1. Spirit Fanfics >
  2. Na Irritante Jaemin. >
  3. Capítulo 31.

História Na Irritante Jaemin. - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Olha aí, olha aí, olha aí
Gente, sei que falei isso já tem um tempo (hihihi), mas oh, agora é oficial, amanhã ou segunda eu posto o ÚLTIMO capítulo dessa fic maravilhosa, ok? Ok.

Enfim, boa leitura, povo
Seus lindos ❤

Capítulo 31 - Capítulo 31.


Fanfic / Fanfiction Na Irritante Jaemin. - Capítulo 31 - Capítulo 31.

(P.O.V Jaemin) ◖Apartamento◗  

Sexta-feira.

※19:04※


Entrei em casa full pistola, com muita vontade de socar a cara da vadia da Mina, garota desgraçada, enviada do satanás! Pena que sou homem e não posso bater nela, aliás, não batam em mulheres, homens - e garotos -, por mais filhas da puta que elas possam ser.

Para descontar essa raiva - ou pelo menos tentar -, soquei a parede e comecei a derrubar as coisas.

- Como é que vou dar o troco nessa puta? - Ninguém mexe com a minha garota e sai ileso, NINGUÉM! - Hmm... E s- Karla! Claro, como não pensei nela antes. - Tenho que parar de falar sozinho, peguei essa mania com Helena.

Peguei meu celular e liguei para essa minha grande amiga.

{Ligação}

- Alô?

- Karla, amor da minha vida!

- Fala meu mano Nana, tudo bom?

- Tudo péssimo. - Respirei fundo. - 'Tá sabendo que eu namoro, não é?

- As notícias rolam, meu caro. - Me sentei no sofá. - Mas o que tem? Ela te traiu ou algo assim?

- O que? Não! Claro que não! Helena nunca faria isso, ela... É perfeita...

- Não acredito que nasci para ver Na Jaemin apaixonado. - Riu soprado. - Olha 'pra isso Brasil.

- Muito engraçado. - Revirei os olhos. - Lembra de Mina?

- Aquela perua desqualificada? Como não lembrar dessa cobra? O que ela fez? Ainda corre atrás de você?

- Sim. - Suspirei. - Mas hoje ela passou dos limites.

- Como assim, anjo, me explica isso direito.

- Mina deu uma surra em minha garota. - Bufei. - Essa covarde teve que chamar mais duas pessoas para segurar Helena, só assim para não apanhar dela.

- Sua garota é brava também?

- Karla, 'cê não tem idéia, essa anã é pior que o capeta quando quer. - Riu. - Mas enfim, será que pode me ajudar com uma coisa?

- É só dizer, amigo.

- Pode dar uma lição em Mina?

- Opa, é 'pra já. - Olhei as horas. - Quando e onde?

- Às dez horas, apareça naquele beco, perto da pracinha, na rua da minha antiga casa.

- Antiga? Tu se mudou?

- Me mudei sim.

- Nossa, precisamos colocar o papo em dia.

- Realmente. - Rimos.

- Fiquei tão ocupada com o trabalho e a faculdade que nem tenho tempo para nada.

- Percebi mesmo.

- Podemos marcar um dia para sairmos, assim posso conhecer a futura Sr. Na.

- "Futura Sr. Na", 'tá aí... Gostei. - Ri soprado. - Enfim, é isso Karla, valeu mesmo pela sua ajuda.

- Ah, que isso, sabe que pode contar comigo para dar uma surra em alguma vadia louca. - Rimos. - Bom, até mais, Nana.

- Até Karla.

{Chamada encerrada}

É... Mina vai se fuder tanto agora...

"Ah, mas quem é Karla, Jaemin"? Vocês me perguntam.

Bom, conheci ela numa festa e, desde então, viramos amigos. Karla é mais velha, tem mais responsabilidades que eu, por isso conversamos pouco.

- Agora, vamos ao plano.

[Mensagem]

Eu: Mina

Precisamos conversar


Mina: Oi oppa

Sobre o que, Nana?


Eu: Percebi que Helena não é a garota certo pra mim

Preciso de você, Mina


Mina: Ah, é tão bom ouvir isso!

É só dizer quando, Nana


Eu: Me encontre nesse endereço, às 21:50

Rua: Xxxx


Mina: Claro, meu bem

Vamos matar a saudade


Eu: Vamos sim, princesa

[Mensagem]

- Eew, acho que vou vomitar. - Suspirei.

Sei que minha namorada vai me bater muito, mas não to nem aí, Mina vai ter o que mereçe, ah, se vai.

Vocês sabem que eu avisei, não é? Fui bem claro em relação a isso, certo?


~Quebra do tempo~ ◖Carro◗

 ※21:45※


Dirigi até o beco ansiosamente, meu coração está tomado de ódio. Quando vi o estado em que Helena estava, fiquei tão mal, me senti tão inútil por ter deixado isso acontecer.

Estacionei o carro e desci, indo para o local escuro, onde pude ver Mina. Tenho que me segurar para não bater nela, me segurar muito.

- Nana! - Me abraçou. - Sabia que você não ia ficar longe de mim por tanto tempo. - Trinquei o maxilar.

- Mina, você fez algo bem ruim, sabe disso, não sabe? - Segurei seu queixo.

- Fiz por você, meu bem. - Fez bico. - Queria derrubar a concorrência, só isso.

- Mina, Mina... - Balancei a cabeça, rindo soprado. - Foi uma garota má.

- M-

- Mexeu com a minha garota, Mina, tem noção disso? - Abriu a boca. - A machucou muito e bom, agora vai sentir tudo que ela sentiu, é, vai sim. - Me olhou assustada.

- Pensei qu-

- Ah, olá Karla, que bom que chegou. - A soltei com tudo.

- Demorei muito?

- Nah, chegou na hora certa. - Suspirei, me encostando na parede. - Faça bom proveito, minha amiga.

- Ô se vou. - Se aproximou de Mina. - Estava precisando mesmo descontar a raiva, desestressar.

- Nana... Me perdoa, nunca mais toco em Helena, eu juro. - Juntou as mãos.

- Mas não vai mesmo.

- Não deixe que ela faç-

- Está pedindo piedade agora? Está pedindo para que Karla não te bata? - Umideci os lábios. - Acha mesmo que vamos ter pena dessa sua cara se sonsa, depois de tudo que fez com a minha namorada? Você é patética. - Olhei para Karla. - Por favor, fique a vontade, só não a machuque tanto, só dê um susto.

- Vai receber ordens dele? É a cadelinha d-

Antes que Mina terminasse a fala, Karla deu um murro em sua barriga.

- Cala a boca, sua voz é irritante

- Ela não é nada disso, garota. - Dei uma pausa. - A chamei porque não posso bater em você, coisa que estou querendo fazer faz tempo.

Karla começou a bater nela e vocês não sabem o prazer que senti ao ver essa cena. Me aproximei da coreana e segurei seu queixo.

- Saiba que nunca, nunca, mas nunca mesmo eu vou te amar. - Umideci os lábios. - Nunca amaria alguém como você, desprezível. - A soltei com tudo.


~Quebra do tempo~ ◖Apartamento◗  ※22:46※


Karla acabou se empolgando e tive que tirar ela de cima de Mina, mesmo que a vontade de deixar minha amiga acabar com essa piranha fosse grande. O estado em que a mais velha deixou essa garota nem chegou perto ao estado de Helena, apenas uns cortes na bochecha - por conta dos anéis de Karla -, nariz sangrando, um pequeno roxo no olho, nada demais. Nem se compara a um braço quebrado.

Falando em minha namorada, melhor eu ir na casa dela rápido, antes que me mate.

Acabei de me vestir, peguei meu celular, chaves e saí do apartamento, entrando no elevador e indo para a portaria.

- Oh, Jaemin! - Sorriu. - Como está?

- Muito bem e o senhor?

- Estou bem também.

- Que bom, Sr. Park.

- Já faz um tempo que sua namorada não aparece por aqui, está tudo bem? - Ah, então, meio que ela levou uma surra de uma vadia louca obcecada.

- Sim, sim, ela apenas anda ocupada esses dias. - Se recuperando.

- Entendi, está indo vê-la? - Assenti. - Diga que mandei um abraço.

- Pode deixar, Sr. Park. - Sorri. - Bom, tenho que ir.

- Até mais, Jaemin. - Acenei e saí do prédio, indo para o estacionamento e entrando no carro, seguindo para a casa da minha namorada o mais rápido possível.

Dirigi por alguns minutos e finalmente cheguei. Saí do veículo, correndo para tocar a campainha.

- Oi, Jaemin. - Seu Henrique estava cabisbaixo, nitidamente preocupado. - Helena está lá em cima, descansando, pode subir.

- O senhor está bem? - Respirou fundo.

- Saber que Helena está daquele jeito mexe comigo... Como uma pessoa pode ter coragem de quase quebrar a costela e o joelho da minha filha? - Dessa parte eu não sabia. - Uma garota tão boa... Não faz mal a ninguém, sabe? - Passou a mão no rosto. - Pensei que vir para cá ia ser bom, que eu poderia ficar tranquilo... Parece que não. - Colocou os tênis. - Enfim, suba e fique com ela, vou sair um pouco. - Assenti e entrei, o vendi sair e fechar a porta.

Subi as escadas e fui para o quarto da mais nova, batendo na porta.

- Entra! - Ela estava sentada na cama, encostada na cabeceira, com Misty no colo, passando a mão na correntinha que eu havia dado. - Pa- Onde você estava? - Falou pausadamente.

- Em casa... - Seu olhar sério me intimida, que estranho.

- Não minta 'pra mim, Jaemin. - Umideceu os lábios.

- Amor, isso não importa agora.


(P.O.V Helena) ◖Quarto◗  

※22:08※


Fiquei aqui, deitada, com meu pai, comendo e assistindo filme, como sempre fazíamos. Percebi que ele estava estranho, mas não comentou nada.

Desde que Jaemin saiu da minha casa, senti que ele ia fazer alguma merda e, agora que chegou aqui com essa cara de inocente, tenho certeza absoluta.

- Importa sim, Jaemin. - Me levantei com dificuldade, sentindo uma dor insuportável no joelho.

- Amor, não precisa disso... - Se aproximou. Ficar de pé 'tá difícil viu.

- Fala. - Cruzei os braços. - Estava com ela, não é?

- Baixinha... - Respirou fundo. - Não... - Desviou o olhar.

- Me fala a verdade. - Segurei a gola de sua camisa com a mão do braço bom. - Sei que está mentindo, me fala a verdade, droga!

- Ok! Eu estava sim! Está feliz? - Balancei a cabeça.

- Qual é o seu problema?! Falei para não sujar as mãos! Porra, Jaemin! - Segurou minha mão, a tirando da gola de sua camisa e fazendo um singelo carinho nela.

- Não sujei as mãos, meu amor. - Me olhou. - Uma amiga fez esse favor 'pra mim.

- Pior ainda! - Me afastei. - Por que fez isso? Hm? 'Cê tem merda na cabeça, garoto? - Me sentei na cama.

- Não ia deixar ela sair ilesa depois do que fez, não mesmo.

- Você... - Passei a mão no rosto. - Você é um idiota, sabia? - Se sentou ao meu lado. - N-

- Desculpa, minha baixinha. - Me abraçou. - Mas não fique brava por eu ter me vingado. - Segurou meu rosto.

- Vou ficar brava sim. - O empurrei. - Seu otário. - Riu soprado. - Ai Deus, o que faço contigo, hm? - Passei a mão em seu rosto. - Me prometa que nunca mais vai fazer algo assim. - Levantou o dedo indicador e o colocou em frente ao meu rosto.

- 'Tá vendo esse dedo?

- Não mud-

- Está vendo? - Bufei.

- Estou, caralho, não sou cega porra.

- Sabe o que ele tem de diferente dos outros dedos?

- O que? - Levantei a sombrancelha.

- Ele é o que te faz gemer mais alto. - Abri a boca.

- Ridículo. - Soquei seu braço. - 'Cê é muito babaca. - Riu, me puxando para um beijo calmo. - Te odeio.

- Não, Helena. - Mordeu o lábio inferior. - Odeia o fato de me amar tanto.

- É... Talvez. - Rimos.


~Quebra do tempo~ ◖Quarto◗  

Sábado.

※10:43※


Acordei com uma puta dor de cabeça e, ao olhar para o lado, vi Jaemin dormindo com um anjinho, com Misty aconchegada em seu pescoço, fofos.

Me sentei e vi muletas ao lado da cama, com um bilhetinho.


"Bombom, use isso até seu joelho melhorar, o pai teve que sair mais cedo para ir trabalhar.

Com amor, papai"


- Ai, pai... - Peguei e me apoiei nelas. - Olha só, da altura perfeita.

Fui para o banheiro e fiz o de sempre, vocês sabem, me conhecem. Tive que colocar uma sacolinha no gesso, olha isso. Quase caí no box de banheiro, mas tudo bem, finge que nada aconteceu.

Voltei ao quarto e me vesti (foto de capa). Deixei meu cabelo solto mesmo, passei perfume, desodorante e um gloss rosado.

- Ei, dorminhoco. - Passei a mão em seus fios. - Acorda, amor. - Resmungou.

- Só mais cinco minutos, mãe. - Respirei fundo.

- Desculpa por isso, amor. - Mordi o lábio inferior, pensando no quão fudida vou estar mais tarde. - Olha o carro do leite. - Fiz aquela brincadeira escrota de passar a mão no pinto, é, eu sou idiota. Só digo que ele acordou no pulo.

- Garota... Tu tem que parar de me acordar no susto. - Comecei a rir. - Palhaça, tinha jeito melhor do que passar a mão no Nana Junior, não? - Ri ainda mais. - Sabe que tenho ereção matinal, não sabe?

- Sei de nada. - Levantei os braço em sinal de rendição. - Vou fazer o café da manhã enquanto você se acalma.

- Deixa eu te levar para a cozinha. - Se levantou e me pegou no colo, estilo noiva, me levando para a cozinha.

- Se me derrubar nessa escada, vai ver uma coisa. - Riu soprado.

- Calma. - Me colocou no chão. - Prontinho, madame.

- Obrigada, Alfredo. - Rimos. - Coloca ração e água para Misty?

- Claro, sua folgada. - Me deu um selinho e subiu novamente. Abri o armário e tomei um remédio para dor de cabeça. 

Comecei a fazer o café da manhã e quando terminei, Jaemin desceu com outra roupa, aparentemente de banho tomado.

- Bem na hora. - Me sentei.

- Amor? - O olhei. - Hoje vamos sair?

- 'Pra onde?

- Uma amiga quer te conhecer.

- Que horas? - Mordi o pedaço da panqueca.

- De noite.

- Pode ser, como é o nome dela?

- Karla. - Se sentou. - E não fale de boca cheia, já disse que é feio.

- Come sua comida e cala a boca. - Riu soprado.

- Grossa.

- E grande, quer ver?

- Tu 'tá impossível hoje.

- Garota transante que fala né?

- Ridícula. - Rimos.


~Quebra do tempo~ ◖Banheiro◗  

※18:30※



Continua?


Notas Finais


Eita que eu amei essa surra que Karla deu em Mina, quem mais?

Gente... Ain... Tá na reta final hein, vamos nos despedir dessa fanfic e eu n to bem 😢

ENFIM, até o próximo capítulo meus amores, amo todos vocês, TODOS ❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...