1. Spirit Fanfics >
  2. Namorada de Aluguel (2yeon) >
  3. Capítulo 24

História Namorada de Aluguel (2yeon) - Capítulo 24


Escrita por:


Notas do Autor


Hai, outra vez :)

[email protected] de mim?

Capítulo 24 - Capítulo 24


Meus pais me cumprimentaram quando entrei em casa.

_Como foi? - A expressão do meu pai era esperançosa. Eu queria fazer exatamente o que a sra.Yoo havia sugerido e contar a eles a verdade. Mas, antes, daria a Taehyung uma chance de se explicar. Porque não queria magoar meus pais e, acima de tudo, esperava que o trecho que vi fosse a pior parte do filme, que veria na internet algo que não debochava da família toda de uma vez só.

_Foi legal. Podemos conversar sobre isso amanhã? Estou cansada da viagem.

_Claro. Fico feliz por você ter ido apoiar seu irmão. - Minha mãe confessou. _E me arrependo de não termos ido.

_Foi melhor assim. Ele estava ocupado. - Eu fiz uma pausa e a encarei. -  _Você está maquiada.

A mudança de assunto pareceu supreendê-la por um instante. Ela levou as mãos ao rosto.

_Sim, claro.

_Já é tarde.

_Ainda não me preparei para dormir.

_Desculpa por ter deixado vocês esperando.

Quando eu estava a caminho do quarto, meu celular apitou. Li a mensagem:



Não assista ao filme. Não é legal.



O conselho de Jeongyeon não me deteve. Eu tinha que assistir. Precisava saber o que estava disponível na internet para todo mundo ver. Vesti o pijama e peguei meu notebook. Tentei assistir ao vídeo como se não fosse eu ali na tela. Apesar de não conseguir me distanciar completamente, mesmo nos poucos momentos em que tentei visualizá-la, ainda me sentia humilhada pela garota viciada em redes sociais. A menina viciada na aprovação de desconhecidos. Ela nem sabia o que pensava até alguém dizer a ela o que pensar. Não sabia nem quem era. Era horrível pensar que Jeongyeon tinha visto aquilo.

Fechei o notebook com um movimento brusco, depois enfiei a cabeça embaixo do travesseiro. Jeongyeon estava certa. Eu não devia ter assistido. Devia ter me contentado com os três minutos que já tinha visto.

[...]

Taehyung ligou por volta das nove da manhã. Eu não queria atender, mas queria ouvir o pedido de desculpas. Queria que ele tivesse uma justificativa.

_Alô.

_Nayeon, você não devia ter vindo.

Não falei nada. Não me senti capaz de falar. Se era um pedido de desculpas, não era dos melhores.

O tom de voz dele se tornou defensivo.

_Eu falei no próprio vídeo que ia usar as imagens para um projeto da faculdade.

As lágrimas ardiam nos meus olhos. Fiz esforço para contê-las, como sempre.

_É que...Eu pensei que você quisesse falar comigo porque se importava comigo, não porque estava fazendo um projeto.

_Nay, é claro que eu me importo com você. Estou tentando ajudar você e muitas outras pessoas abordando esse assunto. Sabia que foi comprovado que o facebook pode causar depressão? Comparar-se a outras pessoas, a necessidade de aprovação, nada disso é bom para a saúde mental.

_Bom, o seu filme teve um efeito mais poderoso sobre mim do que o facebook jamais conseguiu ter, Taehyung. Eu me senti um lixo. Uma garota superficial e idiota que não sabe nem o que pensa de verdade.

Tive que fazer um grande esforço para admitir essas coisas. Já tinha sido bem difícil admiti-las para a mãe de Jeongyeon.

_Era essa mensagem que eu queria transmitir para a platéia. As pessoas deviam se reconhecer em você.

_Acho que não funcionou. Riram de mim depois da cerimônia.

_Então eram idiotas.

_Isso não parece um pedido de desculpas.

_Eu devia ter falado com você sobre o filme.

Também não era um pedido de desculpas.

_Quando foi que você virou um babaca pretensioso?

_Eu postei no twitter. Você não viu?

Deixei escapar um suspiro.

_Nayeon, eu...

Desliguei o telefone. Era isso ou gritar vários palavrões para ele, e minha cabeça já estava doendo o suficiente.

Rasguei um pedaço de papel do caderno em cima da mesa e escrevi o endereço do site em que o filme podia ser visto. Depois fui à cozinha, com o peito tão apertado de raiva que tive medo de desmaiar. Meus pais estavam sentados à mesa, meu pai lendo o jornal, minha mãe o caderno de imóveis. Os dois levantaram a cabeça quando pus o pedaço de papel na mesa com uma pancada forte.

_Ei.  - Meu pai falou com um sorriso. -  _O que é isso?

_Seu filho é um cretino. Achei que vocês deviam saber. Pai, vou pegar seu carro emprestado. Vou à biblioteca. - E saí da cozinha.

Meus pais ficaram chocados e em silêncio atrás de mim.

[...]

A bibliotecária franziu a testa com ar desaprovador.

_Acho que não temos nenhuma biografia sobre gente que teve que lidar com cretinos.

_E com babacas pretensiosos? Quem você acha que é o maior babaca pretensioso da história? Quero ler a biografia dessa pessoa. - A senhora Yoo me dissera para conhecer a história das pessoas. Achei que esse seria um ótimo começo. Talvez me ajudasse a lidar com a minha vida.

O rosto da bibliotecária se iluminou com uma repentina compreensão.

_Acabou de terminar um namoro? Tenho livros sobre como lidar com isso...

_Não. Eu só queria ler uma biografia. Qual é a mais popular?

_As de presidentes são bem populares, e a do Einstein, Anne Frank, Cleópatra...

_Cleópatra? Ela não era uma rainha egípcia? 

_Sim, a última rainha do Egito. Uma mulher poderosa e, muitas vezes, cruel. Ela se recusou a dividir o poder até com o próprio irmão.

_Sim. Quero essa. Onde está?

_Eu te mostro.

[...]

Eu tinha lido quarenta páginas quando recebi uma mensagem de Jeongyeon:


Tá tudo bem?



Você sabia que a Cleópatra teve que casar com o próprio irmão? Casar com ele!




Humm...




Era normal. Mas é nojento, né? Ela o odiava. Principalmente porque não queria dividir o poder com ele. Tenho certeza que ele não fez um documentário com ela como protagonista, então não sei qual era a bronca. Mas logo vou descobrir.





Vc acabou de usar a palavra "bronca" em uma frase?




Algum problema?





Talvez. Onde você está? 






Em busca de profundidade.




Tudo bem com você? 




Mostrei o filme para os meus pais.





E o que eles disseram? 




Não sei. Mas vou descobrir logo.




Eu temia ver a reação dos meus pais. Já sentia raiva suficiente do meu irmão. Não sabia se seria capaz de lidar com ainda mais raiva quando visse a mágoa deles também. Eles eram tão bons no papel de "pais perfeitos" que eu não sabia como ficariam na posição de "pais devastados". Meu celular vibrou e eu atendi com um sussurro:

_Alô.

_Por que você está sussurrando?

Fechei o livro, deixei-o sobre a mesa e segui até a porta.

_Estou na biblioteca.

_É daí que estão saindo todos os fatos sobre a Cleópatra?

Abri a porta e saí. A brisa fez meu cabelo voar para trás e eu sentei no banco mais próximo.

_Sim. O que está fazendo?

_Nada. Liguei porque você não respondeu à mensagem.

Fiquei confusa.

_Respondi a várias mensagens. Você mandou mais alguma?

_Você evitou minha pergunta em todas as respostas. Perguntei se está tudo bem.

_Ah. Sim. Acho que sim. Não sei.

Ela riu.

_O que é isso? Múltipla escolha?

_O meu irmão é só um babaca.

_Ah, eu sei. Sinto muito, Nay. De verdade.

_Sabe o que é engraçado? Ele não foi capaz nem de pedir desculpas pelo que fez, e o erro foi dele. Você não teve nada a ver com isso e já lamentou umas três vezes. - Num impulso, acrescentei: _Está ocupada?

_Só ensaiando uma cena.

_Quer tomar sorvete? Eu ajudo com o ensaio.

Ela considerou por um instante, e eu achei que ia recusar o convite, por isso disse:

_As minhas amigas e eu sempre tomamos sorvete quando alguma coisa ruim acontece. É assim que supero as coisas. - Eu odiava fazer a Jeongyeon sentir pena de mim outra vez para convencê-la a ir me encontrar.

_Tudo bem, vamos. Manda o endereço por mensagem.








Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...