História My Sweet Psychosis - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias 2NE1, B.A.P, Bangtan Boys (BTS), Big Bang, BLANC7, Block B
Personagens Bang Yongguk, B-Bomb, Cl, D.L, Daehyun, D-Lite (Daesung), G-Dragon, Himchan, Jaehyo, Jean Paul, J-hope, Jimin, Jin, Jongup, Jungkook, K-Kid, Kyung, Minji, P.O., Personagens Originais, Rap Monster, Seungri, Suga, T.O.P, Taeil, Taeyang, Taichi, U-Kwon, V, Youngjae, Zelo, Zico
Tags 2ne1, Big Bang, Blanc7, Block B, Bts, Drama, Drogas, Gangster, Gangue, Hoseok, Jean Paul, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, K-kid, Máfia, Minzy, Namjoon, Park Jimin, Perseguição, Psicopata, Rap Monster, Romance, Seokjin, Stalker, Suga, Taehyung, Taichi, Terror, Top, Trafico, Yoongi, Zico
Visualizações 191
Palavras 1.686
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom,eu espero que não tenha ficado rápido demais ou ruim.
Espero que gostem.
Boa leitura.

Capítulo 11 - Eu não acredito em você!


Fanfic / Fanfiction My Sweet Psychosis - Capítulo 11 - Eu não acredito em você!

P.O.V Yoongi

Aqui estou eu...do lado de fora de um bar esperando que minha vítima saía.

Um tipo de apostador de cavalos que está devendo para meu chefe.

Olho paro meu relógio, já ficando impaciente.

Resolvi entrar no bar por falta de paciência. 

E lá estava ele, rindo para algumas moças, que visivelmente estavam incomodadas. Nojento. Minha vontade era de entrar e apenas atirar nele e sair tranquilamente, como eu fiz com aquele tal de Jaehyo que devia 155 milhões de dólares para o chefe .

Fui em direção ao banco vazio e sentei ao seu lado.

— O que deseja? — o garçom pergunta.

— Um vinho, o mais caro que tiver.

— Sim senhor, é pra já. — saiu.

— Gosta de vinhos? — a minha "vítima" pergunta sem olhar para mim. Percebo que ele estava com uma taça na mão tomando vinho.

— Sim, bastante. — dei um falso sorriso. — Pelo visto o senhor também. — apontei para sua taça que estava com metade do líquido.

— Ah sim, eu sou um amante do vinho. — sorriu de volta.

— Você é daqueles tipos de peritos sobre vinho? — fingi interesse.

— É, não sou tão perito, mas entendo muita coisa sobre o assunto.

— Hum... — não dei muita bola. Fingir não estar interessado é a melhor armadilha.

Se passou alguns segundos de absoluto silêncio, pensei até que eu tinha falhado na minha tática ate que...

— Aqui está senho — -o garçom apareceu.

— Obrigado.— sorri sem mostrar os dentes.

— Eu também gosto muito de cavalos... — disse quebrando o silêncio entre nós.

— Cavalos é? Interessante. — vai ser tão fácil, ele está indo de acordo com o meu plano. Ouvi dizer que ele gosta de mulheres e homens. E ele já está conversando comigo logo de cara, é como tirar um doce de uma criança.

— Sim, adoro apostar em corridas. Meu dinheiro vai todo para isso.

— Você por acaso é rico?

— Digamos que sim. — se aproximou de mim e eu pude sentir seu bafo de álcool. — Só gasto meu dinheiro com coisas que eu realmente gosto.

(...)

Conversamos por um tempo. Ele ficou falando sobre seus carros luxuosos,casas de praias,apartamentos caros. O quando sua vida era cara. Essas coisas de pessoas patéticas que acham que podem comprar as outras pessoas com seus carros e coisas caras. Talvez ele ache que eu sou um tipo de "Jovem interesseiro",se ele acha que esse papel coube a mim,o de trouxa é perfeito para ele. Eu podia ser qualquer um e roubar seu dinheiro em um estalar de dedos. Velho burro!

(...)

— Do que você gosta? — me encarou com um olhar que eu posso dizer que seria um tanto quanto malicioso. Finalmente posso falar de mim.

— Eu? Ah, eu gosto de caras mais velhos. — sorri de canto.

— Olha, hoje é seu dia de sorte. Eu sou um cara mais velho. — continuava com um olhar e um sorriso maldoso sobre mim.

— Garçom traga a conta para mim?

— Aqui está senhor. — disse o garçom me entregando o papel.

— Pode colocar na minha conta, eu venho pagar amanhã como o prometido. — disse o cara. Será triste pelo garçom perder seu dinheiro. Já que mortos não pagam contas.

— Está tudo bem pra você eu pagar

— Está ótimo. — respondi sem dar muita expressão. 

— Então...eu gostei de você, você não quer ir para um lugar reservado? Pra você sabe... — sussurrou ao pé do meu ouvido. — Nos conhecermos melhor.  

— Claro. — dei um sorriso. Já estava chata essa coisa de ter que ficar sorrindo toda hora. Eu odeio fazer esse papel. — Mas você não acha que estamos indo rápido demais?

— Eu não acho, mas se você não quiser.... — o interrompo.

— Eu quero! — segurei seu braço e ele sorriu.

— Garçom, vamos levar a garrafa. — disse ele sorrindo brincalhão para mim.

— Sim senhor, vou buscar. — ele respondeu.

— Sabe adoro garotos como você. — disse.

— Como eu?

— Branquinho, um pouco baixo, bochechas rosadas... — sorriu. Seu sorriso parecia de um lobo que acabara de achar sua presa.

E em alguns minutos o garçom chegou.

(...)

Saímos do bar e fomos direto para um hotel no qual ele estava hospedado.

Subimos para seu quarto. E "uau" esse velho gasta o dinheiro que ele não tem.

Ele abriu a porta para que eu entrasse.

— Eu ouvi dizer que muitas pessoas que apostam em cavalos devem para traficantes... — quebro o silêncio entrando no quarto olhando para tudo, cada detalhe luxuoso. Mas não toquei em nada. Mesmo estando de luvas prefiro manter a risca para que nada dê errado. As câmera só viram metade do meu rosto. Pois assim que eu saí do bar coloquei uma máscara. E meu cabelo estava bem no olho. Acho que qualquer desconfiança será difícil de me achar. Eu estive na cadeia 3 vezes posso muito bem sair mais uma.

— Esse não é  meu caso, não preciso de dinheiro emprestado. — mentiu. 

Talvez ele quisesse me impressionar. Afinal ele nunca imaginaria que um jovem "sedutor" como eu foi contratado para mata-lo. Talvez ele ache que eu sou um garoto de programa por isso a facilidade de me trazer pra cama. Ele pensaria tudo,menos que eu sou um assassino.

— Meu pai apostava em cavalos... — menti. — E ele ficou devendo para um traficante. Esse mesmo traficante o matou tempos depois.

— Sinto muito.

— Ainda posso me lembrar do nome dele, "Dragon".-pude ver seu corpo estremecer e ele engolir a seco.

— G-G-Dragon? — gaguejou.

— Você o conhece? — o encarei.

— T-talvez eu já tenho ouvido falar. — seu nervosismo era nítido. Quase deixei escapar um risinho.

— Por quem? — fiz uma voz manhosa. Isso era ridículo e na minha opinião irritante. 

— Vamos parar de assunto aleatórios!você não lembra por que a gente veio para cá? — me abraçou por trás.

— Sim. — solto uma risadinha.

— Então não vamos ficar falando sobre essas coisas.

— Você não percebeu, não é? — soltei um rosinho.

— O que? — começou a beijar meu pescoço lentamente. Isso estava me dando nos nervos.

— Você é realmente estúpido velho! — dei uma cotovelada no tórax e depois um chute no meio de suas pernas. — Dragon me mandou aqui.

— C-como? Eu não sei do que está falando. — dizia com dificuldade.

— Não se faça de idiota, você sabe o que deve!

— Você é um matador de aluguel?

— Uau, você não é tão burro quanto eu pensei que fosse. — digo tirando a arma da minha cintura.

— É assim que você faz? Seduz as pessoas e depois as mata?

— Eu não seduzi você! Você que é um velho pervertido. Um tarado que gosta de garotos novos... tenho nojo de você...só fiz isso para me divertir um pouco com sua cara, e bom, os boatos eram reais, você realmente é um viadinho de merda! — dei um chute nele que fez o mesmo cair no chão.

— O mundo não precisa de pessoas como você. — pisei em seu peitoral e apontei uma arma para seu rosto.

— Eu posso pagar! — suplicou. 

— Ah, pode? Não se preocupe nos já pegamos o dinhiero da sua conta.

— Então por que ainda quer me matar?

— Você já ouviu aquele ditado "agora é tarde"? É assim que as coisas funcionam para o chefe! — pisei mais forte e o mesmo soltou um pequeno gemido de dor. — Ou paga no praso ou morre, e ainda zeramos sua conta. 

— Não por favor, eu tenho uma mulher e um filho! — disse chorando.

— Devia ter pensando neles antes de sair com garotos e apostar a vida de vocês em cavalos. — quando eu ia apertar o gatilho...

— Não! — implorou.

— Olha, você está dificultando as coisas para mim. — limpo o suor do meu rosto. — Como eu sou bonzinho vou deixar que você falar suas últimas palavras. — comecei a rir.

— VAI PRO INFERNO SEU DESGRAÇADO! — ele cospiu em meu rosto. Meu sangue estava em borbulhas de tão quente. 

— Nos vemos lá, seu merda — logo após atirei. — Ops, foi mal, o dedo escorregou.

(...)

Depois disso, saí pela escada de incêndio com todo cuidado para que ninguém me visse.

Senti meu celular vibrar. Pego o mesmo e vejo que a várias chamadas perdidas de S/n.

Começo a ficar preocupado. S/n nunca me liga, isso é estranho. 

Yoona devia ter me ligado hoje de manhã...e até agora nada. Não estou tendo um bom pressentimento sobre isso.

Sinto meu celular vibrar novamente. Pego e entendo meu celular.

Ligação On

— S/n? Está tudo bem?

— Yoongi... — ouço ela soluçar.

— S/N?! Você está bem?

— Eu não sei... — disse com dificuldade.

— O que houve? Onde você está? Yoona está com você?

— Yoongi...

— S/n me responda! Você está me deixando preocupado.

— A Yoona ela...eu não consigo! — sua voz estava falha.

— S/n o que houve com a minha irmã? — escuto ela chorar mais forte. — S/N?!

A linha ficou silenciosa...um silêncio um tanto melancólico e amargo. Meu coração estava palpitante. 

— S/n, ainda está na linha?! S/n?

— E-ela está morta...

Meu mundo caiu.

Minha respiração ficou pesada, as palavras sumiram da minha boca, eu podia ouvir cada batimento do meu coração. Minha visão se perdeu no meio de um beco vazio. 

— Yoongi? — disse que em quase um sussuro.

N-não...você está mentindo! — eu não consigo acreditar, não pode ser verdade.

— Me escuta! Não é mentira, e-eu também queria que fosse!

— Não! Pare de brincar comigo S/n. — meus olhos já estavam cercados por lágrimas.

— Eu não estou brincando Suga. — quanto tempo eu não ouvia alguém me chamar assim...

— Eu não acredito em você! Passe pra ela agora e diga que eu não estou brincando.

— Eu não estou brincando...isso é impossível — ouço ela respirar fundo. — Eu vim para cá e achei ela morta no porão.

— O que?

— Eu estou com medo. O que eu faço?! — seu tom era desesperado.

— Chame a Polícia, eu estou indo para aí. — limpo minhas lágrimas.

— Por favor não demore. — ouço ela desligar.

Ligação Off

Eu não posso acreditar. Perdi meu único bem precioso dessa vida, minha irmã.

 Perdi a única esperança de uma familia, de eu vê-la se formando e até mesmo se casando.

Ah Yoona...

 Agora só me resta a mim mesmo. 


Notas Finais


Obg por ler,qualquer erro é só me avisar♡
★✩Leiam também:
VKook:https://spiritfanfics.com/historia/infelizmente-somos-assim-9274536
Yongguk:https://spiritfanfics.com/historia/o-preto-no-branco-9483334★✩


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...