História Namorado de aluguel - Capítulo 59


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Visualizações 151
Palavras 1.150
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


B
U
E
N
A
L
E
C
T
U
R
A

Capítulo 59 - Capitulo 19


A semana passou estranhamente rápida para o meu gosto,todos os meus dias da semana foram resumidos a ir a faculdade e ir pro apartamento do Matteo.É claro que eu nunca deixaria ele lá sozinho com a cobra.Eu fiquei indo pra casa do Matteo sempre que eles tinham algo marcado,o que acabou sendo  uma perda de tempo total:ela chegava,entrava,sentava no sofá,pegava os livros e eles começavam a estudar e a copiar um monte de coisas sem graça e isso se repetiu durante todos os dias, a semana inteira.

 

Realmente havia algo estranho com Âmbar,ela não me xingou ou tentou arrumar confusão durante todo o tempo em que eu estava lá,ela sempre dizia a mesma coisa:Oi Luna e Tchau Luna.Ela e Matteo faziam realmente uma boa dupla como atores,eu assisti uma das cenas que será exibida no espetáculo exatamente dois dias antes das férias.

 

A UCLA era responsável por suas amostras de poder.Era como se eles quisessem mostrar a todos que os melhores profissionais estavam sendo desenvolvidos ali.O que significava que Âmbar e Matteo assim como outros que vão participar da obra,todos tem que provar o seu potencial.

 

O fim de semana havia chegado e com ele a minha promessa a dona Ólivia de ir posar para uma...como ela chama mesmo?.Ah sim...OBRA DE ARTE TOTALMENTE INCRIVEL E MAJESTOSA!

 

−Luna querida!−Ólivia veio me abraçar assim que pus o primeiro pé dentro da casa dela.−Fiquei com tanta saudade de você garota.

 

−Eu também fiquei com muitas saudades suas sogrinha.−Ela mexeu no cabelo tentando arrumá-lo,o que não deu muito certo.

 

−Oi mãe.Eu estou bem,obrigado por perguntar.−Matteo diz irônico enquanto entra com a bolsa que nós trouxemos com as nossas roupas para o fim de semana.

 

−Não ligue pra ele Luna,venha vamos começar a diversão.

 

Eu e mãe de Matteo ficamos o dia inteiro na sala dela fazendo pinturas e mais  pinturas.Eu até pintei o Matt,ou quer dizer,tentei pintar ele.

 

−Luna esse não sou eu.−Matteo disse assim que eu acabei de pinta-ló.Ficamos sozinhos na sala assim que Ólivia saiu pra fazer o lanche da tarde e o café que ela não sabe viver sem.

 

−É claro que não é...Ele é mais bonito.−Disse apontando para o quadro que ele segurava.Ele me olhou totalmente indignado,afinal a pessoa que está no quadro parecia mais um extraterrestre.

 

E quando eu menos espero ele passa um pincel sujo de tinta verde no meu rosto pintando no meu olho esquerdo até o queixo, e é claro que eu não iria deixar barato.Logo eu e Matteo começamos uma verdadeira guerra de tinta na sala,sujando as paredes e o teto de diferentes cores.

 

−Olha só Luna!−Matteo grita e logo depois o meu rosto inteiro é coberto por  uma tinta azul.−Agora você pode ser a próxima Smurfete e morar lá com os seus outros amiguinhos anões.

 

−Eles não são anões!Aquele é o tamanho real deles.−Eu digo e pego uma lata de tinta rosa pra jogar nele que começa a dar círculos em volta dos quadros pra que eu não o alcance.

 

−Ta vendo.Igual a você meu amor....Azul e anã.− Matteo começa a gargalhar e eu sinto o meu rosto quente só de raiva que eu estou desse dele.Em uma frase ele conseguiu soar duas coisas em mim:A minha altura e a tinta azul que está no meu rosto.

 

−Eu vou fazer você virar a barbie!

 

Eu jogo a tinta rosa na direção de Matteo que desvia e faz a tinta acertar a porta,um segundo,apenas um segundo antes da mãe dele entrar,só um segundo e a minha sogrinha ficaria rosa.Eu e Matteo continuamos imóveis enquanto Ólivia olhava pra gente e pra sua sala totalmentes sujos de tinta com um olhar que eu sou incapaz  de descrever com palavras.

 

−Mas o que......−Ela não conseguia formular uma frase coerente.Ela colocou a bandeja com o nosso lanche em cima de um criado-mudo,que por incrível que pareça era o  único sem tinta.

 

−Mãe, nós..é...−Matteo não conseguiu inventar uma descupa,pel primeira vez o modo ator dele estava desativado.

 

Do nada,tipo bem do nada mesmo,a mãe do Matteo começa a rir,ela gargalhava com vontade,como se estivesse assistindo a um vídeo do Felipe Neto.Eu e Matteo nos olhamos em busca de uma resposta,mas nenhum dos dois sabia o que estava acontecendo.

 

−Eu disse....eu disse...−Ela falou entre uma crise de risos e outra.−Eu disse pro seu pai que eu ia  consegui....

 

−Conseguir o que?

 

Eu pergunto.

 

 

−Pintar a minha sala de quadros.A dias eu peço pro meu marido pintar esse lugar mas ele sempre diz a mesma coisa:Eu não tenho tempo.Eu disse a ele que pintaria,ele riu e ainda duvidou de mim.E agora olha isso...

 

Eu e Matteo olhamos ao redor e vimos o que aprontamos:As paredes tinhas cores misturadas umas por cima das outrs formando uma aquarela,o teto tinha azul e amarelo espalhados por todos os cantos,o único lugar que escapou foi o chão,devido ao fato de que tem vários papeis enormes no chão,era só substituí-los e pronto.

 

−OBRA DE ARTE TOTALMENTE INCRIVEL E MAJESTOSA!!!

 

Ólivia  grita  levantando as mãos animada fazendo eu e Matteo gargalharmos.Eu na verdade sorria de alivio mesmo.Eu e Matteo fomos pro quintal tentar tirar toda essa tinta do nosso corpo,Matteo me ajudou a tirar tinta do meu cabelo e eu ajudei a tirar tinta do cabelo dele.Cada um usava uma mangueira de agua e tentava limpar um ao outro.

 

−........na chuva.−Eu tentava tirar a tinta azul do meu ouvido esquerdo e por isso não intendi muito bem o que Mateo tinha me dito.

 

−O que?−Eu olho pra ele e o vejo subir em uma cadeira e engatar a mangueira dele em um galho de árvore que tinha perto da gente.−Matteo o que está fazendo ai?

 

−Eu disse:Vamos dar um beijo na chuva.−Ele repetiu a frase que eu não havia entendido.Perai,o que?−Liga a água.

 

Eu mesmo não entendendo nada vou até a torneira e ligo,logo a mangueira que ele engatou no galho começa a jorrar água pro céu a fazendo ela voltar como se fosse chuva.Matteo desse da cadeira e me puxa para um beijo que pelas minhas contas durou  horas.

 

Nós começamos a dançar e girar em baixo d’agua fazendo poças de lama no quintal,nos beijamos um monte de vezes e cantamos musicas como se estivéssemos em um daqueles filmes antigos.Ficamos nessa loucura até Nina aparecer e acabar com a nossa festa  nos chamando de malucos e dizendo que íamos ficar doentes se continuarmos em baixo d’agua sendo que o sol de quase três da tarde estava escaldante.

 

 

Matteo que horas vamos ensaiar hoje?

 

Eu tinha acabado de me trocar quando o celular de Matteo toca anunciando uma nova mensagem,ele tinha levado nosss roupas pra lavar(Embora eu não ache que elas um dia voltem a serem roupas)Então decidi responder.

 

 

Âmbar é a Luna,eu e o Matteo estamos na casa dele,vamos voltar no domingo,eu acho que vocês vão ensaiar só na segunda.

 

Demorou uns segundos até ela responder.

 

Ok.Obrigado por avisar Luna.Desculpa ter te incomodado.

 

Obrigado?

 

Desculpa?

 

O que?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...