História My Safest Place - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Jin, Jinsuga, Kim Seokjin, Min Yoongi, Namseok, Seokjin, Sin, Suga, Sugajin, Yoongi, Yoonjin
Visualizações 138
Palavras 2.951
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Quem é vivo sempre aparece hahahaha!

Boa leitura!

Capítulo 10 - Nem tudo que reluz é ouro


Fanfic / Fanfiction My Safest Place - Capítulo 10 - Nem tudo que reluz é ouro

As pétalas de rosas enfeitavam sua cama, o perfume exalava no cômodo, o deixando entorpecido, tomado por uma luxúria única que dominava seu corpo. Ela o fascinava e fazia com que as estrelas refletissem em seu globo ocular. Sempre fazia planos perfeitos de um futuro lindo juntos, o problema é que a realidade não funciona de acordo com o que a gente idealiza e ninguém avisa para as pessoas ao nosso redor que elas devem seguir o nosso script. Por isso, nos decepcionamos.

O cheiro tão convidativo e único, o deixou em modo de espera, ansiando por algo que nunca chegou. E quando a luz do dia cortou as cortinas, ele se viu sozinho, envolto de expectativas. Talvez, o sentimento não foi o mesmo... talvez, a definição do que é amor seja diferente para cada pessoa.

 

Jungkook precisava de ajuda.

Sabia disso devido ao seu olhar perdido, o fato de ter se ausentado a aula naquela manhã e como ele mal conseguia dizer algo. Estava preso em pensamentos que se cruzavam em sua cabeça e eu nada podia fazer para ajudar.

Lhe dei espaço.

Enquanto ele continuava bebericando o conteúdo da caneca cor mostarda que estava entre seus dedos, sentado no sofá da sala e com o cobertor ao seu redor, eu estava do outro lado do cômodo e o encarava. Minutos antes, meu notebook estava em meu colo e eu escrevia mais uma parte de umas das minhas histórias incompletas.

Eu deveria resgatá-lo, tirar ele de seu transe momentâneo. Queria poder compreender o que estava acontecendo.

No começo da manhã, Taehyung deixou minha casa, pois teria que ir para a universidade. Meu pai me mandou ficar em casa para ajudar Jungkook e era isso que eu pretendia fazer.

- Hey. – Tentei me aproximar sutilmente. – Você quer falar sobre o que aconteceu? Sobre o que está acontecendo?

O mais novo negou com a cabeça, suas bochechas assumiram um tom rubro e ele se encolheu dentro do cobertor que já o abrigava como uma espécie de casulo. Decidi recolher as canecas e rumar para a cozinha. Eu não queria pressioná-lo, mas queria muito saber o que é que andava o colocando para baixo. Ele sempre parecia tão alegre e feliz no trabalho, participativo nas atividades da faculdade, jamais poderia imaginar que tinha algo o incomodando. Até me sentia um pouco culpado e egoísta, já que ele sempre estava lá para me acalentar diante das dificuldades e eu mal sabia das dele.

Retornei para a sala e me aproximei de onde ele estava. Não disse nada, apenas afaguei seus cabelos e o puxei para um abraço, onde ele apoiou a cabeça em meu ombro e senti seu corpo relaxar. Passei as mãos por suas costas e ele suspirou pesadamente. Ele precisava de um colo, precisava saber que eu não o julgaria, só assim, ele se sentiria seguro para se abrir comigo.

 

*****

 

- Ele não disse nada? – Yoongi perguntou baixo, enquanto observámos Jungkook dormindo em minha cama.

- Não. Isso tá me deixando maluco! Eu quero ajudar. – Lamentei.

- Eu sei que quer. – Depositou um beijo em minha testa. – E ele vai se abrir com você, eu sei que vai, só lhe dê espaço. Você é o melhor amigo dele, Jin.

- Eu só to preocupado. – Suspirei.

Yoongi segurou em meu rosto de maneira carinhosa e me deu um breve selinho, sorrindo em seguida. Após isso, contornou a minha cadeira e me guiou para fora do cômodo, me levando até a sala, onde o colchonete ainda estava no chão, já que naquela tarde ele veio fazer uma sessão de fisioterapia comigo para exercitar as minhas pernas.

- Deixa eu te mostrar uma coisa. – Comentou animado, enquanto colocava o colchonete em um canto e me posicionava próximo ao sofá, onde ele colocou seu notebook em cima da mesa de centro. – Eu comecei a editar os vídeos que filmei do processo do TCC, ainda está bem no começo, mas queria saber o que você acha.

Yoongi deu play e segurou em minha mão. Percebi o quanto ele estava nervoso, já que a sua palma estava úmida. Me concentrei no vídeo, que começava mostrando várias cenas de mim na cadeira em lugares diferentes da cidade, sendo que algumas delas me pegaram de surpresa, porque não fazia ideia de que ele tinha filmado. Esses momentos onde fui pego desprevenido, eram onde eu apenas contemplava a paisagem, ou simplesmente fechava os olhos respirando bem fundo. Por cima de tudo isso, minha voz narrava um acontecimento passado, eu falando sobre a minha infância e os sonhos que o Jin criança planejava para o futuro.

Meus olhos se encheram de lágrimas, não pelo o que era falado, mas sim, por ver que aquilo que sempre julguei ser impossível estava praticamente se tornando uma realidade. Jamais poderia imaginar nem nos meus sonhos mais otimistas que um garoto lindo que eu vi no bar, seria o cara que mudaria a minha vida, seria a pessoa pela qual eu me apaixonaria e nós dois seríamos o suporte um do outro para superar todos os nossos medos e angústias.

Ele me fazia feliz, ele me dava as famosas borboletas no estômago que nunca me achei digno de sentir e quando senti seus dedos percorrerem minhas bochechas para limpar as lágrimas que escorriam por minha face, meu coração disparou e eu o beijei, o surpreendendo. Yoongi, que anteriormente estava ajoelhado no chão, de frente para a mesa de centro, agora apoiava as mãos no braço da minha cadeira, enquanto retribuía o beijo na mesma intensidade.

As coisas foram esquentando e senti meu corpo ser erguido da cadeira, em seguida, fui acomodado no sofá com Yoongi por cima de mim e no meio de minhas pernas. Meu baixo ventre parecia queimar e eu comecei a transpirar e ofegar. Yoongi se agarrou ainda mais em mim e eu apertei com força meus dedos em seus cabelos, soltando um gemido baixo após ele deixar uma leve mordida em meu pescoço que fez todo meu corpo se arrepiar. Senti a intimidade dele se enrijecer e isso me fez suspirar, ergui um pouco o quadril, mas sem grande efeito já que com a ausência de movimento nas pernas o impulso é quase zero.

Aquela sensação era boa demais, do tipo que eu via em filmes românticos, porém, mil vezes melhor porque eu estava de fato sentindo. Posicionei minhas mãos com firmeza em suas costas, a arranhando e ele gemeu manhoso perto do meu ouvido. Fiquei feliz por causar este efeito nele. Porém, quando desci minhas mãos em direção a sua ereção, Yoongi se contraiu e parou tudo o que estava fazendo, erguendo um pouco o tronco e me encarando com os olhos arregalados, petrificado.

- Yoongi? – Tentei chamar sua atenção e ele saiu abruptamente de cima de mim, rumando para a cozinha.

Um arrepio passou por todo o meu corpo e me senti culpado. Não devia ter me deixado levar por todas aquelas sensações. Como minha cadeira não estava tão perto da poltrona, inclinei meu corpo para o lado e apoiei as mãos no chão, me rastejando até sair completamente do sofá, depois prossegui me arrastando até encostar na cadeira de rodas e subir nela com uma certa dificuldade. Assim que consegui me arrumar, respirei fundo devido a todo o esforço e fui em direção a cozinha, encontrando Yoongi sentado na mesa e com um olhar perdido.

- Yoon, eu sinto muito. Eu sei que isso é algo complicado e que te traz lembranças ruins. – Lamentei.

- Não, Jinnie. Não me traz lembranças ruins, me traz lembranças boas, o que acaba comigo sou eu mesmo, que me deixei levar pelas palavras duras de meus pais e agora todas as vezes que estou prestes a vivenciar algo maravilhoso, eu travo, eu sinto medo, meu corpo reage com repulsa. Eu não quero sentir medo dos teus toques. Eu to doido pra fazer amor com você, Seokjin!

Segurei sua mão, lhe dando força e apoio.

- Eu também quero muito fazer amor com você. Muito! Mas acho que eu realmente preciso tirar algumas dúvidas antes de me entregar a você e veja pelo lado positivo, você está avançando com a psicóloga, eu também estou, estamos conseguindo chegar em um patamar saudável para nós dois nessa relação, então, quando conseguirmos isso, vamos poder dar prazer um ao outro. Eu confesso que to morrendo de medo de não conseguir ter uma ereção, de não conseguir ter prazer e te dar prazer, afinal, não há muito que eu possa fazer nessa condição...

- Deixe de bobagem! – Yoongi me cortou. – Quando a gente transar, vai ser o melhor sexo de nossas vidas. E eu te prometo Seokjin que eu vou fazer você se sentir amado como você merece.

- Como nós merecemos! – Completei seu raciocínio. – Eu também quero proporcionar a melhor experiência da sua vida, por isso, vamos fazer isso direito, ok?

- Ok.

Yoongi sorriu e me puxou para um beijo carinhoso, que não se prolongou muito graças a uma voz fraca que preencheu a cozinha.

- Hyung. – Jungkook apareceu na porta enrolado na coberta e com cara de sono. – Podemos conversar?

Fui rapidamente em sua direção, segurando em sua mão e fazendo desenhos imaginários nela.

- Claro que podemos, Kook. Vamos lá para o meu quarto. – O olhei docemente.

- Eu vou embora para dar espaço a vocês. – Meu namorado se levantou, depositando um beijo em minha testa e afagando levemente o ombro de Jungkook. – Se cuidem.

Após ele cruzar a porta, levando consigo suas coisas, rumei para o meu quarto com Jungkook, onde ele me posicionou na cama de maneira confortável e se sentou de penas cruzadas na minha frente.

- Antes de tudo hyung, espero que não me julgue e por favor, ouça a história toda antes de opinar em algo, ok? – Me pediu visivelmente nervoso.

- Certo. – Concordei já notando pelo seu semblante que o assunto era muito sério.

Jungkook se ajeitou na cama, estalando os músculos das costas e respirando bem fundo antes de começar.

- Você sabe que desde que eu entrei na universidade e conheci a Byun, eu me apaixonei por ela. Nós somos de realidades diferentes, ela é extremamente rica, tem tudo do bom e do melhor e eu sou apenas um bolsista. Nós fomos nos aproximando, eu fui aos poucos fazendo cada vez mais parte da turma dela e com isso eu tive que me inserir naquele mundo que eu nunca fiz parte, indo a restaurantes luxuosos, comprando roupas caras e me encantando com as possibilidades que existiam ao se fazer parte de uma camada tão seleta da sociedade. Mas eu me perdi, hyung. Nós começamos a namorar e eu nunca tive coragem de contar a ela da minha real situação, nunca lhe disse que eu era apenas um bolsista e... – Seus olhos se encheram de lágrimas e ele passou a morder os lábios, seu corpo tremia.

- Acho melhor você tomar um pouco de água antes de prosseguir, Kook.

Sugeri, indicando com a cabeça o criado mudo que tinha uma vasilha de plástico com água e um copo de vidro do lado. Sempre deixava água no quarto para que não ter que me locomover até a cozinha a todo instante, já que costumava sentir muita sede.

Jungkook acatou o que eu disse, tomando o líquido transparente e tentando normalizar a sua respiração que falhava. Algumas lágrimas já escorriam pelo seu rosto.

- Hyung... eu não quero que pense mal de mim, eu... eu... – Soltou todo o ar que prendia. – Eu tive muitos gastos, coisas acima do que eu poderia pagar, além disso, eu fiquei tão encantado com tantos privilégios que tive ao acessar lugares e ver coisas que sendo o pobre garoto de Busan eu jamais veria, que eu me desliguei do meu foco principal: estudar. Minhas notas decaíram e a minha bolsa de 100%, virou uma bolsa de 70%. Eu me desesperei, hyung! Eu não queria envergonhar meus pais, nem você, por isso que eu nunca comentei. Eu queria dar um jeito e no desespero eu encontrei um caminho que não é certo.

Eu fiquei sem saber o que falar, eram tantas coisas para processar, que eu apenas aguardei em silencio que ele continuasse a me explicar toda a situação.

- Ao andar com os ricos, você tem fácil acesso a coisas boas e ruins. Eu conheci alguns caras que vendiam drogas para a classe alta. Um dia marquei um encontro com eles sem Byun e disse que estava precisando de dinheiro e que queria ajudar nas vendas. Eu comecei a fazer isso e até que estava funcionando, até a Byun descobrir tudo, não só as drogas como a minha condição financeira. Ela pagou as minhas dívidas, me ajudou a sair disso, o problema é que eu novamente tomei as escolhas erradas... eu segui vendendo. – Suspirou.

- O que? Por que? – O fitei, eu estava confuso com as escolhas dele e acima de tudo muito preocupado.

- O dinheiro vem como água, hyung! O que eu recebo em um mês eu não consigo nem juntando 6 meses de salário da mercearia. É como um vício. Uma vez que você começa, não consegue parar e, de fato, eu não consigo parar! – Jungkook começou a chorar e eu o puxei para o meu colo.

- Você precisa de ajuda, Kook. Ajuda profissional. – Afaguei seus cabelos.

- Eu sei. Eu até fui visitar um psicólogo, mas fui para duas sessões e desisti assim que Byun terminou comigo. Apesar de tudo, eu sei que ela se importa, porque sempre aparece para me dar sermão. É por isso que o Taehyung sempre nos vê discutindo. Mas eu sei que não vamos mais voltar a ficar juntos graças as minhas escolhas. E a nossa última discussão foi a pior de todas, porque... porque... – Jungkook abaixou o tom de voz e disse algo que eu não consegui compreender.

- O que foi? – Tentei o encorajar, mas ele voltou a chorar e permaneceu assim por alguns minutos, se acalmando aos poucos e bebendo água.

- Eu choro não por mim, mas por vergonha de estar acabando com toda a imagem que você e outras pessoas próximas tinham de mim. Eu me viciei pelo dinheiro, pelo mundo de luxúria e na semana passada eu fiz meu primeiro trabalho como um garoto de programa de luxo. Um homem pagou para que eu transasse com ele, eu só aceitei porque ele só queria que eu fosse o ativo. Eu não tenho coragem de ser passivo, mas penso seriamente na possibilidade, já que se paga o dobro.

- Jungkook! – Segurei firme em seus ombros. – Você precisa de ajuda, está me ouvindo? Nós vamos atrás de ajuda. Você não sabe o que está fazendo mais. Se decidisse ser garoto de programa, porque é algo que você quer, tudo bem, mas você está fazendo isso apenas pelo dinheiro, assim como vende drogas apenas pelo dinheiro. Você está aceitando fazer qualquer coisa por dinheiro. Daqui a pouco, é capaz de aceitar matar por dinheiro. Você tem noção da gravidade disso?

O mais novo explodiu em um choro dolorido e implorava para que eu não contasse aos seus pais.

- Se eu for me tratar, todos vão saber, meus pais vão saber. Eu não quero que eles saibam, eu não quero que eles vejam que eu fracassei como filho. Eu não posso fazer isso com eles. Eu não posso, hyung! – Me apertava forte enquanto desabava nos meus braços. – Por favor, hyung! Eles não podem saber! Eles não podem! Eles não podem!

Jungkook estava histérico, gritava, chorava alto e pedia por ajuda ao mesmo tempo que dizia que não poderia ter ajuda, que não merecia ser ajudado. Sua mente estava um completo caos.

- Eu não vou te deixar sozinho, ouviu bem? – Disse quando ele estava um pouco mais calmo e apenas fungava. O ergui com cuidado, tirando seu rosto de meu colo, apenas para colocar as mãos em cada lado de sua face, o fazendo olhar em meus olhos. – Presta atenção, você vai fazer o que eu falar agora. Você vai sair do apartamento próximo da faculdade e vai vir morar comigo, a casa não é grande, mas você pode dormir na sala ou aqui no meu quarto. Vou pedir para que Yoongi e Taehyung se revezem para te levar e buscar na faculdade, para que não saia por aí fazendo besteira. Vamos atrás de ajuda médica e vou te auxiliar em todo o seu tratamento.

- Hyung...

- Escuta aqui! Você não é um fardo e você merece sim ajuda! Você apenas se deixou levar e tomou decisões erradas, mas esse é o tipo de batalha que não se vence sozinho. Você tem pessoas que te amam e se importam com você e nós cuidamos uns dos outros. Todos nós estamos fodidos, o mundo nos coloca para baixo o tempo todo, sempre achamos que somos inferiores, que somos incapazes, que não merecemos o que conquistamos, mas nós somos mais do que o mundo atribui a nós. Somos fortes, Jungkook. E você é a minha família, não se abandona a família. Eu acredito em você e você vai se reerguer me ouviu? Nós vamos nos reerguer. Eu, você e o Yoongi, porque temos o direito de sermos felizes sendo quem somos. Temos que nos orgulhar de nós. Vamos fazer isso juntos?

Jungkook carregava um semblante pesado e dolorido, sua respiração estava descompassada e ele parecia fazer força para conseguir falar.

- S-s-sim. Eu vou m-me e-esforçar hy-hy-hyung.

- Eu te prometo que tudo vai ficar bem, Kook. Eu te prometo.

Beijei o topo de sua cabeça e o abracei forte, tentando lhe dar conforto e lhe passar confiança, embora eu não soubesse exatamente como ajudá-lo, mas eu iria tentar até conseguir.  


Notas Finais


MOMENTOS DRAMÁÁÁÁTICOS!!!!
Bom, mas o que esperar de uma fanfic de drama e romance, não é mesmo??? kkkkkkkkkkkk

Mas calma que ainda tem algumas reviravoltas pela frente, mais confusões com Park Jimin (Namjoon e Hoseok que se cuidem), teremos mais Taehyung, mais lágrimas, mais sorrisos e será que Yoonjin finalmente vai ter sua primeira noite de amor? Ou será que algo vai acontecer? #suspense

Eu demoro, mas eu posto! xD

Obrigada ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...