1. Spirit Fanfics >
  2. My sweet bitch (jikook) >
  3. .Strangely irresistible(pt1).

História My sweet bitch (jikook) - Capítulo 16


Escrita por:


Capítulo 16 - .Strangely irresistible(pt1).


Fanfic / Fanfiction My sweet bitch (jikook) - Capítulo 16 - .Strangely irresistible(pt1).

                    @Jungkook 

Eu não sabia dizer o quanto mas era fato que era infinito o meu gosto pela música, e tudo parecia vir com ainda mais força quando encontrava um significado na letra, significados marcam histórias e eu estava decidido a marcar a vida de Jimin enquanto ela estivesse enlaçada na minha, mesmo que por pouco tempo. 

No final do nosso período de trabalho que para mim era "esporádico" partimos para o novo apartamento do park, no meio do caminho paramos pra comprar comida e uma garrafa de um bom vinho para brindarmos juntos, hoje a noite será unicamente e exclusivamente nossa. Até então o percurso fora silencioso até a nossa chegada no apartamento, fomos logo subindo eu com as sacolas de comida e Jimin com o vinho, já era tarde da noite, a essa altura, Seoul começava a ficar fria, e eu adorava esse clima mais frio sempre bem acompanhado de um martini,  em meu escritório no silêncio da mansão Jeon. O clima luxuoso daquela casa era sempre assim, pesado, frio e vazio, todos os dias do ano, sem o calor humano emanando de nossos corpos junto aos amantes, mesmo os casais dessa família são tão vazios e ocos quanto os solteiros. 

-Fique a vontade, me dê aqui as comidas que eu vou por no micro-ondas. -Fui desperto pelos dedinhos do Park deslizando sobre os meus em um contato mínimo a fim de tomar as sacolas de minhas mãos. 

-Tem som aqui? -Vasculhei o cômodo com o olhar afiado na decoração do lugar, tudo muito bem limpo e organizado, mobília em tons pastéis mistos a tons frios deixando o apartamento aconchegante e sofisticado, tudo tinha um cheirinho de lavanda misto ao cheiro do ômega, aquilo atiçava meus sentidos me deixando quente antes da hora.

-Pode conectar via bluetooth na tv. -Elevou o tom de voz para que eu pudesse escutá-lo da cozinha, enquanto eu o fazia logo o ruivinho apareceu com um balde cheio de gelo e a garrafa de vinho tinto no recipiente. - Qual é a da música? 

-Eu gosto de uma boa música...-Dei play em meu aparelho deixando a sala ser invadida pelo som baixo de "O ficar e o ir da gente", plutão já foi planeta. Estranhei ser observado pelo outro de forma...peculiar digamos assim. -Porque me olha assim?

-Não imaginava que gostava de mpb. -Abriu o vinho despejando o líquido vermelho em nossas taças, sentou-se ao meu lado no carpete pêssego me entregando uma das taças. -É um estilo tão leve para um Jeon. 

-Bingo! -Rimos um da cara do outro, Jimin era tão sem filtro e isso era tão, tão...ele. -Mas então, como anda sua vida pessoal? Se é que me permite saber. 

-Oque você classifica como pessoal? -Levou aos lábios bonitos a taça provando do líquido um tanto doce com um leve amargar ao final do gosto. -Faz tão pouco tempo que comecei a trabalhar em sua empresa, mas mesmo assim se tornou a minha única ocupação. 

-Sério isso? -Era surpreendente como apesar de jovem, Jimin se preocupava primeiro com os detalhes de mais responsabilidade de sua vida, uma pena. -Jimin, você não namora? Sei lá, não transa mesmo que casualmente? 

-C-como? -O ruivinho quase cuspiu o vinho me olhando um tanto quanto tímido. 

-Vai me disser que você passa seus cios sozinho?...-Para mim era uma hipótese descartável. Jimin é um ômega quente, bonito e sem frescuras, era inimaginável que não tivesse um alfa para satisfazê-lo. 

-Acredite, é por escolha. -Ressaltou se desfazendo do sobretudo de seu torno o qual eu percebi que nem ao menos tiramos quando chegamos. -Nunca apareceu um Alfa que fosse no mínimo interessante.

-Oque você define como interessante? -Disparei repetindo o mesmo processo que o outro, me mantendo apenas de camisa social com as mangas dobradas até os cotovelos e alguns botões abertos. 

-A maioria dos Alfas é tão...idiota. -Deslizou a ponta dos dedos com graça pela borda da taça. -Se acham os dominantes, sensacionais na cama, tem um senso de grandeza muito grande. -Tomou mais um gole de sua bebida, o olhar dele parecia se intensificar cada vez mais, isso estava me deixando...estranho? -Sabe oque eles representam para mim, Jeon? -Me questionou direcionando o seu olhar direto aos meus, eu não aguentei e desviei o olhar negando. Fui surpreendido com o rosto bonito perto de mais, sua mão esquerda repousada ao lado de meu corpo diminuindo o espaço entre nós mas ao mesmo tempo sem me tocar. -Oque foi? Tem medo de olhar nos meus olhos e acabar confirmando? Confirmando que tanto você quanto o outros são meros objetos nas mãos de um ômega? Por que é isso oque Alfas são pra mim, Jeon, eles são objetos de satisfação. 


                   @Park Jimin

Quando aqueles olhos de jabuticaba olharam para mim pela primeira vez eu soube, soube ali mesmo que Jeon seria um grande problema infiltrado em minha vida, sabia que ele iria se arrastar por ela como uma cobra sorrateira em busca da presa, poderia ser só fantasia da minha cabeça, mas os meus sentidos de sobrevivência sempre foram muito aguçados. Farejava o perigo de onde ele estivesse estando três paços a frente, sempre, nesse caso não era tão diferente. O cheiro de Jeon transmitia perigo, me ameaçava e eu odiava me sentir ameaçado. Jeon Jungkook agora era um caso perdido em minhas mãos, antes que qualquer coisa possa acontecer eu vou agir com a razão, vou desarmar essa família, porque se ele ou a senhora Lee pensam que eu sou tão ingênuo assim, estão redondamente enganados. 

Senhora Lee...ela nem de longe era só uma velhinha simpática, a velha poderia ser uma ótima atriz mas era péssima em esconder o seu cheiro ameaçador do meu faro impecável. Eles estão sondando a mim e a minha mãe, eu preciso agir com cautela pra me proteger. Os Jeon's são peixes grandes, fica fácil de pegar na rede.

-J-Jimin...-Gemeu fraquinho, entregue aos meus toques dominantes. Jeon estava deitado sobre o meu carpete cor vinho me abrigando ao meio de suas pernas abertas que me apertavam toda vez que eu lhe acariciava em um lugar sensível, dedilhei o abdômen alheio por cima dos malditos botões da camisa social, aquela peça já estava me irritando. Estávamos em uma situação quente, ele me olhava de baixo com os olhos pidões de um cachorrinho que deseja atenção e eu o encarava de volta exibindo o meu olhar predador e dominante em tons caramelados.

-Gosta de dançar com o perigo, Jeon? -Ressonei alto e firme perdendo a paciência com a camisa do outro, segurando no decote que se formou em conta dos botões abertos da rasquei ao meio com uma facilidade absurda assustando o moreno. Me curvei sobre o seu corpo tocando a superfície da língua contra o abdômen trincado, sentindo Jeon sobressaltar abaixo de mim, deslizei o tecido quente de baixo a cima de vagar em direção ao seu mamilo esquerdo onde precionei. 

-Ah...dançar? -Os cabelos crescidos do moreno caíam sobre os olhos manhosos grudando na testa já suada pela tenção. Inimaginável que um rostinho tão bonito desse fosse um péssimo caráter, uma boca tão bonita dessa, com uma pintinha em baixo dos lábios fininhos e bem desenhados só derramavam o veneno de suas mentiras.

Dedilhei as coxas fortes apertando com firmeza aquela área que eu queria tanto beijar e marcar, não segurando o impulso de mordiscar o mamilo do moreno sendo atiçado  pelos gemidinhos  dengosos que abandonavam a boca sem freios, sendo acompanhados pela música sensual que rodava.

Era perfeita pro momento, o momento tão esperado por ele mesmo que o moreno não se desse conta disso. Abandonei o seu mamilo levando os lábios provocantes para sussurrar rente aos alheios com mínimo de contato possível, era agora ou nunca.

-Você gosta quando eu faço assim? -Dei uma reboladinha friquicionando nossos íntimos um no outro criando um atrito contra o corpo alheio recebendo de volta um revirar de olhos ao meio das lufadas de ar sem controle. -E assim? -Sem esperar qualquer resposta abandonei o contato dentre suas pernas para virar o corpo grande de costas para mim rapidamente após puxá-lo pelo braço. Encaixei o quadril atrás das nadegas fartas antes de investir contra, dedilhando o pau consideravelmente grande, enrijecido por cima da calça.

-J-Ji...-Trouxe os braços fortes alheios para trás o puxando contra o meu peito lhe permitindo empina-se contra o meu pau gotejante preso pelo tecido da calça, levei o braço esquerdo para envolver o pescoço bonito do moreno pondo um pouco de pressão para sufoca-lo minimamente. -Eu não aguento mais...por favor...

-Me diga oque você quer, Jeon. -Deslizei a mão direita pelo abdômen alheio em busca do cinto o qual logo retirei mantendo em mãos. Próximo do ouvido alheio eu permaneci sussurrando coisas sujas enquanto investia contra a bunda alheia imitando falsas estocadas. -Se você for um bom garoto eu até posso te dar uma surra com esse cinto. -Levei o cinto ao seu campo de visão para mostrar que estava falando sério. -Você gosta, não gosta? É uma putinha que gosta de apanhar, eu sei.

-Minnie...-E rebolou com vontade sobre o meu pau coberto como uma boa cadelinha. -Ji...por favor, me mate até eu não aguentar mais!




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...