1. Spirit Fanfics >
  2. Namoradas, apenas - Posie - >
  3. Composé

História Namoradas, apenas - Posie - - Capítulo 34


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, como estão?
Espero que bem.
É com muito carinho que escrevo, nosso penúltimo capítulo, agora, na reta final, queria perguntar o que vcs acham que vai acontecer, se tem alguma expectativa da fic ou coisa do tipo, enfim, comentem, por favor.
Agora, sem mais delongas, o penúltimo, tomara que gostem, boa leitura <3

Capítulo 34 - Composé


- Sua mãe falou alguma coisa?- Penélope entrou no quarto, sem bater ou avisar.

- Penélope!- Josie se apressou, correu até a menina e a virou, impedindo-a de ver.

- O que?- Estranhou.

- Eu ainda não estou pronta!- A voz ecoou pelo quarto e Josie voltou ao espelho, encarou as costas de Park, sentiu-se tentada a fazer uma provocação mas deixou a ideia de lado e foi terminar de se arrumar.

- E?- Riu em fraco- Não é nosso casamento, você sabe, né?- Engoliu em seco somente com a ideia.

- Você é insuportável- Voltou a trabalhar em seu penteado.

- Nós estamos atrasadas- Encarou o relógio, não era por muito, fora que, Penélope não fazia muita questão de ir ao baile.

- Estou terminando- Terminou de posicionar os grampos, encarou o espelho, sorriu com o reflexo, então esticou-se para pegar a paleta de sombras.

- Aonde está a Lizzie?- Disse ainda de costas.

- Ela já foi- Segurou o biquinho que quis se formar e apressou-se.

- Posso virar agora?- Bufou.

- Não!- Riu, Penélope fez pirraça mas seguiu o pedido.

- Então… Sua mãe disse algo?- Começou a brincar com as pulseiras tentando aliviar o estresse.

- Penélope…- Prestou atenção enquanto riscava a fina linha preta sob seu olho.

- Só quero saber se ela disse alguma coisa- A pressão de conhecer os pais, de novo, Park achou que havia deixado isso para trás mas é óbvio que Caroline viria para o baile e para a graduação.

- Nós mal tivemos tempo de conversar- Passou um gloss deixando seus lábios brilhantes como se estivessem sido polidos a pouco- Ela te conheceu no almoço- Sorriu enquanto passava o blush, tinha sido um almoço interessante.

- Nada?- Isso era bom ou ruim?

- Ei- Aproximou-se da menina, desvirando-a- Eu tenho certeza que ela gostou de você- Sorriu, esticou-se deixando um beijo rápido nos lábios da menina.

- Você está linda- Piscou algumas vezes, sentiu seu coração errar a batida e lembrou-se de respirar.

- Obrigada- Sorriu genuinamente, elas estavam juntas a quase um ano e Penélope sempre fazia questão de deixar tudo muito claro, todos os elogios, todos os toques…

- De nada- Os olhos de Josie brilhando, as pupilas dilatadas, Park achava que não dava para ela ficar mais bonita mas nossa… Como dava.

- Você está linda- Segurou a risada e olhou Penélope de cima a baixo.

- Obrigada- Fez uma graça, balançando os cabelos levemente.

- Pronta?- Entrelaçou os dedos nos de Park e mordeu os lábios animada pela noite que seguiria, as borboletas em seu estômago indicavam que seria uma das boas.

- Quase- Virou-se, revelando uma pequena caixa.

- Penélope?- Arqueou uma sobrancelha, alcançando a pequena caixa. Abriu-a, um lindo arranjo de rosas brancas envoltos por uma fita amarela- Amarelo?- Segurou as lágrimas e sentiu-se boba.

- No dia que nós nos conhecemos- Retirou o pequeno arranjo de flores da caixa- Você me disse- Olhou-a nos olhos- Que amarelo era sua cor favorita- Sorriu enquanto posicionava, cuidadosamente, no pulso da jovem Saltzman.

- É linda- Encarou o pulso.

- Combina com você- Era oficial, ela tinha se tornado tudo o que criticava, o que jurava não ser, era uma nova mulher, o carma é real.

- Então…- Virou-se, repousando a caixa na cama- Eu também tenho algo para você- Mordeu os lábios, nervosa, pela primeira vez, tinha uma carta na manga.

- Jojo?- Fez uma careta.

- Aqui- Engoliu em seco esticando a pequena caixa.

- Eu…- Observou a caixa, abriu-a com cuidado, peônias brancas, envoltas por preto, certo, irônico quase.

- Você está muito bonita- Repetiu o movimento de Park, tomando a arranjo para si, e depois, prendendo-o no pulso de Park.

- Obrigada- Encarou o arranjo de flores e fez um biquinho- Pronta?- Sorriu, o último baile.

- Sempre- Apertou a mão da morena de olhos verdes mais forte e saiu rumando pelos corredores.

 A música alta ecoava pelos grandes corredores do Instituto Salvatore, era dia de festa. As meninas apressaram o passo e sentiram a ansiedade refletir em cada movimento, um pouco estranho pensar que era a última vez, que depois, todos partiriam para mudança, para outra coisa, e tudo aquilo seria lembrança, nada mais do que memorias.

 Josie encarou Penélope, buscando confiança, e foi o que recebeu, engoliu em seco e voltou atenção para a festa, o azul marinho estava em composé com o branco e um prata envelhecido, nada mais do que lindo, Caroline provavelmente ajudou Alaric. A luzes do DJ iam de um lado para o outro enquanto a música alta demonstrava perfeitamente o entusiamo.

 Elas começaram a descer a escada, atraindo diversos olhares, aquele casal era uma das maiores representações populares que já tinham pisado nos corredores, chegava a ser patético, era como realeza, entravam como se fossem donas de tudo, e eram. Os olhares aumentaram quando chegaram até o piso e não pararam por um bom tempo.

 Park se orgulhou, aquela era a sua garota, e todos podiam olhar o quanto quisessem, mas era dela, quem iria dormir na cama de Josie naquela noite era ela, ninguém mais. Rodou os olhos enquanto acompanhava sua amada pelos conhecidos, resolveu focar na beleza da noite, como se fosse uma triz de TV. Disse alguns “Oi” para os conhecidos e respirou fundo, estava só começando.

 Aston e Amelia, como sempre, estavam juntos e de preto, mais ao canto da festa, Penélope resolveu não esquentar sua cabeça com aquele drama, não naquele dia, não naquela festa, não naquele momento, eles não mereciam estar lá ou usarem a beca em poucos dias mas existiam limites e Park já reconhecia que estava cruzando alguns.

*

- O que você achou?- Josie encarou a mãe ansiosa.

- Josie…- Arregalou os olhos em direção a filha, não era o tipo de pergunta que se fazia naquela situação.

- Eu só estou curiosa- Desmanchou a postura.

- Eu amei o seu vestido- Ajudou-a a dar uma volta, sabendo que o elogio não saciaria a vontade da filha de saber se Forbes havia gostado da jovem Park ou não, mas, poderia ser uma medida provisória.

- Obrigada- Sorriu e chacoalhou os ombros de uma forma engraçada. Havia escolhido o vestido junto de Penélope, os dois combinavam de uma forma espetacular, enquanto o cinza de Josie destoava para um bege, o de Penélope ia para uma direção mais escura, pontuando o corte discreto com um prateado.

- Preparada?- Tomou um gole de seu champanhe como se fosse um chá de realidade, suas meninas, suas bebes estavam se formando, era real.

- Talvez- Mordeu os lábios sentindo a indecisão alojada em seu peito.

- Está tudo bem… Você tem tempo- Sorriu, elas ainda tinham tanto para frente que era errado se ater aos pequenos detalhes, faculdade, festas, bebidas… Casamentos, filhos… Amedrontador.

- É… Eu tenho tempo- Sorriu, o que eram 3 horas?

- Seu pai e a Emma…?- Sugeriu.

- Sim- Balançou a cabeça e os viu de longe, a psicóloga ajeitava a gravata do diretor.

- Finalmente- Quem não percebeu que tinha algo entre eles simplesmente era cego, ficou feliz por Alaric, ele teve coragem de buscar a própria felicidade, e isso, era ótimo. Lembrou-se de que Dorian estava com Emma e apesar da curiosidade preferiu ficar longe desse drama. Um silêncio se instalou- Então…- Respirou fundo- Você gosta dela?- Encarou a filha e em seguida o pouco de champanhe que restava em sua taça.

- Sim… Eu gosto… Muito- Riu em fraco enquanto encarava a mãe.

- Eu fico feliz- Repousou a mão direita na bochecha da menina e fez um carinho desejando ter aquela inocência, desejando ser adolescentes de novo e viver o seu romance perfeito.

- Oi, Jojo- Penélope surgiu.

- Oi- Josie sorriu, encarou a mãe de relance, será que Penélope tinha escutado?

- Penélope- Caroline fez o papel de mãe.

- Oi, Caroline- Balançou a cabeça em um aceno estabanado- Trouxe sua bebida- Esticou um copo com um líquido vermelho para sua amada e sorriu.

- Obrigada- Inclinou-se deixando um selinho nos lábios da morena de olhos verdes.

- Vou deixar vocês a sós- A loira sorriu, acenou e se retirou.

- Você escutou?- A gêmea arregalou os olhos e agradeceu a bebida, sua garganta estava seca.

- Escutei o que?- Estranhou a pergunta, ou fingiu.

- Nada…- Rodou os olhos desejando entender Penélope melhor, tomou um gole de seu ponche se perguntando se já o teriam batizado.

 A voz de Alaric ecoou nos alto-falantes, era hora da dança, e elas, finalmente, poderiam ter seu momento. Não que Kaleb fosse um parceiro ruim, mas, verdade sejam ditas, Josie era de longe muito melhor. O diretor pediu que os alunos entrassem em posição e aos poucos todos se dirigiram ao topo da escada, como o praticado.

 Um por um, os casais foram convocados. Josie sentiu seu coração bater mais forte quando, pela voz de seu pai, seu nome e o de Penélope foram chamados “Srta. Josette Saltzman e Srta. Penélope Park”. Será que quando elas se casassem a morena dos olhos verdes adotaria o Saltzman ou ela adotaria o Park?

 Casar?

 Sobrenomes?

 Por Deus… Parecia tão distante mas… Tão real.

 Os violinos começaram e então, como o ensaiado, os alunos começaram a se movimentar pelo salão, em perfeita sincronia, como se aquela festa tivesse sido retirada de um conto de fadas. Apesar das provocações de Penélope, Josie conseguiu manter a cara séria por muito tempo. Confessou uma risada mas voltou a focar na dança.

 Em poucos minutos as palmas reverberaram pelo grande salão. Tudo passava tão rápido.

- Ei!- Puxou Josie para um canto aproveitando a brecha que seus amigos davam, Lizzie estava focada em Hope e os meninos conversavam mais ao canto sobre a dança.

- Tudo bem?- Preocupou-se.

- Sim…- Longe disso, bom, não tão longe- É só que…- Engoliu em seco, faria aquilo mesmo? Ali?

- Que…?- Insistiu que concluísse a frase.

- Você nunca me contou… Sobre o Derek… Quando vocês quase… Quando ele quase te beijou- Molhou os lábios enquanto brincava com os nós nos dedos de Josie, sem encará-la, envergonhada pela pergunta.

- Por que isso agora?- Arqueou uma sobrancelha.

- Eu só…- Levantou o olhar entendendo, não tinha o porquê ter vergonha de Josie.

- Eu estava no lado de fora, ele apareceu- Falaria se Park quisesse, por Deus, faria tantas coisas se Park quisesse que chegava a ser assustador- Perguntou como estavam as coisas, mas ele já sabia a resposta disso, eu perguntei também, ele me disse que estava bem- Riu em fraco, elas estavam tão mal- Começamos a conversar sobre tudo… A viagem…O colégio… Jade- Lembrou-se- Então um silêncio se instalou e ele perguntou se eu fumava- Encarou aquelas iris verdes mesmo sabendo que aquele era o erro, que elas eram a perdição.

- Isso parece ser uma coisa que ele faria- Faria, no passado, porque Derek não passava de passado.

- Eu disse que não, mas que não me incomodava…- Sentiu o rubor em seu rosto, ela só fumava para transar- Então o silêncio voltou- Balançou- Ele se corrigiu, disse que não estava bem- Era a parte difícil e Josie temia machucar Penélope- Que se sentia um monstro, que não havia pedido por aquilo e que… A pressão estava muito grande- E só naquele momento sua ficha caiu, que pressão? Derek estava falando de alguém?- Eu tentei reconfortar ele, porque eu sei como pode ser difícil- Fez um carinho no braço da menina e ignorou seus pensamentos anteriores- Eu abracei ele e o escutei, acho que as pessoas não faziam muito aquilo com ele- Riu em fraco, como um cachorrinho abandonado.

- Eu…- Sua voz falhou.

- Ele se inclinou e eu me afastei- Fechou os olhos com força, desejou estar fazendo o certo- Ele imediatamente pediu desculpas, disse que tinha sido um erro, implorou para não contar para você- Pendeu sua cabeça levemente para a direita enquanto observava cada reação de Park- Disse que não queria te decepcionar- Era a verdade- Eu disse que estava tudo bem… Acontecia…- E como acontece, confundir carinho com amor e vice versa.

- Eu…- Falhou mais uma vez, como se seu cérebro ainda buscasse as palavras ideais.

- Você ajudou como pode- Esticou-se, deixando um beijo de conforto.

- Você acha?- Implorou pela verdade pois estava cansada de escutar seu interior condenar.

- Óbvio- Sorriu e aproximou-se- Está tudo bem- Abraçou-a.

- Eu sinto falta dele- Sentiu o aperto em seu peito.

- Isso é normal- Afastou-se para olhá-la nos olhos- Você vai aprender a viver com isso- Forçou um sorriso triste.

- Obrigada- Piscou algumas vezes antes de inclinar-se para beijá-la, como se aquele agradecimento fizesse referência a muito mais do que aquela conversa, e fazia, Josie sabia.

 Após alguns beijos, provocações e uma proposta tentadora de fugirem daquele local, elas voltaram para a roda tão conhecida de amigos, aproveitaram para passar o tempo e aproveitar, todos pareciam tão confortáveis, faltava álcool naquela festa. Josie começou a considerar a proposta tentadora de fugir, elas já haviam dançado, não tinha muito mais.

 Ignorou os pensamentos impróprios enquanto seu pai fazia um discurso, bem(bem) emotivo, e em seguida alguns professores tomaram uso da palavra, chato, chato, chato. Mas já era de se esperar, em segundos a pista de dança foi liberada e Park já havia trazido um pouco de ponche, dessa vez, batizado, como sempre, Alaric nunca conseguia impedir.

 Penélope esticou o braço e aos poucos levou sua namorada até a pista de dança. Josie olhou em volta, perfeito, como deveria ser, começou a considerar a louca proposta da morena de olhos verdes, fugir, deixar tudo para trás, ir para o quarto e aproveitar o resto da noite porque ela era só uma criança, fechou os olhos e sorriu, seria adolescente, pelo menos uma vez.

 Cochichou no ouvido da jovem Park que topava, que queria fugir, o sorriso convencido que recebeu como resposta foi suficiente para enviar calafrios para seu corpo inteiro. Park começou a cochichar provocações no pé do ouvido de Josie e as coisas começaram a esquentar, a ficaram cada vez mais tentadoras. Josie afastou-se, sabendo que elas estavam em público e precisava manter a postura. Park riu e se afastou, tinha que ir ao banheiro, deixou uma Josie sorridente para trás e garantiu que assim que voltasse, elas poderiam fugir para qualquer lugar que a jovem Saltzman quisesse.

 Rumou por entre as pessoas, achou o lugar já conhecido, abriu a porta e foi em direção ao espelho, estava bonita, como sempre, as flores que havia ganho estavam impecáveis, Josie havia se superado. Ajeitou o vestido e fez suas necessidades, lavou a mão e ajeitou seu vestido, ainda bem que a filha do diretor havia cansado porque se dependesse de Park elas não passariam mais de 1 hora naquele lugar.

 Sorriu e saiu rapidamente, determinada a fazer aquela noite durar, ansiosa pelos futuros orgasmos, se apenas uma voz não tivesse chamado sua atenção, estava vindo de trás do banheiro masculino, tentou ignorar mas seu lado curioso falou mais alto e lá foi ela. Para alguém que não era Sherlock Holmes, definitivamente, estava investigando bastante.

 Era Aston!… Aston e mais alguém… Estavam brigando, o clima estava tenso. Penélope desejou ver quem era a outra pessoa mas sabia que não poderia se aproximar mais, era uma voz feminina. “Você tem que fazer!” o menino esbravejou. “Eu não vou fazer!” era uma voz familiar. “Mas foi o trato!” pirraça, ele tinha 5 anos? “Eu não vou fazer, pode avisar ela” ela? “Você sabe que ela vai ficar brava” quem era “Ela”? E por que ela ficaria brava?

 Escutou passos e se afastou imediatamente, era tudo que não precisava, respirou fundo e quando voltou o menino não estava mais lá, buscou por ele na festa, mas nada, merda. Respirou fundo mais uma vez e limpou sua mente, tinha que deixar aquilo de lado, era paranoia, só paranoia. Rumou sorrindo até sua garota, envolveu sua cintura e deu um beijo em seu pescoço, apenas um aperitivo para o resto da noite.

*

- Bom dia- Josie montou no corpo de Penélope que dormia pacificamente de bruços.

- Bom dia- Disse ainda de olhos fechados, como sempre.

- Ontem foi…- Sem palavras para descrever, saiu de cima e jogou-se ao lado, aconchegando-se ao corpo de Penélope.

- Incrível? Perfeito?- Riu.

- É… Tipo isso- Acompanhou a risada e tornou a fechar os olhos, tardaria na cama, o máximo que pudesse.

- Que horas são?- Por que Josie sempre tinha que acordar cedo? Mas não continuou falando ou reclamando, recebeu de braços abertos os beijos molhados em seu pescoço, sentiu seu corpo reagir, estava cansada pela noite passada mas poderia buscar uma energia extra.

- Não sei- Disse entre beijos, riu quando a pele de Penélope arrepiou, ela causava aquilo, só ela- Posso ver- Tardou-se, arrastando os beijos molhados.

- Não será necessário- Enfiou a mãos nos cabelos de Josie e começou a incentivá-la. Um barulho no celular parou tudo e Park sabia que aquilo impediria de continuar. Estava certa, Josie afastou-se, alcançando o celular que repousava na mesinha- Tudo bem?- A cara dela não parecia muito boa.

- São quase 9…- Murmurou ainda encarando a pequena tela- São só as líderes- Era doido pensar que não as teria mais, e então, outro barulho, seguido de outro, e outro, e outro.

- Meu Deus- Abriu os olhos praguejando a claridade.

- Penélope…- Sua feição desmanchou.

- O que?- Levantou-se preocupada- O que aconteceu?- Tentou ajeitar o cabelo bagunçado.

- Aston- Ainda encarava a tela do celular.

- O que tem ele?- Aquele babaca.

- Ele está… Morto- Encarou a namorada.

- Morto?- Vampiros são imortais uma ova.

- Sim… Ataque animal- Mostrou a manchete.

- Mas… Isso não faz sentido- Respirou fundo encarando a chamada do jornal.

- E agora?- Aquilo tinha acabado com o clima.

- Eu… Não sei- Merda. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado e até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...