1. Spirit Fanfics >
  2. Na mira do dono do morro. >
  3. Capítulo 85

História Na mira do dono do morro. - Capítulo 85


Escrita por:


Notas do Autor


*imagem ilustrativa*
+1
Segura coração.
Espero que gostem, boa leitura.

Capítulo 85 - Capítulo 85


Fanfic / Fanfiction Na mira do dono do morro. - Capítulo 85 - Capítulo 85

Isa on


Se passou alguns meses, e entre eles algumas semanas, e em alguns dias eu trabalhei com a Brenda, como é somente um estágio não é todos os dias, mas pelo menos uma vez na semana tenho que ver a cara de sinica e falsamente simpática dela, eu sei que ela não gosta de mim, da pra sentir, ela e uma puta de uma idiota comigo, me trata como capacho, mas tenho que aguentar até o final do estágio, meu pai quer que eu faço igual a todos, e faça como a Brenda quer, por mais que ela não saiba quem eu sou. Ela fala comigo totalmente diferente, todo mundo naquela empresa fala como se eu fosse alguém formoso e me tratam super bem, menos ela, provavelmente não sabe quem eu sou, eu não reclamo, até por que é um saco ter que aturar todo mundo sendo um bando de puxa sacos, mas também não gosto dela, ela me irrita, e a todo momento me da pitacos e indiretas, fala como se eu não fizesse essa merda de trabalho direito e me da nos nervos. Faltam apenas um mês e duas semanas para terminar esse ano na faculdade, e daqui duas semanas vou fazer dois anos de namoro com o Lucas, e queria muito viajar com ele, só que o último ano da faculdade ta um pouco complicado e não vou conseguir fazer a viagem que queremos agora, e não consigo pensar em nada pra fazermos, não posso viajar, vai ser semana de provas, só tenho sábado e domingo, e preciso estar na faculdade segunda de manhã, então não tenho as melhores opções, o Lucas é melhor que eu nisso, ele consegue fazer tudo bem melhor que eu, inclusive pensar em comemorações melhores. Estacionei meu carro no estacionamento da empresa e estou indo em direção ao elevador, não dormi muito bem noite passada preocupada com oque fazer com o Lucas, chamei o elevador e subi até o andar do pequeno escritório da Brenda, dei bom dia pra ela que só ignorou, fingiu que não ouviu, peguei alguns papéis na minha bolsa e joguei em cima da mesa fazendo ela prestar atenção em mim.


Isabella: bom dia Brenda. *ela olhou pra mim e pude ver que ela revirou os olhos antes de olhar pra mim, sorriu falsamente, mas logo se desmanchou.*


Brenda: bom dia, temos uma reunião hoje com todos os estagiários e os instrutores, seu estágio está quase no final, hoje e o último dia comigo, depois irá pra outra etapa.


Isabella: graças a deus. *disse somente pra mim.*


Brenda: oque disse?


Isabella: graças a Deus que vai acabar, agora posso trabalhar de verdade não é? *disse devolvendo a falsidade.*


Brenda: claro. Bom, temos tempo antes de ir, revise isso pra mim. *ela disse pegando uma pasta e jogando em cima da mesa fazendo os papéis se soltarem e alguns caírem no chão, perdendo a ordem.* - bom, você consegue arrumar isso não consegue, é inteligente o suficiente. *ela disse com deboche. Engoli toda a minha vontade de mandar ela tomar no cu e recolhi tudo, lancei um sorriso simpático e sentei numa pequena mesa que tinha ali pra mim e tentei organizar tudo de novo, e foi uma merda, fiquei mais de meia hora só colocando tudo aquilo em ordem pra depois revisar e arrumar tudo oque essa vaca burra não sabe. Me levantei depois de uma hora com o trabalho finalizado e fui até ela entregar, estávamos de frente uma pra outra e as duas de pé, percebi que hoje ela está especialmente filha da puta. Ela le tudo fazendo questão de debochar enquanto le, quando ela terminou olhou pra mim por cima dos óculos de grau baratos.* - ta de brincadeira?


Isabella: oque eu fiz?


Brenda: fico me perguntando, oque porras o Lucas quer como uma vadia burra igual a você, ta uma merda, até uma criança faria melhor.


Isabella: isso ta perfeito, você viu como me deu isso? Tava péssimo, eu concertei essa patifaria que você me deu. *disse indignada, como assim essa vaca tá falando isso, oque ela quer.*


Brenda: você vai refazer antes do dia acabar, agora vamos, precisamos ir pra reunião, incompetente. *entao ela saiu e eu poderia explodir de raiva e chateação, uma lágrima escorreu e eu limpei rapidamente. Me arrumei e coloquei o blazer, segui ela e logo estávamos em uma sala de reuniões com o todos os estagiários e os instrutores, nos sentamos e tinha uns slides dos avanços, era um slide coletivo do trabalho de cada um, quem fez foi um dos instrutores, iriam ver nossos avanços e como a empresa e receptiva com pessoas novas, só quero saber pra quem eles vão apresentar. Ficamos conversando um tempo e a secretaria aqui teve que servir uns cafés de merda porque a Brenda mandou, assim que eu cheguei com uma bandeja cheia de vários copos de papelão coloquei em cima da mesa e e revirei os olhos.* - você demorou muito Isabella, atrasou nossa reunião, me desculpe sr. Geraldo, tenha certeza que não atrapalha no desemprenho dela. *olhei pra frente e meu pai está acompanhado do Lucas, me ajeitei e dei um sorriso de lado pro Lucas que me olha e cima abaixo.*


??: bom vamos começar. Como sabem o Sr. Geraldo e dono da nossa empresa e junto com o seu maior investidor, o sr. Lucas, querem verificar o andamento dos nossos estagiários. *ele disse e meu pai balançou a cabeça positivamente.* - e isso é ótimo claro, afinal a filha do sr, Geraldo e uma de nossas aprendizes, pode nos dizer srta. Isabella. *ele disse me olhando, logo sinto o olhar da Brenda me queimar o ombro, olho pra ela com um sorrisinho e ela me olha meio chocada.* - oque acha do nosso programa para estagiários?


Isabella: achei excelente, espero ter me saído bem, dei o meu melhor, não é Brenda? *disse e ela ficou me olhando meio perdida, ela saiu do transe assim que disse seu nome.*


Brenda: c..claro, foi p..erfeita. *ela disse nervosa meio gaguejando, dei uma risada debochada e olhei pro Lucas que estava acenando negativamente e rindo discretamente da situação. Um dos instrutores apresentou tudo mostrando todos os avanços, eles não são analisados pelos instrutores que ficam com a gente, são por outro que vamos ficar na próxima fase e última, então como não foi a Brenda, fui analisada justamente, e é óbvio, fui a melhor ta turma, no final da reunião a Brenda não ousou em olhar na minha cara, me levantei e esbarrei em algo, viro e é meu homem com um terno preto, incrivelmente gostoso.*


Lucas: Ola srta. Isabella.


Isabella: olá maior investidor.


Lucas: parabéns, a melhor. *ele disse acariciando de leve a minha mão.*


Isabella: por que não foi a sua ex namorada louca que analisou.


Lucas: oque ela te fez? *ele disse acariciando de leve meu rosto.*


Isabella: hoje ela passou dos limites, me humilhou como se fosse meu pai, sabe oque ela falou, que não sabe como você namora uma vadia burra que nem eu. *disse olhando pro lado por estar com vergonha, Lucas  segurou meu rosto fazendo eu olhar pra ele novamente.*


Lucas: ela disse isso mesmo? *ele disse meio desacreditado.*


Isabella: disse, por que? Não vai acreditar em mim agora, vai proteger ela? *disse tirando a sua mão do meu rosto.*


Lucas: e claro que não Isa. *revirei os olhos e sai de lá e meu pai parou na minha frente.*


Isabella: ah, oi pai.


Geraldo: meus parabéns, mas eu já sabia que você seria a melhor.


Isabella: e claro que sabia.


Geraldo: ano que vem vai poder finalmente tomar o posto de vice, não aguento mais ter aquele seu ex namorado trabalhando pra mim, ele é um incompetente.


Isabella: não demitiu por que não quis.


Geraldo: você sabe que fiz um acordo, ele só sai quando você entrar.


Isabella: bom, agora finalmente está livre, mas agora vai ter que me aguentar papai. *disse irônica, ele respirou fundo e me olhou.*


Geraldo: olha Isabella, não quero sua inimizade, sou seu pai, quero me dar bem com você.


Isabella: e claro, claro que vai se dar bem comigo traindo minha Mae e mentindo pra ela, e o pior de tudo e deixar eu saber. *disse já ficando extremamente chateada. Sai de lá e voltei para o escritório da cachorra da Brenda, ela já tava lá e eu só sentei na mesa e comecei a refazer a merda do arquivo, senti ela se aproximar e eu olhei na direção dela.* - oque você quer agora em?


Brenda: olha, me desculpa. *dei uma risada.*


Isabella: ahh, agora que sabe que essa merda toda e minha está arrependida, que ótimo. *disse irônica e voltei a ler oque estava na minha mão.*


Brenda: eu sei que fui idiota mais cedo, so não estou num dia bom. *me levantei e fiquei de frente pra ela.*


Isabella: advinha, eu também não, então para com essa sua falsidade vai garota. *ela revirou os olhos.*


Brenda: olha, eu tentei ser legal com você, mas você não colabora. Você não me desce.


Isabella: e você muito menos. *eu falei e ela veio dando um passo na minha direção fazendo eu recuar um pra trás.* - oque foi em, quer me beijar?


Brenda: você não sabe a vontade que eu tenho de te bater só de olhar pra sua cara. *dei uma risada e empurrei ela de leve fazendo ela se distanciar.*


Isabella: isso é oque em? Frustração por saber que o cara que você gosta não te quer? Sabe porque, porque ele ta comigo, e ele sabe que você nem se compara a mim, você só e a porra de uma corretora baranga. *disse cuspindo tudo que estava entalado.* - isso é inveja?


Brenda: inveja de você? Fala sério, você é só uma branquela mimadinha que sempre teve tudo, nunca lutou pra ter nada, não entende nada que eu e o lucas já passamos, não entende, e nem vai entender, nunca, ele não te ama como me amou, sabe porque? Porque você é só um rostinho bonito, só isso, ele só vai te usar e jogar fora, porque você não entende ele. Fui o primeiro amor dele, ele não me esqueceu, então se conforma, ele é meu. *isso fez meu sangue ferver.*


Isabella: sua vagabunda. *disse e pulei nela acertando o máximo possível, tenho certeza que bati muito nela, só que a vagabunda e boa de briga, senti meu rosto doer e meu peito arder, logo sinto alguém me puxar e me segurar.*


Lucas: cacete, oque vocês estão fazendo? *lucas está me segurando e separou eu e a Brenda, ele me levou pra longe dela que tenta arrumar o cabelo e limpar a boca.*


Isabella: me solta cacete, já separou. *disse e ele me colocou no chão e se virou pra mim passando a mão nos meus cabelos.* 


Lucas: voce ta bem? Se machucou? 


Isabella: e claro que não. *disse se soltando dele, ele pressionou os lábios e passou a mao no meu rosto e doeu fazendo eu levar a mão no local, ele virou pra Brenda que ta totalmente descabelada e com um filete de sangue escorrendo dos lábios e do nariz.*


Lucas: você tá louca garota, ta pensando oque?


Brenda: eu... eu...


Lucas: voce ta pirada, falando com ela desse jeito e? Vê se você cresce e deixa de ser imbecil, esperava mais de você.


Brenda: Lucas me desculpa, não quis que você entendesse assim. *ela disse tentando chegar perto dele.*


Lucas: queria que eu entendesse como em? 


Brenda: ela só ta no nosso caminho, você sabe que a gente tem que ficar junto, ela não é nada, e só uma mimada do caramba.


Lucas: sabia que está falando isso da minha namorada não sabe. *ele disse mais bravo e chegando perto dela. Ele segurou os cabelos dela e chegou perto.* - você deveria ter medo de abrir a boca perto de mim, espero que você nunca mais abra essa boca pra falar dela. *ele disse e a Brenda levou as mãos na cabeça na tentativa de soltar a mão do Lucas, ela ta chorando.*


Brenda: por favor Lucas, me solta.


Lucas: se chegar perto dela de novo eu te mato. *fui até ele correndo e segurei seus braços.*


Isabella: Lucas, solta ela, você tá doido. *ele não soltou e eu dei um grito.* - solta ela agora, ta machucando. *ele olhou pra mim e soltou ela e arrumou o terno.* - vai embora, isso era assunto meu. 


Lucas: queria que eu deixasse ela te tratando assim?


Isabella: eu ia resolver sozinha, afinal, você só defende essa vaca.


Lucas: Eu estava defendendo ela agora? Achei que era você. *ele disse irônico.*


Isabella: não preciso que você me defenda de uma imbecil dessas. 


Brenda: eu ainda tô aqui sua idiota. *ela disse levantando, Lucas ia fazer alguma coisa mas eu não deixei.*


Isabella: vai bater mesmo numa mulher menor que você só pra eu te perdoar por duvidar de mim, e isso?


Lucas: não é isso, eu não duvidei de você Isa. *ele tentou chegar perto de mim, minha insegurança tá batendo no teto com essa idiota, tá fazendo eu brigar com o Lucas com muito facilidade.*


Isabella: e claro que sim, vocês se merecem. 


Lucas: ta ficando doida, vamos embora, vamos conversar. * ele disse e pegou minha mão, eu puxei ela de volta.* - Isa.


Isabella: olha Lucas, preciso ficar sozinha agora, faz oque você quiser. *disse e peguei minha bolsa, arrumei meu cabelo e sai de lá indo até o elevador, ninguém entrou comigo e eu me olhei no espelho, tô com um arranhão no peito e um roxo próximo da boca, ótimo. Antes que as portas se fechassem o Lucas entrou e as portas se fecharam.* - você tá surdo, quero ficar sozinha. *disse com as mãos da cintura e olhando pra ele, ele acenou negativamente com a cabeça e se aproximou fazendo eu colar minhas costas na parede do elevador.*


Lucas: sério que a gente vai brigar por causa daquela mulher? *ele disse meio bravo, fechei os olhos e respirei fundo, não estou num bom dia.* - não vamos sair daqui até nos resolvermos. 


Isabella: aí Lucas, já não estou num dia bom, fala sério, me deixa. *disse tentando distanciar ele, ele foi até os botões do elevador e apertou o botão que trava o elevador.* - puta merda, e sério? *falei rindo de nervoso.*


Lucas: me fala, porque ta assim, oque aconteceu? *ele disse paciente.* - não quero brigar Isabella.


Isabella: estou brigando sozinha então? 


Lucas: estou tentando resolver as coisas, não gosto de ficar assim com você.


Isabella: não aconteceu nada, so não estou num dia bom, quero ficar sozinha, só isso. *disse já perdendo a paciência que eu não tinha, ele chegou perto de mim e segurou minha mão.*


Lucas:se quer ficar sozinha tudo bem, mas vamos resolver isso antes. *ele disse e depois ficou um pouco quieto, e se aproximou.* - não quero que fique insegura, ainda mais por causa dela. *ele falou com cara de nojo.*


Isabella: eu jamais ficaria insegura por causa dela, já olhou bem pra ela, e tão brega que eu nem preciso tentar me comparar. *ele acariciou meu rosto.*


Lucas: não tem comparação meu amor, e eu só tenho olhos pra você, esquece ela, por favor. *lucas me conhece o suficiente pra saber que essa implicância toda é insegurança, talvez eu tenha exagerado, ele nunca demonstrou nenhum interesse nela, e nem quis proximidade. Respirei fundo e abracei ele e fechei os olhos.*


Isabella: desculpa, fui uma criança.


Lucas: deveria ter trocado de instrutor, essa mulher é louca.


Isabella: ouviu como ela falou comigo? 


Lucas: ouvi, e saiba que eu te amo acima de tudo isso Isa. Não te amo pelo seu dinheiro ou por nada superficial, eu sei que vivemos coisas diferentes e viemos de realidades totalmente diferentes, mais isso não muda nada, eu te amo mais do que tudo, e ninguém jamais vai dizer ao contrário na minha frente. *ele segurou meu rosto entre suas mãos.* - entendeu? *acenei positivamente com um sorriso sem mostrar os dentes.*


Isabella: entendi. *então ele me beijou.* - agora você pode tirar a gente daqui, já estou ficando agoniada. *ele deu risada e apertou o botão novamente fazendo o elevador funcionar.*


Lucas: agora você pode ficar sozinha. *ele disse e ficou do meu lado e ajeitou o blazer do terno.*


Isabella: acho que não quero mais ficar sozinha. *disse olhando para os meus pés, ele deu aquela risada gostosa dele e me puxou pra perto.*


Lucas: quer fazer oque? 


Isabella: sinceramente, quero fumar, comprar um lanche e ficar deitada assistindo. *ele beijou minha testa.*


Lucas: está cansada não é minha princesa?


Isabella: talvez, mas essa mulher torrou minha capacidade mental nesses últimos meses, tô esgotada dela, aquela piranha me fez sentir inferior, logo eu.


Lucas: se tivesse me falado antes, te arrumava outra pessoa.


Isabella: e provar pra ela que ela estava certa, que eu não aguentaria trabalhar com ela, nunca, consigo tudo oque eu quero.


Lucas: você não precisava provar nada pra ela, sabe disso não sabe.


Isabella: sei, mas mesmo assim provei. *o elevador abriu e saímos de lá, o saguão da empresa e cheio, pessoas entrando e saindo, funcionários, a empresa e bem grande então tem pessoa que vem para ver o saguão somente, pessoas procurando emprego, sócios e tudo mais, então é bem cheio, é grande e muito bem decorado, Lucas passou a mão na minha cintura e andou ao meu lado.*


Lucas: vai fazer oque agora?


Isabella: não sei, hoje e sexta feira, talvez eu queira ir pro baile mais tarde.


Lucas: não acabou de dizer que não queria fazer nada.


Isabella: posso ter mudado de ideia, faz tempo que eu não saio pra fazer nada, e também estou com saudade dos meninos.


Lucas: tá, a gente vai, mais hoje não é o meu, vai ser o dos moleque lá.


Isabella: sabia que eu não vejo diferença.


Lucas: po meu bem, assim você me magoa.


Isabella: o seu só tem mais gente.


Lucas: porque é melhor.


Isabella: tá bom, só quero ir, tô afim de dar trabalho hoje. *ele acenou negativamente.*


Lucas: oh Deus. *andamos até o estacionamento e o Lucas se aproximou do seu carro.* - preciso trabalhar ainda no morro, vai ficar comigo?


Isabella: vim com meu carro, vou pra minha casa resolver algumas coisas e depois eu vou. *ele se aproximou de mim, me puxou pela cintura e colocou nossos lábios e começou um beijo quente e cheio de saudade.*


Lucas: tá bom. *ele disse e passou a mão pelos meus cabelos me observando com esses olhos brilhando.* - só toma cuidado, não gosto de te deixar sozinha.


Isabella: acho que eu já sei me virar sozinha, e também tenho uma arma, posso me defender não acha? *ele deu uma risadinha.*


Lucas: espero que isso nunca aconteça. *dei um selinho nele.*


Isabella: até mais tarde, eu te amo.


Lucas: te amo. *deixei ele lá e fui até meu carro, dirigi até em casa e tomei um banho assim que cheguei, e fui resolver algumas coisas da faculdade pra não ficar pendente, perdi noção do tempo fazendo as atividades, estava muito concentrada, e quando eu terminei já tinha anoitecido, o baile já deve ter começado, vou ir direto pra lá, então rapidamente tomei um banho e arrumei meu cabelo, me encarei no espelho da penteadeira e eu tô com um puta roxo na bochecha perto do lábio, droga, mas que se foda, não ligo, fiz uma maquiagem simples e coloquei uma roupa bonita acompanhada de um tenis, peguei a chave do meu carro e fui pro morro, passei por uma entrada que não é a principal e fui subindo devagar por ser de noite, meu telefone tocou e eu peguei e atendi.*


Ligação on


Isabella: alô.


Lucas: oi amor, cadê você? *ele disse preocupado.*


Isabella: estou subindo, acabei demorando em casa.


Lucas: aonde você ta?  *ele parece ofegante e ouvi barulhos de tiros.*


Isabella: eu não sei, tô perto do quartel eu acho, não vim pela entrada principal. Pode me contar oque tá acontecendo. 


Lucas: não sai daí entendeu, tô indo te buscar, não sai daí Isabella. *ouvi múrmuros no fundo ele ele falando com alguém. Peguei a arma no porta luvas, observei ela na minha mão e me voltei para o celular.*


Isabella: da pra me falar que porra tá acontecendo? *disse mais alterada, ele respeitou fundo.*


Lucas: Isa, invadiram o morro atrás de mim, acabaram com o baile e saíram atirando em todo mundo.


Isabella: cacete, tá todo mundo bem? 


Lucas: não Isa, não ta, icaro levou um tiro, e ele nem tava no meio. *uma lágrima escorreu no meu rosto.*


Isabella: como ele ta?


Lucas: ele ta bem, so não sai daí princesa, por favor.


Isabella: relaxa, eu tô bem, vou ficar bem, pode ficar aí. 


Lucas: voce ta com o seu carro?


Isabella: sim.


Lucas: e claro que eles vão ver um carro desse aqui e vão deixar passar. Fica aí, não banca uma de heroína agora por favor.


Isabella: fica calmo, não vou fazer nada. *então ele só desligou o telefone.*


Ligação off


Merda, não pode ter acontecido nada com o Lucas, carreguei a arma e observei fora do carro, não parece ter ninguém, e uma rua deserta, esperei por alguns minutos e nada dele, ouvi um barulho de moto e não pensei, e achei ser o Lucas, mas também pode não ser, então sai do carro e me abaixei ao lado pra eles não me verem, a moto passou e são dois meninos totalmente estranhos pra mim, eles iam passar reto mas pararam e desceram da moto.*


?? 1: se liga nesse carro, acha que é do merda do lucas?


?? 2: de quem mais seria, uma pena que não da pra levar. *mas eles chegaram perto, que merda, eles vieram por trás do carro e me levantei antes que me visse escondida.* - olha só oque eu achei aqui. *ele disse e o amigo dele chegou perto, a arma ta na minha mão só que eu escondi nas minhas costas, merda, preciso ser rápida, ta carregada e só atirar.*


??1: mas essa não é a famosa rainha. *ele chegou perto e eu recuei.*


Isabella: fica longe.


?? 2: ela fala. *ele disse rindo, ele chegou perto de puxou meu braço, merda, levantei a arma e dei o tira mais rápido que eu consegui, levantei o braço o suficiente pra pegar acima do quadril dele, ele caiu no chão desacordado e o outro cara me olhou furioso.*


?? 1: sua vadia louca. *não consegui ter reação então só senti ele apontar a arma na minha cabeça e ouvi o barulho do disparo, só que não foi em mim, abri os olhos assustada e com a respiração acelerada, olhei e o cara tá caído no chão só que não ta morto, apontei e terminei com isso, atirei nele, olhei pra trás e o Lucas ta com um puta fuzil na mão me olhando preocupado, ele correu até mim, e segurou meu rosto em suas mãos.*


Lucas: meu deus, eu falei pra você não sair daqui não falei. *ele falou bravo.*


Isabella: eu tô bem.


Lucas: mas não poderia estar, cacete, mais dois minutos e eu não te encontrava viva Isabella.


Isabella: mas você encontrou, eu tô bem. *ele me olhou negando com a cabeça e me puxou pra um abraço apertado suspirando pesado.*


Lucas: nao faz isso de novo, achei que ia te perder. *o abraço ta apertado até demais.*


Isabella: eu já tô com você, vamos embora. *ele soltou o abraço e rapidamente subimos na moto, ele ia me deixar na casa dele só que ficou com medo e me deixou no quartel aonde tinham homens e eu estou protegida, entrei no escritório dele e ele pegou um colete aprova de balas e vestiu.* - aonde você pensa que vai? *disse me colocando na frente dele.*


Lucas: trabalhar. 


Isabella: não não, não vai ir lá e se matar Lucas. *ele acariciou meu rosto.*


Lucas: não é porque eu sou um empresário agora que eu não tenho o meu dever aqui.


Isabella: você tem muita gente trabalhando pra você, não precisa ir.


Lucas: Eu sou o melhor no que eu faço, so senta e me espera. *meus olhos já se lotaram de lágrimas, não posso deixar ele ir, e se alguma coisa acontecer, não posso.*


Isabella: Lucas, por favor, não faz isso. *as lágrimas já descem em meu rosto pensando no pior.*


Lucas: ei, não chora, eu já vou voltar, você sabe que eu sempre volto vivo não sabe. *ele disse com um sorriso de lado que me derrete toda.*


Isabella: se você por acaso ousar morrer e me deixar sozinha, não vou te perdoar. *disse tentando controlar minha cara de choro.*


Lucas: nunca faria isso. *ele me beijou e saiu correndo antes que eu pudesse falar algo. Merda, esse sentimento ruim me corroendo por dentro.*




Fim do capítulo 85...


Notas Finais


Eai, gostaram? Espero que sim, até o próximo, amo vocês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...