi, eu só almocei hoje. – ele falou sem graça alisando a barriga.

-Não precisa ficar com vergonha. – fomos para cozinha e eu coloquei a agua para ferver.

-então quando você vai me convidar para ir a sua casa comer brigadeiro de novo? – ele se sentou a mesa.

-Não sei quando você estiver disponível. A gente pode marcar. Mas eu vou te apresentar a algo novo.

-Novo?

-Sim, se chama coxinha. É um salgado recheado com frango desfiado.

-Não vejo a hora de provar, parece delicioso.

-O que parece delicioso? – Suho perguntou se juntando a nós.

-Coxinha. A Jagi, disse que vai fazer para mim.

-Coxinha o que é isso? E porque vai fazer para ele e pra mim nunca fez?

-Ih ciumento. Eu vou fazer o bastante para todos comerem, é um salgado feito com frango.

-Deve ser bom mesmo. Nós três jantamos e ficamos conversando por um bom tempo, até que deu a hora de irmos dormir.

-Boa noite Jagi, boa noite Suho. – Chen falou na porta do quarto do Suho.

-Boa noite Chen. – falei e fui para o banheiro escovar os dentes, Suho fez o mesmo e quando saiu do banheiro pegou o travesseiro dele.

-Vai fazer o que? – perguntei já deitada.

-Eu vou dormir no outro quarto.

-Por quê?

-Porque a imagem de você malhando não sai da minha cabeça, e se eu dormir aqui, minha greve vai para o espaço.

-Então fica, vamos dormir juntos.

-O Chen está aqui, você não vai ficar com vergonha dele ouvir seus gemidos?

-Eu não me importo. – falei e Suho gargalhou.

-Você esta mesmo desesperada por isso não é?

-Você sabe que sim.

-Então eu realmente preciso dormir em outro quarto. Boa noite Jagiya. – ele saiu do quarto.

Aish Suho! Pra que dificultar as coisas.

Tentei dormir, e não conseguia, rolava de um lado para o outro da cama e nada do sono vir.  Fiquei pensando no que ele disse. Se ele foi para outro quarto por medo de não resistir talvez se eu fosse até ele, conseguiria convence-lo a largar a greve de vez. é isso que vou fazer. Me levantei e sai do quarto. parei no corredor, a casa dele tinha quatro quartos.

Aigoo, em qual quarto ele está?

Abri a porta do lado, mas o quarto estava vazio.

E agora em qual eu vou?

Pensei um pouco e acabei escolhendo a porta da esquerda. Ouvi ele dar um suspiro. Resolvi não ligar a luz, pois se ele acordasse talvez me colocaria para fora, preferi chegar de surpresa. Caminhei na ponta do pé, para não acorda-lo. Não conseguia enxergar nada. Quando cheguei a beira da cama tirei a coberta do seu corpo e ele não se moveu, coloquei uma perna para cada lado do seu corpo e me sentei sobre seu colo, seu quadril se ergueu em resposta, inclinei meu corpo para frente e beijei seu pescoço, ele se moveu despertando do sono. –Shh! Fica quieto, não vamos querer acordar seu amigo. – sussurrei em seu ouvido, e voltei a beijar seu pescoço, me movendo em seu colo.

-Jagi, o que você está fazendo? – Chen perguntou ligando a luz do abajur. Dei um grito quando me dei conta de que estava no quarto errado.

-O que foi? – Suho abriu a porta do quarto assustado. Pulei para o lado da cama gritando pelo segundo susto que o Suho me deu ao chegar do nada no quarto.

-Eu não estou entendendo nada. – Chen falou meio sonolento – A Jagi, sentou no meu colo e falou para eu ficar quieto.

-Você fez o que? – Suho me perguntou nervoso.

-Amor eu pensei que fosse você. Eu não sabia qual quarto você estava, queria te pegar de surpresa para você não escapar.

-E você não viu que era meu amigo? – ele ainda estava nervoso.

-Eu não liguei a luz, não queria que você acordasse e me expulsasse do quarto. – fiquei em silêncio morrendo de vergonha e o Suho tentando assimilar o que aconteceu. Quando o Chen começou a rir do meu lado. – Do que você esta rindo?

-Vocês são o casal mais estranho do mundo. Suho, acho melhor você acabar logo com essa greve, ou a Jagi vai acabar enlouquecendo.

-Eu concordo. – falei fazendo bico.

-Agora se vocês puderem me dar licença eu quero voltar a dormir.

-Desculpa por isso. – pedi envergonhada.

-Tudo bem, eu entendo o motivo de você ter feito isso.

-Que vergonha! – falei ao sair do quarto.

-Como você não notou que não era eu? – Suho me perguntou quando passei por ele.

-Amor, desculpa eu estou tão desesperada por um toque que eu nem prestei atenção nisso, e foi tudo tão rápido que nem deu tempo de nada.

-Você beijou a boca dele?

-Não, se não eu teria reconhecido na hora. – ele suspirou.

-Não sei o que faço com você.

-Eu sei. – mordi o lábio.

-Você não esta merecendo, ainda mais depois disso.

-Amor foi sem querer.

-Não importa, vai para o quarto que temos que acordar cedo.

-Aish!

-Sem reclamar. – ele falou e ficou no mesmo lugar até eu fechar a porta.

(...)

-Bom dia! – falei entrando na cozinha, os dois já tomavam café.

-Bom dia Jagiya! – eles responderam juntos. E Suho bateu na nuca do Chen.

-Você dormiu bem? – Chen perguntou contendo uma risada. E levou outro tapa na nuca. – Aish Suho.

-Mas respeito. – ele pediu.

-Não vamos falar sobre isso Chen. Que vergonha. – falei me sentando e me servindo.

-Eu só achei engraçado. No começou eu me assustei achei que você quisesse mesmo ficar comigo.

-Porque achou isso? – Suho o olhou.

-Ela chegou falando para eu ficar quieto pra não acordamos meu amigo, mas quando eu liguei a luz ela quase me matou de susto com seu grito. – ele voltou a rir.

-Não foi engraçado, eu estou mesmo com muita vergonha.

-Relaxa essas coisas acontecem.

-Acho melhor mudarmos de assunto. – Suho pediu. Terminamos de tomar nosso café e saímos. Suho deu uma carona para o Chen até o trabalho dele, que ficava pelo caminho.

-Tchau Jagi, estou ansioso pelo convite, quero muito provar as coxinhas. – ele falou ao descer do carro.

-Pode deixar, eu vou ver um dia para fazermos isso. – sorri pra ele.

-Tchau Suho. – ele acenou pra gente e seguimos até a faculdade.

(...)

-Já acabou? – perguntei enquanto Yujin gargalhava após eu contar o que havia acontecido na noite anterior.

-Ainda não. Eu só vou rir mais um pouquinho. – ela falou entre risos – eu queria ter visto a cara dos três naquele momento.

-Para Yujin, eu estou realmente com vergonha do que aconteceu. – empurrei ela pelo ombro.

-Eu vou parar. – ela se concentrou para parar de rir. – Mas falando sério agora. – ela limpou algumas lagrimas que caíram.

-O que?

-O Chen é grandão?

-Aish Yujin. Não falo mais nada contigo. – sai de perto dela e fui em direção à sala de aula, estávamos no banheiro e o sinal do fim do intervalo tocou.

-Hey, me espera. – ela veio correndo e encontramos com o Suho no corredor.

-Que cara é essa?

-A Yujin que ficou rindo do que aconteceu ontem.

-Se não fosse você eu também riria. – ele trincou os dentes – Oi Yujin. – falou quando ela nos alcançou, caminhamos juntos para sala.

-Oi Suho. Então tudo combinado com o Lay para amanhã?

-Sim, amanhã a gente passa na casa de vocês para buscar a (s/n), você vai estar lá ou no Chanyeol?

-Acho que vou chamar o Channie para nossa casa para ficar mais fácil.

-Tudo bem então.  –ele falou – Agora as duas para seus lugares que a aula já vai começar.

-Sim senhor. – falamos as duas e fomos para nossos lugares.


Notas Finais


Poxa Chen tantos momentos para aparecer e você me aparece logo agora? Que time hein.

Gente se tiver muitos erros desculpa, acabei de escrever e não deu para revisar, se não postaria muito tarde. Qualquer coisa eu arrumo depois.

Vou responder aos comentários agora.
Beijos, amo vocês!

Rapidinho manas, a minha linda @squadsz perguntou se a fic terá um trailer, mas eu não faço a mínima ideia de como se faz um eu creio que não. se alguém que ler souber fazer e estiver disposta a fazer esse agrado, eu agradeceria muito, caso não. apenas ignorem meu pedido ><


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...