História My Sweet Whore ( Minha Doce Prostituta) - Capítulo 31


Escrita por: ~

Visualizações 147
Palavras 2.583
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá gente! Espero que gostem deste capitulo porque eu particularmente amei! Acho que é o capitulo mais extenso que a história ja teve. Tive uma judinha de uma pessoinha para escreve-lo... mas enfim quero ver os comentarios de voces no final ein saber o que estao achando...

Capítulo 31 - Jogo das consequencias


 "Pandora"

Na manhã seguinte:

Luke desce seus lábios até meu pescoço me fazendo arrepiar e todo meu corpo se enrijecer. 

A instantes atrás Luke e eu estavamos apenas conversando a sós na extensa sala de sua mansão, havia chegado lá pelo inicio da manhã, ele estava me dizendo o porque de Archie ficar uns dias fora em Yorkshire.

- Ele está checando como andam as coisas por lá... É nossa fábricamais antiga, nos dá muito trabalho, mas me causa repulsa a idéia de desfazer-me de algo no qual demorei tanto tempo para construir- toma um gole do café que ja deveria estar frio e põe a xíxara sobre a mesa de vidro- Recebi uma carta relatando um vazamento de gás, fiquei preocupado e o mandei para lá - Céus! Era incrível como em menos de um dia sem vê-lo já sentia umasaudade ardente invadir meu peito de um jeito doloroso, o desejo de tê-lo, do seu beijo, meu corpo ficava tenso com a falta de seu toque quente e suave em minha pele, era praticamente como se meus músculos gritassem: "preciso de seus dedos insanos, a percorrer cada parte de mim para que enfim consiga me suavizar!" era a mensagem que meu corpo transimitia a mim de forma discreta - Sinto muito por não o ter dado tempo para que pudesse se despedir de ti- sentou-se ao meu lado no sofá de couro preto e depois completou dizendo -Mas vamos ao que realmente me interessa Minha Dama- disse sem rodeios, claramente estava entediado por ter que me dar tantas explicações.


Pude sentir suas mãos agarrando minha cintura e em uma fração de segundos seus lábios atacando os meus. Por um instante lembrei -me de Archie e queria encerrar o beijo, as transas, o dinheiro... Tudo com Luke. Mas sabia que não poderia fazer isso. Afinal sou incumbida de prover sustento para minha família, de uma maneira suja e ultrajante, mas ainda assim, sou responsável por eles e o que me mantém nisto é lembrar de como me senti entristecida uma vez em que minha irmã com seus pequenos olhinhos castanhos cobertos de lágrimas, perdiu-me para que fosse á padaria e lhe comprasse um pedaço de pão, recordo de checar todas minhas bolsas pe duradas e de não achar um único tostão para oferecer á pobre menina, o som da sua voz tão meiga e suave entre soluços ainda me atormenta, foi humilhante, tanto a mim quanto a ela, aquela pobre criança marginalizada pela sociedade, por ela e por meu irmão eu ainda estava naquilo, jurei a mim mesma que jamais deixaria com que aquela situação frustrante ocorresse novamente a eles enquanto ainda não tivesse entrado para o mundo dos mortos.

Subimos rapidamente as escadas em direção á algum quarto para não corremos riscos de sermos flagrados por uma empregada ou algo do tipo.


- Não quero esperar mais um segundo sequer!- diz ele chutando a porta com brutalidade.

Me agarra pelo tronco e me prensa em uma parede áspera, só então percebi que estavamos em seu enorme escritório, com as cortinas grossas pretas fechadas cobrindo as enormes janelas retangulares e tornando o ambiente um véu negro eu me sentia mais relaxada, ele começa a desamarrar meu vestido de uma maneira tão rápida e eficaz que só percebo que estou sem o tecido de cetim pois sinto em meu corpo nú o vento gelado que ultrpassa pela brecha das janelas, fazendo um arrepio percorrer meus minha pele sensitiva.


Ataco seus lábios novamente o ouvindo soltar um gemido abafado com os lábios grudados nos meus. Começo a morder o lóbulo de sua orelha, sentindo o frescor de seu perfume amadeirado grudando nos mesmos, ao longo de tantas transas eu descobrira os lugares onde continha maior sensibilidade, tiro sua camisa rapidamente revelando seu corpo nú da cintura para cima. Abro um sorriso malicioso e encaro seus olhos verdes que me deixaram totalmente absorta em sua cor, por um momento notei que seu olhar, ainda que com algumas rugas e olheiras de insônia, era o mesmo olhar envolvente de seu unico filho, Holly me veio a mente, aquela mulher graciosa, sentia como se estivesse a traindo mesmo já eatando morta, ela não merecia tanta deslealdade, novamente me pergunto :  Devo mesmo fazer isto? Mas sua barba grisalha tocando a pele sensivel de meus ombros me trouxe de volta a realidade dando-me a resposta para aquele questinamento: Sim! estava fora de meu alcançe negar algo a ele, ja que me pagava tão bem e levava víveres á mesa de minha familia todos os dias, estava submissa á aquele homem por tempo indeterminado. Afasto aqueles  pensamentos e foco novamente em levar-lhe todo o prazer que puder psiciono minhas mãos na braguilha da calça dele e encontrando um grande firmeza por lá, fazendo meu corpo todo se arrepiar.

 

Após levar as ultimas vestimentas, que encobriam o resto de seu corpo, ao chão, pego em seu membro rijo e começo a estimula-lo com uma certa avidez de uma forma afinca. Ouço ele gemer em meu ouvido enquanto encosta os lábios em meu pescoço saboreando deliciado minha pele, como se fosse o melhor pedaço de sobremesa posto sobre uma mesa.

 

 Tiro minha combinação e fico totalmente nua assim como Luke. Encosto nossos corpos e ele desliza a mão das minhas costas até as nádegas as apertando com força. Eu o deito na mesa, fazendo todos os papéis, canetas e outras coisas que nela estavam cuidadosamente organizados irem de encontro ao chão em questão de segundos e monto em cima de seu corpo, ouvindo ele dizer palavras chulas com sua voz rouca em meu ouvido.


Meu corpo desce em um ritmo lento e prazeroso fazendo Luke gemer meu nome e aperta um de meus seios.


Por um momento escuto a porta bater, mas não dou a devida atenção pois penso que outra coisa despencou da mesa, derrepente escuto uma gargalhada e palmas contínuas. Olho para o lado e vejo Nick com um sorriso triunfante nos lábios, escorado na porta que estava escancarada. Saio de cima de Luke rapidamente, caminho ainda meio aturdida e procuro meu vestido com dificuldade pelo chão escuro.

- Que bela cena! - diz ele batendo palmas feito uma foca - Pelo que vi tu tens muito mais habilidades com Luke do que mostrou a mim minha querida!

- Nick o que faz aqui?- pergunta Luke com tom de voz severo, porém uma luz fraca escapou da grossa camada de cortina revelando para mim um rosto corado de total vergonha.

- Vim chamar-lhe, meu caro amigo, para uma partida de golf, quem sabe tomar um vinho após isto, mas vejo que está muito ocupado.

- Deixe de ser mentiroso Nick! -disparo feroz contra ele - Você anda verificando cada passo que dou!

- Querida tenho mais o que fazer do que seguir uma vagabunda como você.

- Não finja que não quer foder com a minha vida Nick! 

- Quero foder com teu corpo, são coisas opostas! -argumentou ele.

 - Pois eu me nego!

- Você não tem escolha querida! - diz sorrindo maliciosamente encostando suas mãos arquerosas em meu rosto.

- Não encoste em mim seu verme - cuspo em sua cara.

 Ainda sorria enquanto limpava com a mão o guspe que grudava em seu rosto. Rapidamente segurou em meu pescoço, prendendo todo o meu ar e levantou-me pelo mesmo.

- Luke... - digo com voz fraca.

Ele apenas observava tudo em silêncio.

- Creio que seu cliente não poderá fazer nada em questão á isto minha bela!- afrouxou um pouco a mão e me pôs novamente no chão - Não é mesmo Luke?- olho pra ele implorando por socorro, mas seu olhar assustado ja me dizia a resposta - Acho que ele ainda prefere manter segredo sobre se divertir com meretrizes para seu tão amado filho, sabendo que seria cruelmente desprezado pelo mesmo, que repudia qualquer ação parecida. Não é mesmo amigo?

Luke se aproximava da porta.

- Luke!- gritei e tentei correr até ele mas fui segurada.

 Ele murmurrou algo como:

-Sinto muito! - e fechou as portas atrás de si.

Não acreditava que ele fora capaz de fazer isto comigo, me dar de bandeja para aquele canalha. 

- Parece que finalmente estamos a sós!- voltou a acariciar meu rosto.

 Me debati ao sentir suas mãos agarrarem minha cintura, tentei afastá-lo mas ele era mais forte que eu, alguns minutos depois exausta acabei cedendo contra minha vontade.

Ele beijava e mordia fortemente marcando meu pescoço, suas mãos com facilidade tiraram o vestido que já estava com o laço afrouxado.

Eu podia sentir o cheiro de cigarro colado em sua pele, e aquilo me incomodava profundamente.

Ele segurou minha mão e a guiou ate seu membro ereto começando a massagear-se, sentia nojo por tocar em seus pelos encaracolados.

Puxava meus cabelos com violência, enquanto cochichava insultos a mim que mulher alguma deveria ouvir, chupava meus mamilos, sua barba grossa encomodava a pele de meus seios deixando-a avermelhada.

Ele me jogou em cima da mesa, abriu minhas pernas e penetrou sem dó, movimentos fortes que me causaram uma dor absurda.

Ouvi cavalos trotando rapidamente e relincharem ao serem forçados a parar.

- Mas que diabos...- Nick se retirou de cima de mim e foi até a janela onde abriu uma pequena fresta.

Curiosa com aquele barulho corri ate o vidro mais proximo de mim, tomando cuidado para nao ser vista por quem quer que estivesse do lado de fora. Abri um pequeno espaço na cortina onde pude ver com clareza um cocheiro abrir desesperado a porta da carruagem tirando com dificuldade um homem de lá de dentro. Quem será? Me perguntei e quando o homem se virou eu o vi, meu Archie estava com o rosto coberto de sangue que escorria-lhe pelo nariz, testa e boca. Desesperada, agarrei o vestido jogado em cima da cadeira e voei corredor a fora, colocando para dentro do decote um de meus seios que lutava para ficar a mostra. Desci cambaleando as escadas.

- O que é isto?- perguntou Luke assustado quando o homem entrou trazendo em seus braços o filho desacordado.

- Senhor, eu não sei o que houve...- o homem mal conseguia falar, estava verde, parecia a ponto de vomitar ali mesmo- Deixei o na fábrica pela manhã, e quando fui buscá-lo durante a noite encontrei-o assim, estirado no chão.

- Archie!- gritei afastando os dois.

Segurei sua cabeça, estava com ferimentos por toda parte, seus olhos estavam roxos e inxados, a boca sangrava assim como o nariz. Quem fora capa de agredi-lo desta forma?

Ouvi passos na escada.

- Céus! - exclamou Nick- parece que levou uma surra, o que houve?

-Não... não sei senhor.... - o pobre funcionário gaguejava angustiado.

- Lionel, chame um médico urgente!- ordenou Luke.

- Será que não foram os funcionários rebeldes?- perguntou Nick.

- E por que motivo agrediriam meu filho?

- Talvez descobriram sua vontade em vender a fábrica, esses pobres são capaz de qualquer coisa - fala com desdém.

Só então juntei as peças do quebra-cabeças.

-Seu crápula!!- pulei em seu pescoço, como um animal selvagem que agarra sua presa- FOI VOCÊ!- começei a arranhar seu rosto.

- PANDORA! - grutou Luke - Saia de cima dele.

- Você não vê?- falo indignada- Ele armou tudo! Sabia que se Archie estivesse aqui jamais permitiria que se aproximasse de mim, seu ordinario, eu te mato!- desferi um soco preciso em seu nariz que começou a sangrar.

Antes que ele pudesse revidar Luke o segurou pelo pulso.

- Você acha que o mundo gira somente a seu favor? Está enganada querida! Coisas como esta acontecem! -vociferou Nick.

- Parem!- gritou Luke mais forte que nós- Pandora! Archie pode ter deixado escapar isto em algum momento de sua visita!- concluiu ele.

- Ao contrário do que você pensa Archie é inteligente demais para cometer  tamanha burrice, mas você não consegue admitir e prefere por a impresa na mão deste homem do que deixá-la em segurança com seu filho! Vocês dois são iguais!

- Já chega! PANDORA VÁ EMBORA!- Luke começou a me empurrar em direção a porta.

- Luke não seja ridículo! Este homem só quer lhe fazer mal! Ele não é seu amigo! Só quer te manipular!

- Manipular? - riu Nick - Não sou eu quem me prostituo por migalhas!- me olha com nojo.

- SAIA PANDORA! - gritou Luke novamente.

Olhei para Archie deitado no sofá com os olhos fechados, eu não podia, não seria capaz de deixá-lo, não com Nick estando por perto.

- Pois não sairei! - bati o pé - Ficarei vós queira, vós não! Estarei ao lado de meu amado e você não pode me obrigar!- minha voz saiu rouca de tanto gritar.

- Ficará somente se se calar!- consenti com a condição.

Caminhei até Archie e fiquei acariciando seus cabelos escuros que se enroscavam em meus dedos de maneira graciosa, sua respiração estava fraca e sua pele que tinha um leve bronzeado natural estava pálida

- Sobreviva! Por favor! - cochichei em seu ouvido- Eu te amo! - beijei sutilmente seu lábio seco.

Fui até a cozinha onde molhei um pano e limpei os machucados que deixavam aquele belo rosto com um aspecto irreconhecível.

Deixei que algumas lágrimas rolassem quando apertei fortemente sua mão.

Me sentia fraca, sabia que só permanecia de pé porque Archie estava ali, e precisava de mim mais do que jamais precisou, isto me dava forças para sustentar o peso do meu corpo que parecia a instantes de desabar.

O médico chegou mais rápido do que o esperado, trazendo consigo sua mala e outros utensilios.

- Os machucados físicos são os menos me preocupam Sr. Carter Campbell- disse o doutor após fazer uma série de exames - O que realmente me aflinge, é possibilidade de haver feridas internas e que elas causem algum tipo emorragia- tirou os óculos e com ar triste olhou para ele - Pobre garoto! Será muito se sobreviver, foi espancado por mais de dois homens sem duvida alguma, uma crueldade!

Ele pediu para que ficassemos atentos e a qualquer sinal que algo nao estivesse certo que o chamassemos as preces.

Fui ao jardim espairecer a cabeça, minhas mãos tremiam e eu suava frio, não suportaria a idéia de perdê-lo, muitas lágrimas molhavam meu rosto e tonaram minha visão embaçada, tanto que mal notei que Nick estava escondido dando no jardim uma bronca em seu cocheiro.

- Céus!- exclamou Nick desapontado - Pedi para que dessem uma lição nele e não que o deixassem a beira da morte!

O homem cabisbaixo não disse uma palavra.

- Se te pago bem é para que não ocorram falhas em seu serviço! Imprestável! - fala chutando a grama próxima ao rapaz o homem, por si parecia arrependido - Olhe para mim! - levantou a cabeça dele- O que será de mim se ele morrer?

-Sinto... sinto muito senhor, espaerava ter sido claro com aqueles rebeldes... desculpe desapontá-lo.

- Tens noção o que seu erro me causou? Serei a primeira pessoa de que a policia desconfiará!- disse passando a mão pelo cabelo grisalho e andando de um lado para outro ponderando sobre o que faria a respeito.

Aquilo comprovava tudo que eu tinha suspeitado.

Tinha tomado uma decisão: iria vingar de Nick, tudo que havia feito a mim eu poderia superar, mas o fato de ter se aproximado de minha familia e posto a vida do homem o qual dediquei todo meu amor em risco, eu não aceitaria de forma alguma, ele precisava sofrer as consequencias das  suas piores malignidades cometidas, tenho certeza que não faria justiça apenas por mim, Archie ou minha familia na qual ele havia ameaçado, era óbvio que Nick ja tinha agido de formas piores com outras pessoas, uma delas inclusive deveria ser a mãe de sua filha, me vungaria, e o farei forma mais cruel e dolorosa possivel, farei o implorar porpiedade. Naquele momento fui apresentada á um lado meu ainda desconhecido: o maléfico.


Notas Finais


Obrigado por lerem amores! Até o próximo cap e perdoem se houver mts erros! Consertarei todos que encontrar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...