História Nalu-Messages (REVISÃO) - Capítulo 36


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Angel, Aquarius, Aries, Bisca Connell, Cana Alberona, Carla (Charle), Elfman Strauss, Erza Scarlet, Eve Tearm, Evergreen, Flare Corona, Frosch, Gajeel Redfox, Gildartz, Grandine, Gray Fullbuster, Happy, Igneel, Jellal Fernandes, Jude Heartfilia, Juvia Lockser, Kinana, Kyouka, Laxus Dreyar, Layla Heartfilia, Lector, Leon, Levy McGarden, Lisanna Strauss, Lucy Heartfilia, Macao Conbolt, Makarov Dreyar, Mavis Vermilion, Meredy, Metalicana, Mirajane Strauss, Natsu Dragneel, Nikora "Plue", Personagens Originais, Rogue Cheney, Romeo Conbolt, Sayla, Silver Fullbuster, Sting Eucliffe, Ultear Milkovich, Virgo, Wendy Marvell, Yukino Aguria, Zeref
Tags Gajevy, Gruvia, Jerza, Nalu
Visualizações 173
Palavras 855
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 36 - Lover


O coração de Lover batia com intensidade, um riso frio escapou de seus lábios apreciando o gosto da maconha. Ele havia feito isso, Lover havia matado Natsu Dragneel, seu riso frio e baixo tornou-se uma gargalhada insana enquanto ele atirava a arma na direção de uma lixeira na rua.

A arma bateu com um ruído irritante no metal e empurrou a tampa no processo tombando a lixeira, mas Lover estava feliz demais para se dignar a pensar na arma. Tirando as luvas que usava e colocando-as no cinzeiro, bastou um fósforo que o plástico queimou fazendo desaparecer as evidências de um crime.

Tamborilando os dedos pelo painel da caminhote alugada, Lover girou a chave na ignição e partiu do estacionamento enquanto ligava o rádio. Cantarolando a música sem se importar com as viaturas e ambulâncias indo no sentido do supermercado, a essa hora Natsu estaria morto e Lucy estaria inconsolável.

Ele a amava muito, amava ao ponto de doer, mas se Lover podia suportar um pouco de dor, ela também poderia suportar, era assim que funcionavam os relacionamentos ninguém poderia ter 100% da felicidade, quando o corpo de Natsu estivesse sendo deteriorado pelos vermes sete palmos abaixo da terra. Lucy precisaria de conforto, e ele iria garantir para ser o primeiro apoiando e ajudando a superar a dor.

Isso teria sido consideramente mais fácil se Lucy não tivesse feito amigos, tudo culpa da estupidez dos colegas idiotas de Cobra e Lacarde, eles não eram seus amigos, apenas clientes.

Lacarde, pobre Lacarde. Um tolo que cometeu o erro de se apaixonar por Lover, apenas a lembrança daquele idiota ajoelhado aos seus pés implorando, chorando com aquele catarro nojento escorrendo pelo nariz, completamente bêbado e drogado implorando por seu amor, fazia Lover ganhar um sorriso no mínimo psicótico no rosto. Lacarde era bonito, sim, realmente lindo, mas estúpido demais, estereotipado demais, manipulável demais, vadia demais. Lacarde era tão viciado que sozinho poderia fornecer mais da metade do dinheiro que os playboys pagavam para ter cocaína, maconha ou qualquer entorpecente.

 O dinheiro alimentava o crime e Lover estava ganhando espaço nesse mundo, durante uma época sua família era classe média alta, mas quando seu pai foi aprendido por tráfico, o prestígio de sua família se foi,  e  tudo que o patriarca da família deixou para trás foram os menores fornecedores de drogas que sem o trabalho de seu pai transportando as drogas, faziam de tudo para manter um bom perfil no mundo do crime de Magnólia, Lover não estaria fornecendo drogas para as outras escolas com tanta facilidade se eles não estivessem desesperados pelos fornecedores do exterior com quem Lover negociava.

She say: Do you love me?, I tell her: Only partly, I only love Lucy in my bed and my momma, I'm sorry - cantarolou alterando uma parte da musica, um fio de cabelo caiu sobre o rosto, Lover apenas empurrou a mecha cor cobre para trás. Acelerando em direção ao lado mais marginalizado de Magnólia.

Lover precisava de alguém forte ao seu lado alguém razoavelmente confiável e Lucy era perfeita, seu físico atraente a faria uma ótima isca para seus oponentes, sua perícia em algumas artes marciais e o básico de um treinamento militar - que a avó e a babá dela havia lhe dado -, a faziam uma ótima lutadora, sua inteligência a fazia uma ótima estratégista, e o melhor de tudo seria o desafio de doma-la, Lucy desde pequena sabia a diferença entre o certo e o errado, dobrá-la a sua vontade, fazendo-a acreditar em seus ideais seria como um bônus.

Mas não há motivos para se preocupar, Lover cuidaria bem de Lucy. Desde criança sua mãe sempre o criou bem, ensinando-o como cuidar de seus brinquedos, porque se não tomasse o devido cuidado seus brinquedos quebrariam muito cedo, Lover cuidaria bem de Lucy antes de quebrá-la.

Estacionando em uma rua deserta Lover desceu da caminhonete e travou a porta, acendendo o cigarro Lover destampou o tanque de gasolina e o abriu com a chave, girando o fósforo aceso entre os dedos  e lançando-o ali. Correndo até estar do outro lado da rua dentro de um beco, Lover observou com um orgulho sádico o carro entrar em chamas devido a explosão.

Um vermelho-alaranjado bonito e vívido se estendeu pela lataria do carro importado, diferente dos ruivos-acastanhados cabelos de quem observava dentro do beco.

Não Lover não era mau. Talvez só um pouco desequilibrado.

Mas de algo ele tinha certeza, Lucy era sua e quem ousasse se aproximar da garota morreria. Ele a amava demais para deixá-la ir para os braços de outro, nem que precisasse matá-la para evitar isso.

_____

- Não senhor Dragneel você não dormiu durante anos, provavelmente foi apenas uma brincadeira de mal gosto do seu colega ali - disse o homem de jaleco - e se você tivesse dormido, teríamos que desligar as máquinas apesar de eu acreditar firmemente que sua namorada sequestraria você antes disso.

Foi então que Natsu percebeu a garota loira encolhida em um sofá que aparentava ser bastante desconfortável, Lucy parecia pálida e tinha marcas levemente arroxeadas ao redor dos olhos.

Foi então que ele percebeu que a amava. E nem Lover poderia prever oque um homem que ama pode fazer.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...