História My Two Sides - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony, Justin Bieber
Personagens Camila Cabello, Justin Bieber, Lauren Jauregui
Tags Bebidas, Bissexualidade, Camren, Criminal, Drama, Festas, Jauren, Laucy, Romance, Sexo
Visualizações 132
Palavras 5.193
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 21 - Capítulo Vinte e um


Camila Cabello Point Of view

Falei de uma vez que Lauren sumiu e senti o ar que prendia em meus pulmões escapar pelos meus lábios tirando um peso das minhas costas me deixando aliviada. Depois andei de um lado para o outro já me preparando pra ouvir os xingamentos de Justin, porém eu ouvi um ruído e logo depois a voz de Chaz que fez meu estômago embrulhar.

– onde você está? – Chaz perguntou com a voz séria e ao fundo dava pra ouvir a voz de Ryan e Justin discutindo.

– Estou em Cascade – olhei em volta já notando o local deserto e mordi meus lábios tentando conter o nervosismo – com uns amigos – então olhei pro veículo e vi Rose sentada sobre o colo de Gregory fazendo movimentos de sobe e desce.

– eu estou indo pra ir – Chaz afirma e meu queixo cai em boca aberta.

– vocês não estão viajando? – quase grito sentindo um desespero invadir minhas veias.

– estamos na Mansão, acabamos de chegar. Eu chego aí em vinte minutos, não sai daí! – então ele desligou a ligação e eu enfiei o celular de volta no bolso do short jeans.

Puta que pariu é muito pior do que eu imaginei, Justin deve estar furioso querendo matar James e tudo por culpa minha. Eu não devia ter insistido tanto pra vir nesse racha, nem feito a cabeça de Lauren pra fazer essa loucura, ela tinha razão em não querer vir, e eu burra só pensei em me divertir sem pensar nas consequências.

Se Chaz chegar aqui e ver o casal transando no carro vai enche-los de pergunta e eu vou ferrar com eles sem querer. Então preciso avisa-los pra deixar o local mesmo que seja perigoso ficar sozinha a essa altura do campeonato no meio de um local deserto.

Andei até o veículo e dei batidas na porta, então Rose ainda com os peitos de fora e sentada sobre as coxas de Gregory abaixou a janela e me olhou com as bochechas rosadas.

– vocês precisam sair daqui agora – afirmei séria e eles ficaram confusos – Justin está mandando um dos seus homens vir me buscar e se vocês estiverem aqui vão estar ferrados.

Eu nem terminei de falar e Rose saiu de cima de Gregory se jogando no banco do carona. O rapaz fechou as calças e com a mão tremula colocou a chave na ignição do carro. Pois eles, assim como milhares de pessoas na cidade, conhecem a reputação  de Bieber e sabem que o rapaz é capaz de muita coisa.

– Cuidado – Rose gritou vestindo sua blusa e eu sorri balançando a cabeça positivamente – se precisar me chama.

Então o motor do carro roncou e Gregory manobrou o veículo pegando a estrada, e eles nem se deram conta de que Lauren sumiu, na realidade eles nem se importam.

Abracei meus cotovelos andando de um lado para o outro começando a sentir frios em minhas pernas e a brisa gelada da noite começou a arrepiar meus pelos por não está agasalhada devidamente. Maldita hora que eu coloquei um short curto.

Como alguém pode ser tão burra como eu?

Depois de alguns minutos andando de um lado para o outro se afogando em arrependimento, eu finalmente vi a suv preta se aproximar, gelei por completo, mas me senti aliviada por finalmente poder ir pra casa.

O carro reduziu a velocidade e os faróis piscaram, então espremi os olhos pra ter certeza de quem estava dentro do veículo e logo vi a juba de Chaz. Em seguida corri até a lateral do carro e o cabeludo abriu a porta pra mim, sentei no banco do carona e olhei pra ele esperando ouvir uma bronca, mas o rapaz apenas afundou o pé no acelerador e fez o retorno pra irmos para a mansão.

Só Deus sabe o quanto eu estou aflita!

Durante o percurso até a mansão eu só conseguia balançar as pernas na tentativa de extravasar todo nervosismo que corria por meu corpo como uma carga elétrica que precisa ser descarregada.

Mesmo que Justin não me mate, eu vou sentir o peso da culpa sobre minhas costas enquanto não achar Lauren e pedir desculpas.

Justin Bieber Point Of View.

Enquanto Chaz foi buscar Camila, Ryan e eu começamos a reunir os homens para iniciar uma busca pela cidade. Liguei para todos eles e mandei chegarem em quinze minutos, ou no máximo vinte, na mansão.

Eu queria muito entender como que Lauren sumiu, mas isso eu só saberei quando Camila entrar pela porta de entrada da minha casa e abrir a porra da boca.

– já liguei para todos – Ryan falava dedilhando no celular enquanto eu caminhava de um lado para o outro impaciente – já falei pra parar com isso, vai afundar o chão.

– melhor afundar o chão do que a cara da Camila – resmunguei olhando o careca com o celular nas mãos.

Mercedes e James foram pra cozinha assim que Chaz deixou a casa, eles estavam morrendo de medo de serem demitidos, mas a essa altura eu nem tinha cabeça pra pensar em demissão de funcionário, pois eu só quero achar Lauren sã e viva.

Depois de longos minutos angustiantes finalmente Camila apareceu na sala acompanhada de Chaz usando roupas curtas que a deixam incrivelmente sexy, mas isso não vem ao caso. Porque ela me deve explicações imediatamente.

Antes mesmo de eu caminhar até ela, Chaz entrou na frente erguendo as mãos na direção do meu peitoral indicando pra eu ir com calma, pois ele sabe que eu perco a cabeça muito fácil.

– Começa a explicar como tudo aconteceu, anda – esfreguei as mãos no cabelo, que coçavam pra agarrar os braços de Camila e lhe jogar na parede – sem esconder nada!

– Eu acho melhor você começar a pensar em como vamos acha-la! – Camila cruzou os braços e me encarou séria como se tivesse o direito de dar alguma ordem.

– É melhor você me obedecer e dizer logo como que isso aconteceu ou eu te mando de volta pro México pra fazer tortilha – levantei as sobrancelhas já sentindo meu sangue ferver.

– Elas estavam num racha – Chaz falou enfiando as mãos no bolso do casaco depois de olhar para Camila – em Cascade.

– UM RACHA? – gritei sentindo minha voz arranhar minha garganta – VOCÊ ESTÁ MALUCA? O QUE VOCÊS FORAM FAZER NAQUELE LUGAR? VOCÊ QUER MORRER?! – Apontei o dedo contra seu rosto e gritei contra seu nariz enquanto ela continuava séria sem mexer um músculo da face me deixando ainda mais irritado – ISSO FOI IDEIA SUA NÃO FOI?

– ABAIXA O TOM – ela gritou de volta e antes que ela avançasse sobre mim Chaz entrou no meio de nós dois.

Então dei dois passos pra trás e me afastei respirando fundo, pois ela sabe que se eu encostar um dedo nela eu tô morto.

– Camila, coopera, precisamos de informações pra achar a Lauren – Chaz afirmou pondo as mãos no ombro da morena e então ela respirou fundo balançando a cabeça positivamente.

– eu convenci a Lauren a fugir pro racha, eu bolei o plano, eu insisti pra ela ir e nós fomos. Eu admito que a culpa é minha.

Soltei o ar que prendia em meu peito e encarei o teto da sala contando de um até dez pra não surtar e agredi-la, pois eu jurei pra mim que eu nunca bateria em mulher nenhuma, que eu nunca machucaria uma mulher como meu pai já machucou minha mãe, e eu não quero ser como ele. E isso acaba sendo uma luta constante comigo mesmo pra não perder a cabeça e ser um covarde.

– ela se afastou de mim e eu não percebi, então ela simplesmente sumiu – Camila gesticulou com as mãos enquanto olhava pra Chaz e para mim ao mesmo tempo – e eu tentei ligar pra ela e nada. O telefone dela só chama.

– Chaz, rastreai o celular dela – Ryan falou levantando as sobrancelhas e eu olhei para o cabeludo já desesperado querendo que ele faça isso o mais rápido possível.

– Meu deus, descobre onde ela tá, eu preciso saber! Eu sei que ela não fugiu, porque ela não tem como viajar sem os documentos, pois eles estão comigo. Deve ter acontecido alguma coisa grave – comecei a tagarelar nervoso andando de um lado para o outro – e tudo culpa sua – apontei o dedo pra Camila – você levou ela praquele lugar que VOCÊ SABE que só tem homens escrotos.

– eu não pensei que ela fosse se afastar, a corrida começou e eu não sei, eu não vi mais ela – Camila colocava as mãos no rosto desesperada e eu queria xinga-la por ter causado isso tudo.

– eu não acredito nisso! A culpa é sua.

– VAI REPETIR QUANTAS VEZES? – ela gritou enquanto Chaz e Ryan deixavam a sala pra buscar o notebook no meu escritório.

– quantas vezes for necessário pra não socar a sua cara – travei o maxilar e me virei de costas pra não olhar mais na cara dela e ficar mais furioso ainda.

– ME BATER NÃO VAI ADIANTAR DE NADA, E VOCÊ SABE QUE NÃO PODE TOCAR UM DEDO EM MIM – ela gritava atrás de mim e eu fechei minha mão em punho tentando conter a raiva que corria em minhas veias.

Fiquei andando de um lado pro outro sentindo a respiração pesada escapar entre meus labios como se eu tivesse corrido uma maratona e Camila ficou de braços cruzados em pé no meio da sala.

– Se vocês continuarem brigando não vai adiantar de nada – ouvi a voz de Ryan e me virei pra vê-lo voltar para a sala acompanhado de Chaz que segurava o notebook abaixo do braço.

– Ele quer esfregar na minha cara que a culpa é minha – Camila disse e eu me virei indo em sua direção e a agarrando pelo braço. Ela tentou se soltar dando tapas em minha mão, mas foi em vão. E eu não iria bater nela, apenas iria tira-la da minha frente porque talvez não conseguisse segurar minha raiva por tanto tempo.

– merda Justin deixa ela – Ryan veio pra cima de mim me puxando pelo braço e eu lhe empurrei com uma das mãos livres – esfria a cabeça porra, ficar nervoso desse jeito não adianta nada.

– ME SOLTA – Camila esperneou tentando tirar minha mão de seu braço – JUSTIN! PORRA! ME SOLTA! – então Ryan entrou no nosso meio e espalmou a mão no meu peitoral me jogando pra trás e eu me segurei pra não lhe dar um soco e estragar nossa amizade.

Enquanto nós três brigávamos Chaz dedilhava no notebook sentado no sofá da sala superconcentrado sem dizer absolutamente nada como se ele entrasse em um universo paralelo.

– eu espero que não aconteça nada com a Lauren, porque se não eu mato você nem que eu vá pro inferno – falei rangendo os dentes sentindo meu maxilar doer – eu juro!

– então quer dizer que ela vale muito mais que a sua própria vida? – Camila arqueou as sobrancelhas enquanto Ryan esfregava a cabeça já sem paciência com nós dois – Eu achei que ela fosse só um objeto pra te ajudar na empresa. Ou tem algo a mais?

– do que você está falando? Ficou maluca? Não tem nada além de negócios entre mim e Lauren, e se tivesse algo a mais o que você tem a ver? Ela é minha esposa – coloquei a mão no peito sem tirar os olhos da garota a minha frente que está tão furiosa quanto eu.

– Esposa de fachada, você sabe! – ela apontou o dedo indicador pra mim e espremeu os olhos na tentativa de parecer ameaçadora.

– MAS A MERDA DO CASAMENTO É REAL, A CERTIDÃO DE CASAMENTO É OFICIAL E NÓS ESTAMOS CASADOS LEGALMENTE. ENTÃO SIM ELA É MINHA ESPOSA! MINHA! – gritei dando tapas no meu peitoral enquanto cuspia as palavras na direção dela.

– NÃO JUSTIN, ELA NÃO É SUA – ela gritou já ficando com as bochechas vermelhas e apontava pra mim como se estivesse com uma espada na mão – VOCÊ É UM MERDA QUE ACHA QUE VAI CONSEGUIR SEDUZI-LA COMO FEZ COM AS OUTRAS MULHERES QUE PASSARAM PELA SUA MÃO!

– Vai se fuder Camila, eu não tenho planos de seduzir a MINHA ESPOSA – rolei os olhos enquanto mentia, porque sinceramente desde que Lauren e eu nos beijamos eu nem conseguia mais decifrar o que estou a sentir – E se eu tivesse porque você está tão incomodada? Hein?

Ela abriu a boca pra responder, mas foi interrompida por Chris e Khalil, que entraram na sala fazendo barulho com a porta, preocupados e com semblantes confusos tentando entender porque eu e Camila parecíamos dois cachorros raivosos prontos pra se atacarem. Então eu cocei minha cabeça e respirei fundo pra não continuar essa discussão sem pé nem cabeça com Camila.

– e ai? Alguma notícia? – Chris perguntou cumprimentando Ryan.

– a galinha dos ovos de ouro sumiu, mesmo? – Khalil debochou e eu quase lhe dei um soco.

Minha paciência tá zero hoje.

– achamos que foi uma emboscada, pois os caras ligaram pro Justin, fizeram ele viajar pra terem a facilidade de pegarem uma das meninas – Ryan explicava enquanto os meninos ouviam atentamente e Camila abriu a boca espantada.

– então foi uma cilada? A culpa não é totalmente minha? Eles planejavam fazer isso? – ela parecia aliviada e ao mesmo tempo preocupada.

– exatamente, você só facilitou o trabalho deles – Ryan afirmou após apertar a mão de Khalil.

– então você continua com parcela de culpa – arqueei as sobrancelhas me direcionando pra Camila.

– vai tomar no cu – ela levantou o dedo do meio e eu revirei os olhos já que não podia lhe dar um tapa. Maldita hora que fiz um acordo com Estrabao.

Ryan, Chris e Khalil foram se encontrar com os outros homens para lhe darem informações sobre o que está acontecendo, Camila se juntou a Chaz para rastrearem Lauren, não que ela saiba fazer alguma coisa, mas ela estava ali para o que Chaz precisasse. E eu bom, fui até a cozinha beber uma cerveja pra esfriar a cabeça.

Eu sempre fui um cara muito religioso, sempre frequentei as igrejas quando mais novo e fui criado por uma mãe muito religiosa, então acabei acreditando em Deus, embora muitas vezes duvide da sua existência, mas nesse momento de aflição eu faço tudo o que tiver ao meu alcance pra ter notícias da Lauren, inclusive orar e pedir ajuda a Deus.

Eu nem sei porque me encontro tão desesperado e sentindo esses turbilhões de sensações, mas a verdade é que desde que eu aceitei as ordens de minha mãe de me casar com Lauren, tudo mudou. E você deve estar se perguntando porque um cara da minha idade, que vive a vida que eu vivo, obedece às ordens da mãe?! Bom a verdade é que eu sempre coloquei minha mãe acima de todos meus ideais, ela é a razão da minha vida, o motivo pelo qual eu luto todos os dias pra ser um cara melhor. Pois ela sempre foi meu tudo e eu nunca vou deixar de dar o meu melhor pra agrada-la, mesmo que isso seja me casar tão jovem.

Na minha cabeça já estava tudo planejado, eu me casaria, continuaria com a mesma vida de sempre e agradaria meus pais, mas não foi bem assim que aconteceu, pois Lauren é uma mulher de personalidade forte e é difícil lidar com ela. Então eu quase nunca tenho paciência pra isso. E desde que nos beijamos eu sinto que algo dentro de mim mudou. Não sei dizer o que é. E talvez eu tenha até medo de descobrir o que seja.

Minha cabeça está uma maré de confusões graças aos olhos verdes mais lindos que eu já vi na face da terra.

 

Quase cinco da manhã e nada de Chaz conseguir rastrear o celular de Lauren, pelo o que parece ele foi desligado em Cascade mesmo, provavelmente porque ja previam a possibilidade de rastrearmos ela. E Ryan, Chris e Khalil já estão fazendo buscas pela cidade e eu estou impaciente sem conseguir pensar em nada útil.

Eu lembro de como Lauren ficou desesperada quando achou que o velho ia agarra-la a força no hotel e só de imaginar o quão desesperada ela pode estar eu fico aflito querendo socar a parede.

Me joguei no sofá encarando Chaz e Camila vidrados no computador e ouvi meu celular tocar. Logo tateei os bolsos desesperado e vi Chaz fazer o mesmo, então me lembrei que ele havia pego meu celular pra falar com Camila quando deixei o aparelho cair no chão.

O cabeludo atende e me olha assustado enquanto Camila olha pra ele tentando saber quem é.

– Adam? – Chaz pronuncia e eu fico de pé – ele quer falar com você, justin! – então o cabeludo me dá o telefone e Camila fica de pé querendo escutar a conversa.

Lauren Jauregui Point Of View

Eu estava numa escuridão e tudo se resumia a barulhos, homens me dizendo o que eu devia fazer ou não, e mãos que hora ou outra me arrastavam pelo braço. E felizmente não abusaram de mim e nem tentaram passar as mãos nas minhas partes intimas, eles apenas mandavam eu andar, sentar ou ficar quieta e parar de perguntar.

Após um saco preto cobrir minha cabeça e tampar minha visão, eu senti que fui jogada dentro de um carro, e não precisa estar enxergando pra notar isso, depois de longos minutos os homens me arrastaram pelo braço e eu andei por alguns minutos até ser colocada numa cadeira e ter meus pulsos amarrados atrás das minhas costas.

Eu sentia tanto medo que podia chorar, mas não fiz, segurei tudo dentro de mim e me mantive forte, como venho fazendo desde que minha mãe faleceu. Meus pulsos doíam por causa das cordas, mas meus sentimentos e meu psicológico doíam mais, como se tivessem sido triturados e jogados fora, exatamente como se ninguém se importasse com eles. E de repente, comecei a me sentir assim, um lixo, um ser irrelevante que ninguém se importa, mas fingem.

Justin por exemplo, nem sei ao certo se ele finge, se ele se importa, ou se ele não se importa, cheguei a pensar muitas vezes que ele não se importa, nunca se importou, mas após ouvir tudo o que Camila disse a respeito dele ter me dado uma vida na qual eu mereço, eu cheguei a pensar que sim, ele se importa. Só que eu sinto que estou errada, como pode ele se importar se ele já fez tanta coisa que me destruiu por dentro e que bem material nenhum concerta. Enfim, também tem a Camila, e é outra que eu acho que não se importa, que tudo se trata sobre sexo e provocações, nada além disso. Pois se ela realmente se importasse eu não estaria nessa situação, amarrada numa cadeira velha num lugar que eu não faço a mínima ideia.

Ainda tem meu pai e com certeza ele não se importa, já que por causa dele eu me casei a força e fui ameaçada milhares de vezes. E provavelmente a única coisa que ele se importa e sempre se importou foi com seus jogos. A merda dos jogos. Enquanto a Lucy, bom, talvez ela foi a única que chegou a se importar comigo algum dia, mas hoje ela nem se quer sabe que estou nessas condições, feito um cachorro amarrado.

Após um bom tempo finalmente senti alguém perto de mim, como se me observasse, e apesar do medo, consegui sentir um alivio por pensar que teria as respostas do porque eu estar aqui. E antes que eu abrisse a boca pra perguntar alguma coisa senti duas mãos sobre meu ombro que subiram até o saco preto e o puxou para cima me dando a visão do local que eu estava.

Pisquei inúmeras vezes por conta da luz e encarei o teto observando a pequena lâmpada acima da minha cabeça presa por um fio, então fechei os olhos rapidamente sentindo uma dor de cabeça por conta da claridade que parecia esmagar minhas pupilas. Rapidamente abaixei a cabeça voltando a piscar para fazer com que meus olhos se acostumem com a claridade o mais rápido possível, em seguida levantei a cabeça lentamente e encarei a parede amarelada a minha frente que tinha a tintura descascando e algumas rachaduras. Depois virei minha cabeça pra esquerda e pra direita notando que eu estava numa sala quadrada vazia e escura, que apenas tinha uma lâmpada acima da minha cabeça e um homem atrás de mim.

– O que você quer? Eu não tenho dinheiro! – Perguntei encarando a sombra de uma silhueta masculina no chão.

– Eu sei – ele respondeu e rapidamente reconheci a voz entrando em estado de choque – Eu não quero seu dinheiro – ele caminhou lentamente pelo meu lado esquerdo, dando passos que ecoavam pela sala e segurando o saco preto em suas mãos – Apenas que você me faça um favor – encarei seus sapatos pretos que refletiam a lâmpada amarela e subi o olhar por suas pernas que usavam uma calça social preta e em seguida analisei seu terno preto e sua gravata. E em questão de segundos o medo foi virando raiva à medida que eu subia meu olhar e reconhecia o homem alto e magro a minha frente.

– Que favor? – perguntei ríspida sentindo meu maxilar doer de raiva e encarei o par de olhos azuis.

– Bom – ele sorriu e encarou o chão andando na minha frente em direção ao meu lado direito – Você vai ser uma isca para atrair seu marido até mim – então ele me olhou diretamente nos olhos e eu conseguir ver as cicatrizes sobre seu olho direito e no canto de sua boca, provavelmente marcas deixadas pelos socos de Justin.

– e você me sequestrou pra isso? – Arregalei os olhos sentindo uma vontade de cuspir por lembrar que o beijei.

– Sim – ele riu e eu travei meu maxilar – seu marido precisava de um susto, sabe? Depois do que ele fez comigo – Então ele apontou pro seu rosto machucado com o dedo indicador e me olhou como se a culpa fosse minha.

– eu sinto muito te dizer, Adam, mas Justin não se importa muito comigo. Então ele provavelmente não vai se assustar com isso – dei um sorriso falso e ele riu como se eu tivesse contado alguma piada – Agora me tira daqui! – Juntei as sobrancelhas sentindo elas grudarem nos meus cílios.

– Eu sinto muito, mas não vou poder fazer isso – ele sorriu cinicamente e levantou a mão tentando acariciar minha bochecha e então eu me esquivei pro lado sentindo nojo.

Eu queria xinga-lo de tudo quanto é nome e me xingar por ter sido tão burra de ficar com um cara que eu nem imaginava ser um bandido, mas apenas travei meu maxilar e senti meus pulsos doerem de fazer força pra me soltar.

– acho que a essa hora ele já deve estar sabendo – Adam disse enfiando a mão no bolso da calça e tirando um celular – vamos falar com ele, dar um oi – ele sorriu sem mostrar os dentes e discou no celular. Em seguida esticou a mão pra frente como se quisesse que eu escutasse a ligação, então o telefone chamou três vezes e Chaz atendeu.

– alô – A voz do cabeludo ecoou e eu abri a boca pra gritar, mas Adam jogou o saco preto no chão e em questão de segundos tirou uma arma do outro bolso e me apontou.

– Passa pro Justin por favor, é o sócio dele, adam! – O homem a minha frente falou sem tirar os olhos de mim e eu sentia meus batimentos cárdicos acelerando.

– ele quer falar com você, justin! – Chaz falou e eu engoli em seco já sentindo minha testa soando.

– Cadê ela? – a voz de Justin ecoou como se ele já soubesse o porquê de adam ligar e meus olhos lacrimejaram só de ouvir sua voz.

– Bem a minha frente – adam sorriu como se Justin pudesse vê-lo – ela fica bonita mesmo com cara de choro.

– Seu filho da puta – Justin disse ríspido e eu podia imaginar ele travando o maxilar só de ouvi-lo falar tais palavras.

– Como foi a viagem para ajudar o Peter? O desgraçado ocupou seu tempo? – Rapidamente me lembrei da viagem que Justin fez e logo liguei os pontos percebendo que tudo tinha sido um plano de Adam pra afastar o Bieber da cidade e assim poder me pegar.

– Fala logo o que você quer, não me faça ir aí e surrar a sua bunda branca! – Justin falava já sem paciência.

– Você não está em condições de exigir alguma coisa – Adam destravou o gatilho da arma e minha garganta fez um nó imaginável.

– por favor – murmurei sentindo meus olhos queimarem.

– Lauren? – Justin gritou e adam aproximou a ponta do revolver no meu rosto – seu desgraçado, fala logo.

– ela está assustada Justin, esperando que você a salve – Adam riu como um psicopata e eu mordi o lado interno da minha bochecha pra não gritar – mas você não é um super-herói, não é mesmo?

– eu vou socar a sua cara até meus dedos quebrarem – Justin rangeu do outro lado da linha.

– me encontre daqui a vinte minutos no estacionamento da sua empresa, sozinho e leve uma caneta, pois temos um contrato pra você assinar.

– do que está falando? – Essa foi a última coisa que ouvi antes de Adam desligar a ligação e se afastar guardando o celular no bolso.

– LEVEM-NA, ADEM – ele gritou travando o gatilho da arma e a guardando no outro bolso da calça. Em seguida os mesmos homens que me sequestraram no racha entraram na sala e me tiraram da cadeira ainda mantendo minhas mãos amarradas, depois Adam parou a minha frente e me olhou de cima a baixo – Você fica realmente sexy com esse terno, até mais sexy do que aquele vestido que estava usando na boate. – Um sentimento de nojo e repulsa cresceu dentro do meu peito e eu quase cuspi em sua cara – Sabe? Eu estava pensando se você realmente sabe sobre Justin, o que ele faz, ou melhor, o que nós fazemos. Mas isso não vem ao caso. Acho que você não teria me beijado se soubesse que eu sou assim – então ele ajeitou o palitó e mexeu na gravata – ou talvez teria, pois você gostou dos olhos azuis, não foi?

– Eu só fiz aquilo pra irritar o Justin, você sabe! – Respondi rude – e eu pensei que você fosse um advogado, mas eu devia imaginar, afinal, são todos farinha do mesmo saco.

– Eu sou um advogado – ele franziu o cenho – e empresário.

– foda-se, não estou interessada – levantei as sobrancelhas e ele agarrou meu queixo me forçando a encara-lo.

– Realmente achei que você não fosse nada pro Justin, mas depois do que ele fez, eu percebi que você é muito mais significativa pra ele do que você possa imaginar – ele soltou meu queixo e se agachou no chão pra pegar o saco preto que antes cobria a minha cabeça – porque ele não me daria socos e romperia o contrato comigo por causa de uma mulherzinha qualquer. Então eu acho que você realmente vale muita coisa pra ele. Eu só não sei o porquê.

– Talvez ele tenha se apaixonado pelos meus olhos verdes, você sabe! Olhos claros seduzem muita gente! – Tentei usar seu tom de superioridade pra fazer um trocadilho com suas falas e irrita-lo, apenas por ser a única forma de atingi-lo já que não posso lhe dar socos.

– Tem razão – ele deu um sorriso de lado e analisou o saco preto em suas mãos como se pensasse em algo para falar – Eu espero que a partir de hoje você pense bem antes de dar encima de alguém que você não conhece.

– Eu vou pensar, talvez até mesmo sobre dar uns socos e não uns beijos, porque nunca se sabe quando alguém vai sequestrar você por causa de UMA MERDA QUE ACONTECEU! – alterei meu tom de voz já não aguentando mais fingir que não me importava.

– por que está se alterando? Calma! Meu problema não é com você, é com seu marido de merda.

– o único merda aqui é você – tentei me soltar das mãos dos homens que seguravam meu braço para lhe dar um chute no meio da canela, pois já sentia a raiva explodir em minhas veias.

– Segurem-na – ele ordenou e em seguida colocou o saco preto em minha cabeça me impedindo de ver sua cara nojenta – eu espero que você coopere comigo, Lauren. Não quero te machucar, pois eu realmente gostei de você.

– EU TENHO NOJO DE VOCÊ! – gritei e logo fui arrastada pelos brutamontes.

 

Justin Bieber Point Of View

Joguei o celular no sofá, pra não jogar na parede e quebra-lo em pedaços, e respirei fundo pra não perder a cabeça enquanto Chaz e Camila me olhavam atentos esperando que eu dissesse alguma coisa, mas eu só queria socar a droga da cara de Adam ou qualquer coisa que visse pela frente.

– anda, diz logo, o que ele disse? – Camila perguntou enquanto eu andava de um lado pro outro sentindo minha garganta arder de raiva.

– ele não aceitou a porra do rompimento de contrato e agora quer que eu vá até lá e acerte com ele tudo de novo – expliquei sem olhar pra Camila – mas eu não quero mais sociedade com esse desgraçado.

– você tem que fazer isso pela Lauren – Camila disse e eu avancei sobre ela agarrando seu braço – o que foi? Está me machucando – joguei ela no sofá por não poder joga-la na parede e ela se encolheu como um cachorro com o rabo entre as pernas.

– ISSO TUDO É CULPA SUA, AQUELE INFELIZ FEZ ISSO GRAÇAS A VOCÊ QUE LEVOU A LAUREN PRA ESSE RACHA E DEIXOU ELA DE MÃOS BEIJADAS PRA ELE! – gritei apontando o dedo indicador contra o rosto dela – ISSO NÃO ESTARIA ACONTECENDO SE – e antes que eu terminasse de falar Chaz me puxou pelo braço me fazendo encara-lo.

– Você precisa ir logo, sem perder tempo – Chaz disse tão sereno que me fez parar pra pensar e respirar – resolve esse contrato e traz ela antes que ele conte toda verdade.

– Uma hora ou outra ela vai ficar sabendo – Camila acrescentou enquanto abraçava os próprios cotovelos.

– Mas não tem que ser pela boca de Adam – Chaz levantou as sobrancelhas e eu o olhei. – A onde foi que ele marcou? Nós podemos ir com você.

– Não, ele disse pra eu ir sozinho – me afastei de Chaz e esfreguei a cabeça tentando raciocinar – ele disse pra encontra-lo no estacionamento da empresa.

– nós vamos, ficamos na sala de segurança observando tudo e se acontecer alguma coisa nos atacamos – Chaz afirmou indo até o sofá pegando o notebook e colocando debaixo do braço – vou ligar para os rapazes e avisa-los.

– eu vou também – Camila disse ficando de pé – nem tentem me impedir – ela levantou o dedo indicador na minha direção antes que eu falasse alguma coisa.

– você está louca? – Exclamei arregalando os olhos – não, de jeito nenhum.

– eu vou e não se fala mais nisso. Você mesmo disse que a culpa é minha, então EU TENHO que concertar! – Ela colocou a mão no peito e encarou Chaz que rolou os olhos e continuo a andar em direção a porta com o notebook abaixo do braço como uma pasta.

E sem eu dizer nada ela o seguiu pra fora da mansão e eu fiz o mesmo já me dando por vencido, porque não valeria a pena perder meu tempo discutindo com Camila enquanto Lauren está nas mãos de Adam.


Notas Finais


mil perdões pela demora aqui em casa esta sem internet e eu to roubando do vizinho kkkkkkkk amo vocês! 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...