História My Rebirth - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Bonnie Bennett, Caroline Forbes, Damon Salvatore, Stefan Salvatore
Visualizações 1
Palavras 3.714
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção Adolescente, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Essa história também está disponível no wattpad. Irei publicar aos poucos, lá voxe encontra a história quase completa.

Capítulo 1 - Chapter 1 - Mystic Falls



Suspirei olhando pela janela do carro enquanto sentia o clima ficar cada vez mais frio. Não entendo porque temos que nos mudar para um lugar com um clima tão gélido. Nunca vou me acostumar com essa mudança de clima tão drástica. Por sorte o inverno está quase no fim.

Meu pai disse que precisamos nos mudar para um local onde eles podem confiar na minha segurança, mas é claro... protejam a humana.
Tão injusto.

Meu pai prestava atenção na estrada, quase que imóvel e muito frio. Virei meu rosto encarando novamente a grama que cobria a paisagem, estavam cobertas por uma fina camada de gelo branco que chegava a brilhar com a pouca luz que batia.

-Está tudo bem?- Virei meu rosto para meu pai e ofereci um sorriso em resposta. Me incomoda o fato de ele e meus irmãos estarem perfeitamente bem enquanto eu estou congelando. Na real, me incomoda o fato de eu ser uma mera mortal!

-Pai ela deve estar com frio.- Ouvi James falar ao meu lado de modo preocupado enquanto me cobria com um cobertor, sorri a ele e me abracei no tecido para me aquecer.

-Desculpa meu amor, já estamos chegando.- Meu pai falou em seguida e eu pude perceber um pouco de pesar em sua voz. Respirei fundo me deitando no ombro frio de meu irmão para me aconchegar mais, acabei fechando os olhos e descansando mais do que pretendia.

-Hey, humaninha...-Senti meu corpo ser balançado levemente enquanto Liam me chamava. Abri preguiçosamente meus olhos e o vi me carregar casa a dentro.

-Chegamos?- Me encolhi no seu peito frio ouvindo ele rir. Meu corpo estava dormente do frio que sentia, como era possível o inverno ter um clima tão rígido aqui?

-Sim chegamos. Vamos, acorda preguiçosa.- Ri junto a ele sentindo meu corpo ser colocado sobre uma superfície quente e macia. Me joguei para esquentar meu corpo todo e notei ser um quarto, claramente meu, visto que estava decorado com coisas femininas. 

-Dostou?- Me sentei olhando tudo a volta e sorri assentindo alegremente. Eu nunca fui a maior fã de coisas muito coloridas, sempre gostei mais do neutro.

-Adorei! - Me levantei enrolada no cobertor e caminhei por todo o lugar observando todos os detalhes arrumados com perfeição. Claro, vindo deles tudo era assim.

-Que ótimo, papai gastou muito na sua decoração!- Suspirei pesadamente me sentindo diferente. Ele sempre tenta me compensar com coisas caras pelo fato de eu ter nascido humana. Eu gostava dessa atenção, só não achava nem certo e nem justo ser tratada diferente.

-Claro que sim...- Suspirei forte mantendo minha expressão rígida e o fitei, ele estava sério, um pouco decepcionado por mim. Revirei os olhos para mim mesma e o abracei forte. -Eu amei ta!(?).-Senti ele suspirar e me abraçar de volta, seus braços duros e gelados me apertaram causando um pouco de dor e arrepio, porém não recuei.

-Eu e James vamos trazer o resto das coisas, enquanto isso vá se arrumar pois vamos jantar fora. As pessoas precisam saber que você chegou.- Piscou um olho e deixou um beijo em minha testa saindo do meu quarto em seguida. Sentei-me na beira da cama e me encolhi suspirando e observando novamente todas as coisas caras que decoravam meu quarto.
Com certeza era maior do que precisava, porém eu gostava desse espaço.

Minha cama era grande estilo King e tinha quatro colunas nas estremidades que sustentavam finas camadas de ceda com renda cor pérolas. Um grande carpete branco cobria grande parte do quarto e combinava perfeitamente.
A janela era grande e panorâmica, tinha uma sacada com vista para a pequena floresta e a pequena cidadezinha, metade de cada. As cortinas eram grandes e cheias de ondas, totalmente lindo.
Havia várias prateleiras com fotos, alguns bibelôs e ursinhos. Parece um pouco infantil mas da no máximo um ar juvenil sem exageros.
O quarto ao todo tinha a cor de cinza escuro, igual ao meus olhos...

Notei minhas malas no canto da cama e caminhei até as mesmas para procurar por roupas bonitas e quentes, nada muito formal.
Estava tudo bagunçado, odeio fazer malas, estava difícil de achar alguma coisa ali e a esse ponto, eu já estava optando por jogar tudo na cama.

-Droga...-Bufei virando a mala na cama e vendo as roupas se espalharem na mesma, assim seria muito mais fácil de achar o que eu pretendia.
Peguei uma calsa jeans preta e um sobretudo bordô.

-Que...preguiça.-Resmunguei me jogando na cama e bufando exausta. Estava sem cabeça para ir num jantar agora. Papai queria me apresentar a minha querida família imortal.

-Está tudo bem?-Senti a fria presença de meu pai ao meu lado, me sentei e sorri fraco notando que ele não se convenceu dessa minha reação.-Não me parece isso.- Suspirei sorrindo de canto e encolhendo minhas pernas junto ao meu peito.

-Eu só estou cansada. Fala sério pai, precisamos jantar fora mesmo?- Resmunguei fazendo birra enquanto ele ria e se levantava me puxando.

-Claro que sim. Tem pessoas que você precisa conhecer e pessoas que precisam saber quem é você.- Desviei meus olhos para o lado e suspirei. Estou aqui para conhecer pessoas agora?

-Você não entende que me sinto deslocada nessa família? Quer dizer... eu amo vocês, mas iria preferir manter distância de outros parentes.- Ele assentiu suspirando, como se me entendesse perfeitamente. Claro que era só aparentemente isso.

-Eu sei disso meu amor. Mas eles querem muito conhecer a humaninha da família, eles estão muito ansiosos para isso.- Ele apertou minha bochecha com um sorriso e eu revirei os olhos, no fundo não gosto desse apelido é um tanto desvalorizante. Me sinto inferior.

-Ta...-Falei derrotada me levantando e o empurrando para fora do meu quarto.- Agora preciso me arrumar...- Ele fingiu ser incapaz de me impedir de o empurrar, o que era uma ilusão, ele poderia ficar parado como uma pedra fixa enquanto um caminhão o puxa.

-Estamos te esperando lá embaixo.- Disse assim que fechei a porta. Corri para minha cama e comecei a me despir rápido para voltar a me aquecer com outra roupa.
Optei por calçar meus saltos pretos que não me deixavam tão baixa comparada aos meus irmãos.
Deixei meus cabelos totalmentes negros solto arrumando os leves cachos nas pontas, e simplesmente passei um batom marrom escuro que destacava em minha pele palida e meu cabelo negro.

Me olhei no espelho, estava pronta mas me sentia incompleta de alguma forma. Sempre tive essa sensação mas ... ultimamente está mais forte. Essa realmente é uma cidadezinha misteriosa, quero dizer, por que os moradores aceitam que vampiros convivam aqui?

Desci as escadas me certificando de não tropeçar e cair. O que eu menos precisava agora é quebrar uma perna ou um braço.
Olhei meus irmãos e meu pai sorrindo a me observar, eles estavam bem arrumados.

-Wow...- ouvi Liam dizer com suas mãos nos bolsos da calça jeans escura que ele usava.-Até parece uma imortal.- Meu pai lançou um olhar um pouco surpreso e eu sorri para todos. James veio até mim e cruzou seu braço no meu sorrindo.

-Você está linda.- Disse me examinando , meu pai veio logo em seguida pegando em minha mão e me girando.

-Estou até com ciúmes. -Brincou nos fazendo rir. Me abracei novamente a James e ele me fitou por segundos antes de Liam o interromper.

-Bamos?- Ele o olhou e assentiu. Liam caminhou até mim e fez o mesmo que James ao cruzar nossos braços, só que no outro lado. Saímos de casa juntos e entramos no carro que já estava ligado, o que me levou a pensar que papai já estava dentro a nossa espera.

Como papai, Liam e James são imortais, eles existem a muitas décadas.
Eles param de envelhecer e se transformam dentre 17 a 20 anos quando são de sangue impuro , ou seja, filhos de vampiros. Nem precisam ser transformados , é como se eles nascecem humanos e ao atingir dentre 17 e 20 anos eles se transformam. Papai, em sua idade humana tem 41 anos, foi transformado a 226 anos atrás.
Ele conheceu minha mãe, ela o transformou, e eles tiveram Liam. Em seguida nasceu James que virou imortal aos 17, o que o torna o mais novo dos irmãos pois Liam só passou por mudanças aos 19.

Tenho 20 anos e nasci completamente humana antes de minha mãe morrer. Meu pai diz que pessoas que nascem na lua cheia não se tornam vampiros, mas me parece apenas uma desculpa vaga. Não consigo pensar no motivo pra eu ter nascido humana. Tão injusto...

Olhei para a janela e vi a pequena cidade pouco movimentada, irei sentir falta da Flórida, era simplesmente uma cidade perfeita, já aqui era o contrário. Poucas casas, pessoas simples, poucos comércios e muito frio.
Papai achou melhor se mudar para um lugar pequeno onde a maioria é vampiro e conhecido , diz ele que aqui corremos menos riscos de sermos pegos por caçadores. Eu entendo que isso é para a segurança deles mas e eu? Eu também corro perigo aqui! Não duvido que eles possam me proteger , mas mesmo que haja um acordo de não caçar na região já que nem todos concordaram com a dieta de animais, acredito que todo humano corra perigo diante vampiros. Sempre devemos nos precaver, não é? Sou obrigada a usar um pequeno bracelete cheio de verbena, uma erva muito antiga porém muito eficaz para proteção contra esses tais vampiros que não seguem regras.

-Chegamos pequena.-Liam me sorriu abrindo a porta e me dando a mão para sair. Eu amava meus irmãos igualmente, porém tinha mais afeição com Liam, ele me entendia melhor que ninguém nesse mundo, mais que até meu próprio pai. Não tenho o que reclamar deles, porém é diferente com Liam.

-Vamos, estão nos esperando.- Sorriu James enquanto caminhava animadamente na frente. Ele apesar de ter seus devidos 73 anos , sua alma de 18 anos era visível, acho que não só a aparência mas também a personalidade dele paralisou nessa idade já que ele sempre teve essa alma mais jovem.

-Não acredito que...- Falei surpresa ao notar algumas fitas e um grande numero "20" na parede. Várias pessoas, as quais não conheço nenhuma, gritaram surpresa. Eram todos imortais, todos perfeitos. Forjei um sorriso alegre porém tímido enquanto todos vinham me cumprimentar e me encher de elogios.

-Nossa... mas ela é muito linda, nem parece uma mortal! - Falou uma linda mulher que aparentava ter seus 35 anos.- Sou Riley.- disse em seguida enquanto me examinava.

-Obrigada?...- Eles riram de mim e eu me desconcertei ainda mais quando vi os homens se aproximar e me deixar beijos gelados em meu rosto.

- Ola Elisa, somos seus tios.- Sorri um pouco confusa e franzi meu semblante olhando para meu pai, ele sorriu e assentiu como se concordasse e eu os observei novamente.

- Nossa... isso é muito legal!- Falei um pouco elétrica vendo-os rir novamente, desta vez não fiquei tão tímida.

-Somos quase todos seus tios amada. Apenas Ella e Henry são seus primos.- Ela apontou para um casal de cachos que observava um pouco longe e eu sorri.- Robert, você não falou que ela era tão semelhante a Sara!- Ela examinou meu rosto como se eu fosse minha mãe em pessoa. Meu pai e meus irmãos dizem que somos parecidas sempre, mas nunca pus fé nisso. Em quesito exagero eles são peritos.- Tão lindinha essa humana!- Suspirou acariciando meu rosto.

-Obrigada.- Retribui o sorriso dela.-Mas...posso saber porque a comemoração? Meu aniversário é daqui uma semana ainda.- Eles riram novamente, já se tornava hábito eu abrir a boca e eles rirem. Era como se eu fosse a atração humana da festa. A palhaça talvez?

-Seu aniversário anual é daqui uma semana, mas seu aniversário lunar é hoje e vamos comemorar mesmo que você seja humana.- Meu pai falou com as mãos postas em meus ombros.- Você completa 70 luas cheias hoje.- Sorri olhando para todos, e ergui minhas mãos em rendição.

-Então vamos comemorar!- Eles festejaram minha resposta e eu logo fui puxada pela mulher chamada de Riley até uma mesa onde me sentei junto a ela. Nenhum deles eram parecidos, a não ser Ella e Harry , ambos morenos com cachos, o formato facial muito semelhante. Fico me perguntando se todos realmente são parentes ou é apenas de consideração.

-Hey, Elisa...- Ouvi uma voz masculina me chamando, virei minimamente meu rosto para o lado e me deparei com um homem alto de cabelos negros e olhos acinzentados. Observei ele se aproximar e logo notei sua semelhança comigo, o que era um tanto estranho visto que nem meus próprios irmãos se assemelham a mim.

-Oi?-Proferi assim que ele chegou em mim com um sorriso largo e esplendor nos olhos. Me mantive parada e um pouco desconcertada com o modo que ele me olhava.

-Meu Deus... você é igual a ela!- Seus olhos eram cheios de emoção.- É incrível, parece que estou falando com ela!-Disse ainda mais emocionado a me abraçar, o que de certo me deixou ainda mais tímida e desconcertada. Seu abraço era muito forte e machucava minha coluna levemente.

-Oh Sevan, você está deixando ela constrangida!- Falou Riley a empurrar ele pra me soltar. O homem deu uma risada culpada e se levantou me puxando junto.

-Me desculpe, sou Sevan.- Se apresentou de modo formal, com um braço dobrado nas costas e outro me saudando. Da mesma forma que ele eu fui formal e puxei ambos lados do meu sobretudo curvando minimamente meus joelhos.

- Sou E...

-Elisa.- Me interrompeu dizendo meu nome com convicção. Sorri fraco e concordei ainda sem jeito.- Vamos... preciso ter uma dança com você.- Insistiu me puxando para o meio do estabelecimento onde muitos conversavam.

-Mas ninguém está dançando!- Falei baixo olhando para as pessoas que já começavam a prestar atenção em nós.

-Então vamos começar para que eles venham também!- Sorriu me afentando, porém recuei negando de vergonha. Eu até poderia dançar, isso se eu sequer conhecesse eles. O que não é o caso.

-Não, já é vergonha demais estar numa festa planejada por pessoas que não conheço, agora dançar já é me constranger!- Ele gargalhou me puxando para ele sem nenhuma dificuldade.

-Vai me negar uma dança com minha sobrinha legítima? - O fitei curiosa e ao mesmo tempo surpresa ao descobrir que ele era meu tio de sangue.

-Então... você realmente é meu tio?- Ele sorriu assentindo suavemente. Estava na cara que ele era de parte de mãe , era óbvio pela semelhança. -Oh Deus!- Abracei ele forte e super animada com a situação. Ele riu e retribuiu o abraço me erguendo minimamente do chão.

-Ola sobrinha.- Disse sendo carinhoso e me fitando profundamente nos olhos. Suas mãos frias seguravam meu rosto suavemente.- Você é igual a ela.-Falou sério com admiração e novamente me abraçou.

-Isso é incrível!- Falei animada.- Me conta como era ela....- Antes que ele pudesse falar Liam apareceu entre nós nos tomando a atenção.

-Vamos Lisa ta na hora do bolo.- Franzi meus olhos e sorri. -É só pra não perder o costume , por você.- Respondeu antes que eu sequer perguntasse. Assenti puxando meu tio junto até o canto onde todos se alastravam a espera. Pude observar melhor a decoração agora que eu ia na direção na mesa com comidas, era lá onde se acumulava maior parte de tudo.

Havia várias fitas douradas, muitos panos de ceda branca, nada simples, como sempre meu pai capricha na decoração. No meio, junto ao número 20 em néon , tinha uma lua cheia simbolizando minha idade lunar.
Olhei para a mesa e tinha muitas coisas, estava tudo muito lindo e tinha uma variedade imensa de cada. No centro da mesa havia um bolo de três camada, e não deixava a desejar nada na decoração do mesmo também.

Me posicionei no centro das pessoas e me encolhi ainda um pouco tímida , todos ficaram em silêncio e eu pude observar todos perfeitamente agora que estavam parados me fitando. Suspirei e senti meu pai aparecer no meu lado, ele abraçou meu corpo de lado e me olhou como se me dissesse que iria oferecer ajuda, sorri fraco em troca e ele olhou para os imortais a nossa frente.

-Primeiramente, eu gostaria de fazer uma homenagem a nossa Elisa.- Senti meu rosto ferver de vergonha e obviamente eu fiquei muito vermelha levando em conta que sou pálida.

-Que fofa, ela está fervendo de vergonha.- Ouvi uma mulher dos fundo a falar e todos riram de mim, cobri meu rosto rindo enquanto tentava me recompor. Meu pai acariciou meu braço tentando me reconfortar e eu o olhei com um sorriso tímido.

-Elisa é a pessoa mais especial de nossas vidas lá em casa...- Falou olhando para mim com um certo brilho em seus olhos negros.- Todos concordamos que é por ela que somos... bons.- Suspirou voltando a olhar para as pessoas.- É alguém diferente, amável, inteligente, forte, divertida, e por isso que sempre nos sentimos no dever de proteger ela. É nossa humaninha.- Sorriu largo mostrando sua felicidade. As pessoas nos olhavam com sorrisos apreciativos e eu não sabia aonde enfiar a cara por toda essa atenção.- Hoje ela completa 70 anos lunares, que de certo é a idade lunar que importa em sua vida... você pode ter nascido mortal, mas ainda sim pertence a uma família que não é. Cresceu diante nossos costumes e espiritualmente é uma de nós. - Ele me olhou novamente e beijou minha testa enquanto eu finalmente me acalmava da vergonha.

-Obrigada pai.- Falei baixo para ele e ouvi as pessoas aplaudirem para nós. Olhei para o público e todos vinham me parabelizar felizes por me conhecer. Não posso dizer o contrário apesar de não fazer parte da família realmente.

-Parabéns linda... bem vinda a família.- Uma mulher alta e loira disse me abraçando.- Você cheira tão bem, é doce e diferente!- Ela riu me deixando com um pouco de assustada.- Calma, é só uma observação tá.- Ela riu e eu segui sua linha de risos para quebrar o clima estranho que ela formou.

-Salvatore?- Ouvi meu tio falar enquanto olhava para a porta de entrada, todos, por conta da boa audição, olharam para a porta. Meu pai e meus irmãos chegaram perto de mim enquanto olhavam curiosos para a porta. Fiquei olhando na mesma direção.

-Não parem a festa por mim...- Um homem de cabelos negros e olhos azuis surgiu na porta. Como os outros imortais, ele era bonito.

-Me desculpe, não lhe convidamos porque é de família.- Um homem super alto com muita massa muscular falou para ele.

- Não se preocupem, não me importo com isso. Apenas vim dar boas vindas ao nosso novo humano da cidade.- Ele falou caminhando de um lado para o outro enquanto olhava todos os rostos das pessoas presentes. Senti meu pai e meus irmãos inquietantes do meu lado, curiosos e um pouco ameaçados pela presença dele. Senti meu corpo ser levemente e discretamente empurrado para de trás deles.

-E quem é você? Não me lembro de lhe ver aqui!- Perguntou meu pai um pouco preocupado e muito curioso. Percebi estar na presença de alguém novo por ali. Antes de que meus pais tivessem a mim eles se mudaram . Os moradores da cidade sempre foram os mesmos, bom... aparentemente não agora.

-Esse é um dos irmãos Salvatore. Damon.- O mesmo homem alto e forte respondeu.- Ele apareceu aqui um tempo depois de vocês se mudarem. Bom... não é de nosso costume aceitar pessoas novas aqui, mas os Salvatores são de família fundadora. Aceitou as condições de caça proibida na cidade e ainda nos ajuda com os caçadores.- Meu pai travou o maxilar para o homem moreno e ele manteve um sorrisinho besta com sobrancelhas arqueadas em direção ao meu pai.

-Você é o novo morador?- Damon perguntou ao meu pai enquanto caminhava.- Não... acho que não. Eu sinto o cheiro do sangue mas... não vem de você.- Desviou o olhar para James e em seguida Liam.- Hmm...- Resmungou enquanto os fitava e em seguida me olhou , em segundos formou um sorriso.-Ha... é você!- Ele cobriu a distância em segundos e apareceu ao meu lado a me olhar.- Incrível, você é humana mas quase me confundiu com sua aparência... imortal.- Ele riu e meu pai o empurrou de leve com os olhos cerrados sobre os dele.

-Cuidado...- Ameaçou e o tal de Damon ergueu as mãos em rendição.

-Calma, só estamos nos apresentando.- Sorriu afetado e voltou a me olhar. Ele pegou minha mão e... Jesus ele era quente!- Me chamo Damon.- Ele beijou minha mão e eu estremeci com um sorriso forjado no rosto. Eu me sentia um pouco ameaçada na sua presença, mesmo que não corresse perigo.

-Eu ouvi.- Sorri de lábios fechados e ele descaradamente lambeu os lábios como se estivesse saboreando pelo contato comigo.
Puxei minha mão rapidamente e me encolhi próximo ao meu pai.

-Ótimo, se divirtam e não se preocupem com nada.- Ele sorriu a todos e me lançou um olhar antes de praticamente sumir dali. Meu pai e meus irmãos me rodearam preocupados comigo e eu simplesmente me afastei.

-Clma, está tudo bem!- Sorri tentando reconfortar.- Vamos voltar onde paramos... okay? - Tentei parecer convincente e mesmo hesitando eles assentiram. Notei que todos estavam relaxados com o que aconteceu, provavelmente aquele Damon era descaradamente babaca daquele jeito mesmo.

Estavam todos dançando e se divertindo enquanto eu saboreava meu bolo de chocolate com tudo que tem direto. Vinheram vários e várias me pedindo para dançar, mas inventei estar cansada para só observa-los.
E nossa... agora eu tenho uma família!

Sorri olhando para baixo e em seguida para a janela da rua, a lua estava enorme e cheia... tinha um tom azulado e pairava sobre um céu limpo. Sorri fraco para a grande bola iluminada no céu ,e alguém se sentou ao meu lado me tomando a atenção.

-Vai ficar aqui?- Liam sorriu para mim e eu assenti com preguiça. Ele esticou a mão e tirou meu bolo.

-Ha não....-Resmunguei prolongando.- Quero ficar aqui comendo meu bolo.- Fiz cara se cansada reclamando e ele riu me puxando.

- Você não vai ficar inventando história pra mim também, vai?- Fingiu estar ofendido e chateado, ri reclamando e o fitei.- Só uma dança! - Me olhou arqueando uma sobrancelha e eu sorri afetada cedendo a ele.

- Tá seu chato. Só uma!-Ele riu me puxando e eu cedi dançando com ele animadamente.
Talvez não seria tão mal morar aqui, eu posso me acostumar e aprender a conviver com minha... família. Sei que aqui estamos todos seguros e podemos sim ser felizes. Bom... eu pelo menos posso ter o resto de minha vida mortal feliz.



Notas Finais


Oi amores, tudo bem?
Essa fanfic estará aos poucos sendo publicada aqui, porém já á mais de 40 capítulos publicados na plataforma do wattpad.
Espero que gostem ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...