História Namoro de mentirinha - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, Hidan, Itachi Uchiha, Kakuzu, Kisame Hoshigaki, Konan, Madara Uchiha, Obito Uchiha (Tobi), Pain, Personagens Originais, Sasori
Tags Itadei Sasodei
Visualizações 10
Palavras 2.751
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, meus amores! Me perdoem pelo atraso de postar o capítulo, eu estive bastante ocupada essa semana, e ainda estou, mas o capítulo está aqui, espero muito que vocês gostem! Boa leitura a todos, e mais uma vez me desculpem pela demora. ❤🌷

Capítulo 7 - Treinamento enlouquecido.


Fanfic / Fanfiction Namoro de mentirinha - Capítulo 7 - Treinamento enlouquecido.

Treinamento enlouquecido.


Algumas horas haviam se passado rapidamente, desde que o líder da tão temida Akatsuki, ordeu a todos os seus subordinados a irem treinarem no campo de treinamento, da organização criminosa.



Cada dupla se preparavam para iniciarem seus treinamentos com seus parceiros, após alguns minutos de aquecimento, e algumas reclamações por parte de alguns deles. Finalmente o treino havia começado, fluindo cada vez mais de forma espontânea e libertina para todos.



Deidara avançava com rapidez e brusquiedade na direção de Sasori da areia vermelha, rapidamente atraindo o olhar feroz e penetrante do ruivo cada vez mais para si. O loiro tinha uma ligeira noção, de que ainda não era realmente muito bom em lutas corporais, pois sempre foi um ninja que lutava a distância, usando seus explosivos, os quais ele sempre denominava como sua preciosa e amada arte.


A arte é uma explosão, un. — O loiro pensa, exibindo um sorriso de animação.



Akasuna no Sasori, olha para o loiro mais novo e o ataca com uma sequência de golpes precisos e certeiros. Aproveitando para atacar Deidara em algumas brechas, que o próprio loiro esquecia de fechar. 



Isso sempre irritava o ruivo de uma forma absurda, a maneira imprudente que o mais novo tinha, de quase sempre deixar a guarda baixa, expondo-se a ataques surpresas, que poderiam ser de inimigos.



Crispando os lábios levemente, enquanto uma careta desgostosa formava-se em seu belo rosto de porcelana, Sasori puxa o braço direito de Deidara bruscamente, fazendo um gemido de dor escapar por entre os lábios róseos do loiro, girando seus corpos e logo imobilizando o menor de costas para ele.


— Argh... D-Danna, un?! — O loiro exclama, totalmente em surpresa, soltando um gemido de dor, enquanto se debate na tentativa de se soltar do aperto do ruivo.



Sasori aperta mais ainda, aproximando seu corpo cada vez mais do corpo do garoto mais novo da Akatsuki. Leva seus lábios bem próximos ao ouvido do loiro, sussurrando baixinho para o mesmo, quase provocativo.


— Você merece ser punido, Dei...



O loiro se arrepia intensamente, sentindo seu coração bater mais forte em seu peito, diante a voz tão gostosa e grave de seu Sasori no Danna. O ex-suna não precisava de muito, para lhe deixar totalmente rendido e caído de amor aos seus pés.


Olhando para trás com um pequeno biquinho fofo em seus delicados lábios avermelhados, o loiro olha para o mais velho, puxando os braços numa nova tentativa de se soltar do agarre forte do Akasuna.



— Nhaaa, Danna, por favor?? Un. — Aumenta o bico, olhando pro ruivo com uma cara chorosa. 


Dramático, Humpf! — Sasori bufa, em pensamentos.



O ruivo revira os olhos amendoados, assentindo positivamente com a cabeça, enquanto estala a língua no céu da boca em sinal de irritação. 



— Tsc. Okay, Deidara. — Desfaz o aperto de suas mãos entorno dos braços finos de Deidara, libertando-o por fim de seu aperto, ouvindo um suspiro aliviado provindo dos lábios do loiro.



Deidara agora estando livre do aperto de Sasori em seus braços, se vira de frente para o parceiro com as sobrancelhas loiras arqueadas em questionamento. 



Ainda não havia entendido porque o mais velho mencionou lhe 'castigar'. Que ele saiba, ele não havia feito nada de errado dessa vez, para o ruivo querer puni-lo de alguma forma, como ele mesmo mencionou a poucos minutos atrás.



— Por que fez isso, Sasori no danna? Un. — O loiro questionou, fitando o mais velho meio emburrado.


Sasori sorriu de lado, quase esbanjando um sorriso sarcástico, mantendo seu olhar firme sobre o mais novo.



— Ora, você sempre deixa a guarda baixa. Deidara já cansei de explicar que isso é perigoso, você pode se dar muito mal.



— Mas Danna, olha, eu só sei lutar a distância, un. — O loiro morde o lábio inferior, brincando ligeiramente com os dedos das mãos, sentindo-se um pouco nervoso. — Eu não sei lutar corpo a corpo, não sei. — Levanta a cabeça, olhando com os ombros caídos pro ruivo.



O mais velho solta um suspiro, aproximando-se mais de Deidara e puxando o mais novo para seus braços, envolvendo-o pela cintura afeminada. Enquanto olha para a bela face do seu loiro com ternura e carinho!


— Tudo bem, Dei. Com o tempo você aprenderá, mas me prometa que vai tentar aperfeiçoar essa falha. Me promete? — O beneco nin, olha gentilmente nos azulados olhos celestiais do loiro em seus braços fortes.



Deidara mordi o lábio inferior, sentindo-se ansioso para responder seu amor, maneiando a cabeça loira para cima e para baixo, claramente lhe dizendos sim.



— Prometo, un. — Sorri meigo, escondendo o rosto corado no peitoral forte de seu ruivo.


O titereiro de marionetes dá um breve sorriso, acariciando as longas madeixas loiras de seu pequeno anjo fofo. Ah, como amava Deidara! Amava cada gesto, cada toque, cada falha desse seu pequeno anjinho explosivo.


— Muito bem, agora vamos retornar ao treino, sim? — Sorri ladino, abraçando o mais novo com carinho.


— Hai! Un. — Deidara retribui o sorriso corado, respondendo entusiasmadamente.


Logo os dois pombinhos voltam a treinarem corpo a corpo, com Deidara dando o seu melhor para não deixar nenhum ponto aberto e mostrar para o seu Danna, que ele também era muito bom no que ele fazia. Sempre mantendo a guarda, agora alta e protegida! Daria o seu melhor para impressionar o seu ruivo e mostrar que cumpriria a promessa que fizera com ele.



[...]



Hidan solta um suspiro cansado, deixando o corpo cair esparramadamente pelo chão de grama verde, enquanto sua foice escorregava ao lado de seu corpo branquelo.


Estava um dia bastante quente, o sol castigava impiedosamente a todos que estavam debaixo dele, numa marca de mais ou menos 39 graus Celsius, queimando as peles expostas sem dó e nem piedade, com base a aumentar para 40 °C.


— Tô cansado pra caralho, velho. — O albino murmura, num zumbido rouco, levantando os olhos violetas pra olhar para o seu moreno mascarado.


Kakuzu solta o ar pelas narinas, torcendo os lábios por debaixo da máscara escura, que ele usava na face para ocultar sua boca, olhando para o mais novo com o cenho franzido em questionamento.


Hidan era tão molenga as vezes, vive reclamando de tudo e de todos ao seu redor, fora esse jeito totalmente infantil dele, as vezes o jashinista o irritava demais. Queria muito que seu companheiro albino fosse mais cabeça, aprendesse a usar o cérebro, ao invés dos pés.


Com certeza seria mais prudente, até para eles agirem como uma dupla de assassinos criminosos rank S.


Soltando um resmungo baixo, o moreno diz por baixo da máscara, sem olhar para o companheiro religioso, voltando-se para contar as notas de dinheiro que acabara de tirar do bolso da calça.


— Para de reclamar, pirralho. — Resmunga friamente, contando nota por nota, sentindo o olhar do outro ficar mais intenso sobre si.


Hidan se senta na grama com tudo, trincando os dentes brancos de forma ríspida e indignada, olhando para o avarento com uma recém carranca formada na face pálida.


— Mas que porra Kakuzu, será que você não ver que eu estou cansado? Só fica aí contando essas merdas de dinheiro e nunca está nem aí para mim. — O albino fala choroso, se sentindo magoado por seu namorado nunca dar ligança para ele.


O albino ficava triste, sempre que Kakuzu o trocava para ficar contando dinheiro, deixando-o mais uma vez de lado, como se o mais novo não existisse. Hidan tinha ódio da ganância do mais velho por dinheiro, ele sabia que isso era um dos pecados mais graves do moreno.


Kakuzu suspira irritado, guardando as notas de dinheiro de volta no bolso da calça e se voltando para olhar o albino que o xingava sem parar, já a beira do choro. Que tinha acabado com 100% de êxito, de deixa-lo ainda mais frustrado e nervoso! Assim que seus olhos verdes-esmeraldas pairam sobre o homem mais novo, seus corações se apertam significativamente em seu peito e corpo, sentindo o jashinista com um olhar perdido e meio melancólico, como nunca antes visto.


Derrotado, Kakuzu se aproximo do companheiro, puxando-o gentilmente para ele e envolvendo seus braços fortes e musculosos em volta da cintura do mais novo. Afagando os cabelos brancos e cheirosos de Hidan.


— Desculpa, não queria fazê-lo se sentir assim. — Kakuzu começa, com sinceridade, levantando o rosto do jashinista pelo queixo e mantendo seus olhares fixos um no outro.


O albino solta um leve suspiro, assentindo positivamente com um movimento de cabeça. Amava o mais velho mais do que qualquer coisa nessa vida, Kakuzu era sua paixão, seu amor, nunca conseguiria ficar por muito tempo com raiva do médico-nin da Akatsuki.


— Tudo bem, Kuzu-kun... — Hidan siliba, num miado manhoso, descansando o rosto entre o torso bem trabalhado de músculos e bícips do moreno.


O namorado sorri minimamente, correndo os dedos pelos fios albinos e macios do religioso manhoso em seus braços.


— Até que você sabe ser fofo, quando quer pirralho. — O moreno diz, em um ligeiro tom de diversão, fazendo Hidan dar um leve soquinho em seu peitoral, rindo levemente.


— Cala a boca, merda.


O mais novo ri pelas narinas, inclinando a cabeça para trás e logo colocando seus lábios sobre os de Kakuzu, dando um selinho amoroso no homem mais velho.


— Pirralho, desbocado. — Olha semicerrado pro albino, mordiscando o lábio inferior de Hidan, que solta outra risada baixinha.


— Te amo, Kuzu-kun. — O albino declara, sorrindo amorosamente pro namorado moreno.


— Eu também te amo, Hidan.


Aperta o mais novo em seus braços, roubando um beijo quente e gostoso do mais novo, que retribui prontamente, entregando-se por inteiro nos braços do seu amor.



[...]



18:50 da PM - Akatsuki - Jantar.



A cozinha estava cheia, por todas as partes podia se ouvir vozes e conversas outoras animadas e espontâneas entre eles.


Desde que as duplas assumiram relacionamentos entre seus parceiros, a organização tornou-se um lugar mais habitável e social de se morar.


Bem diferente de antes, quando quase nenhum deles mantinham conversas, ou algum tipo de aproximação. Sendo frios, neutros e quietos. Um lugar que era visto como ruim e sombrio.


Pain, o líder da Akatsuki olhava para cada um dos seus subordinados presentes ali na mesa de jantar, vendo-os alegres e mais comunicativos uns com os outros. Isso de fato, o havia deixado muito feliz e bastante satisfeito, e podia ter certeza que essas relações amorosas não iriam atrapalhar os seus planos e objetivos.


O alaranjado viu Konan abrir um sorriso meigo, assim que olhou para ele com seus lindos e charmosos olhos âmbares, servindo uma tigela de macarronada de frango na mesa, para todos comerem.


A mulher era seu braço direito ali dentro, e também sua querida namorada! Amava Konan, amava a moça desde o tempo que a mesma era apaixonada por seu melhor amigo, Yahiko de Amegakure.


— Hey, Kon-chan! — Deidara chama a atenção da moça de cabelos azuis, acenando levemente em sua direção.


Konan se vira para o loiro, sorrindo docilmente para o mais novo, enquanto passava a mão pelas longas e belas madeixas loiras do melhor amigo, que caiam como cascatas pelas costas do loiro.


— Sim, Deidei-chan? — Presta atenção no loiro, curiosa para saber o que ele queria dizer pra ela.


Deidara sorri meigo, ajeitando-se no assento da cadeira e olhando com suas duas safiras azuis celestes para a melhor amiga.


— Daqui a uma semana será o festival da colheita, e eu queria muito ir com o Sasori no danna, un. — Deidara fala baixinho, brincando com os dedos das mãos enquanto olha para baixo meio sem jeito, atraindo a atenção de todos os outros que estavam ali na mesa.


— Ora, Dei-cha! Eu não vejo nenhum problema nisso. — A mulher sorri gentilmente, apertando as bochechas rosadas do mais novo, fazendo-o corar subitamente. — Não é, Pain? — Lança um olhar significativo para o homem de piercings, que a olha com uma das sobrancelhas alaranjadas erguidas.


— É? — Pain questiona, por fora do assunto, encarando a namorada seriamente.


— É sim, inclusive, até nós vamos.


Konan sorri em animação, mandando beijinhos pra Pain e dando uma piscadela para o mesmo, arrancando sorrisos dos outros membros da organização. Enquanto Kakuzu e Sasori praguejavam baixinhos, fechando a cara ao mesmo tempo.


— Isso aí, quenga do líder! — O albino ri sarcástico, abocanhando seu sanduíche, enquanto se vira para o loiro, ignorando o olhar gélido que Konan lhe dera. — E essa cadela loira nem ia contar para a gente, né? Belo amigo que você é. — Hidan emburra a cara, fingindo-se de magoado e mostrando o dedo do meio para Deidara.


O loiro estende a língua para o albino, formando um biquinho fofo nos lábios avermelhados e delicadamente finos. Logo sendo puxado para o colo de seu Danna, aninhando-se manhosamente no peito do titereiro de marionetes.


— Nhaaa, tá vendo, Danna? Bate nele, bate, un. — Deidara faz beicinho, abraçando o namorado ruivo com manha.


O ruivo revira os olhos, apertando a cintura afeminada do loiro, vendo os dois mais novos da Akatsuki se fuzilarem mortalmente, murmurando ameaças um pro outro.


— Quietinho, Dei. — Sasori sussurra, afagando os fios loirinhos do artista mais novo.


— Mas foi ele quem começou, Sasori no danna, un. — O loiro faz birra, formando outro bico nos lábios.


— Ah, vai se foder loira. — O albino xinga, sendo beliscado por Kakuzu, logo em seguida. — Ai, seu merda!!!


— Calado, Hidan. — O mais velho o repreende, olhando feio para o religioso, que encolhe os ombros resmungando baixinho. — Nada de gastar dinheiro.


— Velho de merda, humpf.


Kakuzu franze a testa, olhando-o.


— O que disse, Hidan?


— Nada, ué! — O albino dá um sorrisão amarelo, voltando a abocanhar o sanduíche em suas mãos.


Itachi que assistia a tudo em silêncio, balança a cabeça pros dois lados, negando para si mesmo a infantilidade dos dois nukenins, sentindo os dedos longos de Kisame deslizarem em uma deliciosa carícia em suas costas magra.


— Quer queijo, Ita-kun? — O Hoshigaki oferece, pegando a vasilha próxima do namorado.


— Não, eu quero mesmo é uns dangos. — O Uchiha sorri ladino, pegando os doces que Tobi estava tentando roubar.


— Tobi quer dango também, Itachi-san. — O ninja mascarado exclama infantilmente, com a voz chorosa.


Itachi revira os olhos ônix nas órbitas, segurando os doces próximo ao seu peito, numa tentativa de não dar nenhum para o homem mais infantil da Akatsuki.


— Não, são todos meus.


— Ah, para de ser guloso, Ita-kun, un. — Deidara ri, brincando com os fios ruivos do namorado marionete.


— Você sabe mais do que ninguém loirinha, que o fodido do Uchiha não divide essa merda de doce com ninguém.


— Nisso eu concordo com o Hidan, hehe! — Zetsu branco sorri, soltando um riso de nervoso, diante da carranca de Itachi para eles. 


— Hm. — Itachi resmunga, ignorando os comentários ao seu respeito.


— Bom, Itachi, será que dá para você dar pelo menos um desses pro Tobi? — Pain murmura carrancudo, com uma veia saltando de irritação em sua testa, ao ver o mascarado choramingando agarrado ao seu braço direito.



Itachi assente, segurando a risada juntamente com todos os outros, enquanto dá um dango para Tobi, que rapidamente o pega soltando um grito alto de animação.


— Heeeeee, obrigado Itachi-san!!! — Tobi pula em animação, empurrando o doce de uma só vez dentro da boca. — Tobi é um bom garoto. — Sorri infantilmente, agarrando Zetsu pela cintura.


— Me larga, peste. — Zetsu negro, resmunga, sendo repreendido pela parte branca. — Deixa ele, Zetsu. — Humpf!


Deidara boceja baixinho, aconchegando-se mais no colo do ruivo. Que olha para baixo mexendo nas longas madeixas loiras, percebendo que o mais novo estava de fato, cansado.


— Vamos subir? — O ruivo proponhe, olhando para o mais novo.


Deidara concorda com um aceno de cabeça, se colocando de pé e pegando a mão de seu Danna para subirem pro quarto.


— Vamos, un. — O loiro diz baixinho, olhando para os outros companheiros na mesa. — Boa noite para vocês e até amanhã. — Deidara acena, meigo.


— Boa noite! — Todos respodem juntamente em uníssono, assistindo o loiro subir com o artista de marionetes para o quarto deles, enquanto voltavam a conversarem animadamente sobre os treinos e o possível festival da colheita.




Continua...?!


Notas Finais


Foi isso aí, meus amores! Espero que vocês tenham gostado, me perdoe se houver algum erro de escrita ou ortográfico, eu ainda não revisei, mas logo estarei fazendo isso. Obrigada a todos que leram, e até o próximo capítulo, bjs! ❤😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...