1. Spirit Fanfics >
  2. Na realidade e nos sonhos >
  3. Uma visita inesperada

História Na realidade e nos sonhos - Capítulo 7


Escrita por:


Capítulo 7 - Uma visita inesperada


 - Tem alguém em casa? – perguntou uma voz, que Jared reconheceu no ato. Pelo menos não era a polícia... De qualquer forma, era muito azar que seu primo estivesse ali!

Aquela cabana de caça estava sempre vazia. Era muito raro, muito mesmo, que alguém fosse visitá-la. Ela pertencia ao pai e ao tio de Jared, e nos dias atuais, apenas o advogado e um de seus primos – o primo Jeffrey - ainda iam até lá.

- Errr. Jeffrey!? Oi… – Jared correu para sala, antes que o primo entrasse no quarto.

- Jared! Que surpresa! O que você está fazendo por aqui? – Jeff era só sorrisos - Vi um carro estacionado do lado de fora. Torci para que fosse seu, e não de algum vagabundo que porventura tivesse invadido nossa propriedade.

Padalecki explicou que estava de férias e que resolvera sair um pouco da agitação de Austin, que era onde morava. Jeff tinha parado por ali apenas para passar a noite. Precisava estar na capital do Texas no dia seguinte para um compromisso de trabalho. Ele e o resto da família, inclusive os pais de Jared, moravam em uma cidade um pouco afastada de Austin, e a cabana ficava mais ou menos na metade do caminho até lá.

Jared estava nervoso. Teria que dar um jeito de se livrar daquele primo, e bem depressa.

- Ahhh. Não sei se é uma boa ideia você passar a noite, primo... Porque... Tem feito muito frio... E... Quando chove, a casa fica cheia de goteiras. Precisamos consertar o telhado! - completou sem jeito. Depois, vendo a cara nada alarmada do outro, completou - E a noite aparecem roedores pela sala. Uma ratazanas enormes!

Jeff olhou para o primo reticente. Estava claro para Jared que o homem achara tudo um bando de desculpas esfarrapadas... Mas e se ele estivesse com uma garota, querendo privacidade? De qualquer forma, o recado estava dado. Se Jeff fosse uma pessoa com semancol, iria embora dali. Afinal, Padalecki chegara primeiro...

Jeffrey já ia abrir a boca para dizer alguma coisa, quando uma voz masculina se fez ouvir do quarto.

- Jared! - chamava ele.

Jeffrey lançou olhares incrédulos ao primo. 

- Ahhh. É... Eu... Trouxe um amigo. Vou lá ver o que ele quer... – Padalecki explicou sem graça, sentindo seu rosto enrubescer de vergonha. Como explicar uma amigo em sua cama? Sua vontade agora era de esganar o louro que não ficou de boca fechada.

----------------------------------------

- Quem está aí? - quis saber Jensen.

- É um primo meu. E você, fica quieto! – Ameaçou Jared baixinho. Maldito! Por que fora chamar seu nome? Padalecki pretendia se livrar de Jeffrey antes que ele descobrisse o louro ali. Agora era tarde demais... Mesmo assim, seria melhor que os dois não chegassem a se encontrar.

- Ahh, nada disso! Eu vou é gritar bem alto se você não me soltar... - Ackles respondeu, também mantendo o tom de voz baixo para que o visitante não os escutasse.

Padalecki trincou os dentes de raiva e nervosismo. Soltou seu prisioneiro a contragosto. Não tinha outra opção, caso contrário ele gritaria e pediria ajuda.

O louro então apareceu na sala ao lado de Padalecki. Fora as curtas visitas que fizera ao matagal, do lado de fora, para fazer suas necessidades, era a primeira vez que Jensen caminhava nos últimos três dias. Suas pernas estavam enferrujadas, e isso transparecia em seu andar claudicante.  

- Ahh oi. Prazer. Eu sou o Jeffrey, primo do Jared. – apresentou-se o homem, segurando o riso. Jared engoliu em seco. A imagem que seu primo via era a de um homem lindo, sem camisa, com os cabelos bastante bagunçados. Aquela figura saíra do quarto de Jared, caminhando de forma engraçada, como se estivesse com dor. Vergonha definia bem o que o moreno sentia naquele momento.

- Prazer. Eu sou o Jensen... - disse o louro esticando a mão.

Padalecki, lembrando dos machucados de Ackles, achou por bem explicá-los – Ele foi agredido... Imagina... Em Austin... A capital está ficando violenta... E... Eu... Então o trouxe para cá, para descansar um pouco. Mas ele... É meu amigo... É só um amigo! - enfatizou.

Jeff olhou para Jared, incrédulo. Depois deu um tapinha condescendente em seus ombros, o que apenas serviu para deixá-lo ainda mais nervoso. Estava mais do que claro o que Jeffrey estava pensando… O moreno tentou falar alguma coisa, mas as palavras certas lhe escaparam. Como de fato justificar o que estava acontecendo ali?

Jeffrey então prestou atenção ao rosto do louro e aos hematomas que evidenciavam a violência sofrida. Que covardia bater em alguém só por ser gay!  

– Acho um absurdo essa violência gratuita. O Texas sempre foi um estado conservador e cheio de preconceitos... Mas achava que em Austin as coisas eram diferentes... - desabafou Jeffrey, com uma expressão penalizada no rosto.

- Não... É... Foi assalto... - Jared falou, na tentativa desesperada que Jeffrey ainda pudesse acreditar que Jensen era heterossexual e que entre Jared e ele existia apenas amizade. Mas Jeff nem prestou atenção ao primo. Estava claro que o rapaz já estava com sua opinião mais do que formada…

Jensen não respondeu nada. Ainda estava zonzo, tentando colocar os pensamentos no lugar. Agora que estava liberto das algemas, o que deveria fazer? Pedir licença e ir embora de bicicleta passou por sua cabeça, mas aquilo seria loucura. No estado que se encontrava, não chegaria muito longe... Ele estava sujo e faminto, mas acima de tudo, precisava de água. Sim, precisava desesperadamente de água. Cambaleou até a cozinha.

Padalecki não gostou. Não queria perder o louro de vista nem por um segundo. Sabia lá o que ele poderia aprontar...

- Jensen, o que você quer? - perguntou em seguida, indo atrás do louro. E Jeffrey, foi atrás dos dois.

- Eu quero água... - Ackles respondeu simplesmente, enquanto procurava as garrafas, abrindo todos os armários que via pela frente.

Enquanto isso, Jeff viu a macarronada que estava ainda quente, olhando para ele de dentro da panela. Ele estava faminto, e aquilo parecia gostoso. Pegou uma colher para provar o molho. A cozinha era pequena, e Padalecki estava aflito com a invasão.

- Jensen... Jeffrey... Por favor, sentem lá na sala. Eu vou levar a comida para mesa. Podemos comer e conversar mais a vontade fora da cozinha...

- E água! - lembrou o louro, que ainda não tinha conseguido achar o que queria. Onde Padalecki enfiava as bebidas da casa? Talvez estivessem em uma geladeira escondida em algum lugar...

- Tudo bem. E água... - disse, enquanto expulsava os outros dois da cozinha.

--------------------------------------------

Enquanto Jeffrey voltou para sala e se sentou, Jensen foi até o quarto e roubou uma roupa de Jared. Ele não se sentia confortável em jantar sem camisa... Jared não custou a aparecer com pratos, copos e talheres, e levou comida, água e cerveja em seguida. Não queria Jensen e Jeffrey sozinhos na sala conversando sabe-se lá sobre o que.

Jeffrey se preparava para fazer um agradecimento pelo alimento que estava prestes a consumir, mas Ackles não podia esperar. Quando viu a garrafa d'água seus lábios chegaram a tremer de desespero. O louro quase bebeu no gargalo, mas se segurou e derramou, trêmulo, o líquido no copo.

- Glup glup glup glup.

Jeffrey olhou um tanto espantado o desespero de Jensen ao engolir aquela água. O louro bebeu tão depressa que até se engasgou.

- Err... Jensen... Calma... - Jared deu um sorriso amarelo, lançando em seguida um olhar furioso de rabo de ollho para Ackles. Não dava para ele tentar se comportar melhor?

- Errr... Posso fazer a prece? - Perguntou Jeff, um tanto sem jeito.

Os dois assentiram, e ele fez. Que prece comprida... Jensen quase não segurou a vontade de engolir um segundo copo d'água e atacar a comida. Mas se conteve, e esperou o "amem" para fazê-lo.

- Nhac nhac nhac! Glup glup glup!

O primo de Jared nunca tinha visto ninguém comer e beber tão vorazmente. Pensava que os gays fossem em geral mais educados. Aquele, pelo jeito, não se importava nem um pouco em ter modos à mesa.

Padalecki não sabia onde enfiar a cara. Estava morrendo de vergonha. Chutou o louro por baixo da mesa.

- Aiiiiiii! - reclamou Jensen, de boca cheia.

Desgraçado. Quando Jared pusesse suas mãos no louro de novo, ele estaria perdido... Ficou com mais raiva ainda quando reparou na camisa que Jensen usava e no molho que deixara cair nela.

Jeffrey comia em silêncio, e bebericava sua cerveja. Puxou uma conversa bem genérica sobre o clima. Gente estranha essa... Foi só quando Jensen correu para o banheiro que sentiu-se um pouco mais a vontade para conversar com o primo.

- Que figura esse seu...  amigo, hein? - Jeff quase falou namorado, mas achou melhor chamar de amigo para não constranger Padalecki ainda mais.

Jared sorriu amarelo.

- É... Desculpa ele... Ele está fazendo esse negócio de jejum intermitente, sabe? E estava com um pouquinho de fome...

- Um POUQUINHO de fome? Nossa... Imagino esse homem com fome de verdade... - Jeffrey riu. - Mas... Nesse tal jejum intermitente não pode beber água também? - perguntou confuso.

- Errr. Não... - Jared respondeu, sabendo que não fazia o menor sentido...

- Bem, de qualquer forma, quero te parabenizar. Que bom que você está podendo viver a sua verdade. 

Como assim “sua verdade”? Jared gelou

- Jeff... Eu sei o que parece, mas não é nada disso! - Padalecki suava.

Com um sorriso bondoso e cúmplice, o primo lhe deu mais um daqueles tapinhas irritantes e  prometeu guardar segredo. 

----------------------------------------------------------------

Enquanto isso, após se sentar na privada e fazer alegremente suas necessidades em um vaso sanitário, como uma pessoa civilizada, Jensen se enfiou de baixo do chuveiro. A sensação da água caindo em seus cabelos, e molhando seu rosto e seu corpo era indescritível. Ele não aguentava mais sentir-se tão sujo! O louro usou o sabonete e shampoo de Padalecki. Eram cheirosos!

Agora, com a barriga cheia e de banho tomado, o louro sentia-se revigorado. Só então começava a ser capaz de raciocinar. Não podia deixar que Jeffrey fosse embora, deixando-o novamente sozinho com Jared. Ele não queria mais ficar preso, e passar fome, sede e frio! O louro sentiu seu coração acelerar, e seus olhos lacrimejarem, lembrando-se das horríveis sensações e do medo que tantas vezes sentira amarrado à cama. Não queria isso para si nunca mais! 

------------------------------------------------------------

- Jared! Onde está minha toalha!?

Padalecki sorriu sem graça para o primo e saiu dali bufando de raiva. Pegou uma toalha de banho limpa e entregou para o louro através da porta entreaberta. O desgraçado com certeza tinha feito a maior molhação no banheiro, saindo do box antes de se secar!

Jensen então foi para o quarto com a toalha amarrada na cintura, se vestiu com roupas limpas de Padalecki. Em seguida voltou para sala depressa. Tinha medo que o advogado conseguisse se livrar de Jeffrey...

A camisa e a calça compridas demais para o louro não passaram despercebidas. Jeff soltou um risinho jocoso. Padalecki sentia-se frustrado, impotente e envergonhado. Detestava Jensen cada vez mais. Os três sentaram-se na sala, e conversaram principalmente sobre lembranças antigas de família de Jeff e Jared. 

Jensen permaneceu quieto. Conforme o tempo passava, ia ficando cada vez mais nervoso com a situação. Passava por sua cabeça contar a Jeff o que estava acontecendo e pedir ajuda para sair dali, mas de alguma forma aquilo parecia errado e lhe faltava coragem. Além disso, Jeffrey e Jared eram primos... Talvez fosse fácil para Padalecki convencer o homem que era Jensen o louco da situação. Não podia estragar suas chances de fuga com palavras mal pensadas... O louro planejava simplesmente pedir carona na hora que Jeffrey estivesse saindo. Se enfiaria no carro dele, diria que estava com pressa de voltar para a cidade, e, quem sabe assim, Jared não tivesse outra escolha a não ser deixá-lo ir. 
 


Notas Finais


Desulpa a demora! Espero que gostem do capítulo.
Ahh, o nome Jeffrey foi em homenagem ao irmão do Jared (pensei na imagem dele para o personagem). Não foi pensando no Jeffrey Dean Morgan. Rsrsrs.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...