História My wife, my life - Capítulo 43


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Emma Swan, Regina Mills, Swan Mills, Swan Queen, Swanmills, Swanqueen
Visualizações 400
Palavras 3.112
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiii gente. Capitulo duplo. Espero que curtam essa cap fofinho. Mil bjus pra todas(os) minhas(meus) ficspectadoras/dores

TENTAREI RESPONDER TODOS OS COMENTÁRIOS DO CAP ANTERIOR

Capítulo 43 - Testamento


Regina- Aquela piranha acertou um soco na minha costela.

Minha esposa e eu gargalhamos.

Emma- Vamos valentona. Em casa eu cuido de você.

Seguimos pra casa.

REGINA

Entramos no apartamento e sinto Halley agarrar minhas pernas.

Regina- Meu amor.

Ela está chorando.

Emma- O que houve?

Amália- Ela não parou de chorar desde que vocês saíram.

Faço um sinal pra Amália, que nos deixa sozinhas.

Emma e eu levamos um tempo lhe acalmando.

Emma- Halley, o que aconteceu meu amor?

Halley- Não vai embora. Não me deixa!

É a dor de uma criança traumatizada.

Regina- Halley, nós não vamos te abandonar. Não vamos embora!

Halley- Mamãe disse pra sempre.

Emma- O quê?

Halley- Que ia ser eu, ela e o meu irmão pra sempre.

Regina- Halley, o que aconteceu com a sua mãe foi um acidente. Ela não foi embora porque quis.

Emma- Ela não queria te deixar, Halley.

Ela se aperta em nós.

Regina- Nos desculpe ter saído e te deixado pra trás tá? De agora em diante, prometemos, que você vai sempre saber onde estaremos.

Emma- Isso mesmo. 

Halley- Promete?

Regina- Prometemos.

Regina- Halley, precisamos perguntar uma coisa pra você.

Halley nos olha.

Emma- Meu amor, quando sua mamãe virou uma estrelinha, você ficou lá naquele lugar com outras crianças. Depois trouxemos você pra cá. Não é?

Ela confirma.

Regina- Precisamos saber se você quer ficar com a gente. Com a tia Emma e comigo.

Halley- Eu não quero ficar em outro lugar. Eu quero ficar aqui com vocês.

Emma sorri e eu me emociono.

Aos poucos, com os meus carinhos e os de Emma, Halley acaba apagando.

Logo depois na cozinha.

Regina- Ai, Amália. Tem um rosto aí embaixo.

Sinto a pele queimar quando Amália empurra uma bolsa de gelo no meu rosto.

Amália- Isso é o de menos. Onde já se viu? Uma mulher desse tamanho se agarrando feito cachorro de meio de rua?

Regina- Ela me ofendeu primeiro.

Amália- Eu não quero saber. Você sempre foi briguenta.

Regina- Não. A briguenta sempre foi a Zelena.

Amália- As três são briguentas. Parece uns anjinhos, mas parece que incorpora o capeta quando ficam nervosas.

Eu gargalho.

Regina- Você é exagerada.

Amália- É? Eu lembro da sua briga com a Elsa, quando ela estourou a sua bola.

Regina- Ela merecia apanhar. Você tinha me dado aquela bola e ela furou minha bola com um espeto de churrasco.

Amália- Coisa feia.

Regina-Eu sei.

Nos olhamos e rimos.

Amália- Olha, só. Tenho uma coisa pra falar.

Regina- O que há?

Amália- Eu estou partindo amanhã.

Regina- O quê? Por quê? Aconteceu algo?

Amália- Aconteceu. Tô com saudades do meu véi.

Me entristeço, mas entendo demais minha querida Amália.

Amália- Não faz essa cara. Vou passar uma semana lá e outra aqui.

Emma- Que carinha é essa?

Minha esposa chega e nota meu semblante.

Regina- Amália tá indo embora.

Emma- O quê? Por quê? O que foi que eu fiz?

Ela ri com Emma.

Amália- Não fizeram nada. Eu tenho que dar uma olhada como tão as coisas por lá. Aquele hômi tá sozinho há semanas. Deve tá tudo revirado!

Regina- Tudo bem.

Emma-Vamos fazer o seguinte? O que acha de irmos todos pra lá?

Regina- Ah meu deus. É claro. Vamos sim!

Emma- Ainda temos uma semana de sua licença na clinica. E os meus projetos eu posso trabalhar on line. A escolinha da Halley só começa mês que vem. Ela vai adorar conhecer a fazenda.

Regina- Meu amor. Excelente ideia.

Dou um selinho

Amália- Então amanhã seguiremos viagem.

É isso. Uma semana de sossego na fazenda.

É tudo que todas nós precisamos.

Finalmente amanhece.

Recebemos uma ligação de Ethan.

Ele solicita que comparecemos ao fórum perto da minha clinica.

Deixamos Halley dormindo e uma cartinha com Amália.

Regina- Estou com medo, Emma.

Emma- Regina. Vai dar tudo certo.

Ethan se aproxima.

Ethan- Me perdoem por ligar tão cedo.

Emma- Tudo bem.

Regina- Mas o que está acontecendo?

Ethan- O juiz convocou essa sessão de emergência e precisa que vocês estejam presentes.

Regina- Mas porquê?

Ethan- A juíza que expediu a autorização pra aquele casal adotar a Halley foi pega querendo fugir do país.

Emma- Desgraçada.

Ethan- O juiz precisa de seus testemunhos do que aconteceu naquele dia.

Regina- Claro.

Ethan- Meninas, preciso que sejam sinceras.

Emma- Tudo bem.

Emma e eu somos chamadas a depor separadas.

Não precisava combinar nenhuma história. Temos a verdade em nossas mãos.

Chegou a minha vez.

Regina- E dentro do elevador, eu trouxe a Halley ao mundo.

Juiz- Doutora, me esclareça uma coisa: Em algum momento, a senhora Ashley havia lhe dito que a filha ficaria com vocês, caso ela morresse?

Regina- Não. Fomos surpreendidas com o testamento. Na verdade nunca estamos preparados pra o momento da perda. Ashley planejava tudo. Seu sonho era ser mãe. Procurou meu consultório pois queria fazer uma produção independente. Halley era a razão de sua vida. Seus planos era criar a Halley. Vê-la correr de bicicleta. Assistir a filha se formar na faculdade.  Não acho que ela tinha qualquer pressentimento que morreria tão cedo.

Juiz- Doutora, quando deu entrada aos papéis de adoção, sabia que teria uma longa fila de espera.

Regina- Sim.

Juiz- E como tinha a certeza de que a menina ficaria com a senhora e sua esposa?

Regina- Eu não tinha certeza. Mas quando eu vi a Halley machucada naquela cama de hospital. Eu sabia que faria de tudo pra que ela ficasse conosco.

Juiz- Quando foi informada que a Halley já havia sido adotada, o que aconteceu?

Regina- Nós tínhamos a documentação de que a Halley ficaria conosco e corremos pra o conselho tutelar. Mas quando chegamos lá, a diretora nos informou que ela já havia sido adotada.

Juiz- Qual era o comportamento dela?

Regina- Como se estivesse feliz com o que estava acontecendo. Ela nos olhava com um olhar de deboche.

Juiz- Seja mais especifica.

Regina- Sua expressão facial e postura corporal, indicava de que estava satisfeita com o nosso desespero. Ela alternava seu olhar pra mim e pra minha esposa como se o nosso caso fosse algo pessoal. Como se estivesse ganhando algo com aquilo.

Juiz- A senhora conhece a juíza Collen Andrew?

Regina- Pessoalmente não.

Juiz- Tem algum motivo pra entender porque ela lhe prejudicaria?

Regina- Eu tive o conhecimento de que ela e o meu sogro haviam tido um caso.

Juiz- Tem provas disso?

Regina- A filha dele já presenciou eles de forma intima em algumas oportunidades.

Juiz- E o seu sogro?

Engulo seco.

Juiz- Por que ele lhe prejudicaria?

Regina- David Nolan é um monstro. Estuprador. Ele abusou de mim quando eu já estava casada com a filha dele. Me ameaçou por anos. Semanas atrás eu o desmascarei diante de toda a sociedade de Boston.

Juiz- Ele saberia da adoção da Halley?

Regina- Não sei lhe informar.

Juiz- Tudo bem. Muito obrigada, doutora Regina.

Eu o comprimento e saio da sala.

Encontro minha esposa.

Emma- Está tudo bem?

Regina- Está.

Ethan- Foram excelentes depoimentos.

Quero aproveitar que estão aqui e discutir um assunto com as duas.

Emma- Algum problema?

Ethan- Não. Me acompanhem.

Entramos numa sala e Ethan pega alguns documentos.

Ethan- Como sabem, estou responsável pelo inventário de tudo que é de Ashley.

Regina- Claro.

Ethan- Depois sentaremos com calma e discutiremos os detalhes dos bens que ela deixou.

Emma- Tudo bem.

Ethan- Estará tudo ao alcance de Halley quando ela for de maior.

Regina- Claro.

Ethan- Mas tem alguns itens intrigantes que me chamou a atenção.

Emma- O que foi?

Ethan- Ela tinha uma poupança razoável que cobre em parte os estudos de Halley.

Regina- Nós já garantimos os estudos da nossa filha.

Emma- Temos uma reserva que garante até a faculdade

Ethan- De qualquer forma, ficará a disposição de Halley quando ela completar a maioridade ou disponíveis a vocês se comprovarem que a Halley necessita de algo em especial. Algum problema de saúde ou necessidades.

Emma- Quanto a isso, Halley está protegida.

Ethan folheia um bloco de documentos

Ethan- Mais uma coisa. A casa onde elas moraram...

Regina- O que tem?

Ethan- A casa está no nome de vocês três.

Emma- O quê?

Aquilo me choca.

Ethan- Quando Ashley fez o testamento, ela deixou claro que, se morresse,  a casa era da Halley e de Emma Swan Mills e Regina Swan Mills.

Regina- Ah deus.

Emma- E...Eu...

Ethan- Olha. Eu sei que é muita coisa pra digerir. Está bem? Levem a documentação e leiam tudo. Já dei entrada na mudança de sobrenome da Halley.

Emma sorri e eu também.

Regina- Obrigada, Ethan. Nós só precisamos que...

Um barulho nos chama atenção.

Entramos na sala onde eu havia dado depoimento e uma mulher ruiva quase na minha altura esbraveja e o juiz parece impassível.

-Determino a prisão imediata da juíza Collen Andrew.

- Meritíssimo, essa sentença é absurda. Minha cliente não pode ir pra cadeia.

- A sua cliente tem uma lista imensa de contravenções. Além dessas infrações acaba de desacatar uma autoridade. Uma juíza que era tida como modelo em nossa Comarca nos envergonha. Determino além da sua prisão, inquérito imediato de todas as sentenças e emolumentos expedidos por ela.

Bate o martelo e a mulher esperneia, mas sai da sala algemada.

Emma me tira dali e me leva até o nosso carro.

Emma- Você está bem?

Regina- Estou. São muitas informações de uma só vez.

Emma- Ao menos de um encosto nos livramos.

Ela ergue a mão e trocamos um high five.

Seguimos pra nosso lar.

Temos muita coisa pra absorver.

Emma se compromete em cuidar de Halley enquanto visito minha irmã grávida e dramática.

Elsa- Me sinto abandonada.

Regina- Elsa, por deus. Moramos há 3 minutos de distancia. Nos falamos diariamente.

Elsa- Não é suficiente.

Zelena- Para de drama.

Elsa- Você nunca esteve grávida. Não sabe o que é isso.

Zelena- Nem pretendo. Pra quê quero uma criança choramingando se já tenho você?

Regina- Zelena, seja compreensiva. Os hormônios dela estão fora de controle.

Zelena- Você fala como se um dia eles foram controlados.

Elsa- Tire essa ruiva imatura de perto de mim. Acordei de madrugada e ela estava na minha cama. Por um momento eu pensei que era o pai do meu filho.

Zelena- Ah, então foi por isso que você disse “mete com força”?

Explodimos na gargalhada.

Elsa- Você não vale nada, minha irmã.

Zelena- Eu sei. Mas eu só fui pra lá porque sabia que você estava carente.

Elsa- Mentira. Você está carente.

Regina- Vamos parando vocês duas?

Zelena- Tá.

Regina- Então, Elsa?

Elsa- Quê?

Regina- Além das reclamações sobre o meu “abandono”, como tem se sentido?

Elsa- Quase não tenho enjoo ou tontura. A fome está me consumindo.

Zelena- Ótima desculpa pra comer.

Elsa- Você gosta de se meter não é?

Zelena- Adoro.

Elsa revira os olhos.

Regina- E quando vamos conhecer o pai?

Elsa- Breve. Eu vou marcar uma consulta quando você volta. E ele quer estar presente.

Zelena- Eu não vou perder isso de jeito nenhum.

Elsa- É sério?

Zelena- Mas é claro. Não vou perder a chance de envergonhar ele e você.

Elsa- Zelena, você está proibida de entrar naquele consultório.

Zelena ri.

Mariah chega a cozinha.

Mariah- Bom dia.

Respondemos.

Elsa- Bom. Eu vou descendo pra tomar o café da Amália.

Elsa vai saindo e Zelena continua parada.

Elsa- Zelena.

Zelena- Que é?

Elsa puxa a minha irmã ruiva pelo braço.

Elsa- Você não tem jeito não é?

As duas saem do apartamento.

Mariah pega uma caneca de café e senta-se a mesa.

Regina- Então? Pretendia ficar aqui por quanto tempo?

Mariah me encara.

Regina- Mariah, conversa comigo.

Mariah- Eu nunca tive alguém que se preocupasse comigo do mesmo jeito que você se preocupa. E de repente, você me atendeu no seu consultório de forma tão carinhosa. E nem tinha ideia de quem eu era. Se preocupou comigo e cuidou de mim quando aquele monstro me bateu. Depois, mesmo com seus conselhos, acabei me envolvendo com aquele traficante e fui presa.

Regina- E?

Mariah- Depois que nos conhecemos eu já te decepcionei várias vezes. Você não sabe o quanto é difícil olhar nos seus olhos e saber que estou te decepcionando outra vez.

Regina- Mariah. Olha pra mim!

Ela continua encarando o chão.

Regina- Olha pra mim!

Ela ergue o rosto.

Regina- Você não está me decepcionando agora.

Mariah- Estou.

Regina- Não. Você não está. Precisa entender que foi chocante pra mim abrir a porta e me deparar com aquela cena. Eu teria me chocado se fosse um homem também. Não é porque você optou por outra mulher. Acredite em mim. A diferença de idade também não me incomoda. Não foi isso! É que você é tão jovem. Acabou de descobrir que tem três irmãs, uma mãe lunática, sem contar com a família do seu pai. Fez aquela cirurgia delicada e tudo isso aconteceu nos últimos meses. É muita coisa pra digerir. Seu relacionamento com a Ruby me surpreendeu.

Mariah- Eu entendo.

Regina- Entende?

Mariah- Entendo, sim. Eu devia ter te contado.

Regina- Não. Não devia ter me contado. Eu não quero que se sinta obrigada a conta coisas da sua vida, Mariah. Eu quero ser a irmã que você confia em contar tudo. Aquela irmã que você conta sem ter medo de  represálias. Minha personalidade é muito complicada. Sou protetora desde sempre! Ter a mãe que temos, fez crescer em mim a necessidade de sempre proteger vocês. Com a Zelena e a Elsa foi do mesmo jeito. Eu já aprontei muito com elas.

Mariah abre um sorriso tímido.

Regina- Uma vez eu dei uma surra no primeiro namorado da Zelena porque eu o vi abraçado com uma garota.

Mariah- Sério?

Regina- É. Acabei descobrindo que era a irmã dele e a Zelena descobriu depois que ele era gay.

Mariah ri.

Regina- Olha.

Me aproximo e me sento perto dela.

Regina- Eu te amo, Mariah. Tudo que eu senti foi medo. Medo de que a Ruby estivesse se aproveitando da sua confusão e...

Mariah- Mas ela não se aproveitou, Regina. Eu comecei a ter sentimentos por ela naquela noite em que você me achou, quando eu estava machucada naquele ponto de ônibus.

Regina- O quê?

Mariah- É. Desde que a conheci eu senti algo novo e diferente. Eu não estou confusa. Pode acreditar! Ruby é doce, apaixonante e amorosa. Eu quem tomou a iniciativa. Eu quem a beijou primeiro. Eu pedi muito pra que ela dormisse no meu quarto aquela noite.

As palavras da minha irmã me surpreendem.

Mariah- Não é capricho ou confusão. Eu gosto mesmo da sua melhor amiga.

Regina- Mariah, eu só quero que você seja feliz. Sabe disso não é?

Mariah- Sei sim.

Regina- Eu não quero interferir na sua vida, mas vou acabar interferindo sempre. Isso é o que a família faz! Sou ciumenta, marrenta e muito encrenqueira.

Mariah- Você é maravilhosa, Regina.

Regina- Eu sei que sou.

Mariah ri.

Regina- Olha, me perdoa por não ter te dado espaço pra se abrir comigo. Me perdoa por ter feito você acreditar que tinha algo pra se envergonhar.

Mariah- Só se me perdoar por não ter sido sincera.

Regina- Ótimo. Então vamos esquecer tudo?

Mariah- Eu adoraria.

Ela me olha apreensiva.

Regina- O que há?

Mariah- E a Ruby?

Regina- Ela tá ótima.

Mariah- Eu quis dizer ela e eu...Nós...

Regina- Você é uma adulta, Mariah. Faça o que bem entender da sua vida.

Mariah- Eu sei. Mas eu queria saber se a Ruby e eu...Quando você...

Regina- Minha melhor amiga sempre será bem vinda em nossa casa. E ela sabe disso.

Mariah me abraça.

Mariah- Obrigada por ser incrível.

Aperto-a com força em meus braços.

Regina- Vamos. Tem almoço em família.

Mariah- Ai que delícia. E a Amália vai fazer o quê?

Regina- Quem disse que é a Amália que vai cozinhar?

Mariah- Ê maravilha.

Vamos seguindo pra o elevador.

Mariah- Posso te perguntar uma coisa?

Regina- Fala.

Mariah- Quem te acertou?

Regina- Aquela demente da sua namorada.

Mariah- Ah meu deus. E ela?

Regina- Digamos que deu empate.

Mariah ri e seguimos pra meu lar.

Chegamos ao apartamento e a briga rolava.

Emma- Me dá ela.

Zelena- Não.

Amália- Me dá a menina.

Zelena- Eu quero brincar nela também.

Halley parece uma bolinha sendo passada de braço em braço.

Minha filha gargalha quando Mariah também entra na brincadeira.

Não aguento e entro na brincadeira também.

Quero viver nessa alegria de um lar unido.

Meia hora depois estou na cozinha com a ajudante mais linda desse mundo sentada no balcão.

Regina- Chinchila sabe o que é isso?

Ela olha, analisa a fruta na minha mão e nega.

Emma sussurra no ouvido dela.

Halley- Amerola

Regina-Acerola.

Emma e eu rimos da doçura da pequena.

Já havia preparado quase tudo pra o almoço.

Agora aprontava a sobremesa.

Misturo alguns cubos de frutas.

Ruby- Nossa que cheiro bom.

Minha amiga entra na cozinha de mãos dadas com minha irmã.

Regina- Halley, eu quero que conheça a minha amiga.

Halley fica nos olhando.

Ruby- Oi, Halley.

Halley- Oi.

A minha loirinha fica encarando a nova tia.

Faço um sinal e Ruby se aproxima.

Ruby- Halley, você é muito linda sabia?

Halley confirma.

Ruby- Posso te dar um abraço?

A minha chinchila abre os braços e Ruby a pega.

Emma sorri e pisca o olho pra mim.

Halley abraça Ruby e minha amiga fica lhe apertando nos braços.

Ruby- Eu sei que você ganhou muitas tias nesses últimos dias, mas vou te prometer uma coisa.

Halley- O que é?

Ruby- Eu vou ser a tia que sempre vai ter presentes pra você.

Entrega a Halley um embrulho.

Halley- Oba.

Rapidamente minha filha sorri enquanto abre o embrulho.

Regina- Não tenta comprar ela.

Ruby- Já comprei.

Sai com Mariah e Halley da cozinha.

Regina- O que acha?

Emma- Ela vai estragar a nossa filha.

Regina- Não. Eu quis dizer, o que acha que ela vai preferir?

Emma- Sobre a casa?

Regina- Acha que ela vai ser feliz naquela casa?

Emma- Vamos perguntar com calma. Ela já passou por tanta coisa. Precisamos decidir o que for melhor pra ela. Com calma. Tá?

Regina- Tá.

Emma se aproxima e me beija.

Emma- Está feliz?

Regina- Mais do que nunca.

Minha esposa se aproxima ainda mais e roça o nariz no meu.

Emma- Se eu te beijar, vai doer no lugar que sua amiga socou?

Regina- A dor faz parte da vida.

Trocamos alguns selinhos.

Minutos depois Halley chega agarrada com um ursinho novo.

Emma- Tá tudo bem meu amor?

Halley aponta pra o balcão.

Emma a ergue e a coloca no balcão outra vez.

Emma e eu nos encaramos.

Nossa filha gosta mesmo de estar comigo e com a minha esposa.

 


Notas Finais


Albert- Olá, Regina.

Era o pai de Hanna na minha porta!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...