História Namorada de Aluguel - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Camren
Visualizações 286
Palavras 1.982
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, LGBT, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii amores

Capítulo 18 - Capítulo 18


O sol da manhã entrou pela janela e eu me virei na cama, esfregando os olhos. Olhei para o teto e pensei na noite anterior, no que Lauren e a mãe dela haviam dito sobre ser melhor. O que significava ser uma pessoa melhor? Por onde eu devia começar?

Minha mãe bateu na porta antes de enfiar a cabeça pela fresta.

— Bom dia. Suas amigas estão aqui.

— Minhas amigas? — O celular dizia que não eram nem dez da manhã.

— Mando subir?

— É claro.

Ela fechou a porta e eu corri para a frente do espelho sobre a cômoda para avaliar o estado de descontrole do meu cabelo. Ruim. Tive tempo de passar uma escova nele antes de Dinah, Ally e Taylor entrarem no quarto acompanhadas por uma mistura de risadas e perfume.

— Oi. — Sorri e sentei na cama ao lado de Dinah.

— E aí? — Por que estavam todas juntas sem mim? Eu esqueci alguma coisa que tínhamos combinado?

Dinah, que parecia ler meus pensamentos, disse:

— A Taylor sequestrou a Ally e eu, e nós passamos para dar um oi.

— Ah. — Olhei para Taylor pensando se passar na minha casa fazia parte do plano original ou se ela pretendia me excluir e depois, casualmente, comentar no colégio na segunda de manhã que tinham saído juntas.

Ela sorriu.

— Eu soube que você saiu com alguém ontem. Um encontro às escuras? Que loucura. Eu nunca toparia.

— Ah, é. Lembra que eu falei que tinha um encontro arranjado quando liguei e convidei você para vir me ajudar a escolher a roupa?

— Você não ligou para mim. Pode pensar que ligou, porque telefonou para a Dinah e a Ally. Provavelmente esqueceu. — Um sorriso doce. — Tudo bem. Não faz mal.

— Taylor. Eu liguei pra você.

Dinah olhou para ela e para mim.

— Talvez tenha esquecido, Camila.

— Você acha que eu estou mentindo?

— Não. Já falei para a Taylor que você nunca mentiria para nós. Deve ter alguma explicação.

Fechei os olhos. Certo. Eu nunca mentiria para elas. Como poderia ficar aborrecida e acusar Taylor de mentir agora, se estava fazendo a mesma coisa?

Engoli o orgulho e me forcei a deixar passar mais essa, pelo menos até poder contar a verdade e seguir em frente.

— Bom, eu sei que falei com você, então talvez você tenha esquecido.

Ela deu de ombros.

— Talvez. E aí, o encontro foi divertido?

— Foi.

— O que vocês fizeram?

As perguntas de Taylor sempre davam a impressão de que ela era a investigadora chefe na cena de um crime.

— Fomos a uma festa de uma amiga dela.

— Ela é esquisita?

— Não, não é.

— Se a irmã tem que arrumar encontros para ela, deve ser um pouco esquisita. Só quero saber que favor você estava devendo a essa menina para aceitar um encontro arranjado.

— Falando sério — Dinah interferiu—, também estou curiosa.

— Não fui muito legal com ela e os amigos. — Era verdade.

— Que bom que conseguiu ajudar a garota, então — disse Ally.

— É.

Meu laptop estava fechado em cima da mesa, e Taylor apontou para ele.

— Posso usar um instante?

— É claro.

Ela sentou e ligou o computador, e eu fui escolher uma roupa no armário.

— Seu irmão ainda está na cidade? — Dinah quis saber. Olhei para ela com os olhos meio fechados, mas era difícil fazer cara de raiva enquanto eu sorria.

Ela riu.

— Que foi? O Drew e eu temos uma conexão.

Dessa vez eu gargalhei.

— Não, ele foi embora.

Dinah fez uma careta exageradamente dramática.

— Então a aventura do sequestro acaba aqui? Ou vamos a algum lugar?

Ally mordeu o lábio.

— Bom... nós vamos sair, mas sabíamos que você não ia querer ir, então viemos só dar um oi…

— Aonde vocês vão?

— O Matt me mandou uma mensagem há dez minutos perguntando se a gente não queria ir surfar. O tio dele está na cidade, e parece que ele é campeão mundial de surfe ou algo assim. Ele ofereceu uma aula grátis para os amigos do sobrinho.

Dinah assentiu.

— Pensamos em aproveitar para ver os meninos. Eu chamei o Tyler, e a Taylor chamou o Garrett.

Olhei para Taylor, que continuava usando o computador.

— Parece divertido.

Ela olhou para mim e inclinou a cabeça.

— Parece? — Dinah perguntou. — Então você vai?

— Por que não? Preciso pelo menos experimentar antes de decidir que não gosto, né?

Ela bateu no meu braço.

— É o que eu estou dizendo faz tempo!

— Já estava na hora de eu ouvir.

— Você devia convidar a garota de ontem para ir também!

Seria muito divertido convidar Lauren para sair comigo e as minhas amigas. Ela era uma companhia legal. E, provavelmente, ia achar incrível surfar com um profissional. Mas havia um enorme problema. Quer dizer, devia haver vários problemas, mas eu não queria pensar que Lauren e eu estávamos só encenando, que ela provavelmente recusaria um encontro de verdade. O principal problema era que minhas amigas não podiam ver Lauren de novo. Nunca. Para elas, ela era Ariana.

— É muito cedo para sair com ela de novo. Mas eu adoraria ir, se não for segurar vela.

— É claro que não vai.

Eu me senti meio deslocada em um grupo de casais, mas entendi o que Dinah dizia sobre a tranquilidade de surfar. O balanço suave das ondas enquanto esperávamos a “boa”, a força do oceano nos levando. E o tio de Matt era muito legal. Sem ele, eu não conseguiria nem parar em pé na minha primeira experiência com o surfe. 

Peguei várias ondas. E agora todo mundo estava subindo e descendo em cima da prancha, enquanto Dinah  e eu ficávamos deitadas sobre as nossas, de mãos dadas para não sermos afastadas pela correnteza.

— Você está muito quieta. Tudo bem? — ela perguntou.

—Tudo.

— Está se divertindo?

— Estou.

— Não precisa ficar tão surpresa.

Eu ri.

— Não estou acostumada a ser a pior em alguma coisa, é só isso. Isso e os meus argumentos originais totalmente válidos: água gelada, sal no cabelo e…

— Areia em todos os lugares. Eu sei.

Ela sorriu para mim.

— Estou impressionada, Dinah. Você manda muito bem. E ensinou a Taylor, certo?

Ela assentiu.

— Fez um bom trabalho. Ela também é boa.

Dinah apertou minha mão.

— Vamos pegar mais uma onda?

Ela havia acabado de falar quando Taylor se aproximou remando.

— Vocês viram essa? A mais longa até agora!

Sentei na prancha, e Dinah me acompanhou.

— Perdemos. — Meus olhos seguiram Tyler, que descia uma onda. —Você viu o que ele acabou de fazer? Você pegou um surfista dos bons, Dinah.

— Eu nem sabia que ele surfava. Só descobri depois do baile de formatura.

— E ele está saindo com a Dinah, Camila — Taylor comentou.

— Hum… eu sei.

— Você passou o dia todo dando mole para ele. Achei que seria bom lembrar.

— Quê?

— Taylor — Dinah interferiu. — Para, não foi nada.

Olhei para ela, porque “não foi nada” é bem diferente de “ela não fez isso”.

— Eu nem pensei nisso, Dinah, juro.

— Eu sei, Camila, você só foi simpática. Não tem importância.

Taylor me olhou como quem diz “tem, sim”, e eu me perguntei se elas já haviam conversado sobre isso antes. Sobre mim e o fato de eu dar mole para os garotos com quem elas saíam. E eu nunca fiz nada disso. Não de propósito.

— Vamos surfar — convidou Dinah. — Essa é minha.

Sem mais nem menos, ela pegou a onda, e Taylor e eu ficamos sozinhas.

— Por que você fez isso?— perguntei.

— Fiz o quê?

— Você sabe. Por que está mentindo sobre eu não te convidar para os lugares, e agora está me acusando de dar em cima dos caras que saem com as minhas amigas?

— Para de bancar a inocente e assume as coisas que faz. Você já deu em cima do Logan sabendo que a Dinah estava a fim dele. Deixa o Tyler em paz.

— Eu não dei em cima…

Ela olhou para trás e pegou a onda seguinte.

Eu tentava não odiar a Taylor, mas ela dificultava cada vez mais o meu esforço. 

Quando saímos da água, remando sobre as pranchas até a orla, e nos despedimos do tio de Matt, vi Megan na praia com os amigos. Ah, não. Aquela era a praia mais próxima de onde nós morávamos, então não era incomum encontrar conhecidos. Dei uma olhada rápida em volta para ter certeza de que Lauren não estava com ela. Não estava. Relaxei um pouco, mas ainda temia que minhas amigas reconhecessem Megan do baile. Eu já estava na mira hoje por causa da suposta paquera com Tyler. Não precisava piorar a situação.

— Alerta de aberração — Taylor falou atrás de mim.

Tentei conduzir o grupo para mais longe de Megan e dos amigos dela, mas o caminho mais curto para onde deixamos nossas coisas passava bem ao lado deles. A tentativa de desvio só fez todo mundo me ultrapassar, porque todos seguiram em linha reta. Quando me juntei ao grupo novamente, percebi que Garrett, que carregava sua prancha e a de Taylor, havia reduzido a velocidade até quase parar.

— Eu não sabia que vocês podiam tomar sol — ele disse. Taylor deu risada.

Megan olhou para mim, depois para Garrett.

— Eu não sabia que você sabia falar.

Para mim seria melhor se ela não aceitasse a provocação. Isso só piorava as coisas.

Taylor se adiantou um passo, como se fosse seguir em frente, mas arrastou o pé e chutou areia em cima do grupo. Todos se levantaram depressa, Megan limpando o rosto.

— Ei!

— Ops, desculpa — disse Taylor, em tom sarcástico.

— Parem com isso — falei. — Deixem o pessoal em paz.

— Isso, escutem a líder — disse uma garota parada atrás de Megan, e a voz dela transbordava sarcasmo.

O comentário piorou a situação. Indicar o meu suposto status só aumentou a crueldade de Taylor. Ela passou um braço em torno do meu pescoço.

— Como é evidente que vocês nunca vieram à praia, nossa líder gostaria de recitar as regras, começando pelo traje adequado. Certo, Camila ?

— Não. Errado. — Eu me desvencilhei do braço dela. — Podem fazer o que quiserem.

Megan sorriu com deboche.

— Eu não sabia que você era a dona da praia, mas agradeço pela permissão para fazermos o que quisermos.

Taylor encarou Megan, e, quando eu achava que ela ia responder com mais um comentário maldoso, ouvi:

— Acho que já vi você em algum lugar.

Meu coração parou quando o olhar penetrante de Megan encontrou o meu outra vez. Ela ia contar. Eu vi no jeito como os lábios pintados de cor escura se ergueram nos cantos.

— Estudamos no mesmo colégio. — Foi tudo o que ela disse.

Suspirando aliviada, agarrei o braço de Taylor com uma das mãos, a outra ainda segurando a prancha alugada, e arrastei garota e prancha para longe dali. Os outros nos seguiram. Demos uns dez passos e Taylor se soltou, puxando o braço com força.

— Desde quando você é boazinha com as aberrações? — ela perguntou.

— Eles não fizeram nada. Você não precisava ser tão maldosa.

— Não fui maldosa até eles comentarem que o Garrett não sabia falar.

— Foi o Garrett que começou.

— Ele só estava brincando.

Por que todos olhavam para mim como se concordassem com Taylor?

— Tanto faz. Achei que a gente fosse trocar de roupa e sair.

Dinah enganchou o braço no meu.

— Nós vamos. Vem.

Eu havia acabado de interromper uma briga entre os meus amigos e a turma de Megan antes que a coisa esquentasse. Isso me fez sentir uma pessoa melhor. Pena que meus amigos não estavam cientes do meu esforço.


Notas Finais


Qualquer erro me avisem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...