1. Spirit Fanfics >
  2. NAMORADO EXPRESS - JIKOOK >
  3. 4. DOIS COELHOS COM UMA CAJADADA SÓ

História NAMORADO EXPRESS - JIKOOK - Capítulo 4


Escrita por:


Capítulo 4 - 4. DOIS COELHOS COM UMA CAJADADA SÓ


CAP 4 - DOIS COELHOS COM UMA CAJADADA SÓ


Suspiro. Quem diria que tal som se propagaria pelo vestiário masculino em um momento como esse. Mais um suspiro. Liberar uma lufada de ar potente pela boca — inspirada por uma raiva densa e mortal — combinaria muito mais com a nuvem de tensão que ocupa o cômodo minúsculo, situado nos fundos da megaloja Formosura Pura. E talvez seja exatamente por isso que os garotos encaram Jungkook como se ele tivesse um chifre de unicórnio bem no meio da testa. Outro suspiro.


— Caraca! Como você consegue ficar nessa vibe zen numa hora dessas? — Alguém se revolta, mas Jungkook está muito distante do chão. Sua cabeça paira entre as nuvens. Ele não consegue ouvir nada que não tenha asas.


Por culpa do assalto peculiar da noite anterior, o viajante do mundo da Lua só conseguiu pregar os olhos quando o Sol ameaçou a apontar no horizonte. Durante horas a sua mente teimou em reviver a cena como num tira-teima futebolístico para analisar os detalhes da partida. O mesmo episódio ecoou em seu cérebro repetidas e repetidas vezes. Nos primeiros ecos da lembrança, a revolta pela audácia do bandido em lhe roubar um beijo chegava a ser palpável. Aquilo foi um atrevimento imperdoável!


"Tarado!"

"Pervertido!"

"Agarra os outros e depois pede desculpas? Que cara de pau!"


Essas — entre outras queixas — foram jogadas na escuridão do quarto, que educadamente acolheu o desabafo de seu ocupante em suas paredes. No entanto, num certo momento, quando a música da sua nova banda favorita começou a ecoar pelos seus fones, algo estranho aconteceu. A cena sofreu uma mudança inesperada. Um "acréscimo" seria a palavra certa.


BUUMM!


Por mais que Jungkook não estivesse entendendo porcaria nenhuma da letra da música, o ritmo era envolvente o suficiente para lhe despertar certas sensações estranhas, ao se levar em consideração o trauma que acabou de passar. Mas do nada, a cena em sua mente ganhou uma trilha sonora. E com isso, os devaneios foram seguindo um caminho diferente. Ganhando um enredo diferente... Mais um suspiro... Ops! Não! Foram dois suspiros seguidos.


— Acorda, maluco! Estamos numa crise! — Taehyung dá um grito diante dos olhos do amigo sonhador, finalmente o arrancando na marra das nuvens. Jungkook tem um sobressalto. Sua mão acerta com força um dos armários de metal, onde os funcionários guardam os seus pertences quando estão no trabalho. O golpe faz a pequena porta se fechar num estrondo.


— Ai, que horror! Quase que você me mata de susto. — Reclama levando uma mão ao peito e sentindo seu coração descompassado. Com um suspiro conformado, diante do hábito comum do amigo em assustá-lo por diversão, Jungkook interpela tentando se inteirar do assunto. 


— Fala aí, então. Que tal crise é

essa?


— Mas como assim que crise, Jungkook? — Hoseok se espanta e troca olhares com os demais no cômodo, que também estão surpresos com a pergunta esquisita. — A aposta. Você se esqueceu? 


Droga! A posta. Sim, ele se lembra. E essa lembrança contorce mais as suas entranhas do que o evento da noite anterior. As paredes do seu quarto ficarão espantadas com a enxurrada de palavras proibidas que ouvirão na sessão de desabafo, mais tarde. Acordar cedo para ir trabalhar, e ganhar o pão de cada dia é a rotina da maioria dos mortais nos quatro cantos do planeta. Nem todo mundo nasceu em berço de ouro, cheio de facilidades. E definitivamente, Jungkook não faz parte dessa minoria privilegiada.


Durante 5 dias na semana — fora os plantões em sábados aleatórios — ele faz parte da equipe de venda da megaempresa de cosméticos Formosura Pura. E foi justamente lá, que conheceu os seus 3 grandes amigos: Taehyung, Hoseok e Yoongi. Conversas e risos são partes de suas

rotinas diárias tanto quanto acordar cedo, pegar um buzão lotado e atender clientes exigentes no resto do dia. Todavia, a correria e estresse do trabalho são suavizados quando se tem por perto.


Trabalhar na Formosura Pura não é algo que Jungkook pensa em fazer o resto da vida. Na verdade, a empresa é só um caminho para o seu grande sonho: ser modelo. Um caminho cheio de pedras, claro, mas ainda assim um caminho. Amanda e Eva — vendedoras e bruxas da seção de maquiagem. Elas são as pedras nos sapatos de qualquer pessoa que não se encaixe na sua lista de interesse. E é claro que as vendedoras da seção de esmaltes e tinturas não fazem parte dessa seleta — só que não — lista.


Durante mais uma de suas rotinas de trocas de farpas e cutucadas habituais, uma cagada épica foi feita.


"— Vocês quatro? Namorando? E com gente de verdade? Aham... — Eva torce os seus lábios labuzados com brilho labial — que mais dão a impressão de que a loura acabou de ser beijada por um frango assado — antes de estica-los num sorriso debochado.


— Então se essa história é mesmo verdade, vocês não vão se importar de leva-los a festa de aniversário de 10 anos da empresa, não é mesmo? Estou doidinha para conhecer esses tais namorados bonitões de vocês... — Ela lança a provocação em meio a sua gargalhada de sacerdotisa de Blair.


BRUXA!


"— Quero ver se eles são tipo capa de revista mesmo. Se bem que a "Pet magazine" também é uma revista, né? — Amanda entra na roda dos escarnecedores, com a sua risada de hiena com caibra."


BRUXA 2!


Ninguém sabe exatamente o que aconteceu para levar o pelotão da aquarela a essa encruzilhada, mas todo mundo sabe quem deu a última martelada no caixão.


"— E o que a gente ganha com isso? — Jungkook aproveita os seus quilos a mais, e se posiciona de braços cruzados diante de Amanda, que mais parece um mosquito de tão seca que é.


As bruxas siliconadas adoram tirar sarro de todos que não se encaixam nos seus padrões distorcidos, e vivem inventando apelidos venenosos para os mesmos. E por ser homem e mais alto, Jungkook acaba tendo um peso maior, isso é uma das suas cartadas mais usadas para atingir o seu "grupo vítima" favorito. No entanto, é só a ursa loira da seção de esmaltes se esticar toda, estufar o peito e lhes lançar um olhar massacrante, que os coiotes vazam.


" Bem, a gente pode fazer uma aposta. — O mosquito da dengue propõe. Quando o monstro do desafio foi solto, os garotos não tiveram escolha senão aceitar. Bem, ou talvez tivessem, mas não quiseram arregar na frente das bruacas das paletas e pincéis. Mas de qualquer forma, agora não tem mais jeito. A roleta russa já está girando, e só Deus sabe quem será premiado com a bala no final."


— Se a gente perder será um desastre. — Hoseok, o sorridente do grupo, suspira perdido, enquanto deixa um dedo se perder nas mechas ruivas de seus cabelos como sempre acontece quando se sente acuado.


— Desastre ainda é pouco, ruivinho! Será um caos! O fim do mundo! É Game over pra nós, meu povo! — Jungkook se altera, erguendo as mãos no ar e encarando o teto numa expressão de desespero exagerado. — Oh, Senhor! Por que eu tinha que ter essa boca tão grande? Por que eu aceitei aquilo?


— Minha autoestima já é baixa o suficiente sem ajuda. Eu não quero ter que andar pela rua vestindo aquela coisa. — A voz baixinha de Yoongi se propaga, enquanto coça os seus olhos puxados que já apresentam uma coloração avermelhada. Ele está fazendo um tremendo esforço para não sucumbir ao pranto de auto piedade.


"— TROPA DAS ENCALHADAS: NÃO PEGA UM, NÃO PEGA GERAL, E TAMBÉM NÃO VAI PEGAR VOCÊ. — Eva movimenta a mão no ar, como se isso fosse capaz de fazer a frase humilhante surgir diante dos olhos de todas.


— Beleza, então! — Jungkook aceita sem consultar o resto do grupo. — Mas se a gente ganhar, vocês duas terão que usar uma camisa também. Só que com a frase: "BISCATE PROFISSIONAL: VENENOSA, INTERESSEIRA E SILICONADA.  Atira, imitando os mesmos gestos no ar de Eva."


— Já perdemos essa, meninos! Acho melhor a gente começar a escolher as cores dos nossos uniformes da humilhação. — Jungkook ergue a bandeira do conformismo, e suspiros de desalento ecoam no fundo. Nenhum deles está acreditando na enrascada que se meteram. Até porque, estão mais encalhados do que transatlântico em águas rasas. Pensamentos negativos não são combustíveis apropriados para o arranque do navio da coragem diante de qualquer desafio. Especialmente quando reputações estão em jogo. Afinal, quem quer ter a sua intimidade exposta de maneira tão vexaminosa para todo mundo? Mas a verdade seja dita: se nos momentos de tranquilidade a fila de pretendentes da tropa dos encalhados não andou, imagine então sob pressão. Como o de costume, os garotos estão se torturando antecipadamente. Suas mentes fantasiam as vergonhas que sobrevirão quando tiverem que usar aquelas blusas horrendas. Sim, meus caros, a palavra usada foi "QUANDO". Ninguém dentro daquele vestiário acredita numa reviravolta mágica, capaz de livrá-los desse destino humilhante. A tristeza distorce o semblante de seus ocupantes. Mas não dizem por aí que alegria de uns é a tristeza de outros? Alguém do lado de fora do vestiário está muito feliz. Essa aposta maluca não poderia ter vindo em melhor hora. A pessoa tem a solução perfeita que irá resolver tanto o problema dos garotos quanto o seu. 


Será o fim de dois "coelhos" com uma cajadada só.





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...