História Namorada de Mentira - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Mikoto Uchiha, Naruto Uzumaki, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Comedia, Drama, Hentai, Romance, Sasusaku
Visualizações 227
Palavras 1.186
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 12 - Resolvendo a Situação


Uma semana se passou, meus pais ainda estavam na cidade, e eu, bem, continuei levando minha vida, hoje eu tinha marcado de almoçar com eles, enquanto o Sasuke-kun ia ter uma reunião com os meninos.

Quando estava saindo do prédio, meu pai estava me esperando no estacionamento:

_ Pai, não faz isso.

_ Sakura.

_ Eu já tenho minha vida aqui, não sou mais criança.

_ Vem.

A gente foi até um restaurante muito chique, coisa que não era acostumada, já que eu e o Sasuke-kun sempre almoçávamos em um restaurante perto do trabalho, era um restaurante de ambiente familiar, não tinha muita chiqueza.

Fizemos nossos pedidos, e quando o garçom, saiu eu falei de novo:

_ Por favor, se quiserem que eu vá pra Londres, eu vou, mas eu vou com o Sasuke-kun e reconstruir uma vida nova.

Aquela ideia era legal, eu e ele morando em outro lugar, longe dos pais e de toda a sua família, que machucaram o seu coração, respirar outros ares, acho que ele até gostaria da ideia.

_ Você agiu...

_ Eu sei que droga. – Interrompi minha mãe, estava cansada daquilo tudo, toda hora eles jogavam o meu erro em minha cara, mas se esquecendo de que não fui só eu que errei sozinha.

_ Eu pago minhas contas, tenho casa própria...

_ Que por sinal fomos nós que te demos. – Meu pai disse, eu revirei os olhos e falei:

_ Vão me cobrar uma casa, é isso mesmo?

Eu não acreditava naquilo, meus pais foram embora quando eu fiz vinte anos, e pra não me deixarem morando na rua, afinal eles venderam a casa deles pra poder ir viajar, no início eu também ia, mas não queria deixa-lo aqui, não suportaria viver longe dele e como eu já era maior de idade eles me deram uma casa de presente, e depois foram embora.

O pedido chegou e começamos a almoçar, quando terminamos minha mãe olhou pro meu pai e disse:

_ Vamos deixa-la aqui, mas pelo amor de Deus, Sakura Haruno, não manche o nome da nossa família, porque se não eu mesma bato em você.

Comecei a dar risada, era só o que me faltava, a minha mãe estava me ameaçando me bater.

_Porra mãe, eu já sou adulta, menos.

_ Você pode ser adulta, mas ainda é nossa filha, nos deve obedecer.

_Eu sei.

_ Se sabe, sabe também que se eu quiser, eu te bato na frente de todo mundo, porque eu sou sua mãe.

Eu dei uma risada alta, chamando atenção do restaurante todo, eu sabia muito bem que aquilo tudo era apenas ameaça, ela já não me batia desde que eu tinha doze anos.

_ Tá. Tudo bem, não é porque eu já sou maior de idade e independente, que irei desrespeitá-los, jamais vou fazer isso. – Disse assim que parei de ri, e continuei:

_ Pai, mãe, eu amo e respeito vocês, podem ficar tranquilos, nada vai acontecer, eu só vou levar a minha vida com o homem que eu amo, eu sei que começamos da forma errada, mas agora está tudo certo, exceto os pais dele.

_ Tá, então tá. Aliás, vamos conversar com os Uchihas, pra ver se melhora alguma coisa na vida de vocês. – Minha mãe disse.

_ Sério? – Perguntei sorrindo.

_ Sério.

Meu coração se alegrou, e eu tive vontade de pular no colo deles, mas estávamos em publico, e aquilo ficaria ridículo pra uma mulher da minha idade.

Depois do almoço, eu fui pra casa, hoje de tarde não haveria trabalho, pois alguns funcionários resolveram fazer greve, por causa das condições de trabalho.

Assim que cheguei em casa, eu senti um cheiro de comida, e fui pra cozinha, onde o vi, o Sasuke-kun tava tão concentrado que nem tinha me visto chegar.

Eu então me encostei na parede, e fiquei o observando, ele estava sem camisa, usando apenas uma calça preta, e por isso eu sorrir.

_ Eu não sou uma obra de arte pra a senhorita, ficar ali parada me observando, vem me ajudar.

Ele me disse e eu ri alto:

_ Já almocei obrigada.

_ Vai fazer essa desfeita pra mim? Seu namorado, hein Sakura Haruno? – Ele disse se virando pra mim, fazendo aquela típica careta de quem fazia drama por besteira.

_ Deixa de ser dramático, Sasuke-kun. Eu almocei com meus pais, e você sabe disso.

_ E falando neles, e aí, como foi?

_ Não vou embora, mas recebi um belo de um sermão deles, mas pelo menos tem uma coisa boa.

_ Que seria? – Ele me perguntou, eu caminhei até ele e disse o abraçando.

_ Eles vão falar com os seus pais pra ver se eles mudam de ideia.

Ele sorriu de canto e depois me pegou pela cintura e me puxou pra si.

_ Eu agradeço aos meus sogros, mesmo que essa tarefa sendo impossível, eu nunca fui amado de verdade naquela família.

_ Não diz isso, Sasuke-kun.

_ Quando criança, meu avô tinha me dito que eu não estava nos planos deles, que no inicio era apenas ter um filho, que no caso, é o Itachi.

_ Hey, esquece o que o Madara dizia, aquele velho nunca bateu muito bem da cabeça mesmo.

Ele riu pelo nariz e eu disse:

_ É sério, você disse que ele tinha sido sargento, e lutado na segunda guerra, certo?

_ Aham.

_ Então! Dizem que quem volta da guerra, nunca volta o mesmo, alguns voltam até mesmo loucos e seu avô que deus o tenha, voltou maluco.

Ele deu uma risada gostosa, mas tão gostosa que eu ri com ele, depois disse:

_ Ah, mas mesmo assim, o que ele dizia fazia sentindo, meu pai sempre teve nem ai, e minha mãe achava que eu era o boneco dela.

_ É. Mas agora, o bonequinho dela, me pertence tá me ouvindo? – Falei apertando suas bochechas pra frente, o fazendo fazer um bico com os lábios, e lhe dei um selinho.

_ Nada possessiva você.

_ Sou mesmo.

_ Já que assim, a senhorita também é minha bonequinha, você também me pertence.

Ele me pegou no colo, e eu o abracei com minhas pernas em sua cintura, e ele disse:

_ E parando pra ver a senhorita, parece uma boneca mesmo, olha só pra sua aparência, fora que é magrinha.

_ Teu cu.

_ É sim, magrinha e gostosa ao mesmo tempo.

Corei ao ouvi-lo, e passei a ficar sem graça, ele nunca tinha falado aquilo pra mim.

_ Sasuke-kun...

_ Agora deixa disso, e vem me ajudar a terminar a comida, tô varado de fome.

_ Por que não comeu com os meninos?

_ Porque aqueles lá são dois mãos de vaca, e queria que eu pagasse pra eles, e sabe né? Com o apetite do Naruto, eu iria falir.

Dei risada do que ele disse, já vi que seria nada séria essa parceria deles.

_ Vocês vão levar tudo pra gaiatice, não é? Igualzinho no ensino médio.

Ele me colocou no chão, e fui ajuda-lo a fazer comida, ou melhor, a bagunçar a cozinha, eu tava amando dividir a casa com ele.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...