História My Wife is a Demon Queen - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Dark Protagonista, My Wife Is Demon Queen, Protagonista Frio, Protagonista Op, Protagonista Overpower
Visualizações 89
Palavras 3.407
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Harem, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Seinen, Shounen, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi pessoal, novamente estou postando um capítulo dessa fanfic.

O motivo para eu estar demorando um pouco mais do que o normal é apenas um...

Resolvi ler algumas fics que estava pendente aqui na minha biblioteca.

Bem, vocês sabem, antes de ser um escritor, eu também sou um leitor.

Tô tentando acompanhar Restructure Arc, por isso pode demorar um pouco para mim escrever.

Recomendo olhar as notas finais antes de começar a ler o capítulo.

A aparência da heroína principal está lá...

Aliás, eu agradeço a todos vocês que me acompanham em minhas fics retardadas que escrevo.

PS: Me desculpem os erros de gramática.

Capítulo 2 - Rainha Irritante


Fanfic / Fanfiction My Wife is a Demon Queen - Capítulo 2 - Rainha Irritante

Rainha Irritante

- "Hã? O que é esse sentimento tão… quente?" - indagou Amitabha enquanto abria os seus olhos, apenas para de chocar com a visão do cenário à sua volta.

Era um cenário completamente do que ele esperava...

Era um espaço azul com várias estrelas ao seu redor. Todas em forma de anéis que rodeavam uma luz ofuscante no centro de tudo.

É um lugar maravilhoso…

E por alguma razão…

O seu corpo estava sendo atraído por aquela luz…

Isso é bom ou ruim…?

Bem, não há nada a ser feito quanto a isso.

Já que não sente o seu corpo mesmo…

Em alguns segundos, o seu corpo estava no meio de toda aquela luz ofuscante.

Mas não demorou a perceber um certo detalhe.

Ele estava sentindo algo duro em suas costas…

Isso não faz sentido…

Ele tinha sido morto…

Então como...?

Abrindo os seus olhos, o ruivo teve a visão de seis pessoas o observando.

Quatro delas eram do sexo feminino aparentemente e estavam enfileiradas umas das outras.

Todas vestiam pequenas armaduras amarronzadas, mas só cobriam os lados de seus corpos e eram ligadas por fivelas da mesma cor.

Cada uma vestia um collant marrom meio transparente por baixo da armadura.

Havia apenas uma ombreira equipada no ombro esquerdo delas.

Elas usavam botas de aço que cobriam as suas pernas, mas apenas do joelho para baixo.

Mas elas usavam apenas calcinhas por baixo…?

Sério, que tipo de armadura vulgar e inútil é essa?!

Elas nem sequer estão carregando armas!

Mas voltando ao assunto, ao lado esquerdo delas, um idoso vestindo uma túnica encapuzada de cor violeta, também portava consigo um cajado de prata com uma bola de cristal azul segurada pelo o que parecia uma mão dourada no começo do cajado.

Entretanto, o que mais lhe chamou a sua atenção foi a mulher a sua frente.

Era uma linda mulher de mais ou menos 20 anos de idade. Dona de belos, lisos e longos cabelos albinos que chegavam até os seus joelhos e desciam em três fios, dois na laterais de sua cabeça e outro em sua testa, entre dois grandes cifres violeta curvados para atrás.

Possuidora de belos olhos vermelhos que, de alguma forma, combinava perfeitamente com ela pelo fato deles terem uma fenda no meio.

O seu corpo era algo que poderia facilmente competir com as mulheres mais lindas do seu mundo.

Os seus seios eram grandes e redondos, apesar de não parecer devido ao collant de sua armadura, que por sinal era bem apertada também. Sua cintura era fina o que realçava ainda mais o seu grande quadril sedutor, que era acompanhado de uma grande cauda com grossas escamas violetas.

E nossa…

Que pernas…

- Hum? Que lugar é esse? - murmurou ele confuso enquanto olhava ao seu redor.

Parecia uma espécie de altar…

- Você está no meu Castelo - respondeu a albina friamente.

Parece que ela não gostou de sua presença…

Desgosto, era algo palpável em seu olhar…

- Alto Sacerdote, ele é realmente aquele relatado na profecia? - ela perguntou se virando para o idoso abaixo do altar.

- "Profecia?" - Amitabha pensou cerrando os olhos.

Se isso for realmente um novo mundo…

É apenas mais um motivo para ficar em guarda.

Não se sabe o que se pode acontecer agora…

- As lendas dizem que aquele que empunha o anel mágico semelhante ao da Rainha é o escolhido - respondeu o Sacerdote fazendo o outro olhar para o objeto preso em seu colar.

- "Será que é esse anel?"- ele indagou mentalmente enquanto olhava mais detalhadamente para o objeto em sua mão.

O anel em si era dourado e possuía um rubi encaixado no meio dele com outros dois pequenos rubis, um em cada lado do maior.

- Isso, esse anel mágico… é idêntico ao meu! - ela exclamou mostrando o anel em sua mão direita.

Mas em seguida, ela foi em direção a ele e o pegou pelo colarinho de sua camisa.

Que estranho…

Olhando melhor, essa camisa é meio diferente…

É mais leve…

Será que aconteceu algo com o seu corpo…?

- Se você é o escolhido, por que eu não sinto um pingo de magia em você? E você também faz parte da Tribo dos Humanos! - ela disse fazendo uma expressão irritada em seu rosto.

- Poderia me explicar melhor o que está acontecendo? - perguntou ele calmamente.

Quando ele fez essa pergunta, a albina apenas largou a sua camisa e com uma expressão descontente, se virou para o Sacerdote.

Havia um escudo ao seu lado, e olhando para ele, finalmente conseguiu ter uma visão do seu atual reflexo.

Arregalando os olhos em pura descrença, ele se levantou enquanto segurava o escudo em suas mãos.

Os seus cabelos, antes longos e ruivos, agora eram curtos e morenos. Os seus olhos era castanhos e possuíam uma pequena mancha vermelha contornando eles. O seu corpo era bem musculoso para a sua idade, que não parecia ter mais de 20 anos, sendo que ele tem mais de 40.

As suas roupas consistiam de uma camisa preta de mangas longas. Um casaco fino, que mais parecia um jaleco, de cor branca.

Vestia calças jeans preta e sapatos da mesma cor.

Mas porquê a sua aparência ficou assim...?

- Alto Sacerdote, não houve algo de errado com o feitiço de invocação? Como eu acabei invocando esse humano imprestável? - ela indagou irritada apontando para o Amitabha que apenas cerrou os olhos em sua direção.

O que ela tem de bonita…

Ela tem de irritante…

- O feitiço de invocação foi executado corretamente, ele é aquele que salvará a Tribo dos Demônios da extinção - o idoso explicou calmamente para ela que apenas cerrou os dentes frustada.

- Vocês poderiam me dizer logo quem são vocês e o que está acontecendo aqui? - indagou Amitabha chamando a atenção dos Demônios no local.

A albina apenas pôde suspirar em derrota.

Não tem jeito…

- Ouça bem, lixo humano! Eu sou a sétima descendente da Tribo dos Demônios, Isabella Osa - se apresentou ela enquanto dava um sorriso presunçoso.

- E o que aconteceu foi... - começou ela.

Hoje é o dia em que o Tratado de Paz entre os Demônios e Humanos seria assinado.

Porém, ninguém imaginou que a Alta Comandante Lilian e os Humanos fariam um acordo secretamente.

Eles atacariam a Rainha quando ela estivesse com a guarda baixa...

Não se sabe o que Lilian usou, mas ela extraiu uma grande quantidade de magia da Rainha.

Felizmente, a Rainha possuía quatro guardas que deram as suas vidas para protegê-la.

- O único motivo de ter sobrevivido foi por causa do sacrifício deles, não são todos que tem a capacidade de me proteger… - se lamentou ela apertando os punhos com força.

- Resumindo, você foi ingênua o bastante para confiar as suas costas para alguém que não merecia, agora você está aí, se lamentando - comentou ele indiferente fazendo com que todos arregalassem os olhos em descrença.

- Você… COMO OUSA?! - uma guarda com cabelos verdes gritou irritada.

- É a verdade, não é? - ele indagou dando de ombros.

- É CLARO QUE NÃO! NINGUÉM ESPERAVA UMA TRAIÇÃO DESSE TIPO! MESMO A RAINHA NÃO PODE PREVER TUDO! - gritou uma guarda com cabelos morenos furiosa com a audácia daquele Humano.

Isso fez Amitabha dar um suspiro.

- Sinceramente, se ela não pode prever uma traição simples como essa, então ela fracassou como líder - comentou ele com um tom desdenhoso em sua voz.

- O-O quê você poderia saber…? - Isabella murmurou irritada.

- Não preciso responder essa pergunta, mas de acordo com o que vocês disseram, depois de todo o ocorrido vocês vieram até esse lugar na tentativa de invocar alguém poderoso, não é? - perguntou ele indiferente.

- Isso mesmo, mas ninguém imaginava que seria um humano de merda como você - apontou a morena desdenhosa.

- Me invocar teria sido uma sábia decisão, se não fosse por um pequeno fator… - começou ele arrancando risadas das guardas do local.

- Ah é? Uma "sábia decisão" você diz, O CARALHO QUE É! - gritou a esverdeada irritada.

- Infelizmente, parece que perdi todo o meu cultivo, então, dependendo do nível desse mundo, não serei de grande ajuda - explicou ele ignorando completamente a esverdeada que rangeu os dentes ainda mais irritada.

- Relaxa, ninguém esperava nada de alguém como você - comentou uma guarda loira com um sorriso de escárnio.

- Gostaria que me respondesse uma pergunta... - ele disse se virando para a morena.

- Claro. E o que seria, senhor lixo? - ela perguntou com um falso sorriso.

- Qual é o seu nível de força comparado aos outros de sua espécie? - ele indagou ignorando o insulto dela.

Não estava com paciência para discutir com crianças…

Era apenas uma perda de tempo.

- Abra bem os seu ouvidos, nós quatro somos as guardas pessoais da Rainha Demônio, somos fortes o suficiente para sermos consideradas a Elite do Reino - ela se apresentou fazendo uma expressão orgulhosa arrancando um suspiro da Isabella e do Sacerdote.

Elas eram muito arrogantes, às vezes...

- Sério? - ele perguntou.

- É claro! Está surpreso? - ela indagou sorrindo.

- De fato, estou surpreso - admitiu ele suspirando fazendo a outra estufar o peito em uma expressão orgulhosa.

- Não esperava que o nível desse mundo fosse tão medíocre - ele comentou desapontado fazendo com que todos arregalassem os olhos mais uma vez.

- O QUÊ? - a morena gritou irritada.

- COMO VOCÊ PODE DIZER ISSO SENDO APENAS UM HUMANO INÚTIL! - a esverdeada gritou revoltada.

- Mas não são esses humanos inúteis que estão fazendo vocês ficarem nessa situação? - ele indagou indiferente fazendo com que as guardas cerrassem os punhos em frustração.

- Chega, eu não deixarei você falar mal do meu povo em minha presença - a albina se pôs a frente do grupo com uma expressão nada agradável em seu rosto.

- Você não acha que deveria se preocupar com outra coisa? - ele indagou apontando para ela.

Ela ficou meio confusa com essa pergunta.

- Do que você está fa- se auto-interrompeu para abafar um gritou que iria sair de sua boca ao sentir o seu corpo latejar.

- Você está bem, minha Rainha? - uma das guardas perguntou preocupada.

- Consigo sentir a minha aura desaparecendo… - ao terminar de dizer essas palavras, um redemoinho negro começou a circular o seu corpo.

Os seus cabelos albinos, que eram presos para atrás, agora caíam por sua testa, a cobrindo.

Ao mesmo tempo em que a armadura e as suas características demoníacas eram despedaçadas e sumiam em feixes violetas.

Assim, revelando o seu novo corpo.

Um corpo humano…

E totalmente nú.

Uma bela visão, diga-se de passagem.

- "Mesmo menores, eles continuam bem grandes…" - pensou ele avaliativo enquanto olhava para os seios da albina.

- M-Meu corpo, porquê ele ficou assim? - ela indagou chocada enquanto olhava para o seu novo corpo.

- É provável que seja por que a aura da Rainha foi reduzida e graças à isso, o seu corpo foi alterado dessa forma - o Sacerdote teorizou com um semblante triste em seu rosto.

- Como é que eu vou aparecer diante do meu povo agora…? - ela murmurou desolada.

- A Rainha consumiu a sua aura por nossa causa… - se lamentou uma das guardas.

- Sua majestade… - murmurou uma outra de forma preocupada.

- Pegue - Amitabha disse jogando a sua jaqueta branca.

A sua aparência mudar foi o de menos...

Pelo menos, já percebeu que a sua força sumiu…

O que é bem ruim, considerado a sua situação atual.

Mesmo assim...

Não podia deixar de ficar frustrado.

Foram anos e anos de cultivação...

Perder tudo isso, era como uma facada em seu coração.

Depois de pegar a jaqueta, mesmo achando a roupa meio estranha, usou isso para se cobrir.

- É TUDO CULPA DESSE PEDAÇO DE LIXO INÚTIL, VAMOS IRMÃS, VAMOS DAR UM FIM NELE! - a esverdeada gritou irritada enquanto apontava para Amitabha.

- Que entediante… - ele murmurou desapontado com a imaturidade daquela mulher.

Porém, antes que tudo se desenrolasse para um lado ruim, um guarda abriu a porta com tudo.

A sua expressão ofegante demonstrava o quanto estava se esforçando para seja lá o que for que estava fazendo.

Bem, havia sangue descendo pela a sua cabeça…

Uma luta…

Provavelmente.

- A TRIBO DOS HUMANOS ESTÁ PRESTES A PENETRAR AS NOSSAS DEFESAS! - gritou ele chamando atenção de todos no local.

- Pedimos que Sua Majestade, por favor seja escoltada para fora daqui! - pediu um outro guarda que mais parecia um pássaro humanóide esverdeado.

Havia um corte passando pelo o seu olho direito.

Isso lhe trás boas recordações…

Bons tempos…

- Foi rápido… - a albina comentou depois de cobrir o seu corpo com a jaqueta.

- Minha Rainha, a defenderemos com todas as nossas forças! - a esverdeada declarou com convicção.

- Tenho muita sorte em ter guerreiros como vocês que se importam tanto comigo - Isabella disse sorrindo.

Algo que arrancou um sorriso das quatro guardas.

- Minha Rainha, você parece uma humana normal, isso facilitará a sua fuga, mas você não pode permitir que os Humanos descubram a sua verdadeira identidade - instruiu o Sacerdote com seriedade fazendo a outra acenar com a cabeça em confirmação.

- Entendido, de fato será mais fácil com essa aparência, mesmo eu não gostando nenhum pouco dela… - ela murmurou a parte final para si mesma.

- Eu ficarei neste lugar para ajudar os guardas a mantê-los aqui, assim poderemos lhe dar algum tempo - afirmou o idoso fazendo a albina arregalar os olhos em choque.

- EU RECUSO! ALTO SACERDOTE, NÃO IMPORTA A SITUAÇÃO, NÃO IREI ABANDONAR NINGUÉM DO MEU POVO! - ela brandou não acreditando no que o seu seu conselheiro disse.

Mas antes que se desse conta, um enorme círculo mágico azulado surgir embaixo de todos, exceto o seu próprio conjurador.

- Alto Sacerdote, mas isso… - Isabella murmurou em choque ao perceber o que ele queria fazer.

Com isso em mente, ela tentou correr em seu direção, mas foi segurada pelas as suas guarda.

- MAJESTADE, NÃO VÁ! - gritou uma das guardas.

- ALTO SACERDOTE! - a albina gritou com lágrimas se formando em seus olhos.

- "Parece que não tenho escolha" - Amitabha pensou enquanto entrava, furtivamente, no círculo mágico.

Não sabia direto o que estava acontecendo…

Então, por hora, é melhor ficar perto deles.

- Estive ajudando os líderes por cinco gerações, mas essa será a última… Por favor, permita-me ser de utilidade à Rainha mais uma vez - ela pediu enquanto colocava o seu cajado no chão fazendo com que todos começassem a flutuar.

- NÃO! - ela gritou enquanto tentava estender a mão na tentativa de alcançá-lo.

Apenas para sumir no milésimo seguinte...

Junto dos outros.

No momento em que ela sumiu, o portão principal foi destruído por uma explosão.

Quando a poeira baixou, podiam ser vistos vários soldados humanos vestindo simples armaduras vermelhas.

Mas o que mais se destacava entre eles, era um homem, aparentemente com 40 a 50 anos de idade.

Os seus cabelos era ruivos e possuíam dois fios caindo pela a sua testa, grossas sobrancelhas e olhos vermelhos e também tinha uma barba mal-feita da mesma cor dos seus cabelos.

Ele vestia uma simples armadura branca, que mais parecia uma malha, com um cinto dourado em sua cintura.

Por cima da armadura, ele usava um manto avermelhado com pelos na gola.

- Onde está a Rainha? - o ruivo indagou com um sorriso presunçoso em seu rosto.

O Sacerdote apenas se virou com um sorriso enquanto se preparava para a batalha.

Em algum lugar, a vários metros do Castelo, em uma campina, uma luz azulada ofuscante surgiu do nada.

E dele, surgiram seis pessoas com diferentes expressões em seus rostos.

- A Tribo dos Humanos ainda estão nos cercando? - indagou uma guarda morena enquanto olhava ao seu redor.

- Olhem, aquele é o Castelo que estávamos agora a pouco - a esverdeada disse chamando a atenção de todos para a construção que se encontrava em chamas no momento.

- Não é tão longe daqui, temos que ir - a esverdeada disse se virando para a sua Rainha que estava com um olhar perdido naquela direção.

- Minha Rainha, por favor, recomponha-se! - pediu uma guarda loira enquanto sacudia o corpo da albina, conseguindo a despertar de seus desvaneios.

- Não se preocupe, a sua Rainha não vai ficar lamentando em uma hora dessas. Eu me vingarei de todos os soldados que se sacrificaram! - ela disse com os seus olhos brilhando em uma cor escarlate.

- Vamos! - ela brandou indo para alguma direção aleatória.

Não sabia para onde ir, mas qualquer lugar era melhor do que aqui.

Mas, o que eles não sabiam…

Era que estavam sendo observados por um grupo de soldados.

- Encontramos as tropas remanescentes da Tribo dos Demônios! - disse um deles com um sorriso maldoso.

Algo acompanhado por todos do seu grupo.

Enquanto andavam pela campina, Amitabha sentiu algo voando em direção a morena do seu lado.

Pensando rápido, ele a puxou para o seu lado, a fazendo gritar em surpresa.

Mas para o seu espanto, uma flecha foi fincada no chão onde estava anteriormente.

- É uma flecha dos Humanos! - ela exclamou chamando a atenção do grupo para si.

Apenas para ver um grupo de soldados indo com tudo em sua direção.

- VÁ PRIMEIRO, SUA MAJESTADE, OS SEGURAREMOS PARA VOCÊ! - gritou a loira enquanto invocava uma lança do nada.

Algo imitado pelas outras guardas.

- O REI DISSE QUE GANHARÍAMOS 20 PEÇAS DE OURO POR CADA CRÂNIO DE DEMÔNIO QUE LEVARMOS DE VOLTA! - gritou um soldado sorrindo ao ver os demônios em sua frentes.

- Lixo de Humanos! - xingou a morena irritada.

Mas depois, ela se virou para o garoto que havia lhe salvado,

- Você, me prometa que protegerá a Rainha, é o meu último pedido! - ela disse decidida.

Pretendia se sacrificar…

Entendo…

- Farei isso - ele disse simplesmente.

Ela acenou para ele e partiu em direção ao inimigo.

As outras repetiram a sua ação.

Mas antes que Isabella pensasse em fazer alguma coisa, Amitabha pegou em seu pulso e a puxou na direção contrária da batalha.

- ME SOLTA, LUTAREI EM CONJUNTO COM AS MINHAS TROPAS! - ela gritou irritada enquanto tentava se desvencilhar do moreno.

- Você vai acabar se matando se for para lá, venha comigo - ele disse começando a andar enquanto puxava a albina.

- EU PREFIRO MORRER DO QUE ABANDONAR AS MINHAS TROPAS POR CONTA PRÓPRIA! - ela gritou irritada, mas ele, irritado, acabou por dar um tapa em seu rosto.

Ela arregalou os olhos em choque.

Ninguém nunca tinha lhe batido assim…

Apenas o seu pai…

- Apenas cale a sua boca e me ouça, pirralha - ele disse friamente, coisa que a fez ficar rígida.

- Se você voltar agora, o sacrifício de todos terá sido em vão, mas se ainda deseja lutar e acabar com a sua vida inútil, vá em frente e faça isso! - o moreno disse soltando o seu pulso, a deixando a mercê de sua própria escolha.

Ela apenas ficou em silêncio e com os cabelos cobrindo o seu rosto.

- Somente se estiver viva você poderá vingar os seus soldados caídos, se morrer, o legado deles irá desmoronar por sua causa - ele disse friamente fazendo lágrimas se acumular nos olhos dela.

Isabella resolveu dar uma última olhada para atrás.

- O crânio desse Demônio é meu! - disse um soldado desferindo um corte diagonal no corpo da guarda loira.

Depois disso, ele ficou a espada nas coisas dela, a matando rapidamente.

- Que tal eu me divertir com você um pouquinho antes de decapitá-la? - disse um outro soldado com um sorriso malicioso enquanto segurava uma corda que estava presa no pescoço da guarda morena.

As lágrimas começaram a cair de seu rosto ao ver a situação que elas estavam.

- Não olhe para atrás - essa fala do moreno a fez arregalar os olhos novamente.

- Elas não iriam querer que você as visse dessa maneira - ele disse simplesmente.

Ela, relutantemente, acenou em confirmação e se pôs a seguí-lo.

Mas, quando andaram por mais alguns metros, um soldado apareceu na frente deles.

- "Merda" - Amitabha pensou cerrando os dentes frustado.

Se ele tivesse as suas antigas habilidades, esse soldado não seria nada mais do que uma formiga perto de si.

Mas que situação patética!


Notas Finais


Essa é uma história que eu achei bem legal de escrever, já que os capítulos desse mangá tem poucas páginas e os eventos são desenvolvidos de forma muito lenta.

Aliás, para quem está esperando um novo capítulo de Reborn In the DxD World, pode ser que ele demore mais um pouco.

Escrever lutas é bem difícil...

Por isso, eu estou lendo para ter mais algumas idéias mesmo.

Bom, é isso e até a próxima.

Isabella Osa: https://vignette.wikia.nocookie.net/my-wife-is-a-demon-queen/images/8/8b/Isabella.jpg/revision/latest?cb=20190921082950


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...