1. Spirit Fanfics >
  2. Nada a perder? >
  3. Cap 24

História Nada a perder? - Capítulo 24


Escrita por: MenerusHurt

Capítulo 24 - Cap 24



Armando narrando

Olhei para Inesita com a testa enrugada. Eu estava empolgado que o mesmo trio de jazz que vimos antes estava fazendo uma apresentação extra naquela noite, mas ela ficou fora do ar a noite inteira. Mais de uma vez, ela ergueu a mão, secando uma lágrima que rolava pela sua face. Quando, preocupado, perguntei se estava tudo bem, ela abanou a mão impaciente.

I-Estou bem.(Porém, ela parecia tudo menos bem. Eu a levei de volta para seu quarto, torcendo para que a surpresa que eu estava guardando animasse seu espírito. Beatriz mencionou que Inesita não estava comendo bem nos últimos dias e parecia cansada. Naquela noite, sua cuidadora me disse que ela mal tocou no jantar e que só almoçou porque Beatriz lhe deu na boca. Eu sabia que minha esposa estava preocupada. Ela pensou em cancelar a aula de ioga, mas a encorajei a ir. A lembrei que só faltavam duas aulas, então ela poderia se juntar a nós toda terça. Eu perderia meu tempo a sós com Inesita, mas as aulas recomeçavam um mês depois, então voltaríamos a ser só nós dois. Minha parte favorita da noite era escutar as histórias da senhora sobre Beatriz. Havia tantas. Sempre tinham momentos engraçados e embaraçosos que me faziam rir. Sentei-me ao lado dela, pegando uma caixa de pizza com um sorriso.)

A-Voilà!(Quando descobri que, depois de hambúrguer, pizza era sua comida preferida, comecei a trazer para ela com regularidade. Estava autorizado pelo asilo e eu me certificava de ter para todos os funcionários. Um dia, trouxe pizza suficiente para cada morador que quisesse comer. Fui um herói aquele dia. Hoje, no entanto, era apenas para Inesita. Ela pegou uma fatia, mas não mexeu um dedo para comer. Com um suspiro, peguei sua fatia de volta e devolvi a caixa. Envolvi minha mão em seu punho frágil, acariciando a pele delicada da palma de sua mão.) Inesita, o que foi? O que há de errado?(Ela exalou forte, o som drenado e resignado.)

I-Estou cansada.

A-Quer que eu chame Renata? Ela pode te preparar para dormir.

I-Não. Não quero dormir.

A-Não entendo.(Tirando sua mão, ela esfregou seu rosto de uma maneira exausta.)

I-Estou cansada de tudo isso.

A-Seu quarto?(Se ela quisesse um diferente, eu pagaria para ela.)

I-De ficar aqui. Nesta... vida, se é que pode se chamar disso.(Eu nunca a tinha ouvido falar desse jeito.)

A-Inesita...(Ela esticou o braço e me deu a mão.)

I-Eu esqueço as coisas, Armando. O tempo passa e não sei se é o mesmo dia que foi há um minuto. Betty vem visitar e não consigo me lembrar se ela esteve aqui há horas, dias, ou se acabou de sair. Alguns dias, não reconheço nada, e fico com medo. Sei que há dias que não a reconheço.(Sua voz tremeu, seus olhos brilharam com lágrimas.) Não reconheço a mim mesma na maioria dos dias.

A-Ela está aqui. Ela vem te ver todos os dias e, mesmo que você se esqueça dela, ela conhece você. Ela fica e se senta com você.

I-Sou um fardo para ela.

A-Não!(falei rapidamente) Não é um fardo para ela. Ela te ama.

I-Você deve ficar bravo comigo.

A-O quê? Não. Nem um pouco. Adoro passar um tempo com você. Faz parte da família agora, Inesita. Você se tornou parte quando me casei com Beatriz. (Conforme as palavras saíam de minha boca, percebi que o que estava lhe dizendo era verdade.)

I-Ela deveria estar fazendo outras coisas, viajando, tendo filhos, fazendo amigos, não ficando de babá de uma velha.

A-Por que está falando assim? Você sabe que Beatriz faria qualquer coisa por você. E eu também.(Ergui a mão dela e beijei sua pele fina.) Por favor, não diga mais essas coisas, se ela te escutasse...

I-Sinto saudade de Gaspar.

A-Eu sei. Você foi casada por bastante tempo. É claro que sente falta dele.

I-Trinta anos. Não éramos ricos, mas tínhamos amor.(sorriu discretamente.) Eu adorava vê-lo cozinhar. Ele era chef... sabia disso?

A-Sim, você me contou.

I-Eu era professora. Tínhamos uma vida boa. Quando ele morreu, eu não sabia como iria continuar. Mas, então, encontrei Betty. Ela se tornou meu motivo.

A-Ela precisava de você.

I-Não precisa mais.

A-Está enganada. Precisa, sim.

I-Você vai cuidar dela?

A-Não. Não desista ainda. Beatriz... ela ficará devastada.(Ela fechou os olhos conforme seus ombros caíram.)

I-Só estou muito cansada.(Entrei em pânico quando percebi que ela não estava se referindo a querer ir para a cama. Estava cansada da vida e de estar presa em um corpo que não produzia mais, com uma mente que a deixava confusa e esquecida. Inclinei-me, baixando a voz.)

A-Vou cuidar dela. Prometo. Ela não precisará se preocupar com nada.(Eu poderia prometer isso. Eu me certificaria de que Beatriz ficasse bem.) Não desista. Ela precisa, sim, de você.(Seus olhos se abriram, ela olhava além de mim.)

I-Pode me dar aquela foto?(me virei e lhe dei a foto para a qual ela apontou. Depois de esclarecer a questão do casamento, Beatriz trouxe uma foto de nós dois no dia do casamento, e uma que Renata havia tirado quando fomos visitá-la. Beatriz estava segurando a mão dela, Inesita estava torcendo o nariz e rindo, e eu sentado ao lado delas, sorrindo. Parecíamos uma família. Ela contornou nossos rostos.) Ela é minha vida.

A-Eu sei.

I-Ela é tudo que eu sabia que seria esperta, carinhosa e forte.

A-Concordo. Linda também. Durona. Você fez um bom trabalho com ela.(Isso a fez sorrir. O primeiro verdadeiro que eu vi naquela noite. Ela se esticou e deu um tapinha na minha bochecha.)

I-Você é um bom garoto.(Aquelas palavras me fizeram rir. Ninguém nunca tinha dito isso para mim.) Quando se envelhece, Armando, você percebe que a vida é feita de momentos. De todos os tipos. Tristes, bons e grandiosos. Eles criam a tapeçaria que é sua vida. Lembre-se de todos eles, principalmente os grandiosos. Eles fazem os outros serem fáceis de lidar.(Cobri sua mão com a minha.)

A-Fique pedi. Por ela. Dê a ela momentos grandiosos, Inesita.(Com um suspiro, ela assentiu.)

I-Quero ir para a cama agora.(Virando meu rosto, beijei a palma de sua mão.)

A-Vou chamar a Renata.(Ela olhou em meus olhos, um olhar firme que travou e segurou o meu.)

I-Amor, Armando. Certifique-se de que a encha de amor.(Só pude assentir. Ela apertou meu nariz. Era isso que ela fazia com Beatriz... seu jeito de dizer "eu te amo". Meus olhos pinicaram o caminho inteiro até em casa.)


Notas Finais


❤️😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...