História Nada será como antes - Dramione - Capítulo 38


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Blásio Zabini, Draco Malfoy, Harry Potter, Hermione Granger, Pansy Parkinson, Ronald Weasley
Tags Dramione
Visualizações 204
Palavras 4.098
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Magia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Estupro, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Quem está pronto para a reta final?

Proximo capitulo irei focar nos outros personagem ok?
Boa leitura

Capítulo 38 - Vivendo mais uma vez


Não era um dia normal. Parecia que o céu acompanhava a acorreria no interior d’Toca deixando-o azul e limpo, possibilitando que, depois de tanto tempo, todos conseguissem se reunir no quintal recém formado da família. A Sra. Weasley parecia um furacão, nada conseguia lhe manter quieta, uma hora ela mexia nas comidas, em outra na organização das mesas e cadeiras, e em outra na simples posição de uma flor indefesa que não tinha discernimento para saber que deveria crescer caindo para a direito não para a esquerda. Arthur Weasley não havia dado as caras, após anos casado com aquela forte mulher, ele aprendera que nessas horas, ficar no trabalho ou até mesmo fazer umas horas extras era melhor do que ir para casa e encontrar sua mulher bufando mando-o sumir de sua frente.

Gina Weasley observava a mãe andar de um lado para outro divertida, não ousava emitir som, e junto a si, todos os seus irmãos mantinham-se quietos, imóveis vendo Molly Weasley reclamar sobre alguma coisa mais uma vez.

Era compreensível a sua ansiedade, seu filho mais novo iria estar ali junto a nova namorada depois de algum tempo. Hermione Granger, acompanhada de sua namorado viriam almoçar após quase um ano sem dar as caras ali. Ninguém duvidava que Molly iria hiperventilar a qualquer momento. O único sábio dos filhos, Gui, ergue-se do sofá segurando os ombros da mãe que o olhou confusa e surpresa pela intromissão

-Vá se arrumar mãe- Pede o ruivo calmo abraçando os ombros da matriarca sorrindo- Rony já já deve estar chegando, você irá receber a sua nora assim?

-Está falando que estou mal apresentável Gui Weasley?!- Reclama a Sr.Weasley erguendo o tom de voz ameaçadoramente

-Nunca!- Jorge interfere a favor do irmão rindo- Impossível! Mas diria que você prefere cheirar perfume do que carne não?

A sra. Weasley ainda tentou protestar contra os argumentos dos filhos, mas os olhares risonhos que os outros direcionavam a fez não retrucar. Mesmo a contragosto, ela foi arrumar-se mais cedo do que estava em seu planejamento, e graças a Merlin tal feito havia se concretizado.

Poucas horas depois dela ter sumindo dentro de seu quarto, e algumas antes do planejado, Ronald Weasley adentrou na Toca mais calado e tímido que o normal para sua familia Um pouco mais gordinho, com aparência menos abatida e cansada, sua mão segurava a de uma mulher que tinha em seu rosto a pomposidade que sua familia sempre lhe ensinou a ter e mesmo com a vida mais humilde do que seus pais gostariam que ela tivesse com o namorado durante o tempo que morara com ele, este pequeno hábito ainda não havia sumido. Apesar disso, ela mantinha-se contida, respeitosamente atrás de Rony que sorria relaxado.

A primeira pessoa a nota a presença do ruivo ali fora sua irmã, que estridente, correu até ele jogando em seu braços. Xingamentos e carinhos eram proferidos pela ruiva que deixou-se chorar nos braços do irmão que era tão próxima e sabia que o quase noivo, atrás de si, segurava-se para não chorar também. Os próximos a cumprimentarem o garoto fora seus irmãos que brincavam e carinhosamente ignoravam a presença da garota que parecia mais tímida com toda a animação da familia.

-Rony- Harry chamou o garoto que, pela primeira vez soltara a mão da namorada

-Harry!- Rony chamou o garoto permitindo-se abraçar o amigo que tanto machucara

-Você foi idiota, mesquinho e inconsequente- Harry brigou com o amigo que rira abertamente

-Se eu não tivesse feito isso, não teríamos conseguido o que conseguimos Harry- Rony comemora- Alias, cadê Hermione? Ninguém me dizia nada nas cartas, pensei que ela estaria aqui a essa altura do campeonato com aquele louco morto a meses!

-Talvez seja um tópico muito delicado a ser abordado no momento- Harry comenta segurando o ombro do amigo- Precisamos falar em particular sobre isso

-Astória- Rony chama a garota que sorri

-Vá Ron- Pede ela olhando Gina que segurava seu braço- Acredito que eu tenha uma pequena conversa com Gina agora

-Aaaah! Você me deve algumas explicações- Gina começa sorrindo ameaçadoramente- Começando com, onde está a vaca da sua irmã?

Rony e Harry não ficaram para ouvir a resposta e pelas risadas concluíram que a resposta havia sido boa o bastante para todos ali. Afastados, no canto da sala Rony observava Harry passar o peso no corpo de um para o outro desconcertado, parecia completamente alheio a tudo e questionava-se o que havia acontecido de tão grave na sua segunda ausência pós audiência e condenação de Kin.

-Desembucha Harry!- Rony praticamente manda ao garoto que sobreviveu que suspira com a ordem contida na urgência das palavras

-Kin sequestrou Hermione por um longo tempo depois que você sumiu novamente- Harry solta de uma vez sem deixar o amigo questionar- Não quero que você pergunte muita coisa para ela, e acredito que quem deva contar tudo seja ela mesma ou até mesmo o Malfoy, mas foram meses difícil de passar Ron. Hermione se fechou para todo mundo, ninguém chegava perto, somente Draco. Foi atormentador.

-Ela..Ela..

-Não importa mais sabe? Ela está bem agora, melhor a cada dia, mais solta. Mas sabemos que nunca mais será a mesma coisa. Ela sempre terá um pé atrás. Diria até que uma surpresa não será mais tão bem vinda assim para ela mais.

-Filho da puta desgraçado!- Rony xinga mais alto que pretendia atraindo atenção de todos para os dois

-Talvez seja hora de uma bebida gelada- Gui comenta mas Rony nega com a cabeça

-Aonde ela está Harry?- pergunta rony fazendo o moreno arregalar os olhos- Me diga!

-Você chegar assim, transtornado não ajuda porcaria nenhuma Ron- Harry argumenta tentando fazer a cabeça do amigo mas parecia que era a mesma coisa que nada

-Eu quero vê-la Harry!

-Ela virá aqui Rony, meu filho- A voz da Sra.Weasley cortou a sala fazendo o ruivo erguer os olhos para a mãe- Mas, assim como uma criança pequena assustada, nunca devemos ir até ela mais alto do que ela. Deixe-a vir até você

-Mamãe!- Rony suspira indo até a mulher que o abraça apertado- Quero apresentar alguém para a senhora

-Ora! Então apresente! - A Sra.Weasley pede ainda segurando o filho fortemente

-Astoria- Chama Rony, fazendo a garota se aproximar- Mãe, essa é Astória minha namorada. Asty, essa é minha mãe. Molly Weasley

-É um prazer finalmente conhece-la Sra.Weasley- Astória balança a cabeça formalmente

-A senhora está no céu querida. Me dê um abraço- Pede a senhora Weasley, envolvendo a garota que enrijecia em seus braços- Quem cuida do meu filho tão bem como você cuidou só tem a minha benção

-Ele cuidou de mim mais do que o oposto- Confessa a garota timidamente

-Um cuidado mútuo então- Contenta-se a senhora sorridente- Vamos, me conte todas as aventuras de vocês dois!

Todos sabiam que a conversa renderia ali. Os sorrisos frouxos, a troca de olhares denunciava a cumplicidade que aquele jovem casal tinha. Era o mesmo olhar que Draco e Hermione trocavam diariamente e que no inicio era estranho de constatar mas agora possuía uma magia singular e única.

Narcisa estava nervosa. Era notório. As mãos inquietas, a respiração um pouco mais pesada e o semblante preocupado. Hermione sairia de casa efetivamente pela primeira vez depois de todos os problemas e não era somente ela nervosa ali. Lucius ao seu lado, que com o tempo acabara se apegando mais que o normal a garota, segurava os ombros da esposa acolhedor, tentando passar um sentimento a ela que nem mesmo ele sentia no momento: calma.

Draco, junto a ele, jogado ao sofá, transbordava uma serenidade difícil de acreditar.

-Tentando acalmar ela ou a si próprio?- Lucius questiona o filho fazendo rir anasalado

-Ela já mudou de roupa 4 vezes. Sai do quarto por que se me perguntasse mais uma vez se estava bom pegaria ela como um saco de batatas e aparataria no jardim dos Weasley- Reclama o garoto

-Ela está ansiosa querido, não pode culpa-la- Narcisa tranquiliza o filho- Tem certeza que é uma boa ideia irmos junto?

-Potter disse que os Weasley estavam esperando todos nós, não somente Hermione- Explica o jovem loiro erguendo-se do local onde estava jogado para arrumar as vestes- Vamos Hermione!- grita ele alto o suficiente para toda a Inglaterra ouvir- Se você não descer em 10 segundos eu iria lhe puxar pelos cabelos!

-Não seja ridículo Draco Black Malfoy!- Reclama Hermione no mesmo tom- Eu já estou quase pronta! Que saco!

-Já disse que todas as roupas ficaram boas sua ridícula!- Briga o loiro frente o riso discreto dos pais- É sério!

Os passos pesados de Hermione fizeram ele se calar. O bico nos lábios demonstrava a completa insatisfação da pressa que o namorado fizera a si nas ultimas horas. O vestido verde cobria até metade da sua coxa, junto a uma boca de couro preta que ia até as canelas, dando nela um ar rebeldemente delicado. Contratando com todo o verde que vestia, um colar de rubi enfeitava seu pescoço delicadamente, presente que o loiro lhe dera alguns dias atrás. Seus cabelos, levemente presos com uma trança escondiam os cachos que o loiro tanto gostava de segurar durante as noites.

-Você está linda querida!- Narcisa exclama encantada

-Vamos logo, vamos!- reclama Draco segurando a mão de Hermione- Você não está menos que magnifica Hermione.

-Obrigada... Eu acho- Agradece a garota timidamente batendo na saia do seu vestido- Vamos né? Acho que estamos um pouco atrasados

-Não sei por que!- Lucius questiona fazendo o filho rir junto aos protestos femininos

Os quatro aparataram no jardim da Toca, encontrando toda a familia Weasley sentada nas cadeiras selecionadas no lado de fora. Astoria contava algo relativamente engraçado a todos, que riam abertamente deixando um Ronald estupidamente vermelho e envergonhado. O alto barulho que a família fazia fez Hermione segurar com força a mão de Draco que virou o corpo para a castanha que tinha um olhar perdido

-Hermione- Chama ele- Olhe para mim- Pede com delicadeza fazendo a garota olha para ele- Se quiser, ou não se sentir pronta, podemos voltar para casa.

-Mas...- Começa ele fazendo o garoto sorrir

-Mas você é minha garota corajosa certo?- Pergunta ele carinhoso – Você vai lá, você ficará aqui. Sentirá receio no começo, é normal. Mas eu estou aqui, minha mãe também. Você não está sozinha ok?

-Eu so sei lá... Não consigo explicar- Resmunga ela fazendo o garoto beijar o bico que ela formara

-Se é um sei lá, apenas ignore e dê um paço de cada vez- Propõe o garoto, recebendo uma confirmação de cabeça da garota – Ótimo! Viu? Minha garota corajosa

Os passos da familia Malfoy era lento, acompanhando a insegurança que tomou o corpo de Hermione naquele momento. Ela estava com medo, eles conseguiam notar, mas corajosamente dava um passo de cada vez em direção ao barulho da família Weasley que parecia mais animada que o normal.

Assim que se aproximaram a atenção de todos foram para os novos visitantes que agora, pareciam retraídos frente a tantos cabelos ruivos

-Malfoy!- O Sr.Weasley chamou Lucius que dirigiu o olhar ao matriarca da familia

-Arthur- Comprimenta Lucius com um aceno discreto da cabeça

-Vamos entrar sim? Quero sua opinião em algo

-Trabalho Arthur?!- Molly reclama ao marido que já caminhava em direção ao interior da casa junto a Lucius- Esses dois parecem que nasceram grudados com o trabalho

-Nisso eu tenho que concordar- Narcisa sorrir terna- É um prazer finalmente conhece-la

-Eu diria o mesmo!- Molly exclama sorridente- Irei lá dentro verificar como está ao almoço, gostaria de me acompanhar?

-Não sei se poderei ajudar, mas adoraria- Narcisa sorrir acompanhando Molly em uma conversa entretida de mãe

-Fala de papai mas essa ai parece que nasceu grudada com a cozinha- Jorge comenta fazendo todos rir- Bem, todos aqui aceitam uma bebida?

-Por isso você é meu irmão preferido!- Gina exclama iniciando uma discursão entre os irmãos

Contudo, um par de olhos se destacava no meio de tanta cabeleira ruiva. Ronald encarava Hermione sério e curioso, a garota segurava a mão de Draco com certa firmeza, que por sua vez acaricia com o polegar a palma da mão da garota transmitindo confiança. Em seus lábios, a castanha tinha um sorriso pequeno, mas se olhasse atentamente, um leve tremor era detectado no canto de sua boca.

Puxando Astória consigo, Rony foi até os dois que estavam um pouco afastados do grande grupo que ainda discutiam sobre quem era o melhor irmão de quem.

-Hermione- o garoto chama atenção da castanha que o olha surpresa

-Talvez deva agradecer você certo?- Questiona a castanha fazendo o outro a observar confuso- Por ser estupidamente idiota e inconsequente, mas que mesmo assim salvou minha pele

-Talvez não o bastante – Ele ponta fazendo a garota dar de ombros

-nada nunca sai como planejamos não é mesmo?- Ela conforta o rapaz que não parecia muito contente- Então... Você e Astória uhn?

-Tão singular quanto você e o Malfoy- Retruca Rony fazendo a garota sorrir

-Talvez você possa me contar mais sobre isso depois?- Ela tenta continuar a conversa fazendo o ruivo rir abertamente

-Ou talvez conte agora- Ele abraça astória com um braço que segurava-o pela cintura- O que gostaria de saber?

-Pergunta errada querido- Astória interrompe os dois. Draco imitava a mesma posição de Rony, contudo, diferentemente da outra, Hermione colocara a mão dentro do bolso da calça do rapaz que sorriu sacana com a ação- Por onde você quer começar?

-Da na mesma isso Asty

-Vocês se conheceram em Hogwarts?- Pergunta Draco por Hermione, não deixava de estar curioso também

-Sim, ele estava naquela missão idiota do antigo ministro- A garota evitara pronunciar o nome, estranhando a expressão calma que Hermione mantinha no rosto, dando liberdade para ela continuar- Daphne estava insuportável, não parava de falar sobre vocês dois, e eu meio que saiu irritada e com tanta dor de cabeça que acabamos trombando no corredor

-Tão clichê...- Hermione sussurra fazendo Rony rir baixo

-Falou a garota que esta namorado um meio veela. Quem é clichê aqui?

-Isso não vem ao caso Ron!- Hermione reclama bufando- Continue Astória

-Estava decidida a acabar com a animação e loucura de Daphne contando tudo aos nossos pais. Mas ai começamos a conversar e não pareceu mais uma boa ideia ir para Italia morar com a minha tia

-Então, basicamente, ele lhe fez ficar, e ele lhe fez ir- Draco dar de ombros com desdém

-Basicamente- Rony responde pela garota- Sinto muito pelas coisas que eu fiz você passar

-Sinto muito não ter percebido que aquilo não era você- A castanha retruca soltando-se de Draco indo até o ruivo. As pequenas mãos seguraram o rosto do ruivo fazendo-o observa-la com mais atenção- Nunca mais faça isso

-Me prometa ficar longe de problemas- pede ele abraçando a castanha- Esse papel é meu, não seu.

-Fazer o que não é?- Questiona a castanha retribuindo o abraço timidamente e retraída- Ele vem até nos desde o primeiro ano

“eu me questiono a mesma coisa a seis anos professora”. Ele havia dito isso a minerva no sexto ano quando a mesma questionou por que em todas as confusões do castelo o trio estava presente. A confusão sempre ia até eles, como o ferro era atraído por imã.

O abraço durou mais do que Draco gostaria, contudo, com Astória ao seu lado, abraçando seu tronco, notou que Hermione precisava daquilo. Daquele tempo de perdão, retenção, superação.

O dia, depois daquilo, passou rápido. Eram risos e brincadeiras, e apesar de estar mais a vontade era notória a vontade de Hermione de simplesmente querer fundir-se no chão em alguns momentos. Quando a lua deu lugar ao sol, já no dia seguinte, um claro aviso que era hora de ir foi decretado. Uma despedida sorridente foi feita antes da Família Malfoy aparatar para sua casa. Lucius e Narcisa pouco falaram, exaustos pelo dia mais longo do que o esperado, foram para o quarto assim que se viram dentro de sua propriedade, deixando os dois jovens sozinhos novamente.

-Quero levar você a um local- Fala Hermione devagar fazendo Draco olhar para ela confuso

-Aonde?

Hermione não respondeu, segurou a mão do rapaz e aparatou no meio de um bairro trouxa. Não havia ninguém na rua, as casas escuras mostravam que todos ainda estavam dormindo. Uma luz fraca iluminava a rua deserta que eles se encontravam

-Aonde estamos exatamente?- Questiona Draco confuso

-Na minha casa.- Hermione responde virando-se para uma casa branca a sua frente- Aonde eu passei a minha infância inteira. Vem.

Hermione puxou o rapaz para dentro da pequena casa com um sorriso pequeno nos lábios

-Você cuidou de mim por todo esse tempo Draco- Ela começou devagar- Teve uma paciência maior do que eu imaginei que alguém poderia ter....

-Hermione

-Não! Me deixe falar por favor!- Pede ela afastando-se do rapaz devagar- Eu pensei mesmo Draco, quando senti seus braços ao meu redor depois daquele pesadelo, que eu nunca mais voltaria a ser quem eu era. Talvez eu nunca volte. Mas aqui estou eu, indo cada dia mais para frente, seguindo em frente. Enfrentando esse medo que era tão crescente, tão animalesco do meu coração a cada dia, a cada momento. Você, Draco Malfoy! É você que me faz enfrentar isso. E porra! Eu te amo tanto Draco, tanto!

-Aonde quer chegar Hermione?- Questiona o garoto confusa

-Eu quero dar mais um passo Draco- Pede ela respirando fundo- Quero sentir denovo você, sentir o que você, somente você, me faz sentir.

-Hermione...

-Eu quero você Draco. Eu quero ser sua de novo. E de novo. E de novo....

Ela não precisou dizer mais nada. O garoto apressado cortou a pequena distância que a mesma havia feito entre eles tomando-lhe os lábios com leveza. Apesar de eufórico, o garoto não tocava em mais nenhuma parte do corpo da garota, como se esperasse que ela se acostumasse com o toque de seus lábios.

Em resposta, Hermione envolveu o pescoço de Draco com os braços, puxando-o contra si, colando seus corpos retribuindo o beijo com mais intensidade que ela julgava ser possível. As mãos do garoto pareciam ter ganhado vida. Apressado, ela acariciava cada parte do corpo da garota delicado, dando leves apertadas em suas coxas, cintura.... Locais que ele sabia que ela gostava, que a excitavam. Ah! E como ele estava certo! A cada toque a mais gemidos contidos de Hermione escapavam de seus lábios timidamente, como se algo em sua mente bloqueasse aquele som que Draco tanto sentiu falta de ouvir.

-Me deixe ouvir você Hermione- Pede ele rouco beijando o pescoço da castanha que mordia o lábio com força- Me deixe sentir você

-Draco...- Chama ela baixo fazendo-o grunhir baixo

-Merda Hermione! –Reclama ele erguendo o corpo da castanha do chão, fazendo-a enrolar as pernas na sua cintura- Porra, como seu senti sua falta

-Não me deixe pensar Draco- Pede ela desesperada, sentia seu corpo em chamas- Não me deixe lembrar....

-Eu te amo garota- Declara ele fazendo-a olhar para ele com os olhos brilhantes- Como a porra da força do universo, eu te amo.

-Eu também te amo Draco- a boca dela toma novamente a dele

As mãos de Draco apertavam a bunda de Hermione com força, fazendo-a sentir seu cérebro entrar em colapso. Merlin! Parecia que a terra esquentara 100Cº naquele momento. A boca de Draco descia para o pescoço da castanha fazendo-a jogar a cabeça para trás dando mais acesso ao loiro que dava leves mordidas no local

-Quero tanto sentir você-Pede Draco rouco prendendo a garota contra a parede mais próxima- Por Merlin Hermione, eu vou enlouquecer.

-Me faça sua- Pede ela segurando o rosto dele com um leve tremor

O garoto sorriu ladino colocando a garota no chão com delicadeza fazendo-a olhar para ele confusa

-Não será assim- Ele pede abaixando na frente dela, de joelhos

-O que está fazendo Draco?- Questiona Hermione confusa

-Feche os olhos baby- Pede ele terno acariciando a coxa dela devagar- Preciso que feche os olhos Hermione.

-O que você fará?- Pergunta ela receosa o vendo abrir um pouco as pernas da gora

-Os olhos pequena- Pede ele terno novamente lambendo o interior da coxa da garota livre pelo vestido solto que ela vestia- Feche-os

O involuntário tomou  o corpo da garota quando Draco mordeu levemente o interior da coxa dela tão próximo do local mais necessitado de seu corpo. Devagar ele migrou para a intimidade da castanha que estava tão molhada quando sempre ficava quando era Draco Malfoy. A língua do garoto passou pelo local por cima da fina calcinha de renda que ela vestia. O contato intimo que a tanto tempo ela não sentia a fez solta rum gemido sôfrego que pareceu não agradar o interior do loiro que puxou a calcinha da garota para baixo devagar

-Confia em mim?- questinou ele ao ver a garota fechar as mãos contra  a parede

-Dou minha vida a você- Confessa ela fazendo o garoto grunhir

Ele não falou mais nada, lambeu a intimidade exposta dela, chupando seu clitores como nunca havia feito. Sua língua brincava com os grandes lábios do local fazendo as pernas de Hermione fraquejarem com o êxtase que tomou seu corpo. Com uma força delicada, Draco segurou o quadril da garota, prendendo-o contra a parede não parando o que estava fazendo. Movimentos circulares a fazia gemer cada vez mais alto.

Não satisfeito, o garoto foi mais fundo a língua fazendo Hermione segurar seu cabelo com força puxando-o para mais perto, fazendo apertar o quadril dela em resposta. Não demorou para ela derramar o primeiro orgasmo que teria naquela manhã na boca do rapaz que ainda de joelhos olhou a castanha respirar fundo e ofegante

-Por favor, diga que aguenta mais baby- Pede ele com leve tom de desespero

-Por favor, diga que não iremos parar- Pede ela ofegante- Eu quero mais...Muito mais

Draco sorriu baixo lambendo a intimidade da garota novamente fazendo-a arfar. Hermione puxou o garoto para cima beijando a boca dele não ligando para o gosto levemente salgado que a boca dele tinha no momento. Parecia mais sexy! Mais excitante sentir seu gosto assim

-Sinta o quão deliciosa você é Hermione- Pede ele sôfrego-Merlin! Eu quero tanto você

-Me faça sua Draco- Pede ela novamente descendo a mão devagar até o membro do rapaz- Só..

-Não farei nada que você não queria baby- Declara ele devagar pegando-a nos braços como noiva- me diga minha dama, aonde devo leva-la

-Para a cama mais próxima Draco- Pede ela mordendo o lóbulo da orelha do rapaz- Quero ser sua

Era como um presente de Merlin ouvir aquilo dela novamente. A ouvir gemer baixo e contida. Como se ainda temesse alguma coisa. Ele tiraria isso dela com prazer. A faria gemer alto como sempre fazia quando ele a levava para a lua nos mais orgarmos que ele proporcionava aquele pequeno corpo.

Rapido e desesperado, ele a levou para o primeiro quarto que encontrou no corredor. Deparou-se com um quarto rosa, cheio de livros e feminino

-De todos você tinha que escolher o meu em?- questiona ela brincando

-Tem seu cheiro, é como a porra de uma toxina pra mim- Explica ele a colocando na cama- Você é uma droga que eu tenho o prazer de usar todo os dias

-Drogas matam o usuário- Ela reclama puxando ele, prendendo-o com as pernas- Quero você por muito tempo

-Você me tem pela eternidade- Declara ele tomando-lhe os lábios novamente.

Senti-la em seus braços novamente era como o céu. O paraíso sentir-se dentro dela novamente. Não soube quando suas roupas foram parar no chão ou como o vestido de Hermione havia virado fiapo, mas era prazeroso estocar dentro dela a fazendo gemer. Sentir as unhas dela arranhas suas costas sem pudor. Ele estava no céu, e esperava que aquilo não fosse um sonho.

Sua alivio foi ao acordar e encontrar Hermione nua em seus braços. Enroscada em si, ela parecia uma cobra o prendendo na cama. Como se precisasse disso.

Involuntário, os dedos de Draco desciam nas pernas nuas dela fazendo-a se arrepiar. Ah! Como sentira falta disso. Não satisfeito, seus dedos subiram para a cintura da garota devagar fazendo rir

-Ainda tem cócegas na cintura?- Questiona ele baixo

-Não quero que isso acabe- Declara ela ignorando a pergunta dele

-Então faça não acabar ué

-Draco...

-Podemos morar aqui Hermione- Ele declara- Ou em qualquer outro lugar. Somente nos dois.

-seus pais...

-Eles vão entender, somos grandinhos- Ele declara- Case comigo

-O que?!- Ela exclama sentando-se na cama assustada

-Casa comigo- Pede ele novamente segurando a mão dela delicado- Quero que se case comigo.


Notas Finais


Espero que não esteja tão confuso quanto eu acho que está


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...