História Na mira do Amor. (SENDO REESCRITA) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Jellal Fernandes, Juvia Lockser, Levy McGarden, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Gale, Gruvia, Jerza, Nalu
Visualizações 20
Palavras 1.033
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Harem, Hentai, Lemon, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


EAIII MEUS AZEDINHOSSSS
VOLTEII
Desculpa a demora ;-;

Por favor, aproveitem o capítulo e me digam nos comentários se vcs gostaram das PEQUENAS mudanças que fiz kkkk
Boa leitura ! ❤

Capítulo 1 - Problemas


[ Japan - Tokyo ]

Hoje o dia amanheceu ensolarado, a brisa fresca batia em meus fios rebeldes que se mantém presos por tal faixa laranja qual essa minha mãe tenha me dado em uma data especial; Poderia hoje ser um dia normal como todos os outros, mas com a notícia de Sam desaparecido acabará de deixar esse belo dia um dos mais tristes.
Papai tinha os cabelos azuis, agora meio esbranquiçado por conta da velhice, e olhos negros marcantes, o corpo mesmo já cansado depois da longa caminhada da vida ainda era parrudo e bem visto.
Desde jovem sempre fora apegado a apostas, o que acabou levando a problemas e mais problemas, mas depois da morte de mamãe, Lavínia Anne Mcgarden, sua condição piorou ainda mais.
Andei até o ponto de ônibus que residia na esquina da antiga biblioteca de Tokyo, ou melhor, o meu grande refúgio metal e o trabalho que sustenta o meu aluguel.

Finalmemte tinha chego em meu cáfofo parecia que tinha sido décadas de demora, abri minha bolsa onde contia meus documentos e um livro de ficção nunca gostei de romance acho que porque nunca tive tempo pra essas coisas de namoro, sempre fora ocupada demais, revirei minha bolsa azul em busca de uma chave sempre perdia essa desgraça.

Enquanto eu estava distraída a procura da chave, minha vizinha, Dona poluisca, que ja devia estar no auge da idade com seus 85 anos onde seus únicos companheiros são três gatos.
Eu sempre a achei meio estranha, mas no fundo ela é bastante simpática apesar de não nos falarmos muito.

- Ei Anne, tome cuidado!

Ela disse com a voz carregada de pavor e entrou seguida pelos 3 gatinhos.
E na mesma hora um frio passou pela minha espinha, não sei como sabia do meu segundo nome, papai sempre disse para que eu o mativesse em segredo, não sabia o por quê e tambem não quero saber.

Afinal, Há coisas que não devem ser ditas.

Também não acreditava em crendices, mas algo me preocupava.
Depois da terrível sensação passar e de muita procura eu finalmente á achei, abri a porta a minha frente e adentrei a casa, conseguia sentir o cheiro de café e perfume no ar. 


Subi as escadas e fui pro meu quarto queria tomar um banho e relaxar um pouco, afinal todo esse alvoroço meu deixou tensa, soltei minha bolsa em cima da pequena cama de solteiro que havia ali com algumas pelúcias e almofadas, tirei meus sapatos as pressas o tacando longe ao lado do meu velho armário, nunca tive dinheiro pra comprar um novo e apesar de velho e mofado eu gostava dele, tinha lembranças de minha mãe nele, retirei meu vestido laranja enquanto observava meu quarto, a parede estava caindo em pedaços e eu tinha uma pequena estante com alguns livros, e uma escrivaninha. 


Andei calmamente para o banheiro e o adentrei dando de cara com uma pequena banheira onde eu iria me jogar e relaxar, liguei a torneira e a banheira começou a encher, quando a agua estava preste a transbordar eu Fechei a torneira e entrei na água quente, senti meus músculos tensos relaxarem chega a ser revigorante. 

      ________________♡_______________


Desci escada a baixo já vestida, trajava uma camisa de alcinha amarela e um shortinho de pano também amarelo com uma faixa laranja que amarravam meus fios, calçava meias listradas em marrom e laranja. 


Fui até a cozinha e preparei uma panela com brócolis e couve-flor. Sempre amei legumes desde criança, lembro-me de minha mãe chegando do mercado com uma sacola cheia de verduras e as cozinhando pra mim enquanto eu a observava, eu amava vê-la cozinhando. 


Deixei a panela no fogo e subi em direção ao meu quarto novamente, iria procurar um bom livro pra me distrair, olhei atentamente minha prateleira e escolhi meu livro preferido A bela e a fera, era um romance lindo que sempre lia, gostava das sensações que ele me proporcionava. 


Estava perdida olhando aquele livro tendo lembranças de meu pai o lendo pra mim, e por um momento senti estar sendo observada, ia me virar pra olhar pra trás e alguém me segurou, senti o medo me tomar e quando ia gritar ele tampou minha boca, comecei a me debater, mas não adiantou a pessoa tinha uma força desgraçada, fui levada escada a baixo e quando cheguei a Cozinha consegui morder a mão da pessoa a fazendo me soltar por um breve segundo, olhei pra trás tentando ver e a figura da pessoa desconhecida mas acabei nos desequilibrando caindo no chão onde um baque foi ouvido, vi um homem de porte aparentemente alto, braços fortes e SEMI NU EM CIMA DE MIM.
O empurre com força e tentei correr, mas foi em vão ele me pegou me prendendo com força contra seu peito, minha única solução era gritar.


— PERV-

Mas como nada dá certo, quando ia gritar o filho da mãe tampou minha boca com a mão fazendo pressão sob a mesma, aproveitei a mal colocação da mão dando uma mordida com o máximo de força possível fazendo o desgraçado urrar.


— Vai logo, Picolé. — ouvi a voz de outro homem que chegou correndo. — Eitaaa, ela te fudeu eim KKKKKK


— Cala a boca, Foguinho. — Não conseguia ver a tatuagem do outro Homem o terno preto escondia. — essa menina é uma praga me deu maior mordidão, sorte dela que não costumo bater em mulher.


Pisei em seu pé e ele me soltou praguejando de dor, corri até a panela e desliguei o fogo. 

Eles me olham indignados. 


— O que foi ? Não quero que minha casa pegue fogo. 


— Tanto Faz, leva logo essa maluca pro carro.

Eles me pegaram e me carregaram até um carro preto que estava estacionado do lado de fora e me tacaram lá dentro enquanto outro Homem que tinha uma coloração de cabelo rosa se sentou na frente e começou a dirigir o carro, eu olhei assustada para o homem sentado ao meu lado que eu pensava ser o "picolé".

E eu até faria um show e gritaria socorro como é o normal a se fazer nessa situação, mas...


Aquele símbolo é da Fairy tail.


Notas Finais


Oie meus anjos, sei q ficou pequeno o cap, mas eu não sou muito boa escrevendo e minha falta de sabedoria me irrita kkkk então me desculpem mesmo ...

Mais tarde vou postar outro cap ❤

Obrigados nenês ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...