1. Spirit Fanfics >
  2. My Sister's Friend - HOT - Park Jisung - NCT >
  3. Capítulo 09

História My Sister's Friend - HOT - Park Jisung - NCT - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Oiê meu povo. Como estão? Trouxe mais um capítulo pra vocêsssss! 😋❤

Eu nem vou entrar em detalhes, porque sinceramente, o capítulo já diz por si só. Vamos ver no que vai dar?

📌 Lembrando que todos os personagens desta história são maiores de idade.

Simbora! 😋🔥

Capítulo 9 - Capítulo 09


Fanfic / Fanfiction My Sister's Friend - HOT - Park Jisung - NCT - Capítulo 9 - Capítulo 09

Jisung

Andar pelos corredores com esse sorriso bobo no rosto entrega o quanto estou feliz. Pensar em S/N me deixa assim: leve, alegre, em paz.

Fiz a caminhada até em casa, sem tirar o sorriso dos lábios, e quando abri a porta da frente, dei de cara com Lisa, que estava saindo da cozinha com um pote de pipocas. Ela franziu o cenho, me olhou de cima a baixo, mas não disse nada, pois subi apressadamente para tomar um banho, já que me encontraria com S/N em pouco tempo.

Após o longo banho, adentrei meu quarto e vesti uma calça jeans clara, uma camisa branca e minha jaqueta jeans clara. Me olhei no espelho arrumando a gola da jaqueta e acabei me distraindo quando momentos com S/N invadiram minha mente.

- Aonde você vai tão cheiroso e arrumado? - A voz de Lisa me despertou dos pensamentos. Olhei para ela através do espelho.

- Vou sair. - Dei de ombros pegando minha carteira em cima do criado-mudo.

- Com quem? - Lisa estreitou os olhos com um sorriso malicioso nos lábios.

- Isso importa? - Rolei os olhos, me dirigindo até a porta do quarto, mas fui barrado por Lisa.

- Está indo para um encontro? - Ergueu uma das sobrancelhas. - Qual é o nome dela? Eu conheço? - Disparou as perguntas, curiosa. Ri soprado.

- Não enche! - Consegui passar, me livrando de Lisa, que permaneceu no meu quarto.

- Divirta-se, garanhão! - Lisa disse entre os risos.

Era só o que me faltava: ser zoado pela própria irmã. Pelo menos ela não sabe que estou indo me encontrar com S/N; assim, o problema fica menor.

°•°•°•°•°•°•°

S/N

- E aquele careca que estava na nossa frente? Ele não parava de roncar! - Jisung comentou entre risos.

- Isso porque você não tinha uma criança chutando sua cadeira sem parar. - Rolei os olhos com a lembrança, procurando minhas chaves dentro da bolsa.

Nos aproximamos da porta da minha casa, mas antes que eu pudesse pôr a chave na fechadura, Jisung me puxou pela cintura, colando nossos corpos um no outro. Sorri com a ação inesperada e envolvi meus braços em seu pescoço.

- Me diverti muito hoje. - Dei um sorriso de canto.

- Eu também. - Jisung me encarava com um sorriso largo.

Nos aproximamos lentamente, atraídos; nossa respiração enrolava-se uma na outra e antes que eu pudesse sentir seus lábios nos meus, a porta da frente de casa foi aberta.

- Imaginei que fosse você, filha! - A voz da minha mãe invadiu meus ouvidos, fazendo eu me afastar de Jisung na mesma hora.

- Mãe? Pensei que já estivesse dormindo. - Suspirei, alternando o olhar entre ela e Jisung, que estava com as mãos no bolso da jaqueta jeans.

- Ah, você deve ser o Vernon, certo? - Minha mãe indagou com um sorriso doce. - Entre! Fiz bolo de chocolate e está uma delícia. - Minha mãe abriu passagem para que ele passasse, mas no instante que Jisung abriu a boca, cortei-o.

- Não dá mãe, ele tem que ir pra casa porque... - Pensei em uma desculpa, recebendo um olhar confuso de Jisung. - A irmã dele está esperando. - Dei um sorriso em linha reta.

- Na verdade... - Jisung sorriu. - Acho que ela pode esperar um pouco mais, não acha? - Me encarou com a sobrancelha erguida, adentrando minha casa com minha mãe.

Será que pode piorar?

Fechei a porta atrás de mim e me dirigi à cozinha, encontrando minha mãe e Jisung rindo, enquanto ela servia um pedaço de bolo a ele.

- E o que você gosta de fazer, Vernon? - Minha mãe indagou curiosa, com a animação evidente. Jisung deu um gole em sua xícara de café, pensativo. Me dirigi ao balcão, pegando uma para mim também.

- Gosto de jogar basquete, assistir filmes. - Deu de ombros.

- E pensa em casar, ter filhos? - Me engasguei com o café, fazendo Jisung soltar uma risadinha, divertindo-se com a situação.

- Mãe, já passou da sua hora de dormir, não acha? - Falei entredentes. - Deixa eu ficar os últimos minutos a sós com o... - Engoli em seco. - Vernon.

- Tudo bem. - Minha mãe assentiu, levantando-se da cadeira. - Mas vê se aparece mais aqui em casa, Vernon. Na próxima, farei um almoço. - Minha mãe sorriu. - Boa noite. - Acenou, dirigindo-se às escadas, fazendo eu acompanhar seus movimentos. Jisung pigarreou, chamando minha atenção.

- Pode me explicar? - Ergueu uma das sobrancelhas, com o semblante sério. - Sua mãe não conhece o Vernon? Por que me apresentou como ele?

- Jisung... - Suspirei. - É mais difícil do que pensa. - Engoli em seco.

- Me conta! - Jisung elevou seu tom de voz. - O que é tão difícil que não consegue resolver sozinha? Eu posso ajudar, eu... - Interrompi sua frase.

- Não. - Franzi o cenho, perdida com a situação. - Vou resolver isso sozinha. - Suspirei. Jisung colocou-se de pé, segurando meu rosto entre as mãos.

- Termina com o Vernon, fica comigo. Você não gosta dele! - A voz de Jisung era doce, mas me atingiu de forma intensa. Uma lágrima insistente rolou pela minha bochecha, fazendo eu umedecer os lábios, e suspirar, ganhando coragem.

- E quem disse que eu gosto de você, Jisung? - As palavras duras saíram da minha boca, cortando tudo o que via pela frente. Jisung afastou-se de mim com o cenho franzido e a boca levemente aberta.

- O que? - Ele estava perplexo.

- Nós só transamos, certo? Um caso de duas noites no máximo, uh? - Funguei, enxugando as lágrimas do rosto. - Acho que você se enganou e...

- É. - Jisung me cortou, engolindo em seco ao me encarar. - Me enganei. - Saiu da cozinha apressadamente.

Será que fiz uma péssima escolha? O que estou fazendo? O arrependimento bateu, então corri até a sala, atrás de Jisung.

- Jisung, espera! Eu não... - Fui cortada.

- Não S/N, você está certa. - Jisung me encarou e pude ver a mágoa presente nos seus olhos. - Eu me enganei demais ao pensar que algum dia daríamos certo. Foi um erro, mas não se preocupe, Lisa não ficará sabendo; pelo menos não da minha parte. - Lágrimas rolavam pelo meu rosto e não consegui contê-las. Jisung me encarou pela última vez, antes de sair e bater a porta atrás de si. - Boa noite, S/N.

Fiquei parada no meio da sala, encarando a porta fechada, pensando na burrice que acabei de fazer. Gosto muito de Jisung, mas as vezes, é melhor fazermos certas escolhas, para não magoarmos outras pessoas.

°•°•°•°•°•°•°

O dia seguinte estava sendo uma droga, pois assim que cheguei, não vi Jisung, então não consegui conversar com ele sobre ontem à noite, me desculpar, talvez contar a verdade para ele, então as aulas se passavam sobre os meus olhos e eu não prestava atenção, pois estava perdida em pensamentos. Senti alguém me cutucar, chamando minha atenção.

- Hãn? - Indaguei perdida, tentando descobrir quem foi.

- Lixa de unha, sabe? - Ella deu uma risada nasalada. - Você tem?

- Ah, sim. - Assenti, ainda perdida. - Pode pegar na minha mochila. - Apontei com o queixo para a bolsa em cima da cadeira.

Estávamos em horário de almoço, mas optei em não arredar o pé daqui, pois seria obrigada a ficar com Vernon e caso eu encontre Jisung, o caos seria instalado.

- O que é isso? - Ella indagou curiosa, chamando a atenção de Lisa e Hana.

- Eu sabia! - Lisa gargalhou, chamando minha atenção. Arregalei os olhos ao ver que ela estava com meu anticoncepcional entre os dedos.

- Então quer dizer que anda se acalmando, uh? - Hana implicou, fazendo eu revirar os olhos.

- Me devolve isso. - Puxei o remédio da mão de Lisa, guardando-o de volta na mochila.

- Conta tudo pra gente! - Ella pediu, fazendo as outras garotas se aproximarem de mim.

- Contar o que? Não tenho nada para contar. - Guardei meu material. Preciso me livrar dessa conversa.

- Agora a bonita vai fazer a egípcia? - Lisa cruzou os braços, caminhando atrás de mim.

- Não tem nada a ver. Vocês estão enlouquecendo. - Abri a porta da sala, mas não saí por causa do que Lisa disse em seguida.

- Então olha nos meus olhos e diz que não transou com ninguém nos últimos 7 dias. - Girei sobre os calcanhares e encarei seus olhos. Como direi que não transei se meu rosto queima só de pensar em Jisung?

- Eu sabia! - Lisa gargalhou com as outras meninas. - Só precisamos saber quem é que domou a...

Tentei fugir daquela sala, na tentativa de evitar o assunto, mas fui impedida quando trombei contra um corpo esguio.

- Vernon. - Me espantei ao encarar seus olhos intensos.

- Foi com ele? Eu sabia que... - Lisa interrompeu sua frase quando percebeu que Vernon estava ali.

- Boa tarde, gatinha. - Vernon deu um sorriso de canto. - O que acha de almoçarmos juntos, uh?

- Não vai dar, eu prometi para as meninas que... - Tentei argumentar contra a ideia de Vernon, mas ele insistiu.

- Elas podem vir também. - Arqueou as duas sobrancelhas, de forma sugestiva.

- Eu... - Pensei em alguma forma de escapar.

- Vamos logo, estou faminta. - Hana avisou, nos empurrando para fora da sala.

Tentei evitar um problema, mas ele veio atrás de mim, então só espero que os dois problemas não se encontrem ou o caos estará feito.

Nos dirigimos até o refeitório, mas antes que adentrassemos o mesmo, Vernon pegou na minha mão, me surpreendendo. Assim que passamos pelas portas, alguns olhares curiosos puseram-se em nós, então tudo o que fiz foi abaixar a cabeça, olhando para os pés.

Nos sentamos em uma mesa localizada no centro do refeitório e Vernon foi buscar uma bandeja com comida para mim, mas não conseguia comer; não ciente do que fiz com Jisung. Vernon, por outro lado, agia de forma natural, ou melhor, o que pensam que é seu natural.

- Experimenta esse enroladinho. Está muito gostoso. - Ergueu seu hashi com o petisco para mim, tentando fazer uma cena de casal em público. Pensei em rejeitar, mas pelo olhar dele, um arrepio percorreu meu corpo, então aceitei, forçando um sorriso em seguida.

Senti minha nuca queimar, pois um par de olhos estava sobre mim, então varri o olhar pelo refeitório, de forma disfarçada, até encontrar com os olhos dele; os olhos do menino que tira minhas noites de sono, que faz eu me sentir desejada, e também, a pessoa que afastei de mim.

Jisung me encarava com uma cara nada boa, mas não sabia o que dizer ou fazer, não aqui, não em público. Jisung balançou a cabeça negativamente e levantou de sua cadeira na mesma hora, dirigindo-se para fora do refeitório.

- Hãn... Vou ao banheiro! - Avisei e levantei da cadeira, indo atrás de Jisung. Por sorte, o encontrei no corredor, caminhando para longe do refeitório.

- Jisung! - O chamei, mas o mesmo me ignorou, seguindo sua caminhada. - Jisung! - Acelerei os passos e quando o alcancei, puxei seu braço, fazendo ele virar-se de frente para mim. - Estou falando com você.

- Eu sei, eu ouvi. Todas as vezes. - Travou seu maxilar. - Se eu não lhe atendi na primeira, por que ainda está insistindo?

- Por que está me tratando assim? - Franzi o cenho. Tentei tocá-lo, mas ele afastou-se, recuando do meu toque.

- Você está brincando, né!? - Deu uma risada incrédula. - Esqueceu o que disse ontem ou ele fez uma abdução na sua cabeça? - Apontou com o queixo na direção do refeitório, referindo-se a Vernon.

- Eu sei muito bem o que disse ontem, Jisung. - Suspirei. - Você não entende, eu...

- Não entendo, porque você não quer que eu entenda. - Estreitou os olhos para mim, enfatizando. - Sou apenas dois anos mais novo que você S/N, então, não tente me tratar como uma criança, dizendo que eu não entenderia seu lado. Você deveria achar isso do Vernon, menos de mim. Porra! - Puxou os cabelos para trás. - Eu acreditei mesmo que tivéssemos... - Jisung interrompeu sua frase ao meio, olhando para um ponto atrás de mim.

Franzi o cenho, sem entender, então Jisung deu as costas para mim, afastando-se, tentei correr atrás dele, mas alguém segurou meu pulso.

- Aonde você vai? - Era Vernon.

- Me solta! Eu preciso... - Tentei me soltar dele.

- Precisa de que? - Vernon estreitou os olhos. - Precisa foder com ele no vestiário outra vez? - Cuspiu as palavras na minha cara.

- O que? - Indaguei sem acreditar no que ele dissera.

- Achou mesmo que eu não descobriria? - Riu soprado, balançando a cabeça negativamente. - Vou te dar uma última chance. - Umedeceu os lábios. - Caso continue fazendo o que bem entende, pode esquecer da...

- Já entendi. - Cortei-o, engolindo em seco.

- Que bom. - Vernon deu um sorrisinho de canto. - Vamos voltar para o refeitório. - Me puxou pela mão, arrastando-me de volta para lá.

Amar alguém é mais do que um sentimento forte; é uma decisão, um julgamento, uma promessa. É entregar-se sem garantias. Jisung não está longe desse sentimento, sinto que poderia viver ao seu lado eternamente.

Nossa história não é melhor do que qualquer livro ou filme de romance; é uma história imperfeita, bem clichê, com muitos erros e decisões equivocadas, mas eu senti de verdade, era tudo de verdade.

Será que foi um erro?

[...]


Notas Finais


Olha, foi isso gente KKKKKKKKK o que acharam? Me contem suas teoriassss 😏🔥

As coisas estão começando a se revelar, então segurem seus forninhos porque a tendência é piorar cada vez mais!!! KAKAAKAKAKAAKAKAKAKAAKAKAKAKAKAAKAKA 😂😭✊

Até o próximo capítulo, guyssss! ❤😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...