História My Way - Shawn Mendes - Capítulo 33


Escrita por:

Postado
Categorias Shawn Mendes
Personagens Shawn Mendes
Visualizações 112
Palavras 1.463
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


eu tô atualizando minhas fanfics feito uma condenada e tô muito orgulhosa por isso
aaaaaaa

perdoem os erros e não desistam de mim <3
boa leitura!

Capítulo 33 - Three out of one


Shawn chegou em Toronto um dia antes dos meus pais voltarem para Frankfurt, no mesmo dia em que chegou comunicou seus pais de que eu e ele precisávamos contar algo muito importante para eles. Decidimos ir falar com eles sozinhos antes de levar meus pais juntos. Shawn ainda não sabia do problema que a gravidez estava causando, por isso antes de irmos contar a novidade para Karen, Manuel e Aalyiah.

Antes de tudo ele precisava conversar com a minha família e saber de tudo. Shawn estava sentado no sofá do meu apartamento apreensivo, era perceptível seu nervosismo, ele tirava e colocava o anel em seu dedo freneticamente. Meus pais nos chamaram para sentar à mesa junto com eles. Me sentei ao lado do meu namorado e senti sua mão fria agarrar a minha dando um leve aperto, depois disso não soltou mais. Minha mãe iniciou.

– Bem, não sei se você sabe mas eu sinceramente não fazia tanto gosto no seu namoro com a minha filha. Eu lhe coloquei uma parcela de culpa pelo o que aconteceu com ela dois anos atrás. – vi Shawn suspirar e concordar com minha mãe. – Você mesmo concorda com isso. Mas infelizmente ou felizmente, não temos a vida de nossos filhos sob o nosso controle para sempre. Patrice é uma adulta muito responsável e eu me orgulho disso, sei que suas escolhas só dizem respeito a ela e a felicidade dela. Rapaz, se minha filha estiver feliz eu também estarei. Quando ela me contou sobre a gravidez eu fiquei desesperada – minha mãe fungou, estava chorando. – e não quis aceitar isso. – Shawn me olhou confuso.

A partir dali minha mãe estagnou e não disse mais nada, não conseguia, também era dolorido para ela falar sobre aquilo e lembrar do dia em que recebeu essa notícia junto comigo, mas eu precisei ser forte. Eu.

Então contei a história para Shawn que parecia perdido em cada palavra que eu dizia, seus olhos estavam marejados e suas bochechas vermelhas.

– Por que não me disse isso antes? – segurou meu rosto, ele chorava e eu também. – Você deveria ter me contado antes, amor, por que escondeu?

– Eu tive medo. Eu estou com muito medo, Shawn. – admiti.

– Nós sabemos que isso pode ser pesado demais para você, garoto. – meu pai se pronunciou tomando a atenção de Shawn. – Você não passarão por isso sozinhos. Patrice poderá voltar conosco para a Alemanha, nossa casa estará sempre aberta para você, mas pensamos que durante esses meses de gestação seria melhor se nós estivéssemos por perto. – de tanto falar nisso, eu sinceramente estava cogitando a possibilidade de voltar com meus pais, mesmo que essa não fosse a minha real vontade.

– Mas, senhor, não a leve. – Shawn praticamente suplicou. – Frankfurt é longe demais. Eu estarei aqui por ela, eu prometo, minha família com certeza ajudará. Por favor. – olhou para os dois. – Por favor, Patrice.

– Conversem com seus pais primeiro.

Eu e Shawn fomos até a casa dele, sua família já estava avisada que queríamos falar algo importante para eles.

Chegamos e Karen e Manuel já estavam a nossa espera, a mulher transparecia o nervosismo e pude ouvi-la sussurrar para o filho um “eu já imagino o que seja”. Acredito que a mais nervosa de todos era eu e a pessoa mais tranquila dali era o pai de Shawn, ele parecia tão calmo que eu senti inveja.

Antes que eu pensasse no que dizer Shawn se adiantou.

– Mãe, pai, eu e a Patrice vamos ter um bebê e os pais dela querem a levar para a Alemanha. Por favor, nos ajudem com isso, ela não pode ir para tão longe assim com o nosso bebê. – o garoto falou tão rápido que eu me assustei, assim como os outros presentes na sala.

– Calma, filho. – a mãe pediu. – Respira. – Shawn obedeceu. – Isso. Agora me contem isso melhor. Você está grávida, Patrice? – Karen me lançou um olhar terno e eu assenti. – Oh, querida, parabéns! – me abraçou e eu retribui. – Meu bebê vai ser pai! – falou com os olhos cheios de lágrimas abraçando o filho.

Manuel nos felicitou e tudo parecia muito perfeito.

– Não sei se felicitações serão oportunas depois que eu lhes contar tudo. – meu namorando me olhou e respirou fundo assim como eu.

E mais uma vez eu precisei contar toda a triste história da garota psicologicamente afetada que naquele momento não deveria ter um filho.

Os pais dele me olhavam perplexo e eu pude ver o medo também presente naquele olhar. Pude ver o pavor ao ouvirem o pedido de Shawn para que eu ficasse em Toronto sob os cuidados deles e eu me senti uma inválida por isso.

Keren e Manu pediram licença para falar um instante com o filho, eles foram até a cozinha que ficava bem próximo de onde estávamos. Para a minha infelicidade ou não, eu podia ouvir a conversa deles, mesmo que vagamente. Mas ainda sim ouvi.

– Filhos, nos perdoe, mas não temos estruturas para cuidar dela. – Karen dizia e eu a entendi, verdadeiramente a entendi. – Talvez seja melhor ela ir com os pais.

– Mas mãe. – o filho tentava contestar.

– Você está brilhando em sua carreira, filho, mal para em casa. Como vai cuidar dessa moça com todos esses problemas que ela traz? Por favor, não me julgue, eu gosto dela mas não sei se consigo me comprometer. – algumas lágrima grossa caíram de olhos.

Ela estava totalmente certa.

– Então eu fico com ela aqui, se for preciso largo tudo para ficar com ela.

– Não, você está ficando louco? – o pai esbravejou.

Ele não seria louco de fazer isso. Quer dizer, talvez fosse, mas eu não deixaria isso acontecer, não por minha causa.

Eu não seria um encosto para a família de Shawn nem para ele. Eu o amava demais para ver ele afundando a carreira por isso.

– Ela não quer ir, mãe. – foi a última coisa que eu ouvi antes de me afastar mais dali.

Eles não demoraram e voltaram para a sala. Nos sentamos novamente como no início da conversa.

– Querida, o que seus pais acham disso tudo? – a mulher me perguntou.

– Eles me apoiam, dona Karen. Eles também querem que eu volte para Frankfurt – Shawn concordou de cabeça baixa. – e eu estou considerando a proposta de voltar. – rápido o meu namorado levantou a cabeça me encarando confuso. – Pelo menos esses meses antes do parto. – Shawn fez um sinal de negação. – Acho que vai ser melhor desse jeito, estar perto deles para que possam me ajudar com tudo, além que minha psicóloga está lá e eu precisarei muito dela. – a mulher concordava com cada palavra que eu dizia.

– E eu? – Shawn perguntou fungando em seguida. – Esse bebê também é meu, você não pode me afastar dele desse jeito.

– Filho, é só durante a gravidez. Além de que você poderá visitar sua namorada, não é mesmo, Patrice?

– Claro, você sabe que sim, Shawn. – ele negou outra vez.

– Você vai, amor. – a mãe disse tentando convencê-lo. – Nós daremos um jeito para que, se quiser, esteja sempre que puder junto da sua namorada e o bebê.

Shawn levantou e foi para o seu quarto, ouvimos a porta bater no andar de cima. Me levantei indo atrás dele. Bati na porta e ele não me respondeu, mesmo assim a abri e o vi deitado em sua cama chorando. Ele me viu e tentou secar as lágrimas que teimavam em cair. Entrei e fui em sua direção me sentando na beira da cama.

– Não fique assim. – falei fazendo carinho em seus cabelos.

– Fica aqui. – sussurrou. – Eu prometo ser presente, se quiser eu largo tudo pela nossa família.

– Não diga bobagem, Shawn. Eu precisarei me demiti e você vai ter um filho com uma mãe desempregada para sustentar. – ele riu e eu sorri. – E você ainda precisa de dinheiro para as passagens. Você já está rico o suficiente para começar a fretar jatinhos? – ele riu.

– Se precisar eu vou correndo. – baixou a guarda, ele parecia começar a compactuar com a ideia.

– Sem exageros, Mendes. – eu ri. – Nós vamos ficar bem, nós três vamos. – toquei em minha barriga e ele sorriu levando sua mão para o mesmo lugar. – Isso vai dar certo, a vida já fodeu demais com nós dois, não acredito que vai foder outra vez.

– Nós passamos por tanta coisa, não é mesmo? – falou cautelosamente. – E olha só aonde chegamos. Eu sou tão feliz por estarmos juntos e termos conseguido superar tudo. – se sentou. – E vamos passar por tudo o que vier porque estaremos juntos. – tocou em meu rosto e beijou a ponta do meu nariz. – Porque eu amo você. – beijou minhas bochechas. – Amo o que somos e o que teremos para sempre. – olhou para a minha barriga. – Você é meu caminho, minha luz, minha inspiração. – por fim beijou meus lábios, o beijo dele, o mais gostoso sabor.

Éramos um, nós três.

 


Notas Finais


esse capítulo é muito meeeu aaaaaaaa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...