1. Spirit Fanfics >
  2. My word >
  3. Dois anos depois

História My word - Capítulo 55


Escrita por:


Notas do Autor


Tá acabando...

Capítulo 55 - Dois anos depois



Nacional City


Dois anos depois 

Pov-kara


Nesses dois anos que se passaram nossa família cresceu, Lena conheceu os três irmãos e depois de algum tempo Lian, jully, León e Rhea fora integrados a família.  Liam é médico geral, ele trabalha junto com Meredith, jully é cientistas, cerca de seis meses depois de Lena à  conhecer colocou a irmã na L-corp e hoje trabalham juntas,  Leon por sua vez é bombeiro, deixando Rhea e Lena de cabelo em pé quando ele precisa sair para algum chamado.

Não preciso dizer que a família acolheu os novos integrantes, com muito amor e piadas, meus filhos amam os novos tios, por falar em meus filhos, os quatros cresceram tanto, Theo está agora com dezessete anos, deixando eu e Lena de cabelos em pé, quando saí para festa com os amigos, imra e Emilly completaram nove anos, são super inteligente e falantes, assim como kaila nossa casula está com sete anos recém completados, começamos a levá-la ao psicólogo para ela entender que não é um mostro por ser "um pouco diferente" das meninas, todos da família ajudam minha filha, se dependesse de mim kaila jamais sofreria pela sua condição, mas sei que não depende, por isso é meu dever junto com Lena de prepara-la psicólogicamente para o mundo . 


Sou tirada dos meus devaneios com Theo entrando no meu escritório. 

— Mãe você precisa ir até a cozinha, tá um caos. 

— Como assim T ? O que aconteceu ? 

— Imra deu um soco em um colega de turma, e a mamãe tá surtando. — Ele fala ajeitando o boné na cabeça. 

— Mas sua irmã não é o tipo de criança que age assim, vamos.


Nós dois nos direcionamos para a cozinha, Lena brigava com Imra enquanto colocava gelo nas mãos, minha menina dos olhos verdes estava sentada na bancada de cabeça baixa, emiily estava abraçada com kaila na mesa, as duas estava assustada. 

— Amor, calma. — Falo me aproximando das duas.

— Calma Kara ? Imra socou um colega de turma e ela não quer me dizer o motivo, ainda machucou os dedos, eu acho que não estão quebrados, eu só quero entender o por que. — Lena fala reversando o olhar entre mim e Imra.

— Entendi amor, sabemos que a violência não é o melhor caminho, correto. — Falei e a cozinha continuo em silêncio. — Correto ? — Pergunto novamente e todos responderam ao mesmo tempo.  — Imra você pode nos dizer por que você bateu no seu colega de classe ? — Falo ao lado de Lena. 

— Ele chamou a kaila de aberração, é mentira, kaila não é uma aberração mamães, ela é normal como todos nós, ela só tem uma diferença igual a mamãe e o T. — Imra fala com um bico nos lábios, minhas mãos se fecharam com ódio, Lena estava estética e o olhar de  Theo, assim como o meu era pura raiva. 

— Meu Deus. — Lena abraçou Imra. 

Olho para kaila que agora estava nos braços de Theo, como eu disse não posso proteger ela da maldade ou da falta de noção das pessoas.

— O que vamos fazer Kara ? — Lena Pergunta.

— Vou ensinar a elas a baterem sem machucar os dedos. — Falo entre dentes. 

— KARA. — Lena me repreende balançando a cabeça negativamente com um sorriso de lado, o famoso sorriso de quem não acredita no que está ouvindo. Respiro fundo, e chamo eles para se sentar na mesa.

— vocês já sabem que a mamãe  é diferente de vocês duas e da mamãe Lena, kaila é igual a mim e esse fato vai fazer vocês serem obrigados a escutar esses tipos de coisas, mas não quer dizer que vamos escutar calados, não é certo usar a violência em nenhuma situação, porém as vezes a raiva toma conta da gente, e quando  damos conta já estamos fazendo burradas. — Bagunço os cabelos de Imra.  — Vocês tem que prometer pra mim que vão se proteger, principalmente quando tiver longe de nós duas. — Aperto a mão de Lena. — Que vão proteger um ao outro, nos prometam que tentaram não socar mais a cara de niguém, tentem ignorar, sabe o que realmente importa ? É o que nos pensamos, e o que temos certeza, e depois de um dia ruim, a família sempre estará aqui, eu amo vocês. — Termino de falar e recebo um abraço em grupo. 

— PIZZA . — Theo fala e as meninas gritam em concordância. 

— São mesmo seus filhos. — Lena diz me dando um beijo de esquimó. 


(...)


O final de semana havia chegado, Eliza e Astra chegaram de viagem e irão passar dois dias aqui, sábado a noite e  as mulheres invadiram nossa casa, motivo ? Nosso filhos mais velhos saíram para uma festa, e as mães corujas resolveram esperar todas juntas. 

Aproveitamos para jogar vários jogos de tabuleiro com as crianças mais novas, foi uma festa só, conforme foi ficando tarde, as crianças foram adormecendo,.sobrando só as adultas só redor da mesa.

Estamos jogando imagem e ação, as duplas são Lena e Sam, Diana e Maggie, Eliza e Astra,e u e Alex, as irmãs Danvers estão dando uma surra em todos . 

— Elas ganharam de novo. — Lena fala emburrada. 

— Aceita perder cunhadinha. — Alex fala e nos fizemos a dancinha da vitória. 

— Cala a boca Alex. — Sam fala se levantando da mesa e indo até a cozinha.

— Vocês estão roubando. — Diana diz.

— Queremos ver provas juíza. — Respondo deixando um beijo molhado na bochecha de Lena.


Estávamos distraídas quando um barulho alto veio da cozinha, corremos até lá e Sam tinha quebrado alguns vidros, ela estava assustada e chorando. 

— Calma amor. — Diana diz beijando seus cabelos. 

— Tá tudo bem Sam, eu limpo. — Falo me referindo ao chão. 

— O que aconteceu Sam ? — Lena Pergunta entregando um copo com água e açúcar para a latina.

— U-um aperto no peito, eu preciso ligar para Rubby agora. — Sam responde nos deixando assutadas 


Ela pega o celular e tenta ligar para sua filha várias vezes mais sem sucesso, eu e Alex também tentamos ligar para nossos filhos para tranquilizar ela, mas assim como a latina não obtemos Sucesso. 

— Tá tudo bem Sam, falamos que eles podiam ficar fora até uma da manhã, eles estão bem. — Maggie fala tentando acalmar a mulher que se tremia.

— Eu vou lá. — Sam se levanta ela e Diana começam a conversar, e nos ficamos sem saber o que fazer, enquanto estavamos vendo a conversa das duas, o meu celular toca, e logo atendo. 

— Alô ? — Uma voz feminina fala do outro lado da linha. 

— Oi ?

— Você é Kara Danvers, mãe de Theodoro Danvers Luthor ?

— Sim, por que ? 

— Senhora, mantenha a calma, mas seu filho sofreu um acidente de carro, o veículo estava ocupado por quatro pessoas, precisamos que venham até o hospital. 


A chamada cai me deixando sem reação.

— Kara quem era na ligação ? — Alex pergunta.

— Amor ? — Lena me chama 

— Precisamos ir ao hospital. — É a única coisa que sou capaz de dizer, as mulher não entendem o que eu falo e me enchen de perguntas. 

— NOSSOS FILHOS SOFRERAM UM ACIDENTE, PRECISAMOS IR AO HOSPITAL. — Grito. 


(...)


Cinco minutos Depois chegamos ao hospital, preciso nem falar que vinhemos praticamente voando nos carros. Tava um caos na frente, repórters e mais repórters, conseguimos entrar sem responder nada, mas confesso que uma pergunta específica me causou arrepios. 

” Qual dos adolescente foi  a óbito " ?


Atordoada encho a recepcionista de perguntas, ela não sabe me responder nenhuma delas, sobre forte ameaças nossas, elas nos deixaram em uma sala reservada. 

As seis mulheres andam de um lado para outro na sala, Lena, Maggie e Sam estavam, dez vezes mais nervosas, pior que não, elas só demostração mais, eu, Alex e Diana estamos do mesmo jeito, ou até pior, as horas iam se passando assim como a paciência, Lena já havia ameaçado derrubar o hospital, a situação tava crítica. 

Cerca de cinco horas a depois, Dr Meredith e Lian entram na sala, falamos todas ao mesmo tempo. 

— Por favor vocês precisam se acalmar. — Lian fala, seus olhos estavam brilhando ele havia chorado. 

— As doze horas da noite, recebemos quatro pacientes, dois dele mais graves e dois com ferimentos mais leves, o condutor do carro era Thomas Danvers-Sawyer, ele sofreu uma lesão exposta no braço esquerdo, e um vidro da janela do carro perfurou sua garganta. — Meredith é interrompids por Maggie. 

— MEU DEUS, fala logo como meu filho está. — Maggie grita, sendo segurada por Alex.  Nesse momento nós já não sabíamos o que fazer, eu sentia meu coração querer pular pela boca. 

— Maggie Se acalme por favor,  seu filho está bem, a cirugia dele foi complicada, perdeu bastante sangue, mas ocorreu tudo bem, um dos nossos ortopedista está terminado de fazer a cirurgia do seu braço, logo ele estará no quarto.  — Lian Responde.

— Nathan Danvers-Sawyer assim como Theodoro Danvers-Luthor sofreram pequenas lesões, Nathan quebrou a perna e algumas escoriações no rosto, ele já está no quarto, Theo, teve uma lesão no ombro,cortou o supercílio do lado esquerdo e teve alguns cortes nas mãos causados pelos vidros, acredito que ele ainda estava consciente  arrastou para fora do veículo, ele também está no quarto. — Meredith fala e eu e Lena nós abraçamos e respiramos aliviadas .

— E minha filha Dr ?  — Sam  pergunta e Meredith e Lian se olham. 

— Por favor, falem de uma vez como a Rubby está ? — Diana pergunta nervosa.

— A.. a Rubby sofreu ferimentos graves, quebrou as duas pernas, e bateu a cabeça, causando um traumatismo craniano, quando ela chegou ao hospital seu estado já era crítico, tinha hemorragia interna e teve três paradas cardíacas.

Meredith é interrompida pelo um grito de dor de Sam caindo no chão, Lena corre pra amparar ela, olho para Diana ela está parada olhando diretamente para os drs. 

— Eu sinto muito, a Rubby não resistiu. — Meredith fala, com seus olhos cheios de lágrimas. 


Nosso mundo acaba de caí novamente. 








Notas Finais


Capítulo não revisado desculpem os ERROS !


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...