História Nada é por acaso (KaiSoo/ChanBaek) - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai
Tags Baekhyun, Chanbaek, Chanyeol, Exo, Kai, Kaisoo
Visualizações 875
Palavras 4.296
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiin belezinhas... Como estão? Bem? Que bom ... Parei U.U

>> Atualizei hoje pq meu final de semana vai ser mais agitado que nem o Show do EXO.

Boa leitura XOXO

Capítulo 13 - Uma Chance


Fanfic / Fanfiction Nada é por acaso (KaiSoo/ChanBaek) - Capítulo 13 - Uma Chance

 

 

Kyungsoo ON

- Kyungsoo você precisa descansar - Chanyeol entra no quarto me despertando. Devo ter dormido por alguns minutos.

- Estou bem Chanyeol, não vou sair daqui - Encaro seu rosto.

- Tem dois dias que está aqui, não está se alimentando direito. Pense nos seus bebês - Ele diz baixo.

- Ele precisa de mim aqui - Murmuro e acaricio o braço imóvel de Jongin.

- Eu sei Kyungsoo, e também sei que precisa ir para casa, se alimentar corretamente e tomar um belo banho - Chanyeol sorri.

Solto um longo suspiro.

- Fica com ele até eu voltar?

Ele acena.

- Baekhyun está louco para ver você, e sugiro que leve comida para ele. Seu irmão está um pouco explosivo por conta da gravidez, e comida o deixa um pouco mais calmo - Seus olhos brilham ao falar do Baek.

- Obrigado por cuidar dele Chanyeol - Sorrio triste.

- É um prazer. Eu o amo mais que tudo - Aceno.

- Preciso sair um instante amor, mas logo estarei de volta - Sussurro no ouvido de Jongin. Mesmo não parecendo, sinto que ele pode me ouvir. Beijo levemente seus lábios e saio do quarto.

Ligo para telefone de casa para ver se a vovó está bem. Pedi para que Chanyeol a levasse até meu apartamento para que ela pudesse descansar.

Depois da certeza que ela está bem sigo para ver meu irmão. Mas antes paro e compro uma pizza de chocolate, Baekhyun é louco por pizza de chocolate.

Bato em sua porta e logo ela se abre.

- Senti tanto sua falta - Essas palavras são as primeiras que escapam. Baekhyun me olha com uma cara não muito boa.

Meu irmão está ainda mais lindo, seus cabelos loiros estão mais brilhantes, sua pele rosada, e uma linda barriguinha redonda.

- Eu odeio você - Ele murmura com os lábios tremendo - Você me abandonou Kyungsoo.

A gravidez o deixou ainda mais dramático.

- Eu tive minha razões, e você tinha o Chanyeol. Não estava só - Ele revira os olhos e me dá as costas, entro em seu apartamento.

- Você foi tão malditamente egoísta, eu precisava de você aqui ao meu lado. E sem contar o quanto foi estúpido em ir embora não dando a chance do Jongin se explicar - Seus olhos faíscam de raiva enquanto suas mãos passam por sua pequena barriga.

- Pizza de chocolate? - Estendo a caixa para ele tentando deixá-lo mais calmo.

- Não vai me comprar com uma pizza - Ele me fuzila - Mas por precaução me de ela aqui, vai ser meu lanche mais tarde -Arranca da minha mão e coloca na bancada.

- Me desculpe por não está ao seu lado. E em questão ao Jongin, eu o vi com outra. Na nossa cama - Faço careta.

- Você viu a droga de uma armação seu burro - Baekhyun se exalta. Meus olhos se arregalam.

Armação?

- O que está dizendo? - Ele bufa sem paciência.

- Aquela mulher que você viu é uma VA.DI.A. Ela sempre quis o Jongin para ela, mas ele nunca deu bola. Jooe drogou o Jongin, eles nunca transaram. Foi armação - Pisco em choque.

- Ele não me traiu? - Pergunto com lágrimas nos olhos.

- Não seu estúpido - Baekhyun se senta. 

- Ficamos todo esse tempo separados por nada? Sofremos sem motivo? - Fecho os olhos sentindo meu rosto molhado.

- Exato. Ele ficou em um estado deplorável, não comia, não fazia a barba e quase todos os dias Chanyeol tinha que socorrer ele porque se embebedava.

- Eu sou um idiota. Devia tê-lo ouvido - Mordo meu lábio para conter um soluço.

- Sim, realmente. Além de anão é um grande idiota.

- Sou o maldito culpado por ele está assim, tudo culpa minha - choro baixinho e logo sinto os braços de Baekhyun ao meu redor. Ficamos assim por um longo tempo.

- Ele ama tanto você Soo, seus olhos sempre estavam vermelhos de chorar - Nos encaramos.

- Ele precisa acordar logo, Jongin tem que ver seus filhos vindo ao mundo Baek. Ele tem que voltar para mim, para a nossa família.

- Tenha fé. Ele vai acordar logo Soo - Ele para pensativo. - Quero te mostrar algo, vem - Meu irmão pega sua chave e caminha para a porta. O olho confuso e seco meu rosto.

- Me mostra o que?

- Deixe de ser curioso e venha logo - Diz impaciente.

- Ok! Ranzinza você em - Murmuro e o sigo.

Vamos em seu carro. Depois de um tempo dirigindo Baekhyun para o carro em frente a grandes portões. Ele fala algo no painel digital e nossa entrada é liberada. Passamos a um lindo canteiro de rosas, ele para o carro em frente enorme porta de madeira.

Ele toca a campainha e continuo sem entender nada. Quem mora aqui?

- April? - Exclamo pasmo. April me fita com um lindo sorriso.

- Senhor Kim, que bom que está de volta - Seus olhos brilham com lágrimas - Como está meu menino Jongin?

- Ele ainda não acordou, mas tenho fé que logo vai. O que faz aqui? - Pergunto confuso.

- Jongin comprou essa casa para vocês, ele disse que o jardim é maior para as crianças correrem - Baekhyun se pronuncia.

- Mas e a outra casa? - Não estou entendo nada. 

- Ele vendeu, queria apagar as más lembranças que ela trazia. Tem algo que precisa ver - Meu irmão puxa meu braço e caminha para dentro.

April diz que precisa resolver algumas coisas e se despede. A casa é incrível por dentro, cores claras e várias fotos minhas, do nosso casamento espalhadas. Subimos pela exuberânte escada, andamos por um corredor gigante e de muitas portas.

- Entre - Baekhyun diz ao pararmos em frente a uma das portas. Nem sei o que tem por dentro, mas meu coração já dispara. Abro a porta hesitante e minha boca vai ao chão.

O quarto dos nossos bebês.

Tudo decorado em cores lindas. E de novo as lágrimas descem descontroladas.

Dá para perceber que tudo foi escolhido com muito cuidado e carinho, desde os berços aos detalhes na parede. Corro minhas mãos pela poltrona e soluço.

- Ele escolheu cada detalhe, Jongin me pediu ajuda com algumas coisas, mas a maioria foi tudo ele - Vejo que Baekhyun se segura para não chorar.

Amor. Meu amor.

- Sei que não é o momento, mas quero muito te contar. Teremos um menino Soo - Sorrio entre as lágrimas.

- Já tem um nome?

Ele acena.

- Taewoo - Me levanto e o abraço.

- Lindo nome Baek.

Baekhyun me mostra o quarto principal e lá encontro roupas minhas no armário. Não só roupas, mas meus sapatos também. Passo os olhos pelas camisas bem passadas de Jongin e as levo ao meu nariz sentindo seu cheiro maravilhoso.

- Ele vai ficar bem - Meu irmão sussurra.

- Espero que sim - Suspiro cansado.

Tomo um banho no imenso banheiro e visto um camisa grande do Jongin vermelha e uma calça qualquer.

- Preciso voltar para o hospital - Digo.

- Primeiro vamos comer, todo esse choro me deu fome - Meu irmão bufa.

Paramos em uma padaria pois ele disse que estava com desejo de bolo de aniversário. Eu por outro lado, não sinto muita fome. Provavelmente é ansiedade e tristeza.

Antes de sair do carro suas mãos me param.

- Tem outra coisa.

- Mais? O que?

O fito confuso.

- Jongin abriu uma filial da empresa dele aqui em Seoul, ele não queria que você tivesse que ir para longe de nós - Ele aperta os lábios.

Respiro com dificuldade. Ele fez isso por mim?

- E como ficou a de Nova Yorque?

- Chanyeol disse que Jongin a deixou nas mãos de pessoas de confiança e que daqui ele iria administrar tudo. Estou te falando isso porque quero que veja que ele te ama de verdade Soo - Diante de suas palavras não consigo dizer nada. Só choro em seu colo.

Como fui tão imbecil?

 

 

 

  e)(o ・゜゜・。e)(o・゜゜・e)(o

 


 

Um chorinho dengoso invade meus ouvidos. Suspiro e levanto a cabeça.

- Acho que alguém aqui quer comer - A voz rouca do meu lindo e sexy marido corta o silêncio do quarto. Seus olhos se dividem entre o pacote chorão em seus braços e meu rosto corado.

Seu abdômen definido está nu, apenas com uma calça moleton preta. Seu sorriso é deslumbrante.

- Não sei de onde elas tiram tanta fome, na verdade não sei onde  colocam todo esse leite que tomam. Estão sempre famintas - Murmuro sorrindo. Jongin se aproxima com seus olhos presos nos meus.

- Sei que adora alimenta-las Sr. Kim - Ele coloca a pequena Sunhee em meus braços que se cala ao sentir meu cheiro e beija meus lábios.

- Nunca pensei que amamentá-las seria tão bom, eu as amo tanto - Fito o rostinho redondo e corado da minha filha. Seus lindos olhos dourados me encaram com atenção. Os olhos do papai Nini.

- Sungin. Já a trocou? - Pergunto guiando a mamadeira até os pequenos lábios de Sunhee. Jongin me fita com uma expressão apaixonada.

- Sim. Sua fralda estava cheia, ela está dormindo agora - Seus olhos brilham de satisfação ao contemplar nossa filha sugando a mamadeira em meus braços.

- Você me deu os melhores presentes que alguém poderia ter me dado. Serei eternamente apaixonado por você e por elas - Meu amor alcança meus lábios selando esse momento tão terno e perfeito. Nos separamos ao ouvirmos um suspiro da nossa pequena.

- Kyungsoo - Uma voz distante me chama e tudo começa a desfocar. Jongin some e Sunhee também.

- Kyungsoo meu filho, acorde. Não pode ficar nessa posição, suas costas ficarão doloridas - Abro os olhos desejando voltar para o sonho. Lágrimas se formam em meus olhos.

Um sonho. Era só a merda de um sonho.

- Você está bem? - Papai fala preocupado percebendo minha reação. Me levanto da cadeira e fito o rosto e o corpo de Jongin, ele está um pouco mais magro.

- Não. Não está tudo bem pai, só ficarei bem quando ele voltar para mim - Suspiro mordendo os lábios.

- Estou aqui para você meu doce - Papai abre os braços e eu o recebo chorando. Ele me aperta em seus braços enquanto soluço. Não conto do sonho, quero guarda-ló só para mim.

Papai me leva para uma lanchonete dentro do hospital para me alimentar. Não que eu esteja com fome, só que preciso pensar nas minhas crianças.

Será duas garotinhas igual no sonho?

Me lembro perfeitamente do rosto angelical e belo que sugava a mamadeira em meus braços.

Sunhee e Sungin.

Ainda não tinha pensado nos nomes, mas se forem duas meninas, já sei seus nomes.

- Coma mais um pouco querido, meus netos precisam que se alimente bem - Encaro o prato com sopa de legumes e pão ao lado. Me forço a comer mais.

- Sua avó lhe contou o que fez? - Sua pergunta me pega de surpresa. Abaixo a colher.

- Ela me disse sim, vovó errou. Mas quem nunca errou alguma vez na vida pai? - O encaro com o semblante irritado.

- Ei calma, não estou a recriminando. Sua mãe ficou uma fera, e eu sei que elas precisam conversar. São mãe e filha - Ele sorri.

- Nem imagino pelo que mamãe passou, mas ela precisa perdoa-lá. Vovó já teve sua cota de sofrimento e não precisa de mais - Aperto os lábios.

Papai acena compreensivo.

- Com tantos acontecimentos em minha vida não soube mais nada de Dahyun. Eles marcaram a data? - Sorrio de leve lembrando da minha irmã. Tem muito tempo que não a vejo, deve está ocupada esbanjando seu dinheiro.

Papai pigarreia.

- Joon a deixou - Ele diz triste.  Abro minha boca chocado.

- O que aconteceu? 

- Ele a pegou com um enfermeiro, estavam bem íntimos - Papai balança a cabeça. Bufo.

- E como ela está?

- Aparentemente bem. Mas sei que minha filha está sofrendo, só não admite.

- O Joon  era maravilhoso, ela não deveria ter feito isso. A fama e o dinheiro viraram sua cabeça - Digo complacente. Papai acena.

Término minha sopa e conversamos um pouco mais. Pergunto como está a pequena cadela, e ele sorri dizendo que ela está mais feliz e que é muito mimada por minha mãe. Fico feliz por isso, ela foi muito maltratada antes, merece carinho.

Vejo Jihoon conversando com alguém na porta do quarto, mas logo que me vê sorri e se aproxima.

 - Ei Kyung - Murmura sorrindo.

- Kyungsoo. - O corrijo - Então como está a situação do Jongin, mudou alguma coisa? - Seu sorriso murcha. Abusado.

- Não vejo mudança no quadro dele, sinto muito - Sinto raiva. É como se ele não quisesse que Jongin ficasse bem.

- Pois eu não. Quero que outro especialista me dê um diagnóstico - Tento controlar minha irritação. Seus olhos se arregalam.

- Tudo bem, mas será a mesma coisa. Desista Kyungsoo ele já era - Diz ríspido.

Arqueio a sobrancelha.

- Não me importo com a sua opinião, só quero outro médico cuidando dele. Pois pelo o que parece você e nada são a mesma merda - Falo com os olhos faiscando. Faço menção de sair mas paro. - E outra coisa, fique longe dele - Digo entre dentes. Ele só me olha de cara fechada. - Cretino - Murmuro entrando no quarto.

Pego meu celular e procuro especialistas, anoto o número de alguns. Mas uma página me chama atenção. Um médico em Boston, e ele parece ser um dos melhores na área.

Pego seu contato e ligo de imediato.

Com muita insistência da minha parte consigo uma consulta. Expliquei a situação do Jongin e a secretária disse que ele não fazia consulta em outro país e que sua agenda era lotada. Mas depois de implorar ela disse que abriria uma exceção. O doutor Carter chegará em três dias.

- Vai ficar tudo bem meu amor, você vai voltar para mim - Murmuro passando a mão pelo cabelo dele.

Me deito desajeitado ao seu lado e logo meus bebês começam a se movimentar.

Pego a mão de Jongin e a coloco sobre minha barriga.

- É o toque do Papai Nini - Digo para eles e me permito chorar mais um pouco. Sinto meu peito pesado.

Ele precisa voltar para mim. Para nós.

 

 

 

  e)(o ・゜゜・。e)(o・゜゜・e)(o
 

 

 

- Para com isso Kyungsoo, vai ficar sem os dedos desse jeito - Baekhyun me cutuca. O doutor Carter está quase chegando e minha ansiedade só piora.

- Estou nervoso, e com medo do que ele vai me falar depois que ver o quadro do Jongin - Suspiro cansado.

- Sei que não é fácil, mas tente ficar calmo - Aceno.

A porta se abre e um homem alto entra acompanhado de mais três pessoas.

- Sou Dylan Carter - Ele me cumprimenta.

- Kim Kyungsoo - Sorrio de leve. Ele me apresenta brevemente seus companheiros de equipe.

Doutor Carter vê todos os resultados dos exames de Jongin.

- E então doutor? - Pergunto já não aguentando tanta ansiedade.

- A situação dele é muito complicada. Estaria disposto a arriscar a vida do seu marido por um método novo na medicina?

- Qual método? - Pergunto inquieto.

- Esse método não foi exercido muitas vezes, as chances dele sobreviver são poucos Kyungsoo - Após sua confissão fico apavorado.

- E quanto a chance de dar certo? - Falo. Jongin merece a chance de tentar.

- Apenas dez por cento.

Solto um suspiro pesado.

- E como seria esse método?

- É como emendar um osso quebrado, isso dará mais chances para o inchaço diminuir. Quer levar isso adiante? - Sua voz é cuidadosa.

- Jongin merece tentar doutor, vamos fazer isso - Me decido. Ele acena complacente.

- Um amigo meu tem uma clínica aqui em Seoul, a cirurgia será feita lá. Amanhã, tudo bem?

- Ok. Por favor doutor… Não o deixe morrer - Suplico em um sussurro.

- Farei o que puder Kyungsoo - Dylan diz sério.

 

 

 

  e)(o ・゜゜・。e)(o・゜゜・e)(o
 

 

 

Me sento inquieto em uma das poltronas e meus olhos vão até Chanyeol e Baekhyun sentados ao lado. Estou tão apavorado que posso sentir minhas carnes tremendo. Os bebês estão estranhamente calmos, passo a mão por minha barriga recebendo um breve chute em resposta.

Tem meia hora que Jongin entrou em cirurgia. Levo minha mão até aos lábios e me lembro que não tenho mais unhas para roer, só o projeto.

- Tenta manter a calma Kyungsoo, ele vai ficar bem - Chanyeol diz tentando inutilmente sorrir.

- Não acha melhor ir pra casa e esperar que a cirurgia termine lá? Estou preocupado com seus bebês - Meu irmão me olha triste. Balanço a cabeça negando.

Ele está louco se acha que vou embora e deixar o Jongin aqui.

- Obrigado pela preocupação. Mas estou bem e não sairei daqui nem a força - Suspiro.

- Pelo menos comeu algo? - Baekhyun faz careta.

- Tomei apenas um suco, não estava com fome - Digo complacente. Os dois me olham com reprovação.

- Você é tão teimoso. Vou pegar algo para você comer - Baekhyun se levanta e sai pelo corredor vazio.

Encaro a parede branca e em silêncio oro para que Deus guarde a vida do meu Nini.

- Coma - Depois de alguns minutos Baekhyun se senta ao meu lado colocando uma sacola com comida em meu colo e me oferecendo copo com suco. Me esforço para comer pelo menos a metade do que ele trouxe.

As horas vão passando e sinto que vou desmaiar de tanta aflição. Após quatro longas horas o doutor sai da sala de cirurgia ainda de máscara.

Quando o vejo me levanto rápido.

- Como ele está? Ainda vivo? por favor diga que ele está vivo doutor - O fito desesperado e com a respiração alterada.

- Jongin teve duas paradas cardíacas, mas conseguimos reanima-ló. A cirurgia foi um sucesso Senhor Kim - Dylan diz sério mas logo sorri. Solto um suspiro de alívio e choro feito uma criança.

- Obrigado doutor, muito obrigado. Ele vai ficar bem? - Não consigo conter as lágrimas que cada vez mais escorre sobre meu rosto. Ouço os suspiros de Chanyeol e Baekhyun.

- Temos que esperar que o inchaço diminua e que ele acorde, pode ser que demore dias, semanas, meses e até anos. Tudo agora depende dele - Ele acena.

- Doutor quero que o senhor o monitore até que ele acorde, pode fazer isso? - Minha voz sai trêmula.

- Tudo bem. Vou deixá-lo nas mãos do meu melhor enfermeiro, mas sempre estarei de olho.

- Quando Jongin vai para o quarto? - Chanyeol se pronuncia.

- Ele já está indo para o quarto, só está sendo preparado - Diz.

Ele responde mais algumas de nossas perguntas e se retira, logo uma mulher nos avisa em qual quarto Jongin está.

Chanyeol pede para entrar sozinho um instante. Sorrio e digo que tudo bem. Ele fica alguns minutos e sai com os olhos vermelhos.

- Estamos indo, se precisar de alguma coisa me ligue. Fique bem Soo - Baekhyun diz também com os olhos cheios de lágrimas. Beijo sua bochecha rosada e aceno positivamente.

Paro hesitante na porta do quarto e mordo o interior da minha bochecha. Entro e logo vejo seu corpo imóvel. Ando até a cama com calma e fito seu lindo rosto, sua cabeça está enrolada com uma faixa branca.

- Tive tanto medo de perder você meu amor - Sussurro e levo as mãos ao seu rosto. Beijo sua boca quente e inerte.

- Amor seja forte por nossos filhos, eles precisam de você. Eu preciso de você - Alcanço sua mão.

 

 

 

  e)(o ・゜゜・。e)(o・゜゜・e)(o
 

 

 

Duas semanas após a cirurgia o inchaço diminuiu e minha esperança aumenta.

 

 

。e)(o 。

 

 

Mais um dia, e ele ainda dorme.

 

 

。e)(o 。

 

 

Dois dias e nada.

 

 

。e)(o 。

 

 

Cinco dias e meu amor não abre seus lindos olhos dourados. A tristeza tenta me levar para o abismo, mas continuo forte e confiante que meu Jongin vai acordar.

- Que bom que voltou querido, fiz bolo - Vovó diz sorridente quando me vê entrando no meu apartamento.

Eu sei que deveria está na casa que Jongin comprou para nós, mas só de pensar em voltar para lá sem ele, meu peito dói.

Depois de dois dias seguidos na clínica precisava de um banho. Hoje estou mais cansado e indisposto que de costume.

- Desculpe, mas estou sem fome vovó - Digo e me arrependo pois o rosto dela murcha.

- Sabe que precisa comer direito. Você pode ganhar os bebês a qualquer momento e precisa estar forte para o parto, sente-se um pouco e coma um pedaço do bolo - Ela diz autoritária. Obedeço.

Vovó diz que precisa sair para resolver algumas coisas e digo que ela pode ir tranquila. Ela sai e sigo direto para o banheiro.

Sinto a água quente cair por meu corpo e fecho os olhos apreciando o momento. Ainda no banho começo a sentir uma pequena cólica. Pego a toalha e sinto algo quente descer por minhas pernas. Paraliso assustado.

- Hum… - Gemo quando a dor aumenta, acho que já são as contrações.

Coloco a primeira roupa que vejo e a dor diminui. Mas não por muito tempo, logo outra contrações me atinge, e por enquanto é suportável.

Me sento na cama e fecho os olhos a esperando passar.

Sinto alegria, medo e tristeza. Meus bebês estão chegando. E Jongin não está aqui para ver.

Aproveito que a contração passou e procuro meu celular que deve estar em algum canto do apartamento.

Levo minhas mãos a barriga quando a contração a deixa duro. Me escoro na parede.

Elas estão aumentado.

Pego o telefone fixo e ligo para o Baek. Toca e ninguém atende.

Fiscalizo o tempo de intervalo das contrações, elas vem de nove em nove minutos. Quando a porta se abre sinto puro alívio.

- Sua bolsa estourou? - Vovó pergunta preocupada ao me ver gemendo.

-Não sei, achou que só o tampão saiu -Mordo os lábios.

- Venha vamos para o hospital.  - Vovó me ajuda e chama um táxi. Não pegamos nada, nem minha bolsa e nem a dos bebês.

 

 

 

 

Baekhyun ON

Acordo com o telefone tocando, mas quando vou atender desligam.

Faço um sanduíche e pego meu notebook. Quando estou quase no fim do sanduíche o telefone toca de novo.

Bufo.

- Baekhyun seu irmão está em trabalho de parto, venha para o hospital - A voz da vovó soa preocupada.

- Estou a caminho, me fale o endereço - Ela me diz e nem ligo se estou só com uma camisa extremamente grande do Chany que mas parece uma camisola em mim.

Chego ao hospital, digo o nome do Kyungsoo e subo para o quarto onde ele está. Eles só me permitiram entrar porque o hospital é particular, se fosse público o Soo nem estaria acompanhado.

- Está doendo muito? - Pergunto ao entrar no quarto. Kyungsoo está curvado e geme com dor.

- A médica acabou de examinar, e mandou preparar a sala de cirurgia - Vovó diz baixo.

Kyungsoo geme, senta, levanta, deita. O estado dele é deplorável.

- Tem certeza de que ele está mesmo bem, sinto que esses bebes vão cair no chão a qualquer momento. - Digo para a médica assim que a vejo entrar no quarto, vendo a agonia do Soo.

- Depois da anestesia ele vai se sentir no céu - Ela diz olhando para mim -  É só o tempo de organizar a sala. Você aguenta Kyungsoo? - A médica diz agora para o Soo vendo seu estado .

Lá fora, mamãe e papai estão impacientes. Mas Kyungsoo não deixou que nenhum deles entrasse.

- Eu... Eu aguento - Kyungsoo murmura de olhos fechados. Suspiro. Sei que ele vai se arrepender mais tarde.

É eu sei das coisas.

Quatro minutos depois…

- Eu desisto, eu quero a maldita anestesia - Kyungsoo diz exaltado quase gritando.

- Kyungsoo acho que não podem  te dar a anestesia agora - Digo como se estivesse pisando em ovos. Dou um passo para trás quando seus olhos quase saltam das órbitas.

- Não me importo, só quero a porcaria da anestesia. Filho da mãe - Kyungsoo murmura enquanto outra contração vem com tudo. Agora elas vem com um intervalo menor.

- Querido respire devagar - Vovó tenta se aproximar.

- Só quero ficar pelado, me ajudem a tirar essa camisola idiota - Ele diz com suor escorrendo e já começando arrancar a camisola. Nós o ajudamos e ele fica nu. Anda de um lado para o outro gemendo e amaldiçoado até às paredes.

Meu celular toca e saio para atender. Chanyeol.

- Cadê você Chany? - Pergunto inquieto. Ele suspira pesado.

- Tentando acalmar um louco descontrolado, e você, aonde está?

- Como assim acalmar um louco? Eu estou no hospital - Digo e espero por sua resposta.

- HOSPITAL? Você está bem? Nosso Woo está bem? - Suas palavras saem atrapalhadas.

- Estou bem amor. É o Kyungsoo, ele está tendo os bebês - Ouço um suspiro de alívio.

- Baek meu amor, temos um problema - Bufo. Mais um?

- Qual problema?

- Jongin... Ele acordou, e está quase botando a clínica a baixo. Acordou com o humor infernal, ele só quer o Kyungsoo - Chanyeol diz feliz e frustrado ao mesmo tempo.

Fico tão surpreso que as palavras somem, olho para o meu irmão que se contorce em dor. Será que digo ou não para o Kyungsoo?

 


Notas Finais


O capítulo de hoje foi meio que chatinho mas vocês já tem uma ideia do que vai acontecer não é??? HaHa

>> Quarto dos bebês -> https://st.hzcdn.com/simgs/46312c1100bd2d40_4-1562/traditional-nursery.jpg

E... DEPOIS DE MUITOS PEDIDOS AQUI ESTA O LINK DO GRUPO NO WHATS... LÁ PODEM FALAR O QUE QUISEREM, DIVULGAR OUTAS FANFIC'S, PEDIR OPINIÕES, FAZER COMENTÁRIOS, DAR IDEIAS PARA OUTRAS PESSOAS. VCS QUEM SABEM...
(PQ EU LEIO MUITAS FANFIC'S GENTE SÉRIO, MINHA BIBLIOTECA ESTÁ LOTADA HAHA)... ENFIM QUEM GOSTAR DE FANFIC'S PODE ENTRAR.
>> https://chat.whatsapp.com/3PWoIkXlUSdEA12u5hvOEk

Até a próxima lindinhos ^_~

FUI ...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...