História Nada é por acaso - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Naruto Uzumaki, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shisui Uchiha, Shizune, Tsunade Senju, Utakata
Tags Amizade, Fanficsotaconda, Narusasu, Sasunaru, Sasunarusasu, Snschurch, Yaoi
Visualizações 605
Palavras 2.764
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey!
Tem alguém aqui ainda? *rindo de nervoso*

Desculpa a demora. Vamos pro capítulo. Nos falamos mais lá no fim ;)

Capítulo 6 - Tudo que eu falei de alguma forma te envolveu


Fanfic / Fanfiction Nada é por acaso - Capítulo 6 - Tudo que eu falei de alguma forma te envolveu

Sasuke ficou na fossa por quase duas semanas. Não aquela fossa clichê de chorar e comer sorvete, é Sasuke Uchiha afinal. Apenas a sensação de tristeza por ter a confirmação de que seus sentimentos não seriam correspondidos. Além disso, sentia falta de Naruto. Por mais que não se vissem mais todos os dias e mesmo que nos últimos tempos as coisas estivessem estranhas, Sasuke sempre preferia quando Naruto estava por perto. Se recriminou por não ter resolvido as coisas mais cedo e aproveitado melhor o tempo com o melhor amigo - já que era tudo que poderiam ser - antes de ele se mudar.

Mas Sasuke não era o tipo de pessoa que gostava de curtir dor de cotovelo - não que já tivesse tido alguma antes dessa, mas ainda assim. Então, buscando não se deixar afetar muito sobre o assunto passou a se concentrar nos próprios estudos. Já tinham passado da metade do ano e o moreno ainda não tinha decidido em quais faculdades iria se inscrever. Tentava chegar num meio termo entre o que realmente gostava e o que poderia ser útil para a família. Os Uchihas eram donos de uma pequena empresa do ramo de tecnologia. O tio Madara controlava a maior parte das coisas na matriz e Itachi havia assumido a única filial que tinham, em Konoha. O primo, Shisui, estava prestes a terminar a faculdade e logo viria ajudar Itachi. E Sasuke se culpava por não ter o mesmo tino que todos os familiares para o negócio.

Não, ainda por cima Sasuke queria algo totalmente oposto. Podia até imaginar a voz do pai se lhe falasse o que realmente tinha vontade de fazer da vida: “Artes, Sasuke? Quem vive disso? Essa coisa de desenhar é só um passatempo.” Não que Fugaku Uchiha fosse um pai ruim ou insensível, não. Apenas tinha uma visão de mundo bem…  restrita. Mas ele não está mais aqui; foi o que Sasuke pensou antes de começar a pesquisa sobre suas opções.

E essa preocupação serviu para o que queria: distraiu-o da situação com Naruto. Os dois amigos ainda se falavam quase diariamente pela internet, principalmente sobre a adaptação de Naruto à faculdade. O clima parecia como sempre, as conversas leves e Sasuke pensou que tudo o que precisava para superar a paixão era isso mesmo: um pouco de distância e outras coisas em que se focar.

Quando o loiro voltou numa sexta-feira para buscar sua habilitação e seu carro Sasuke soube que não tinha superado porra nenhuma. Só de vê-lo seu coração saltou como louco e, sem saber como era possível, o moreno achou Naruto ainda mais lindo após apenas 1 mês e meio sem o ver pessoalmente. O outro também parecia estar ansioso por encontra-lo de novo, mas Sasuke tentou não criar falsas esperanças, e agiram normalmente naquele fim de semana. Evitavam a todo custo qualquer assunto sobre relacionamentos, mas fora isso, estavam na mesma sintonia que sempre tiveram. Pelo menos isso tranquilizou o Uchiha: não tinha perdido a amizade Naruto.

Quando Naruto foi embora no domingo à noite, Sasuke sentiu um vazio de novo, mas tinha coisas importantes a resolver. Nessa semana os representantes das faculdades iriam até o colégio apresentá-las e era o momento de decidir para onde mandaria sua inscrição. Precisava aproveitar a folga de Itachi, que andava bastante ocupado durante a semana, para conversar com o irmão. Jamais tomaria uma decisão tão importante sem levar a opinião de Itachi em consideração.

—  Nii-san, tem um tempinho?

— Claro Sasuke. O que é?

— Queria sua opinião sobre a faculdade.

— Ah meu Deus, meu otouto já cresceu!

— Para de bobeira Itachi, eu to até atrasado, você sabe.

— É né, graças aquele namorado delinquente que você arranjou.

— Ele não era meu namorado e tava mais pra novo hippie que pra delinquente e eu que dei mole com a escola, você sabe.

— Realmente, aquele menino não tem jeito de bad boy, é tão andrógino que tive que olhar duas vezes pra entender que de fato era um homem.

— hahaha né? Mas enfim, o assunto não é esse... To pensando em cursar Web Design. Sabe, sempre curti essas paradas mais artísticas e tal, e isso pode ser útil na empresa...

— Sasuke, eu vou falar bem sério com você e quero que preste bem atenção: você não precisa se preocupar em fazer algo útil pra empresa. Faça o que gosta de verdade. As coisas vão bem por lá e eu e o tio Madara damos conta, além do que o Shisui tá acabando a faculdade agora e logo vai ajudar por aqui  também.

— E você não vê a hora de ele vir morar aqui logo né? — Sasuke não pôde deixar de dar um sorriso maldoso.

— É, não vou negar. Namorar à distância é um saco.

— Hm. Mas, sobre a empresa, achei que você gostaria que eu me envolvesse mais pra frente.

— O que eu quero é que você se sinta realizado. Vai se sentir realizado cursando Web Design? É isso mesmo quer fazer – empresa à parte?

Sasuke pensou. Sabia que sua realização na verdade seria cursar Artes Plásticas, amava desenho e pintura, mas achou que era algo irreal e pensou que não seria nada útil na empresa de tecnologia da família e que isso não agradaria Itachi. Depois de muito pensar e pesquisar achou que Web Design era uma boa alternativa, mas agora com as palavras do irmão viu que não tinha tanta certeza.

— Na verdade pensei em Artes Plásticas, mas com certeza gosto de Design.

— Tente o que mais te motiva irmãozinho e coloque o Design como segunda opção se for o caso. Vou adorar ter um irmão artista!

— É, acho uma boa. Valeu nii-san.

— Em quais instituições pensou?

— Bom, estava praticamente decidido a ir pra Faculdade Tecnológica de Kumo, mas pensando em Artes Plásticas tenho outras opções. A Universidade de Oto tem um bom programa de artes, mas a mais conceituada é a de Suna.

— Essa última não é pra onde Naruto foi?

— Uhum.

Sasuke viu o olhar significativo de Itachi ao falar do loiro. Seria mentira dizer que não sentiu o estômago revirar ao perceber isso quando pesquisou sobre as faculdades de artes. Mas não tinha certeza se era boa ideia voltar a ficar tão perto de Naruto ainda. A distância estava ajudando a lidar com os seus sentimentos, afinal.

— Não começa Itachi, óbvio que essa decisão não tem nada a ver com o Naruto.

— Eu sei Sasuke, mas não seria legal ir pra um lugar onde já tem um... amigo?

— Não sei Itachi, não sei...

— Ah qual é Sasuke, vocês não se desgrudaram o fim de semana todo!

— Mas nada mudou Itachi, continuamos amigos e só. Eu ainda gosto dele e ele meio que age como se nem soubesse.

— Mas continua te secando com os olhos em cada oportunidade. Você devia ter visto o desespero dele quando eu pedi pra ele levar a toalha que você tinha esquecido hoje cedo.

De fato Naruto parecia meio afobado ao entrar no banheiro enquanto Sasuke estava no banho pra lhe entregar a toalha antes de ambos saírem pra encontrar com o pessoal antes do loiro ir embora. Mas não, não podia se deixar ter esperanças de novo, Naruto não o via assim e pronto.

— Ah Itachi, eu não posso pensar nisso agora, ele disse que não queria me ver dessa maneira quando foi embora, pronto.

— Pode até não querer otouto, mas que vê, vê. To dizendo.

— Tá, tá, mas então, o que acha?

— Que ele precisa é desabafar com alguém, porque pode até gostar de você mas...

— Não sobre isso, seu lesado, sobre a faculdade!!

— Aaaaah, bom, sobre isso, acho que você deve se concentrar mais nas duas de artes e deixar a de  tecnologia em standby.

— É, é uma boa. Valeu nii-san. Vou dormir, boa noite.

— Boa.

Sasuke gostou da conclusão que chegou ao fim da conversa com o irmão. Artes era realmente o que gostava, seria bom aprender mais e se aperfeiçoar nisso. Sendo introspectivo como era desenhar acabava sendo uma maneira de se expressar tanto quanto de sair da realidade. Afinal, parecia que na realidade Sasuke estava sempre envolvido em algum tipo de drama. Mesmo assim não pôde deixar de sorrir com a possibilidade de ir pra mesma faculdade que Naruto antes de dormir.

 

Naruto por sua vez estava se adaptando à faculdade e a rotina não era fácil. Fora toda a documentação que tinha que resolver em relação à moradia estudantil e toda a atenção que tinha que ter para conhecer todos os locais aonde teria aula, o loiro ainda buscava por um emprego nos arredores do campus para não sobrecarregar o avô com as despesas. Ainda assim, sua mente lhe fazia o favor de se concentrar em Sasuke.

Se falavam pela internet quase todo dia e as conversas eram como sempre foram: bobas, divertidas e naturais. Também foi assim quando finalmente se viram de novo, embora Naruto tenha ficado estranhamente nervoso na presença do amigo em alguns momentos. Se dissesse que não tinha pensado ainda mais nos sentimentos do amigo seria mentira. Mas, sozinho, não tinha chegado à conclusão nenhuma e o fim de semana em Konoha não mudou isso.

Na terça-feira, saindo da aula do meio da manhã, pensava se deveria de fato procurar Itachi - que não tinha lhe demonstrado estar com raiva por causa da situação com Sasuke - para desabafar, quando seu celular tocou. Não conhecia o número e se viu tentado a não atender pois em 90% dos casos era alguém que tinha pego seus dados em uma das centenas de stands de cursos que se espalhavam pela universidade nessa época e que queria lhe oferecer algo em que não estaria interessado. Mas, como tinha deixado alguns currículos na semana anterior, achou por bem responder a ligação. Se fosse alguém desagradável fingiria que a ligação caiu - quem nunca?

Deu graças aos céus por ter atendido. O homem do outro lado da linha, chamado Kankurou, o chamava para uma entrevista naquela mesma tarde. O lugar ficava há uns 15 minutos da universidade e seria perfeito se Naruto conseguisse o emprego então o loiro foi para as próximas aulas com a energia renovada. De tão animado que estava foi para o café imediatamente após as aulas, chegando 40 minutos adiantado para a entrevista - uma impressão melhor do que chegar atrasado, certo? Uma atendente baixinha com cara de tédio lhe disse que Kankurou ainda não tinha voltado do almoço, mas que o irmão dele poderia lhe receber e conduziu Naruto até uma pequena sala adjacente ao café. Quando entrou, Naruto teve vontade de rir pela coincidência.

— Gaara?

— Naruto! O que está fazendo aqui?

— Eu vim pra entrevista, você é o irmão de Kankurou?

— Nossa, que coincidência, então o candidato é você? Sabia que você tinha vindo pra cá mas jamais imaginei isso. Sim, Kankurou é meu irmão mais velho, ele é o dono desse café. Acho que eu nunca tinha dito o nome dele pra vocês…

— Com certeza não! Eu teria lembrado. O pessoal em Konoha falou que você tinha vindo visitar a família e eu até pensei em te ligar pra gente se ver um dia essa semana.

— Bom, não precisa mais né. E nem da entrevista, pelo jeito. Kankurou gosta de entrevistar as pessoas pra ver se pode confiar nelas, mas sendo você o emprego já está garantido.

— Jura Gaara? Ah que bom! Nossa isso vai me ajudar muito!

— Com certeza, quando ele chegar apresento vocês. Mas e então, como está se adaptando?

— Ah, bem. Está corrido e eu sinto falta de casa, mas as coisas se ajeitam.

— Hm. Você disse que falou com alguém de Konoha, você foi lá esse fim de semana?

— Sim, buscar o carro que meu avô me deu. É usado e simples mas é ótimo!

— Isso é bom! E como estão todos? Eu vim pra cá já tem quase duas semanas, não te avisei porque achei que estaria enrolado com sua adaptação.

— Devia ter me ligado! Mas estão todos bem.

— E Sasuke?

— O que tem ele?

— Vocês estão bem?

— Por que pergunta isso, Gaara?

— Você sabe porque Naruto. Todo mundo percebeu como vocês estavam diferentes até sua festa… Ele finalmente te  disse como se sente?

— Quê? Como você…

— Como eu sei? Ah Naruto, o Sasuke é fechado mas eu e ele temos muito em comum. Eu percebi desde que ele passou a me olhar torto quando soube que eu gostava de você.

— Mas isso já tem muito tempo! Ele… desde então?

— Com certeza! Por isso eu disse ‘finalmente’. Eu esperava que ele falasse depois que vocês ficaram e depois de conversar com você confesso que me preocupei com sua reação. Então você partiu o coração dele também?

— Ai Gaara, não fala assim, você sabe que eu nunca quis magoar você.

— Relaxa, Naruto, eu to brincando. Você sabe que já superei faz tempo. Mas então? O que houve? Você está com cara de quem precisa conversar…

— Você não faz ideia do quanto…

E Naruto contou. Contou como teve a reação mais estúpida possível ao saber dos sentimentos de Sasuke, contou que evitou pensar no porquê tinha tomado a iniciativa do beijo, contou de tudo o que pensou desde a conversa que tiveram no final de sua festa de despedida. Contou e se sentiu uma tonelada mais leve por poder dividir sua angústia com alguém. Gaara esperou que terminasse antes de falar algo.

— Você está pensando demais Naruto, nem combina com você isso.

— Nossa, obrigado pela parte que me toca.

— Não, sério. Você está apegando demais em decidir internamente sua sexualidade e tá só se complicando mais. Te conhecendo, talvez seja melhor agir do que ficar pensando tanto, meu amigo. Você não precisa nomear as experiências que quiser ter, ninguém pode te cobrar isso.

— O que quer dizer, Gaara?

Mas antes que o amigo pudesse responder, Kankurou entrou na sala e rapidamente o assunto mudou para a questão que tinha levado Naruto até ali: o emprego. Como Gaara havia dito, assim que soube que os dois eram amigos Kankurou decretou que o emprego era de Naruto e que ele poderia começar no dia seguinte mesmo. Assim, alguns minutos depois, Naruto foi de volta para o alojamento com a mente repleta de felicidade e alívio de ter conseguido o emprego, mas irremediavelmente envolvida em pensar o que afinal Gaara tinha sugerido com “agir ao invés de pensar”.

Na quinta à tarde Sasuke estava feliz. Tinha acabado de deixar seus formulários de inscrição com os representantes das faculdades e tinha se animado ainda mais após a conversa com a representante de Suna, já desejando ir pra lá. Foi inevitável contar logo para Naruto, que se mostrou animado com a possibilidade de voltarem a estudar no mesmo lugar - embora em áreas bem diferentes, tanto que até ligou pra Sasuke ao invés de continuar a conversa por mensagem.

— Fala Teme! Então resolveu tentar Artes mesmo?

— É, Itachi falou que eu não precisava me preocupar com a empresa. Ainda vou fazer a inscrição pra Web Design, não é como se eu não gostasse, mas to mais focado em Artes mesmo.

— Vai ser legal se você vier pra cá.

— É, mas aí é a universidade mais renomada nessa área, eles são bem exigentes, não sei se consigo passar no teste de admissão.

— Ah para, você é talentoso porra. E tem que vir pra cá sim, não tem mesmo ninguém que me chame de energúmeno por aqui hahaha.

Imediatamente após ouvir isso Sasuke se lembrou da última vez em que usou o adjetivo peculiar com o amigo, na conversa que tiveram após a festa de despedida do loiro, na qual este rejeitou a proposta de Sasuke em terem algo a mais. Naruto parecia ter lembrado também, pois o silêncio se instaurou na ligação.

— Eeeer, vamos ver né Dobe, vamos ver. Tenho que ir, tenho coisas pra resolver ainda. Até.

— É, tá, tchau.

Droga. Agora Sasuke estava de novo duvidando de que seria uma boa ideia ir pra lá. E se o clima ficasse assim? Por que Naruto tinha que ficar trazendo esse tipo de lembrança se não correspondia? A não ser que Itachi estivesse certo... Não é hora de pensar nisso Sasuke, não é!


Notas Finais


Bom é isso, duas conversas importantes pros nossos meninos.

Sobre esse sistema da faculdade... Toda a história se passa num local fictício então isso também não tem compromisso com nenhuma realidade. Eu imaginei eles precisando entregar formulários e fazer provas parecidas que com um vestibular mais específico e que as faculdades avaliariam tanto as provas quanto o histórico escolar anterior - parecido com o sistema dos EUA, mas nem tanto. Ah sei lá gente, imaginei assim e foi rsrs

Por favor me digam o que estão achando.
Espero não demorar mais tanto a postar.
Obrigada a quem ainda está por aqui!

Jaa ne!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...