História My tumblr boy - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Chanbaek, Exo, Hunhan, Kaisoo, Menção!xiuchen, Pwp, Tumblr
Visualizações 546
Palavras 2.176
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ATENÇÃO: Nesse capítulo o Jongin é bottom, ou seja, se não gosta pode pular. Como sempre o conteúdo dos extras não influenciam a história em si.

Agora sim eu posso me desculpar um milhão de vezes com toda a demora de MTB. Quem me acompanha no tumblr viu meu desabafo lá, e eu sei que vocês não tem nada haver com isso, mas obrigada que não desistiu de MTB.

Boa leitura ♡

Capítulo 24 - Extra Kaisoo 2: My angry boy


Kyungsoo gostava de usar apenas camiseta quando estávamos só nós dois em casa, e saber disso me deixava duro de mil maneiras diferentes e com mil idéias diferentes também.

Eu observava com cuidado o mais velho dedilhando a guitarra enquanto trabalhava em uma música nova e as unhas descascadas de esmalte preto apenas me deixavam mais excitado. Aquele jeito dele todo meio rebelde me deixa louco.

Ele provavelmente achava que eu estava dormindo, então o mais silencioso possível, envolvi meu membro já duro enquanto tenho toda atenção roubada para o piercing recém colocado que brilhava em seus lábios.

— Eu estou te vendo.— a voz sussurrada e rouca do mais velho me assusta, me surpreendendo com um sorriso logo em seguida.

Me limito a apenas sorrir, sentindo o rosto esquentar de vergonha ao ser pego em um momento constrangedor.

— Vai parar? — ele sorri de canto, deixando o violão de lado e me fitando com os olhos intensos.— Quer ajuda?

Aceno que sim e ele volta a sorrir, tocando o próprio membro ainda sentado no sofá, como se estivesse se tocando enquanto assistia algum filme adulto. Kyungsoo costumava ter dois estados de espírito, e aquele era o que andava me deixando mais intrigado. Intrigado e curioso.

Afasto o lençol azul escuro que me cobria apenas para que ele percebesse que eu já estava devidamente duro, meu pau até mesmo pulsando quando nossos olhos se encontravam.

Levanto com uma lentidão irritante, apenas para não parecer tão ansioso e caminho para o pequeno sofá que ficava de frente para a cama, Kyungsoo sorri satisfeito e alcança meu membro com os dedos antes que eu esteja parado entre suas pernas, tomando a extensão na boca em seguida.

O conhecido toque metálico foi o suficiente para me fazer tremer, levando minhas mãos aos cabelos curtos e investindo na boca com um pouco mais de agressividade, grunhido satisfeito ao ouvir Kyungsoo engasgar e sorrir em seguida.

— Está ansioso? — perguntou com um sorriso maldoso, a pergunta causando um estrago em meu corpo e me deixando ainda mais excitado, puxando seu corpo para o meu para que fôssemos para cama.

Kyungsoo puxou a camiseta que usava por cima da cabeça e quando se deitou já não usava mais nada no corpo, a ereção já brilhava com sinais de pré gozo, que se acumulava de forma ainda mais excitante em volta do outro piercing.

O menor me olhou por alguns segundos, como se decidindo o que fazer, e então se colocou entre minhas pernas, os dedos bombeando a própria ereção despreocupadamente.

A mão livre puxou meus quadris para cima, me deixando ainda mais tenso e ao mesmo tempo excitado, ao sentir nossos membros se tocando em um atrito gostoso.

Eu não queria ter que falar ou pedir nada, minhas bochechas esquentavam só de pensar em pedir algo daquele tipo, mas eu rezava para que Kyungsoo estendesse meus sinais e simplesmente acabasse com toda aquela tensão e curiosidade que eu vinha sentindo semanas, sempre que a situação entre nós esquentava.

Tocando meus lábios e iniciando um beijo nada delicado, Kyungsoo me faz tremer com força, sentindo minha entrada se contrair ao mesmo tempo que meu membro pulsou. Com um sorriso quase sádico o mais velho tomou meus pulsos em uma de suas mãos, e sentir os calos nas pontas dos dedos apertando minha pele me fizeram gemer baixo, procurando seus lábios com os meus já entreabertos.

— Jongin-ah, você não precisa fazer isso pra me agradar…— merda, Kyungsoo estava tão excitado. O membro tão duro e vermelho que eu quase conseguia sentir pulsar, mesmo que minhas mãos estivessem presas em cima da minha cabeça.

— Não estou fazendo pra te agradar… Soo... — ergo meu quadril tentando roçar desesperado meu membro no seu. Querendo sentir ambos molhados escorregando contra o outro. — Eu quero experimentar Soo… faça ser bom pra mim, por favor.

Eu sabia que estava sendo um pouco intenso demais, mas eu tinha que mexer com aquele autocontrole inabalável que Kyungsoo tinha, temendo que aquilo fosse uma necessidade que eu e minha insegurança criamos.

Um grunhido baixo e rouco escapou dos lábios bem delineados e cheios, um suspiro desistente, daqueles que se dá quando se decide jogar tudo para o alto. O beijo começou diferente de qualquer outro, Kyungsoo dominava, mais solto e menos tímido, gemendo de uma forma completamente diferente da forma que gemia quando eu estava dentro dele.

Era torturante ele segurando minhas mãos em cima da cabeça, com força e tão firme que me dava vontade de espernear e reclamar, vontade de me virar e pedir pra que ele acabasse logo com isso, mesmo sabendo que provavelmente eu sentiria mais dor do que alívio.

Não vou mentir que a dor assustava, mas de alguma forma eu sentia que seria satisfatória e eu mal prestaria atenção.

— Tenha calma, vamos fazer ser bom pra você, tudo bem? — a voz de Kyungsoo era mais grossa do que o normal, seus olhos normalmente intensos pareciam queimar minha pele, me deixando quase tímido.

Eu estava com tesão demais agora pra ficar tímido.

O membro firme e quente roçava minha entrada, era involuntário a entradinha não contrair ao sentir a cabeça inchada e úmida esbarrando propositalmente do jeito que eu estava sensível agora. Era bom. Merda, era tão bom sentir seu piercing indecente me tocando tão diretamente que eu apenas queria gritar.

E foi exatamente o que eu fiz quando suas mãos soltaram as minhas e desceram exigentes para minhas coxas. Kyungsoo parecia saber bem como fazer aquilo, parecia estar gostando e se controlando pra não ir rápido demais, mas tudo que eu queria era que ele fosse rápido e acabasse com a expectativa que estava me matando.

Eu tinha unhas curtas, mas foi com satisfação que enterrei elas em sua pele, com um único propósito de arrancar sangue e tentar puni-lo por estar sendo um idiota provocador, mordendo meus mamilos enquanto a mão apertava minha bunda com força. Sentir que podia confiar nele me deixava ainda mais excitado, tomar iniciativa e controlar toda a situação tornava ele ainda mais atraente. Os lábios grossos úmidos de saliva, o piercing brilhando em seu mamilo e o sorriso quase sacana cada vez que a jóia em seu membro roçava em minha entrada estavam me deixando totalmente descontrolado, era como se aquele novo lado de Kyungsoo despertasse um novo lado em mim.

Se esticando um pouco para o lado, Kyungsoo pega o lubrificante e despeja uma quantidade significante nas mãos, esfregando uma na outra e então fechando as duas em uma aperto forte em meu membro, o aperto forte me fez gemer automaticamente, rolando os olhos ao sentir meu membro escapar pelas mãos lisas e então ele repetir o movimento em uma sequência torturante, às vezes com mais delicadeza e em seguida mais firme.

O mais velho pareceu hesitar quando os dedos deslizaram para minha bunda, passando os dedos ali apenas como se fosse um carinho, penetrando a pontinha do primeiro dedo enquanto olhava atentamente para meu rosto.

— Avise quando se tornar muito doloroso. — a voz embargada e rouca sussurrou, mostrando que a expressão controlada era ensaiada e que por dentro estava provavelmente tão ansioso quanto eu.

O primeiro dedo foi inserido devagar. Era quase engraçada a sensação, não parecia com o que Luhan e Baekhyun descreveram. Quando ele ameaçou inserir a pontinha do segundo algo começou a incomodar, eu sentia claramente meu corpo tentando expulsar Kyungsoo, este que me olhava com as sobrancelhas franzidas enquanto mordia o lábio inferior com força.

— Não está doendo.— digo com segurança, mentindo um pouco ao tentar ignorar o ardor que eu começava sentir.

— Mentiroso.— o mais velho sorriu de lado, o segundo dedo entrando de uma vez, me fazendo fechar os olhos e resmungar.— Acho que se for devagar vai doer mais.

Kyungsoo fica apenas parado me encarando, os dedos começando a se mexer lá dentro aos poucos, se curvando da mesma forma que eu fazia com ele.

— É bom pra caralho quando você faz isso em mim. Abra os olhos Nini.— obedeci, abrindo os olhos com esforço, sentindo algo esquentar ainda mais em meu corpo quando me deparo com a expressão hipnotizada de Kyungsoo, que encarava sem vergonha alguma seus dedos dentro de mim.— Sua bunda é bem gostosa, eu sempre soube que era, mas caralho, olha isso?

Sem muita delicadeza ele flexiona minhas pernas e coloca os dedos mais fundo, usando a mão livre para apertar uma das bandas com força.

Sem perceber exatamente quando ficou realmente bom, deixo um pequeno gemido escapar, era mais um gemido ansioso do que de prazer, aquela lentidão toda começava a me irritar.

— Soo…

— O que foi? Isso é tudo vontade de dar essa bunda gostosa pra mim? — os dedos se curvam novamente, fazendo meu membro pulsar, me deixando sem fôlego. — Você me quer dentro?

— Quero...

— Eu também gosto quando você vai fundo em mim…— o tom de brincadeira era nítido, me provocando como um idiota. — O que eu faço? A idéia de entrar em você parece tão boa quanto a de você me pegar com força por trás.

Caralho. Eu estava quase lá, Kyungsoo sequer encostava em meu membro e eu sentia meu ventre repuxar de forma gostosa.

Como se o universo fosse cruel demais para me deixar ter um orgasmo incrível, Kyungsoo retira os dedos de uma vez, deitando por cima do meu corpo e se posicionando em minha entrada, me deixando sentir como a cabecinha de seu pau pingava no meio da minha bunda.

— Vai doer mais que os dedos… mas você vai gostar.— Kyungsoo sorria sem parar, me roubando um beijo demorado ao mesmo tempo em que iniciava a penetração.— Que bunda apertada, Jongin-ah… caralho…

Ainda beijando Kyungsoo começo a sentir o incômodo crescer, sentindo meu corpo querer expulsar Kyungsoo e os músculos ficando tensos.

— Relaxa pra mim, Nini…— sussurrou em meio ao beijo, os lábios cheios que pareciam um inocente coração chupando minha língua de forma obscena.— Deixa o Hyung cuidar de você...

Tento respirar fundo sem deixar nenhum gemido de dor escapar, mas Kyungsoo parece perceber, começando então a distribuir selinhos em meu pescoço enquanto as mãos faziam um carinho quase delicado em minhas coxas.

Tento o máximo possível relaxar enquanto sinto as estocadas cada vez mais rápidas, Kyungsoo parecendo travar uma luta interna para não deixar nenhum gemido escapar.

Procuro seus lábios para mais um beijo e Kyungsoo começa a girar os quadris devagar, alcançando um ponto em mim que me fez perder o ar por alguns segundos. Provavelmente meus gemidos lhe pareciam satisfeitos, pois ele entendeu que eu estava gostando e acelerou os movimentos, mordendo meu ombro enquanto intercalava as estocadas com investidas curtas e profundas.

— Soo… eu acho que...

Eu estava tão perto que meus dedos dos pés se encolhiam com a tensão, minhas unhas apertavam com força os braços com músculos recém adquiridos. Era incrível como apenas ter ele dentro me deixava próximo ao orgasmo, me deixado com lágrimas nos olhos que não eram de forma alguma de dor, o ponto que ele acertava me dando sensações melhores do que eu jamais poderia ter imaginado.

Com um gemido rouco, Kyungsoo ergueu o tronco e abriu minhas pernas em seus braços, conseguindo assim entrar e sair com mais agilidade, deixando a visão que eu tinha dele ainda mais excitante. Como se um ponto mágico fosse acertado na hora certa, meu corpo inteiro se contrai, tremendo e ficando tenso, e meu membro começa a expelir seu líquido em minha barriga em meio ao gemido mais manhoso e profundo que eu já vi rasgar minha garganta.

Com os olhos rolando Kyungsoo grita baixinho, soltando o ar pela boca e me deixando experimentar como era bom sentir sua porra me preenchendo por dentro, me causando um prazer quase tão bom quanto o do orgasmo, sentindo seu corpo cair sobre o meu totalmente esgotado, ainda sim selando nossos lábios com cuidado e carinho, os dedos arrumando minha franja colada na testa pelo suor.

— Você está bem? — sussurrou cansado, retirando o membro com cuidado.— Dói?

— Muito bem.— me limito a dizer, sentindo os olhos pesarem enquanto ele deslizava os dedos com calma nas minhas costas, me fazendo entender o que Luhan queria dizer quando mencionou “gemidinhos fofinhos”, porque esse era o único som que eu conseguia emitir.


Luhan diz: E aí?? Rolou??

Baek diz: ele sumiu ㅋㅋㅋㅋ

Luhan diz: Você também seu safado

Baek diz: Chanyeol veio conhecer meus pais…

Jongin-ah diz: Rolou…

Luhan diz: MENTIRAAAAAAAAAA CONTAAAAAAAA

Baek diz: Sabia! Você ficou quieto por horas ㅋㅋ

Luhan diz: D E T A L H E S

Baek diz: Para de provocar ele, Lu…

Luhan diz: Usaram as coisas que compramos??

Jongin-ah diz: Não… eu até esqueci disso…

Baek diz: Então deve ter sido bom, hein????? Adoro quando Chanyeol faz eu esquecer até meu nome…

Luhan diz: Eu quero detalhes do Jongin, Baek. Os seus todo mundo consegue ouvir no dormitório….

Baek diz: Mentiroso!

Luhan diz: Eu deveria gravar da próxima vez? ㅋㅋㅋ

Jongin-ah diz: Depois conversamos.

Baek diz: Por que eu tenho a sensação que essa mensagem não foi digitada pelo Jongin?

Luhan diz: Kyungsoo-ssi está com pressa para o segundo round? ㅋㅋ

Jongin-ah diz: Terceiro round*

*Baek está offline*

*Luhan está offline*



Notas Finais


Esse capítulo começou a ser escrito em FEVEREIRO ( a @hannah_hell é testemunha disso), eu quase desisto dele, sinceramente. Eu mudei ele muuuitas vezes e nunca estava satisfeita, mas não era justo vocês não terem um extra Kaisoo (que é um dos meus plots favoritos sempre).

Me desculpe mais uma vez e pode ter certeza que a continuação Chanbaek não vai demorar, ela está sendo escrita. Mesmo escrevendo outros projetos eu nunca desistiria!

MTB está quase no fim, inclusive!!

Obrigada mais uma vez! ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...