História My Younger Sister (Incesto) - Imagine Kim Namjoon - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Blackpink
Personagens Jennie, Jeon Jungkook (Jungkook), Jisoo, Jung Hoseok (J-Hope), Lisa, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan Boys (BTS), Imagine Bts, Imagine Kim Namjoon, Incesto, Kpop
Visualizações 176
Palavras 1.346
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Slash
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - Namjoon, você é um bosta!


Fanfic / Fanfiction My Younger Sister (Incesto) - Imagine Kim Namjoon - Capítulo 15 - Namjoon, você é um bosta!

Kim Namjoon — 

Point Of View

Seul, Coréia do Sul


— Já gostei desse lugar.

Não tinha como não gostar. Aquela boate era um das boates mais luxuosas e bem pagas de Seul. Muitos famosos já passaram várias noitadas aqui e eu posso até chegar a ver um deles. Mas não era isso que me deixava tão animado, mas sim as mulheres de lá. A maioria delas me chamavam a atenção por serem muito belas e atraentes.

São exatamente nove horas da noite, e a boate já estava lotada. Hoseok foi bastante rápido em nos conseguir um emprego. A dona daqui deve confiar mesmo nele a ponto de querer contratar dois estranhos assim, do nada.

— Que bom, não tem segredo nenhum em ser garçom aqui. Apenas anotem os pedidos, e tomem cuidado para não servirem as pessoas erradas. — Explicou pela a quarta vez.

— Isso eu já sei.

— Não vejo a hora de começar! — S/N estava eufórica e não tirava o sorriso do rosto. — Isso deve ser bem legal! 

Fomos até a dispensa e vestimos um uniforme, que ao meu ver era muito brega. Era preto, com alguns detalhes em vermelho e bastante formal. 

— Eu preciso mesmo vestir isso? É formal demais para uma boate. — Reclamei. — Melhor usar as minhas roupas. São bem mais estilosas do que isso. 

— Como você quer trabalhar aqui sem um uniforme? Pare de reclamar e se anime como a sua irmã. Ela é uma fofa! 

— Sim Nam, vai ser legal! — Beijou minhas bochechas. — E é o nosso primeiro emprego e ainda juntos! 

— Tá, tabom, então vamos logo.

— Boa sorte, qualquer dúvida estarei ali no barbam. — Avisou Hoseok, antes de sumir dali.

Seguimos logo para o trabalho. De início, nós nos atrapalhamos em meio a tantos pedidos. Mas logo nos acostumamos com o ritmo e ficou tudo mais fácil. S/N servia tudo com um sorriso no rosto. Ela estava amando aquilo. Mas eu não. Comecei a reparar que a maioria dos clientes estavam quase a comendo com os olhos. 

Sendo homens ou mulheres, alguns até jogavam um certo charme, mas ela é tapada demais para perceber que estavam dando encima dela. Um daqueles homens até teve a audácia de acariciar o rosto dela e murmurar um: — Você é muito linda, sabia?

A vontade que eu tive, foi de amassar a cara daquele projeto de bosta bem no meio do asfalto! Fiz o possível para me conter, mas não deu muito certo, pois quando me dei conta, eu já estava lá xingando uma garota abusada de tudo qualquer nome. Ela estava flertando com a minha garota e isso me deixou muito irritado. 

— Você acha que pode ficar dando encima da minha namorada na minha frente? Quer que eu dê um jeito em você é? — Ameacei.

— Olha como fala comigo. — Ela tinha olhos verdes, seu olhar era intimidante, mas eu não dei a mínima para isso! — Você não sabe com quem está falado, mero empregado.

— Namjoon, por favor, pare com isso. Ela só estava sendo gentil comigo. Estava apenas me dando as boas vindas. 

— Gentil? Essa desgraçada não estava sendo gentil S/N, ela quer é comer você! 

Não liguei para o fato dela ser mulher, então tomei posse do primeiro copo que encontrei na mesa e joguei todo o líquido na cara daquela vadia. Em instantes, nós nos tornamos o centro das atenções em meio a tantas pessoas. A música até parou e  eu consigo ouvir certos cochichos perto de mim:

— Ele ficou maluco?

— O que será que a Hyuna vai fazer com ele?

— Quem é esse idiota?

— Isso é pra você aprender! Garota abusada! — Soltei uma risada e olhei para os lados. — O que foi seus babacas? Nunca viram uma discussão antes não? Vazem logo daqui! 

— Namjoon, pare! — Exclamou a minha irmã com uma expressão assustada. Ela parou diante da tal Hyuna, a oferecendo um paninho, para secar o rosto. — Mil desculpas, senhora.  

— Tudo bem, minha querida. — Sorriu docemente. — Agora é a minha vez.

— Como assim? 

— Sai daí caralho! — Puxei S/N pelo o braço. — E você saia da nossa frente e nos deixe trabalhar! 

— Não vou a lugar algum. — Seu olhar se tornou diabólico. — Mas você sim.

Com um estalar dedos, ela convocou dois seguranças. 

— Tirem esse verme da minha frente agora mesmo. 

— Quem você pensa que é?

— A sua patroa. A dona desse lugar. — Rebateu séria.

Fico chocado com tamanha revelação. Como eu ia saber que era ela? Por que o Hobi não me avisou?

Droga!

— Porra Namjoon! Não consegue se controlar não cara? — A voz de Hoseok se torna mais alta quando ele vem na nossa direção. — Perdão senhora, é que ele tem um pavio muito curto. 

— Não me importa. Apenas tire-o do meu estabelecimento agora mesmo. 

— Mas...

— Sem mas! Apenas me obedeça!

— Eu não vou sair daqui. E quanto a vocês, tirem as mãos de mim! — Empurrei os seguranças, mas fui jogado no chão enquanto era detido. — Não toquem em mim, seus desgraçados! 

— Hobi, faça alguma coisa! — Implorou S/N, mas ele permanece calado. — Senhora, por favor, perdoe o meu irmão. 

— Você se mostrou muito gentil e uma ótima funcionária. Se quiser pode ir com ele sim, minha querida. Porém, volte aqui depois, mas sozinha. — Indagou ela, antes de se retirar dali e a música voltar a tocar. 

Hoseok balança a cabeça negativamente para mim, e acompanha a tal patroa abusada. 

— Deixem isso comigo. — Se virou para os seguranças que acabaram me soltando. Ela retirou o avental, agarrou uma das minhas mãos e saímos dali. — Você é um bosta mesmo hein. Nunca toma jeito! 

Sua expressão está séria, e consigo notar uma grande tensão em seus ombros. Ela segurava a minha mão com muita força. Ela está puta comigo e com razão! S/N estava toda animada com esse emprego e eu fui lá e estraguei as coisas no primeiro dia.

— Sinto muito... 

— Não, você não sente. Nunca sente. Por que tinha que estragar as coisas, em?

— É o que eu faço de melhor, irmãzinha. Já devia ter se acostumado com isso.

— Não, não dá. Sabe por que? Porque você sequer tenta melhorar. Podíamos ter tido um ótimo primeiro dia. Eu estava indo bem e você também estava. Está tudo um caos, fomos expulsos de casa, estamos sendo sustentados pela a boa vontade dos seus amigos e nossos pais nos odeiam. Mas aí temos a oportunidade de tentar recomeçar. Tudo bem, eu sei que ser garçom não é grande coisa, mas já era um começo. O nosso começo, que você acabou de estragar sem nenhum motivo! — Exclamou alto. Sua testa está franzida, os olhos carregados de fúria e não sei, talvez até com um pouquinho de tristeza. — Você é um escroto! 

— Eu sei que eu exagerei, ok? Mas aquela mulher estava dando encima de você bem na cara dura!

— E daí porra? 

— Am? 

— Não importa se ela estava ou não dando encima de mim. Eu não ficaria com ela e nem com ninguém. — Suspirou ela. — Sabe por que? Porque você é tudo o que eu quero. É você que eu amo.

Me aproximo dela, segurei seu rosto e tentei beijá-la. Ela virou a cara e acabei beijando apenas sua bosecha. 

— Mas parece que isso não é o suficiente pra você confiar em mim, não é?

— S/N, olha eu... 

— Não, não diga nada. Conversar com você é o mesmo que falar com as paredes. Você nunca vai ouvir.

— Aonde você vai? — Perguntei quando ela estava prestes a sair. 

— Pedir demissão. 

Ela se livrou do meu toque e entrou de volta na boate. Seu olhar não parecia conter apenas raiva, mas sim mágoa. Preciso aliviar essa tensão com alguma coisa. E talvez beber seja a minha opção nesse momento. Ela tinha razão. Eu era mesmo um bosta. 


           



Notas Finais


Bjs meus amores!
❤😍😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...